<
>

Elton, do Ceará, lembra quando jogou com Lewandowski na Polônia

play
Na Lata! Qual jogador mais perdeu status na Copa do Mundo? (0:52)

Comentaristas do Linha de Passe foram quase unânimes na escolha (0:52)

Robert Lewandowski é um dos grandes atacantes do futebol mundial. O polonês, maior artilheiro da história de sua seleção e com média de quase um gol por jogo no Bayern de Munique , porém, nem sempre foi essa unanimidade. Isso porque em seus primeiros anos de carreira, ele pouco tinha espaço no Légia Varsóvia. O motivo? O titular da posição era Elton, atacante com passagens por inúmeros clubes e que atualmente defende o Ceará .

"Enquanto eu estive lá, ele não jogou no time principal. Quando treinamos juntos, era cada um em um time. Ele estava subindo das categoria de base. Eu ganhei a posição e poucas vezes treinamos no mesmo time. Era um situação bem curiosa mesmo. Hoje vemos o fenômeno que ele se tornou, um centroavante referência. O estilo de jogo mudou muito, fico muito feliz com a evolução dele", comentou o jogador, que passou pelo futebol polonês em 2006, ano em que Lewandowski se profissionalizou.

"Fiquei por lá de 6 a 7 meses. Foi o primeiro país que eu joguei fora do Brasil. Como sou baiano, sofri para caramba com o frio, foi uma experiência difícil no começo, mas tentei me adaptar o mais rapidamente possível. Como não falava o idioma, a parte da comunicação era bem difícil. Os brasileiros que estavam por lá me ajudaram muito", disse Elton, que antes de sua aventura na Europa tinha defendido o Iraty, São Caetano e Santo André.

Na época com 21 anos, o atacante conviveu pouco com Lewandowski, de apenas 17 na época e que, por falta de oportunidades, acabou dispensado do Légia, indo atuar nos desconhecidos Znicz Pruszków e Lech Poznań. Porém, para ele, é bem nítido que o polonês mudou de postura tanto dentro como fora de campo para se tornar um dos grandes goleadores do mundo.

"Eu era muito novo e ele também. Era um cara bem tranquilo, quieto e na dele. Não era tanto de conversar. Acredito que hoje ele perdeu um pouco dessa timidez e está mais solto. Ele saia muito da área, não era aquele centroavante que é hoje de ficar perto do gol. Ele gostava muito de sair, era bem móvel, não era um homem de área parado. Gostava de buscar o jogo", contou.

Para Elton, bastante experiente e com passagens por 16 clubes na carreira, com destaque para Vasco e Corinthians, onde foi campeão da Libertadores, o tempo foi fundamental para que Lewandowski se transformasse em uma verdadeira "máquina de gols", principalmente atuando por Borussia Dortmund e, nos últimos quatro anos, pelo Bayern.

"Dava para ver que era diferenciado, tinha muita capacidade, mas ele evoluiu muito, virou um centroavante de muita qualidade técnica e poder de finalização extraordinário. Você vê ele na cara do goleiro e dificilmente ele erra um gol nos dias atuais. Da forma como ele jogava antes não ficava tão perto do gol. É hoje um jogador de altíssima qualidade", finalizou.