<
>

VAR ajuda, e Copa na Rússia quebra recordes de pênaltis e gols de bola parada

Foi definitivamente uma Copa do Mundo diferente. A tecnologia entrou em campo pela primeira vez para ajudar a arbitragem, e o resultado pareceu imediato: poucos cartões vermelhos e muitos, mas muitos, gols de pênaltis e bolas paradas.

A Rússia viu recordes serem quebrados. Foram nada menos que 29 pênaltis marcados – nove deles após após revisão do VAR – e 22 gols serem convertidos na cobrança. Os recordes anteriores eram da Copa de 1998, mas com números bem menores: 18 pênaltis marcados (mesma marca de 1990 e 2002) e 17 convetidos.

Isso também ajudou que o número de gols de bola parada disparasse. Dos 169 marcados na Copa, 72 vieram de cobranças de falta, pênaltis ou escanteio, sendo 50 deles em cruzamentos na área. Os recordes anteriores mais uma vez eram de 1998: 56 gols de bola parada, sendo 44 em cruzamentos.

A própria Fifa vê uma relação direta disso com o VAR.

"A presença do VAR tem muito a ver com o aumento dos gols de bola parada. O VAR não só é um instrumento para minimizar erros, ele acaba fazendo com que os jogadores diminuam os empurrões dentro da área. Desta forma, eles acabam tendo mais espaço para se movimentar", explicou o escocês Andy Roxburgh, membro de um grupo de estudos técnicos da Fifa sobre o assunto.

O recurso do vídeo também diminuiu o número de expulsões: firam apenas quatro cartões vermelhos, o menor número desde 1978. O VAR participou duas vezes em casos assim. Anulou uma expulsão e acabou gerando outra.

"Agora, você sabe que se der uma cotovelada no rosto de alguém, vão ver isso. Uma das câmeras vai ver e você vai ser expulso. É difícil agora pensar em uma Copa do Mundo sem o VAR. Certamente a competição foi muito mais justa graças ao sistema. Era isso que a gente queria e foi isso que alcançamos", decretou Gianni Infantino, presidente da Fifa.

Equilíbrio

A Copa do Mundo também foi marcada pelo equilíbrio. No total, foram só sete viradas, sendo que uma delas precisou da prorrogação para se concretizar. Foram nada menos que nove gols de vitórias marcados já depois dos 45 minutos do segundo tempo – 10 se contarmos o da Croácia contra a Inglaterra no tempo extra. Outro recorde.

E só um jogo terminou empatado em 0 a 0 – o polêmico Dinamarca x França em que nenhuma das seleções precisava da vitória. Um recorde positivo de menos igualdades sem gols desde 1954.

No total foram 169 gols marcados (a terceira melhor marca absoluta, com apenas dois gols a menos que as Copas de 2014 e 1998). Destes, 44 foram marcados no mata-mara, igualando os recordes que eram de 1954 e 1994.

Outra curiosidade é quanto ao enorme número de gols contra. Com direito a um até na decisão, foram 12 no torneio. A Copa de 98 era a recordista com metade disso: 6.