<
>

Forsberg, herói da Suécia na Copa do Mundo, é oposto de Ibrahimovic, ignorou Liverpool e tem esposa 'corneta'

Principal nome da Suécia, Emil Forsberg finalmente desencantou na Copa do Mundo depois de fazer o gol da vitória por 1 a 0 sobre a Suíça pelas oitavas de final. O sueco de 26 anos, que joga no RB Leipzig-ALE, é o oposto de seu compatriota mais famoso no futebol: o astro Zlatan Ibrahimovic.

Diferentemente do atacante do Los Angeles Galaxy, o meia-atacante é, segundo seu pai, "tímido e humilde", o que faz suas conversas com a imprensa não serem lá, digamos, tão atrativas.

"Por isso não há boas entrevistas com ele. Sem dúvida, ele é o jogador mais chato para se entrevistar, toda vez diz a mesma coisa", afirmou Leif "Foppa" Forsberg um pouco antes da Eurocopa de 2016.

Porém, há outra explicação para o jeito do jogador. "Ele é um cara bem aberto e, por ser sueco e ter um inglês melhor que o alemão, é um cara que sempre fala comigo. Estamos sempre juntos trocando ideia no bobinho, no vestiário. Ele é um cara que não é tímido como parece, não", garantiu o zagueiro-volante brasileiro Bernardo, que também atua no Leipzig, em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br.

Mas, acredite, a principal 'corneta' da família Forsberg não é a do pai, e sim a da esposa, Shanga Hussain, que foi jogadora do FFV Leipzig e com quem se casou dias após o fim da disputa europeia de seleções.

"Shanga é a minha maior crítica. Quando volto de um jogo e ela está muito quieta, já sei que não joguei bem. Mas é bom ter alguém que entende de futebol por perto", disse Forsberg dias antes da Euro.

Grávida do primeiro filho do casal, Shanga Hussain está fora dos gramados no momento.

My wife. My life. My everything ❤ happy Valentines day ❤

A post shared by Emil Forsberg (@eforsberg10) on

Mercenário?

Apesar de jovem, o jogador já foi dado como mercenário duas vezes. A primeira, ao trocar o Malmo, de seu país, pela equipe que ainda disputava a segunda divisão alemã em janeiro de 2015 por um contrato de três anos e meio (até 30 de junho de 2018).

A expectativa na Suécia era a de que ele fosse para um clube de alguma grande liga europeia que ao menos estivesse na elite.

"As pessoas dizem que é um clube sem tradição e que está tentando criar algo usando muito dinheiro, mas se você tem dinheiro, você pode comprar jogadores melhores e ter ótimos técnicos. Se você quer ter sucesso, é assim que funciona no futebol moderno, veja o PSG e não é difícil entender por que eles têm tanto sucesso", defendeu-se à época.

Depois, ao ignorar o interesse do Liverpool em seu futebol no meio de 2016 e renovar seu vínculo com a equipe da empresa austríaca de bebidas por mais três anos (até 30 de junho de 2021) e um salário anual de 3,5 milhões de euros (R$ 12,7 milhões).

"Se as pessoas pensam que sou estúpido e que traí o futebol, bem... elas podem pensar isso então. Estou feliz aqui, amo futebol, jogo regularmente e tenho me tornado um jogador melhor", disse em entrevista ao jornal sueco "Aftonbladet".

A opinião da esposa também foi levada em conta. "Nós conversamos sobre tudo, e o fato de ela estar feliz aqui pesou bastante em nossa decisão de ficar [na Alemanha]", revelou ao periódico alemão "Bild" o jogador que é fã de Ronaldinho Gaúcho.

"Eu sei que ele gosta muito do Ronaldinho Gaúcho. Uma vez, estávamos conversando sobre quem era o melhor jogador que tínhamos visto jogar na vida, falando do Messi, do Cristiano Ronaldo. Daí, eu falei que o Ronaldinho no auge foi o melhor da história, e ele disse: ‘Eu também acho'", disse o colega de time Bernardo.

Filho e neto de peixe...

O atleta nasceu em Sundsvall, município portuário com pouco mais de 51 mil habitantes e que fica na província de Medelpad. Ele tem pai, Leif "Foppa" Forsberg, e um dos avôs, Lennart Forsberg, com pasado no futebol. O primeiro jogou no time homônimo da cidade mais de 400 partidas e anotou 150 gols pela liga sueca durante a década de 1980 e início dos anos 1990; o segundo vestiu as camisas de Sundsvall e Djurgarden nos anos 1950.

Forsberg também começou no Sundsvall, em 2009, com 17 anos. Foi tão bem que jogou os 30 jogos do time na liga local na temporada seguinte; em 2011, fez 11 gols em 27 aparições e foi fundamental no acesso do clube para a primeira divisão sueca, chamada Aallvenskan. Nela, em 2012, atuou em 21 dos 30 compromissos e fez seis gols, não evitou a volta da equipe para a segunda divisão, mas seguiu na elite.

Isto porque, após quase 100 partidas no Sundsvall, fechou por quatro anos com o Malmo, maior campeão nacional de seu país (já são 22 taças), em dezembro daquele mesmo ano. Com a nova camisa, atuou em 28 das 30 partidas, fez seis gols e contribuiu para a conquista do Sueco em 2013 - também disputou a fase pré-grupos da Europa League.

No bi, em 2014, foi ainda mais importante: jogou 29 dos 30 duelos e anotou 14 gols e ganhou o prêmio de melhor meio-campista do ano na Suécia, além de ter ajudado o time a passar das eliminatórias e alcançar a fase de grupos da Champions League - ficou em último lugar na chave A, tendo ganho um confronto (2 a 0 no Olympiacos-GRE, que ficou em terceiro), perdido os outros cinco e visto Atlético de Madri e Juventus irem às oitavas de final.

Baixinho, hóquei e valorizado

Quando foi para a Alemanha, se valorizou. Se para comprar Forsberg, o Malmo pagou 300 mil euros (R$ 1,3 milhão) ao Sundsvall, o RB Leipzig desembolsou 3,7 milhões de euros (13,4 milhões), logo, mais de 1.300%. Hoje, o clube alemão quer 25 milhões de euros (R$ 112 milhões) pelo meia-atacante - todos os valores são do site especializado "Transfermarkt".

Ajudou o time alemão a ficar com o vice-campeonato da Bundesliga 2016/2017 e a disputar a fase de grupos da Uefa Champions League pela primeira vez em sua história. Além disso, foi um dos principais nome da Suécia na Euro 2016 e na conquista da vaga para o Mundial da Rússia, em 2018.

Agora, Fosberg sonha em levar seu país novamente a uma semifinal de Copa, o que não ocorre desde 1994.

Nada mal para quem, bem jovem, lá atrás, se arriscou no hóquei por achar que não daria certo no futebol por ser baixinho - mede 1,79m.

"Eu me impressiono muito com a visão de jogo dele, que é excepcional, mas a capacidade dele de esconder a bola é fora de série. Quando ele faz isso, ninguém consegue desarmá-lo. Ele será um cara que ainda dará o que falar no futebol mundial em um futuro próximo, é um craque!", finalizou Bernado.