<
>

Corinthians contrata atacante que coleciona polêmicas e já foi acusado até de ameaçar matar ex-namorada

O Corinthians tem um novo reforço. E também pode ter dores de cabeça por isso. O clube acertou com o Sport o empréstimo do atacante Juninho, de apenas 19 anos e com um currículo para lá de extenso em polêmicas.

O atleta, de acordo com os pernambucanos, assinou contrato até dezembro de 2019 com o clube paulista, que tem a opção de compra do jogador ao final do vínculo. Em princípio, ele deve atuar pelas categorias de base alvinegras.

Juninho sempre foi uma das promessas das categorias de base do Sport e chegou a ser vice-campeão da Copa do Brasil sub-17 em 2016, passando também pelas seleções de base. Já foi chamado e fez a sua estreia no time profissional ainda naquele ano. Em 2017, chegou a marcar dois gols em um clássico contra o Náutico e se tornou também um xodó da torcida.

O problema é que as boas atuações sempre foram acompanhadas de polêmicas. Ainda nas categorias de base, chegou a ser acusado de destratar funcionárias do Sport. Nos profissionais, se negou a entrar em campo nos minutos finais de uma partida sob o comando de Vanderlei Luxemburgo. E depois acabou afastado por Nelsinho Baptista por se negar a viajar com o elenco ao ser relacionado de última hora.

“Ele tem qualidades técnicas, mas não tem cabeça. A instituição é maior do que todos nós, se ele não respeita as pessoas, os profissionais que trabalham aqui, ele tem que respeitar a instituição”, decretou Nelsinho.

Assim, acabou emprestado ao Ceará. Chegou cheio de confiança ao dizer que “na minha posição sou foda e pronto”. Mas pouco jogou, sempre enfrentando problemas para manter a forma física.

A grande polêmica da carreira, porém, veio fora das quatro linhas. Em novembro do ano passado, foi indiciado por agressão, injúria e até ameaça de morte contra namorada.

“Quando chegamos no apartamento, assim que descemos, eu disse que não dormiria com ele. Que apenas conversaria e iria embora. Foi quando ele me deu o primeiro tapa no rosto e as câmeras do prédio filmaram. Quando subimos, ele me trancou dentro do quarto e foi quando começou tudo. Que eu era obrigada a ficar com ele, porque, se eu saísse de lá, eu iria acabar com a carreira dele, porque todo mundo no clube já sabia que ele tinha me agredido. Quando falei que iria embora, ele levantou procurando uma faca, porque disse que teria que me matar, porque quando eu fosse embora, saberia que eu chamaria a polícia pelas agressões que ele fez. Deu murros no meu rosto, puxou o meu cabelo... E disse que teria que me matar para poder proteger a carreira dele”, relatou a vítima.