<
>

Chelsea empata com United com gol no último minuto e confusão com Mourinho

Pela primeira vez desde que deixou o Chelsea, José Mourinho voltou a Stamford Bridge e viu seu time marcar um gol.

Mais do que isso: em meio a uma crise que só crescia no início dessa temporada, o Special One, por alguns instantes, batia seu ex-clube, o líder da Premier League, de virada, com dois gols de Martial.

Mas o Chelsea não se entregou. Aos 50 do segundo tempo, aos trancos e barrancos, os Azuis conseguiram o empate, com Barkley.

Na comemoração, Marco Ianni, membro da comissão técnica do Chelsea passou em frente ao banco do Manchester United e provocou Mourinho, que levantou-se e correu na direção do provocador, sendo logo contido.

Com o resultado, o United chega a 12 pontos e fica no meio da tabela. O ainda invicto Chelsea vai a 21 pontos e vê sua liderança bem ameaçada nessa rodada.

O JOGO

O Chelsea teve mais posse de bola na primeira etapa, mas também não foi nenhum primor no que diz respeito à criação de chances de gol.

Willian e Hazard foram as melhores figuras dos azuis na etapa inicial. Foi dos pés do primeiro que saiu o cruzamento, em cobrança de escanteio, para o gol do Chelsea.

Rudiger, posicionado na entrada da área antes da cobrança, entrou como uma flecha na direção da bola e enganou Paul Pogba. A cabeça, forte, não deu chances a De Gea, aos 20: 1 a 0.

O United mostrou garra, mas pouquíssima inspiração. A única conclusão do time de Mourinho foi uma cabeçada para fora de Lukaku.

Na volta do intervalo, o Chelsea parecia ter retornado com um pouco mais de objetividade. Com um minuto, Jorginho enfiou com precisão para Morata, que girou e bateu no canto, para defesa de De Gea.

Às 3, foi a vez de Hazard bater forte pela esquerda. Aos 7, até David Luiz, em uma chegada surpresa ao ataque, levou susto aos Diabos.

Só que, aos 9, o United, ao conseguir seu primeiro chute na direção do gol, com Mata, logo conseguiu também o gol de empate. No rebote, a bola foi parar na direita do ataque, Young bateu, a bola ricocheteou em Rashford e Jorginho, até cair no pé de Martial.

O francês, com muita categoria, dominou na coxa e bateu com força, sem se preocupar com Alonso caído na área, que alegava ter se machucado em um choque com Lukaku.

O gol acelerou o jogo. Até então tranquilos, os comandados de Maurizio Sarri aumentaram o ritmo, para e equiparar ao ímpeto com que o Manchester começou a imprimir à partida.

Mais consciente, o United virou o jogo aos 27. pela direita, Young, do campo defensivo, lançou Mata nas costas de Alonso. David Luiz saiu na cobertura e tomou o drible em velocidade.

De Mata para Rashford, de Rashford para Martial, e dele para o fundo da rede de Kepa, quem nem se mexeu.

O Chelsea ficou atônito com o gol. E o United começou a querer fazer o tempo passar mais rápido. Rashford, por exemplo, chegou a sair de campo lesionado e voltar ao gramado, aos 29, só para ser substituído por Sanchez.

Com a vantagem, Mourinho, especialista em jogo defensivo, estacionou seu velho "ônibus" em frente à área e passou os minutos finais defendendo a valiosa vantagem na partida.

Mas o Chelsea insistiu. Aos 50, num abafa, David Luiz cabeceou na trave, Rudiger tentou, De gea defendeu e, no rebote, Barkley garantiu a manutenção da invencibilidade do ainda líder do campeonato.