<
>

Brasil fora da F-1 em 2018? De mecânicos a chefe de equipe, país é representado na categoria

Desde 1969 uma temporada da Fórmula 1 não chega ao fim sem nenhum representante brasileiro nela.

A frase acima é verdade apenas se aplicarmos a pilotos na pista, porque ao redor dela o Brasil foi e está sendo representando no Mundial de 2018.

No Grande Prêmio do Brasil, que acontece neste fim de semana em São Paulo, no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos, serão quatro brasileiros que estarão atuando nas equipes do circo da Fórmula 1.

São eles:

Gil de Ferran

Bicampeão da Indy e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis em 2003, o ex-piloto foi apontado como diretor esportivo da McLaren em julho, após Eric Boullier sair do time. Gil de Ferran pegou a escuderia na pior época de sua história e tem buscado resgatar o prestígio na Fórmula 1.

De Ferran recentemente foi um dos responsáveis pela McLaren contratar o brasileiro Sérgio Sette Câmara para ser piloto de testes da escuderia em 2019.

“A gente tem engenheiros de várias nacionalidades dentro da empresa inteira. No dia a dia a nacionalidade não é um assunto que vem à tona na minha cabeça. Eu acho um pouco indiferente”, disse o ex-piloto de 51 anos, em coletiva em Interlagos na quinta-feira.

Gil de Ferran já teve uma passagem como diretor esportivo na Fórmula 1, entre 2005 e 2007, pela Honda.

Tiago Fadel

O brasileiro é mecânico da Sauber há cinco anos. Fadel se mudou para a Suíça em 1996 e desde então não retornou, tendo se tornado parte do time em 2013, acompanhando os carros de pilotos como Felipe Nasr e Charles Leclerc, recém-contratado pela Ferrari.

Téo Santos

Mecânico da Williams há mais de duas décadas, Téo Santos segue na equipe inglesa, atualmente trabalhando no carro de Lance Stroll. Santos mora fora do Brasil há mais de 30 anos e tem quatro filhas vivendo na Inglaterra.

João Carvalho de Souza

João Carvalho de Souza não é membro fixo, mas neste Grande Prêmio do Brasil novamente estará trabalhando na Force India, equipe para qual também prestou serviços em outras oportunidades. Souza está na Fórmula 1 como mecânico há quase 25 anos.