<
>

Rodriguinho faz 2018 no Corinthians melhor do que concorrentes por lugar na Copa? Compare

play
Rodriguinho, depois de vitória do Corinthians: 'Momento incrível, mas não sou protagonista' (4:50)

Meia marcou os dois gols do 2 a 1 sobre o Fluminense na estreia do Brasileiro (4:50)

O Corinthians tem, com Cássio e Fagner, dois jogadores com boas chances de disputar a Copa do Mundo. Há um terceiro, porém, correndo por fora por uma vaga na seleção brasileira, mas que tem sido protagonista em 2018: Rodriguinho, decisivo mais uma vez neste domingo.

Na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, na estreia do Campeonato Brasileiro, o meia não foi brilhante, é verdade, mas marcou os dois gols. Há uma semana, também havia balançado a rede, garantindo o 1 a 0 sobre o Palmeiras, que acabaria coroado com o título paulista – em uma final que só foi possível graças ao cabeceio de Rodriguinho contra o São Paulo na semi.

São atuações como essas que fizeram Rodriguinho criar expectativa, um pouco mais cedo no ano, de ser convocado por Tite para os amistosos contra Rússia e Alemanha, na última lista antes da divulgação dos escolhidos para o Mundial. De fora, o meia não negou a frustração.

Com o atual treinador da seleção, Rodriguinho foi chamado somente duas vezes, menos do que aqueles que parecem ser seus concorrentes por um lugar entre os meio-campistas – Renato Augusto tem nove convocações; Giuliano, sete; Lucas Lima, cinco; Diego, quatro.

Pelo atual momento, contudo, quem merece mais uma convocação? O ESPN.com.br levantou os números de todos eles em 2018 – incluindo ainda Anderson Talisca, outro testado por Tite – e foi checar. Pelas estatísticas, ao menos, Rodriguinho não deveria ser tão “azarão” assim...

No Corinthians, por exemplo, segundo números do Trumedia, banco de dados exclusivo dos canais ESPN, Rodriguinho lidera o time em quase todos os quesitos ofensivos: é o artilheiro, quem mais deu assistências, quem mais chuta e quem mais cria chances para finalização.

Ao todo, o meia entrou em campo 17 vezes (contando apenas compromissos oficiais), com médias de 0,35 gols por partida (foram seis no total), 0,24 assistências (quatro até aqui), 2,06 chances criadas e 2,76 finalizações. Em relação a passes, são 32,6 certos por jogo.

O número de passes, por exemplo, é quase idêntico ao de Giuliano em dez partidas pelo Fenerbahce – 32,7. Ele, porém, ainda não deu nenhuma assistência e cria, em média, 1,3 chances por jogo. É o mesmo que dizer que, a cada 25 toques para um companheiro, um vira finalização. Já com Rodriguinho essa proporção é de 16.

Entre todos os concorrentes, somente um precisa de menos passes para criar uma chance. Diego, do Flamengo, com média de 38,75 passes/jogo e 2,5 para finalização. Uma proporção de 15,5, ligeiramente melhor que a de Rodriguinho no Corinthians.

O meia rubro-negro, porém, fica para trás no envolvimento direto em gols. Enquanto Rodriguinho já marcou seis vezes e deu quatro assistências; Diego fez dois e passou para três. Isso ainda chutando um pouco mais que o corintiano: 2,83 vezes por partida contra 2,76.

Já Lucas Lima e Renato Augusto, por Palmeiras e Beijing Guoan, respectivamente, tem médias de chances criadas superiores – o primeiro, 2,53; e o segundo, 2,83. Só que ambos precisam de mais passes para isso: proporção de 18,1 para o meia alviverde; e 28,3 para o do futebol chinês.

Talisca, do Besiktas-TUR, por sua vez, que foi testado por Tite apenas na última convocação, é um meia com características bem diferentes. Entre todos, é o que tem a menor marca de passes por jogo e, portanto, também de assistências e chances criadas. Por outro lado, tem média de 4,3 finalizações por partida e a melhor marca de gols: 0,7.

Tite convocará a seleção para a Copa do Mundo no dia 14 de maio, daqui pouco menos de um mês. No meio-campo, nomes como Casemiro, Paulinho, Fernandinho, Philippe Coutinho, Willian e o próprio Renato Augusto estão certos. Rodriguinho espera poder se juntar a eles.

* Médias de acordo com jogos na temporada