<
>

MP vê erros em eleição do Corinthians; torcida prepara protesto

Gazeta Press

Um parecer de uma empresa designada para auditar a eleição do Corinthians viu erros e indicou uma possível fraude no pleito realizado em fevereiro deste ano. De acordo com as investigações lideradas pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP), há erros da contagem dos votos até à autenticação de quem realmente compareceu às urnas no Parque São Jorge.

“Lamentavelmente, além da infração penal constatada (autoria e materialidade), ficou demonstrada a absoluta violação da confiabilidade e seriedade do pleito, o desvirtuamento do processo eleitoral de um dos maiores clubes do Brasil, vez que o presidente e chapas não foram eleitos dentro de um processo democrático íntegro, seguro, confiável e rígido”, diz um trecho do processo.

A perícia feita pela empresa Dynamics Perícias, de São Paulo, foi incluída na investigação a pedido dos advogados de Paulo Garcia, segundo colocado no pleito que elegeu Andrés Sanchez como presidente do clube. O laudo afirma, entre outras coisas, que houve uma diferença de 25 votos entre os que foram apurados após a eleição (3.642) e o número de sócios que assinaram a lista de presença (3.617).

Advogado responsável por mover a ação, Eduardo Silveira Rodrigues vai conceder entrevista nesta sexta-feira para explicar detalhes. O promotor encarregado da ação é Paulo Castilho.

Torcida prepara protesto

Alguns torcedores do clube preparam um protesto para a manhã do sábado, dia 20, no Parque São Jorge. A informação circulou entre sócios alvinegros na noite desta quinta, mas a manifestação não será feita pelas torcidas organizadas. A Gaviões da Fiel, por sinal, publicou uma nota de esclarecimento para explicar o motivo de não endossar o protesto.

“Em junho, nos reunimos com o presidente Andrés Sanches para tratar sobre todas as pautas discutidas dentro dos Gaviões (estádio, valor do ingresso, patrocínio, categorias de base, elenco, etc.). Alguns pontos foram esclarecidos e os demais estão sendo acompanhados por nós”, diz um trecho da nota.