<
>

Com fim da aventura chinesa, Milan deve investir R$ 680 milhões e quer ídolo para tocar seu futebol

Após uma temporada distante de brilhar, o Milan tenta se reerguer. A mudança principal será no comando. O proprietário chinês Li Yonghong passará o controle do clube para o fundo norte-americano Elliott, que tem como homem forte o empresário Paul Singer, 73, e a promessa de investir 150 milhões de euros logo de cara (R$ 680 milhões).

A informação é do jornal italiano "La Gazzetta dello Sport" desta terça-feira.

De acordo com a publicação, Singer já indicou as diretrizes do trabalho no clube. Além do alto investimento, o empresário anunciou que quer Paolo Maldini, o ex-zagueiro e ídolo do Milan, gerindo o futebol.

Mas a mudança, que na prática já está mexendo com o Milan, não está valendo oficialmente.

Em até no máximo dez dias acontecerá a assembleia para os sócios aprovarem a modificação. Independentemente da reunião, já está definida a troca dos executivos Chen Huashan e Henry Isabelle dos Rosseneri Sport (sociedade formada por Li) por Viktor Schuh, Aldo Savi e Gloria Centineo Cavarretta Mazzoleni, nomeados pela Elliott.

Li Yonghong está envolvido com o Milan desde agosto de 2016, embora a sociedade que montou só tenha passado a gerir o clube oficialmente a partir de março de 2017.

Desde o início, ele investiu muito dinheiro com a promessa de fazer o clube voltar a brigar por títulos. Ganhou uma Supercopa da Itália, foi duas vezes sexto colocado no Italiano, vice-campeão da Copa da Itália e caiu nas oitavas da última Liga Europa, ao ser eliminado pelo Arsenal, da Inglaterra, com duas derrotas.

A principal "derrota" da era Li foi a sentença dada pela Uefa em junho, proibindo o clube italiano de participar de qualquer competição da entidade nas próximas duas temporadas por conta de violação do fair play financeiro.

A decisão tirou o Milan da atual edição da Liga Europa. A pena foi aplicada porque o clube extrapolou os gastos durante as temporadas de 2014 e 2017, passando de 200 milhões de euros investidos (cerca de R$ 908 milhões).