<
>

Quem vence a Copa do Mundo? Veja o que grandes bancos mundiais dizem

Taça da Copa do Mundo Getty Images

A Copa do Mundo de 2018 começa nesta quinta-feira. E não é de hoje que todos os fãs de futebol ao redor do planeta fazem um exercício de imaginação sobre quem vai ganhar a taça.

Em matéria publicada pelo New York Times, o jornal usou uma métrica diferente do que o “achismo” dos fãs e fez um estudo dentro dos principais bancos do mundo para ver qual seleção seria a campeã do Mundial e qual o método que a empresa usou para chegar a essa conclusão.

UBS: Alemanha

Um grupo do escritório de investimento do banco suíço pontuou cada seleção baseando-se numa métrica chamada “Elo Rating”. Os analistas carregaram essa métrica num modelo chamado de simulação Monte Carlo, que é explicado dessa forma:

“Nós juntamos um grande número de variáveis e usamos elas para trazer um componente aleatório para os nossos cálculos e simular o campeonato. Um time melhor ainda é o mais provável vencedor diante de um rival de ranking menor, mas isso é esporte. E zebras acontecem. Depois de repetirmos esse processo diversas vezes, chegamos aos resultados de 10 mil torneios virtuais. Aí só contamos quantas vezes cada time ganhou”.

Resultado: Alemanha, Brasil e Espanha são os favoritos – com a Alemanha sendo a que tem maior chance de vitória, com 24%.

Goldman: Brasil

O time da Goldman optou por usar algoritmos de inteligência artificial para conduzir a análise. Aqui vai a explicação:

“Nós alimentamos dados de características do time, jogadores individuais e performances recentes em quatro tipos diferentes de modelos de máquina para analisar o número de gols marcados em cada partida. Os modelos então captam o relacionamento entre essas características e gols marcados, usando os placares da Copa do Mundo e Eurocopa desde 2005. Ao circular por diferentes variáveis, nós temos uma ideia de quais características importam para o sucesso e quais não. Nós então utilizamos o modelo para prever o número de gols marcados em cada partida e usamos um placar para determinar o vencedor”.

O resultado: Por pouco, o Brasil ganha da Alemanha.

PS: O Goldman previu o título do Brasil nas últimas três Copas e errou.

ING: Espanha

O banco holandês usou uma das técnicas mais incomuns descritas aqui, optando por calcular as chances de sucesso usando uma medida baseada no valor de mercado da seleção e a performance anterior (supõe-se que valor e sucesso são relacionados). O valor de um time foi calculado do valor estimado individual de transferência e o ranking dela na Fifa.

Resultado: A Espanha será a campeã do mundo, com um valor total de 1,04 bilhão de euros. A França será segunda, avaliada em 1,03 milhão de euros.

Nomura: França x Espanha na final

O banco japonês optou por tratar o torneio com as mesmas técnicas que usaria para oferecer fundos balanceados aos investidores.

“Sendo analistas, nós temos que aplicar algum rigor para nossas previsões da Copa do Mundo, então decidimos aplicar a teoria do portfólio e a hipótese do mercado eficiente na Copa do Mundo. Nós olhamos o valor dos jogadores em cada time, o momento da performance do time e performances históricas para chegar a três portfólios de times para observar”.

Resultado: A análise sugere que França, Espanha e Brasil são os que mais têm chances de chegar à semifinal, e previsão diz que França e Espanha fazem a final.