<
>

Ídolo do Fluminense pagou R$ 300 mil a Flamengo e Boavista e arrecadou quase R$ 1 milhão

Jogadores de Flamengo e Boavista antes da final da Taça Guanabara em Cariacica, no Espírito Santos Divulgação/Flamengo

Ídolo do Fluminense, Roni fez um bom negócio ao comprar os direitos da final da Taça Guanabara. Ao menos é o que indica o borderô da vitória de 2 a 0 do Flamengo sobre o Boavista, que revela o pagamento de R$ 300 mil a cada um dos clubes e arrecadação de quase R$ 1 milhão para a empresa.

No acerto feito pelo ex-jogador para levar a decisão para o Espírito Santo, as duas equipes receberiam cotas iguais do valor pago pela “compra” do duelo, que se revelou de R$ 600 mil. Caberia à empresa, a renda líquida do confronto, que acabou sendo de exatos R$ 904.495.

Com ingressos que variaram de R$ 50 a R$ 200, a bilheteria arrecadou R$ 1,35 milhão. Já as despesas, incluindo R$ 121 mil para a Ferj (Federação Carioca) e mais R$ 36,3 mil para a Federação de Futebol do Espírito Santos, somaram R$ 448 mil, produzindo o resultado líquido de quase R$ 905 mil após os descontos também de impostos – quase R$ 2,2 mil.

No final, porém, Roni ainda deve ficar com um pouco menos desse valor, já que também coube a sua empresa o pagamento do aluguel do estádio Kleber Andrade, em Cariacica, e ainda as despesas de viagem tanto de Flamengo, quanto de Boavista – as quantias não são discriminadas no borderô.

A decisão de levar a final da Taça Guanabara para o Espírito Santos veio após o Botafogo vetar o uso do estádio Nilton Santos, depois que Vinícius Júnior provocou o rival no duelo da semifinal.

Posteriormente, o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) chegou a determinar, através de liminar, que o Botafogo cedesse o Nilton Santos para a decisão, mas como os clubes e a empresa de Roni já havia se acertado, a final acabou mantida mesmo em Cariacica.

Dentro de campo, o Flamengo acabou conquistando o título do primeiro turno do Campeonato Carioca, com vitória por 2 a 0, gols de Kadu Fernandes (contra) e Vinícius Júnior.