<
>

Incomodado, Gabriel aposta em Corinthians com força máxima

Gazeta Press

O Corinthians dará sequência a sua trinca de jogos em casa contra Internacional e Flamengo. O primeiro rival, agendado para domingo, disputa a liderança no Campeonato Brasileiro, enquanto os cariocas, na quarta-feira, lutam com o Alvinegro de Itaquera por uma vaga na grande final da Copa do Brasil. Os confrontos são grandes, decisivos e diante da Fiel. O sonho de título no mata-mata e uma retomada para ter tranquilidade nos pontos corridos movem o clube paulista.

Diante desse cenário, a expectativa interna no Corinthians é de que Jair Ventura mande força máxima nos dois próximos desafios, algo incomum até aqui não só na equipe do Parque São Jorge. Às vésperas das decisões nas Copas, os times brasileiros têm optado por poupar seus principais atletas no Brasileirão. A semana livre e a necessidade pelos resultados positivos devem mudar essa rotina.

“Acho bem possível, porque temos essa semana para treinar e descansar. Importante para aguentar as duas partidas de uma maneira intensa. Serão dois jogos intensos, O Inter, que está fazendo um grande Brasileiro, e o Flamengo numa decisão (pela Copa do Brasil). Estamos preparados, sim, para não poupar ninguém, entrar com força máxima dos dois jogos, e são esses jogos que elevam o nível da equipe, traz confiança”, explicou Gabriel, principal cotado para suprir a ausência de Ralf, suspenso, frente ao Colorado.

“A gente não pode usar nenhum jogo como teste. Cada jogo é uma decisão. Aqui no Corinthians não existe isso. Não tem como usar um jogo como parâmetro, como teste. Sabemos que vamos ser cobrados como se fosse uma decisão. Vai ser um jogo disputado, bem jogado, nossa Arena tem um campo que é propicio para ter um jogo de toque rápido. Temos de pensar no Inter agora. Acredito que o Jair vai usar o que terá de melhor e depois pensar no Flamengo”, avisou o volante.

Para dar peso a sua opinião, Gabriel externou toda sua inquietação com a situação do Corinthians no Campeonato Brasileiro. O time é atualmente oitavo colocado, com 33 pontos, nove a menos que o Atlético-MG, primeiro membro do G6, e seis a mais que o Ceará, que abre a zona de rebaixamento.

“O Corinthians não está na posição que merece estar. Está na posição que merece na Copa do Brasil, com chances reais de ir para uma decisão, mas no Brasileiro, não. O clube que mais venceu títulos nos últimos 10 anos, a posição no Brasileiro incomoda, sim. Não é posição do Corinthians e dos jogadores que estão vestindo essa camisa. Ano passado também era time para não cair e fizemos o que fizemos”, lembrou, em alusão aos títulos Paulista e Brasileiro de 2017.