<
>

São Paulo já tem datas para começar as obras de modernização no Morumbi; veja cronograma

play
Nenê comemora aniversário de 37 anos em grande estilo (1:00)

O camisa 10 do São Paulo contou com presença do elenco tricolor na celebração da última segunda (1:00)

O São Paulo já decidiu quando começará as obras de melhoria e modernização do Morumbi, que compreendem a modernização dos vestiários e do túnel de acesso ao campo, novos refletores e a instalação de telões.

As obras iniciam no próximo mês pelos vestiários, mesmo com o Campeonato Brasileiro em curso. O cronograma foi dividido em duas etapas. A primeira compreenderá a ampliação do tamanho do fosso e dos túneis de mandante e visitante que dão acesso ao campo. A segunda será a reforma interna dos vestiários.

O clube do Morumbi não gastará recursos próprios. As obras serão conduzidas pela Brahma por meio de um repasse de patrocínio da Ambev via Fundo Brahmeiro. Devem ser concluídas até o final do torneio nacional.

Assim que o Campeonato Brasileiro chegar ao fim, estão previstos o início da reforma nos refletores e o trabalho para a instalação de dois telões. O plano é que tudo seja finalizado até fevereiro, a tempo do Campeonato Paulista.

O São Paulo deve ter a Samsung pelo menos na obra do telão. O contrato com a empresa sul-coreana já está nas mãos da diretoria tricolor e deve ser assinado nos próximos dias. O assunto é tratado com sigilo total.

Houve até uma mudança em relação ao plano inicial. A ideia era começar em setembro. Mas ficou para em dezembro para não atrapalhar o acesso do público aos jogos, com alguns setores do estádio interditados.

A reforma nos refletores deve ser rápida. A previsão é que dure um mês e meio de trabalho. A mudança aumentará de 288 refletores de 1.500 watts cada um para 400 de 1.000 watts cada um contra.

Já para o telão o tempo de trabalho pode variar. A expectativa é iniciar em dezembro e terminar em fevereiro. A Samsung é vista como a parceira ideal porque mostrou-se capaz de produzir a tecnologia de uso no próprio Brasil sem necessidade de importar material (algo que aumentaria os gastos por causa da alta do dólar).

O São Paulo diz que não terá gastos com as obras. Todas serão bancadas pela parceira sul-coreana.