<
>

'Me perguntam se acho eu ou Ayrton Senna melhor e eu falo 'Eu estou vivo'', diz Piquet 30 anos após o tri

play
30 anos após o tri, Piquet fala sobre brigas com Mansell e como Prost destruiu casamentos na Fórmula 1; (15:36)

Ex-piloto brasileiro cutucou Senna: 'Eu estou vivo' (15:36)

Mesmo 30 anos depois de tornar-se o primeiro brasileiro tricampeão da Fórmula 1 (1981,1983 e 1987), Nelson Piquet Souto Maior ainda demonstra a mesma língua afiada que o tornou um ídolo nas pistas.

Em entrevista à ESPN, o piloto relembrou os duelos incríveis no mundial de 1987 com Nigel Mansell, seu companheiro de Williams e maior rival naquele campeonato. A animosidade entre os dois era tão grande que quase terminou em porrada.

Ele contou como o acidente no Grande Prêmio de Ímola na curva Tamburello (a mesma onde Ayrton Senna morreria em 1994) prejudicou sua visão ao longo do ano.

O brasileiro não poupou seus contemporâneos, como o francês tetracampeão Alain Prost, a quem atribuiu o fim de "uns três casamentos na F-1".

Além disso, contou como logo após ter conquistado o tri resolveu mudar-se para equipe Lotus no ano seguinte apenas por "dinheiro", colocando o lado esportivo de lado.

Veja abaixo a entrevista de Nelson Piquet na íntegra à ESPN:

ESPN - Quem foi o seu maior rival na Fórmula 1?
Piquet -
Eu tive grandes duelos com Alan Jones, Carlos Reutemann. Na mesma equipe é mais difícil porque você divide todas as suas informações e dá tudo para outra pessoa. É bom quando você briga com outra equipe. Quando você briga com alguém da sua equipe é mais difícil, você tem que ser mais "sujo" para tentar vencê-lo.

ESPN - Suas táticas eram diferentes competindo com alguém do mesmo time. Você era bom nesse jogo psicológico?
Piquet -
Eu adorava.

ESPN - Por quê?
Piquet -
Porque eu sou um filho da mãe (risos).

ESPN - No seu período na F-1, qual o adversário mais difícil que você teve?
Piquet -
No começo tinha Alan Jones e Carlos Reutemman na Williams, tinha a briga com a Brabham. Depois veio (Gilles) Villeneuve na Ferrari, (René) Arnoux e Prost na Renault. Eu falei uma vez no telefone com o Niki (Lauda). Porque antes de chegar na Fórmula 1 eu não tinha engenheiro, eu fazia tudo sozinho. Minha primeira dificuldade foi explicar ao engenheiro o que eu queria fazer com o carro, porque eu sabia, mas tinha que explicar. E eu aprendi com o Niki. Quando eu sentei na Brabham pela primeira vez, eu sabia o que fazer com o carro, mas tinha que explicar ao engenheiro.

Tem uma história engraçada da minha primeira corrida no Rio de Janeiro pela Williams. Depois do primeiro treino, eu falei para meu engenheiro o que precisava fazer, mostrei o que estava errado. E no treino seguinte estava igual. Eu perguntei 'Qual o seu problema?'. Ele disse 'Eu não acho que você estava certo'. Eu disse 'Estou cagando para o que você acha, eu quero desse jeito'. E disse ao Patrick (Head) que não precisava de engenheiro, que eu e meus mecânicos faríamos as mudanças. Eu era assim. Eu sabia o que tinha que fazer. Todas as comunicações eu aprendi com o Niki, esse era o estilo da Brabham.

