<
>

Vettel lamenta e se diz chocado com morte de Whiting: “Difícil entender”

A morte de Charlie Whiting, uma das figuras mais icônicas e respeitadas da Fórmula 1, mexeu com todos da categoria, inclusive com os pilotos. Amigo do agora ex-diretor de provas, Sebastian Vettel lamentou o falecimento, revelou ter ficado chocado e ter sido “difícil de entender” quando recebeu a notícia, principalmente pela presença do dirigente de 66 anos durante a semana em Melbourne.

“Eu acho que fiquei tão chocado quanto todos nós ainda estamos agora, especialmente porque falei com ele ontem e andei na pista pelas primeiras curvas junto com ele. É difícil entender quando alguém que sempre esteve não está mais lá”, disse Vettel.

“Eu o conheço há muito tempo e ele tem sido nosso homem, o homem dos pilotos. Obviamente há regulamentos e tudo isso e ele era o intermediário entre nós e o regulamento. Alguém poderia perguntar qualquer coisa a qualquer momento, ele estava aberto a todos e sua porta estava sempre aberta. Ele era um piloto e um cara muito legal”, completou.

De volta a Fórmula 1, Robert Kubica também se manifestou com pesar pela morte de Whiting e confirmou a fala de Vettel de que o dirigente estav próximo dos pilotos nos últimos dias em Melbourne, palco da abertura da temporada, na madrugada deste domingo.

“É um momento difícil. Eu vi Sebastian andando com Charlie ontem”, comentou. “Eu pensei em não interrompê-los, porque eu o veria na sexta-feira no briefing dos pilotos, o que não será o caso e é muito triste”, ressaltou o piloto da Williams.

“Whiting era uma espécie de ícone da Fórmula 1, mas não só da F1. Ele era, como Vettel disse, um piloto, mas também acompanhava tudo nos regulamentos. E ele era realmente uma pessoa com quem você sempre podia confiar e se comprometer. É um momento muito triste”, finalizou.