<
>

City e United ficam fora juntos dos 10 mais gastões do mercado da bola depois de 12 anos

Acredite se quiser: Manchester United e Manchester City não estão entre os 10 clubes que mais gastaram dinheiro para a disputa da temporada 2018/2019. E esse fato é tão raro que a última vez que aconteceu faz mais de uma década: 12 anos, para ser exato.

A temporada era a de 2006/2007, quando o Real Madrid liderou a lista de maiores gastões da bola, com 103 milhões de euros em despesas. Na época, as principais contratações do clube espanhol foram: Mahamadou Diarra, Fernando Gago, Émerson, Ruud van Nistelrooy, Gonzalo Higuaín, Fabio Cannavaro e... Marcelo, que segue no clube.

O Manchester United apareceria apenas na 16ª posição do ranking, atrás de clubes como West Ham (3º), Zenit (10º), Hamburgo (13º), Fiorentina (15º) e outros de menor expressão. O time inglês havia contratado apenas um jogador naquela temporada: Michael Carrick, que ficou nos Reds Devils até o final de maio deste ano, quando se aposentou.

O United entrou em campo na 1ª rodada da Premier League daquele ano com a seguinte formação: Edwin van der Sar; Gary Neville (Mikaël Silvestre); Rio Ferdinand, Wes Brown e Patrice Evra; John O´Shea, Paul Scholes e Ryan Giggs (Park Ji-Sung); Cristiano Ronaldo, Wayne Rooney e Louis Saha (Ole Gunnar Solskjær). Na ocaisão, vitória por 5 a 1 sobre o Fulham.

O Manchester City de 2006/2007 era muito diferente do atual. Com (muito) menos dinheiro em caixa, o "primo pobre" da cidade ficou apenas na 84ª colocação da lista geral. Com 7,50 milhões de euros, os Citizens contrataram Bernardo Corradi, Andreas Isaksson, Joe Hart (ele mesmo!) e Dietmar Hamann.

Comandado por Stuart Pearce, o City estreou no Inglês daquela temporada no dia 20 de agosto de 2006. E logo contra o Chelsea. No Stamford Bridge, vitória tranquila dos Blues por 3 a 0. Os Citizens foram a campo com: Nicky Weaver; Micah Richards, Ben Thatcher, Sylvain Distin e Richard Dunne; Ousmane Dabo (Darius Vassell), Claudio Reyna (Stephen Ireland), Joey Barton e Trevor Sinclair; Georgios Samaras (Paul Dickov) e Bernardo Corradi.

Hoje, se comparado com a temporada citada acima, é possível até dizer que os valores das negociações beiram a insanidade. 12 anos depois, o futebol mudou muito, e o dinheiro gasto com ele, também. No ranking atual, a Juventus é a líder, com 256,90 milhões de euros em despesas - lembrando que em 2006/2007 o Real desembolsou 103 milhões de euros, quase 153 milhões a menos que o clube italiano.

As principais contratações (em milhões de euros) da Vecchia Signora para a disputa desta temporada foram: Cristiano Ronaldo (117,00), João Cancelo (40,40), Douglas Costa (40,00), Leonardo Bonucci (35,00), Mattia Perin (12,00), Andrea Favilli (7,50) e Giangiacomo Magnani (5,00).

O Manchester United é exibido na lista na 14º colocação, com 82,70 milhões de euros gastos em negociações. Fred chegou por 59,00 milhões, Diogo Dalot por 22,00 milhões e Lee Grant por 1,70 milhão.

Já o City, muito mais rico que o de 12 anos trás, aparece na 21ª posição. A equipe de Guardiola, atual campeã da Premier League, comprou Riyad Mahrez por 67,80 milhões, Philippe Sandler por 2,50 milhões e Daniel Arzani por 890 mil.

Fonte: Transfermarkt.

A Premier League voltou

ESPN Brasil e WatchESPN transmitem o duelo entre Manchester United e Leicester nesta sexta-feira, a partir de 15h50 (de Brasília). Já o City entra em campo logo de cara contra o Arsenal, às 11h50 (de Brasília), também na ESPN Brasil e no WatchESPN. Não perca!