<
>

Porteira de motel, Inferninho em Recife e Vandeco: Leandro 'Bochecha' conta tudo no Resenha

play
Tarado do Atlético-MG e perdido do Cruzeiro: Leandro e Ruy contam histórias no Resenha (1:15)

Laterais não perdoaram os colegas de Belo Horizonte e revelaram casos divertidíssimos (1:15)

Que Resenha ESPN, amigos!

Não é exagero dizer que o programa deste domingo (22/04) foi um dos melhores da história. A edição teve como convidados os ex-jogadores Ruy Bueno Neto, o Ruy Cabeção, e Leandro Silva, o Leandro Bocheca - Perdeu? Não tem problema! Veja a atração completa no WatchESPN!

Confira abaixo alguns dos principais trechos:

A porteira do motel

O ex-atacante Aristizábal participou do programa e logo de cara colocou Leandro em uma verdadeira fria. Mas o ex-lateral encarou de frente e contou a história sobre a menina que trabalhava em um motel em Belo Horizonte.

"Era um amiga minha mesmo. Peguei intimidade, comecei a deixar sunga e churrasqueira elétrica e fazia até festa lá. Chamei umas primas. Chegamos no motel, e as meninas todas de raposa, com a camisa de Cruzeiro. Tudo já armado. Minha amiga tinha deixado tudo liberado já. Morei lá", relembrou, aos risos.

"Inferninho" em Recife

Outro que colocou Leandro na roda foi Kleber Gladiador. Ambos foram a um tal de "Inferninho". "Jogamos em Recife, e o Vandeco (Vanderlei Luxemburgo) liberou. A gente foi em uma casa de umas primas nossas. Foi uma galera: eu (Leandro), (Kleber) Gladiador, (Élder) Granja e mais umas pessoas. Começaram a beber e nada de finalizar. Mas aí olha a hora. Horário é horário, e eu não podia perder a moral com o Vandeco", começou a contar, enquanto os integrantes do Resenha não se aguentavam de tanto rir.

"As meninas só pediam whisky, e eu fui controlando. E o Kleber, cadê? Todo mundo foi embora, mas eu fiquei (para esperar o Kleber). Fomos embora para o hotel em um carro de polícia. Kleber bambiando, e o Vanderlei chegando no mesmo horário. O Kleber queria pegar o Vanderlei. Consegui levar o Kleber para dentro do quarto. Depois, fui no Vanderlei e contei que o Kleber havia bebido, mas apaziguei", finalizou.

Passagem por divisões menores do Brasil

Ruy jogou por clubes de todas as divisões nacionais. No Resenha, Djalminha perguntou ao ex-lateral qual era a motivação dele ao atuar por equipes tão pequenas.

"Continuei jogando por causa da questão financeira. Eu sempre fui investidor, então eu tive que jogar bola por que muitos clubes pelos quais passei não me pagavam. Eu estava cheio de boletos pra pagar. Joguei bola por mais tempo para cumprir com as obrigações que tinha assumido perante terceiros", explicou.

Fluminense de 2009

Na parte final do programa, André Plihal pediu para Ruy relembrar algumas histórias do Fluminense de 2009, ano em que equipe carioca quase caiu para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro e foi vice-campeã da Copa Sul-Americana (derrota para a LDU-EQU na final).

"Tinha o Brasileiro e a Sul-Americana. O bacana desse time é que não tinha tempo para treinar. Toda final de partida reunia os jogadores dentro do quarto, aí chegava lá e tinha uma banheira de cerveja para a gente se recuperar. Era tudo na base do choppinho. O Flu escapou naquele jogo em Coritiba e foi vice da Sul-Americana sem treinar e tomando cervejinha", contou.

Veja TODAS as histórias que rolaram no Resenha ESPN deste domingo (22/04) no WatchESPN. A edição conta com André Plihal, Fábio Luciano, Djalminha, Alex, Leandro e Ruy.