<
>

F1 voltará a ter GP da Holanda após 35 anos

play
Respeito, brigas e ensinamentos: Roberto Cabrini conta como conquistou Ayrton Senna (3:39)

'Eu o respeitava profundamente. Mas eu fazia questão que ele enxergasse que eu era um jornalista, não amigo dele (embora eu fosse amigo dele)', falou o jornalista no Bola da Vez. (3:39)

Max Verstappen terá agora uma corrida para chamar de sua.

Nesta terça-feira, a Fórmula 1 anunciou o retorno do GP da Holanda ao calendário a partir de 2020 - e por pelo menos três anos.

O circuito de Zandvoort será o palco da corrida, que estava fora da principal categoria do automobilismo havia 35 anos (desde 1985).

"Na próxima temporada nós teremos um novo circuito de rua na capital vietnamita Hanói, assim como o retorno de Zandvoort; uma pista que contribuiu para a popularidade do esporte ao redor do mundo", disse Chase Carey, chefe-executivo da F-1.

"Sem dúvida haverá uma cor dominante nas arquibancadas de Zandvoort no próximo ano", continuou, citando o "mar" laranja holandês que tem acompanhado Verstappen.

"Estou muito animado pelo GP da Holanda voltar. Você verá muitos torcedores holandeses ao redor da pista, nas dunas também. Já corri lá antes, é um circuito bonito e histórico - muito desafiador, da velha escola, um pouco como Suzuka - foi desenhado pela mesma pessoa. Com os carros da F-1, vai ser muito rápido, estou ansioso", falou o piloto da Red Bull.

O GP da Holanda é um dos pioneiros na Fórmula 1, estando na primeira temporada em 1950 - e sempre em Zandvoort.

Prosseguiu até 1953, retornou em 1955 e ficou "de vez" entre 1958 e 1985 (com breve pausa em 1972).

Nelson Piquet conquistou uma vitória (1980), e o maior vencedor da prova é Jim Clark (quatro vezes: 1963, 1964, 1965 e 1967).