<
>

Neymar, de Rei Midas a Meme de Ouro

(O conteúdo original, em espanhol, pode ser acessado aqui.)

No fim, ele só mereceu o Meme de Ouro. Ele, Neymar, que viu Messi e Cristiano Ronaldo serem derrubados, aquele que ficou com a Copa do Mundo a seus pés .

Já antes do primeiro sopro do apito na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, Neymar parecia o inevitável Rei Midas ao redor do Kremlin, abrindo suas portas e estendendo sua longa e fofa língua vermelha de boas-vindas.

Bola de Ouro, Chuteira de Ouro, Jogador de Ouro, Artilheiro de Ouro, Mister Simpatia de Ouro, Esqueleto de Ouro, o Rei Midas. Mas, de marola a marola, como um urso panda em cativeiro, Neymar deixou escapar a galeria dourada da consagração e da imortalidade.

Acompanhado por uma grande equipe que o idolatrava, por um trabalho metódico e versátil do técnico Tite, Neymar acabou esfumaçando todas as suas virtudes, todo aquele frenesi de um driblador artilheiro, enquanto despedaçava desnecessariamente nos gramados da Rússia, como uma lesma de jardim temperada com sal.

E foi uma pena. Por que estava inevitavelmente destinado aos altares célebres e divinos das Copas do Mundo, os mesmos nos quais nem Messi nem Cristiano podem aparecer. E ele ficou lá, no celeiro superpovoado das promessas chamuscadas.

A conta-gotas, Neymar mostrou um recital de tudo que pode quando quer, embora às vezes ele queira tão pouco. Contra o México, ele deslocou a coluna até ficar emparelhado com o esterno, em três jogadas diabólicas, duas delas resultando em gols.

Assim, era sabido que esta deveria ser a Copa do Mundo de sua consagração, de aproximar-se dos nichos de seus conterrâneos, Pelé e Garrincha, até que ele decidiu se jogar ao invés de jogar futebol.

Enquanto ele provavelmente está descansando em uma praia, com uma dose generosa de caipirinha, e aguardando o resultado de sua novela romântica com o Real Madrid, os memes continuam a escancarar seus saltos melancólicos, simulando que está machucado, aparecendo até as cáries dos dentes do siso.

Sim, um jogador de futebol tão bom, mas mísero como ator. Suas dores fingidas são, foram e serão tão lamentáveis como usar chapéu-coco, bengala, bigode hitleriano e andar como um pinguim, na intenção de competir com as cenas do cinema mudo de Charles Chaplin.

Por que Neymar finge que chora, e o universo chora de rir com as caretas gigantescas de seus gestos.

Neste desdém apaixonado, dedicando-se a se jogar ao invés vez de jogar, Neymar aprendeu, tarde demais, que ele tinha desperdiçado uma grande oportunidade para se instalar no mundo dos museus, com a sexta Copa do Mundo para o Brasil.

E não foi apenas um ato de desprezo à sua carreira, ao seu futebol, aos seus companheiros de equipe, mas também ao seu país, que gira emocionalmente a cada quatro anos em torno do futebol, especialmente por que ainda existem sete feridas abertas Alemanha, em sua própria casa, em 2014.

E, como Messi e Cristiano Ronaldo, que foram parte do arquivo criativo de memes, Neymar teve que sucumbir ao deboche e ao sarcasmo.

É necessário esclarecer: a flagelação abundante de Neymar, após ser eliminado da Copa do Mundo pela Bélgica, virou diversão, especialmente para os fãs mexicanos, tentando explicar sua própria queda no Mundial com as fracas habilidades cênicas da versão futebolística do Coiote.

O mexicano, que há quatro anos lambeu suas feridas com uma impressionante coleção de memes em torno de Robben e #NoEraPenal, agora finge colocar bandeiras no touro espanhol que sucumbiu à espada belga.

E com esse sentimento que lhes foi roubado, por Robben e Neymar, os torcedores mexicanos sabem que as dores com pão e memes são bons, e assim eles encontraram a cura para o crua realidade no brasileiro, assim como fez com o holandês há quatro anos.

De qualquer forma, Neymar desperdiçou sua melhor chance de dedicar-se ao reinado da Rússia e do Kremlin, especialmente quando Messi e Cristiano ainda estavam em ação.

Em quatro anos, no Catar, certamente Neymar terá aprendido a lição, e muitos de seus atuais companheirões de seleção brasileira chegarão fortalecidos e, acima de tudo, mais pressionados por seus torcedores, depois de dois lamentáveis campeonatos mundiais.

E com esse despeito pelo fracasso competitivo, Neymar não poderá usar nenhuma de suas redes sociais, sem encontrar a surpreendente e dolorosa realidade: o Rei Midas, desta vez, só chegou a ser o Meme de Ouro.