<
>

Paquetá e Vinícius Jr. dão ao Flamengo R$ 57 milhões a mais que a TV e 'pagam' 20 meses de salário

A torcida do Flamengo pode não ter ficado muito feliz. Mas a realidade é que o clube, pelo menos em termos financeiros, tem motivos para comemorar com a venda de Lucas Paquetá para o Milan. Com a negociação girando em torno de R$ 150 milhões, sendo pouco mais de R$ 100 milhões para os cofres do rubro- negro, os lucros com a venda do meia, junto com a do atacante Vinícius Jr. para o Real Madrid, fazem a equipe bater recordes.

Juntando as duas negociações, de 35 milhões de euros no caso de Paquetá e 45 milhões de euros (R$ 163,8 milhões) em Vinícius, o Flamengo lucrou, com os dois jogadores revelados nas categorias de base, R$ 256,3 milhões, um valor superior, por exemplo, ao que o clube fatura dos direitos televisivos.

Em 2017, a equipe recebeu R$ 199 milhões da TV Globo, mais do que qualquer outro clube brasileiro. E apesar da quantia ser bastante alta, é significativamente menor do que as vendas dos dois atletas, com mais de R$ 50 milhões de diferença.

Já se considerarmos a folha salarial do clube, o demonstrativo financeiro do segundo trimestre mostra que o Flamengo gastou, até julho, R$ 76,6 milhões em salários do futebol, ou seja, R$ 12,7 milhões por mês. Como as vendas geraram pouco mais de R$ 256 milhões ao clube, dá para pagar os salários de todo o elenco e mais da comissão técnica por 20 meses, ou um ano e oito meses e ainda sobrar cerca de R$ 2 milhões.

Com a negociação envolvendo Paquetá, o rubro-negro chega a seis vendas importantes no ano. Além de Vinícius Jr., saíram Felipe Vizeu, vendido em janeiro para a Udinese por R$ 19 milhões e que rendeu cerca de R$ 11,4 milhões, já que o clube era dono de 60% dos direitos do jogador, Jonas, negociado por R$ 9 milhões com o Al-Ittihad, da Arábia Saudita e Everton, que foi para o São Paulo por R$ 15 milhões, dos quais o Fla ficou com 50% (R$ 7,5 milhões).