ESPN - Em 1987 você foi para a Williams para ser o piloto número 1 e Mansell não aceitava ser o número 2. Mas como você disse, o acidente de Sir Frank prejudicou esse relacionamento. Você pensa que poderia ter sido diferente?
Piquet -
Se Frank estivesse lá seria tudo diferente, teríamos ganho em 86, 87, 88, 89. Porque ele era o chefe dos carros e motores. Mas o time perdeu em 86, não foi fácil em 87. Eu tive o acidente em Imola e perdi o sentido de profundidade, mas não falei para ninguém. E Mansell não era mais rápido que eu, se tornou por causa do acidente porque ele era muito lento...

ESPN - Deve ter sido frustrante para você...
Piquet -
Sim, mas eu continuei. Só tinha dois carros na pista, eu e ele, porque o resto era muito lento. E eu seguia ele o mais perto que podia. Quando você segue alguém é fácil de guiar, mas se você dirige sozinho...mas fui melhorando. No começo foi um desastre. Mas de qualquer forma, o final foi bom, eu ganhei o campeonato. Foi uma época ruim para mim. Eu saí da Brabham porque achava que ficaria muito tempo na Williams. E saí da Williams porque a situação era muito difícil.

ESPN - Como era sua relação com Patrick Head?
Piquet -
No fim era boa, mas eu já tinha decidido sair para a Lotus. Eu fui pelo dinheiro. Ganharia três vezes mais na Lotus do que ficando na Williams. Pela primeira vez na vida fui pensando no dinheiro. Antes eu não me importava.

ESPN - Qual a situação mais engraçada que passou com Mansell em 1987?
Piquet -
Eu tentei muito ter uma briga com ele, queria que ele me batesse para separar a equipe em duas. Mas não é fácil fazer um inglês brigar.

ESPN - Com um tricampeão brasileiro, você sente que tem o reconhecimento que merece?
Piquet -
Eu nunca tive um assessor, um advogado para fazer contrato, eu mesmo fazia. Eu estou cagando para o que falam de mim ou não, não leio revistas. Eu gosto de dirigir e é isso. E me divertia. Eu não me preocupo com o que pensam. Me perguntam se acho eu ou Ayrton Senna melhor e eu falo 'Eu estou vivo'. O que é melhor que isso? Eu não me importo. Eu tive essa vida e hoje tenho uma vida muito melhor. Ganho mais dinheiro agora do que há 20, 30 anos atrás na F-1. Eu tenho sucesso, tenho uma vida boa e relacionamentos. Tenho sete filhos, todos juntos, todos têm um quarto na minha casa. Todos juntos no Natal. O que é melhor do que isso?

ESPN - Você pode falar sobre seu relacionamento com Prost, o "inimigo" do Brasil?
Piquet -
Não era ruim. Prost, nós lutávamos na pista. Eu brinco com ele porque ele destruiu dois ou três casamentos na F-1 e eu chamo ele de "grande porco", mas sempre fomos amigos, até hoje. Lutamos pelos títulos, mas é muito bom quando eram equipes diferentes. Renault contra Brabham, era bom.

"Me perguntam quem é melhor entre eu ou Senna e eu respondo: 'Eu estou vivo'" Nelson Piquet

ESPN - Me fale sobre o Halo sendo implantado nos carros no ano que vem. O que acha disso?
Piquet -
Jesus Cristo. Melhor fazer uma carenagem propícia e tirar as rodas. Isso é loucura. Não acredito que as pessoas estão falando nisso. É um esporte perigoso. Se não quer perigo, vá embora.

ESPN - O Brasil teve Felipe Massa, outros vindo e voltando nos últimos anos, mas ninguém ficou. Como você vê a Fórmula 1 sem um brasileiro?
Piquet -
A Fórmula 1 se tornou popular no Brasil por causa do Emerson (Fittipaldi). Emerson veio aqui e ganhou a Fórmula 3, chegou na F-1, ganhou o título e depois disso milhares de brasileiros vieram atrás, eu, o Senna. Barrichello estava num caminho bom e teve o acidente em Ímola e depois disso virou um segundo piloto. Massa vinha num bom caminho e depois disso teve o acidente, bateu a cabeça e eu fui o primeiro a dizer que ele estaria acabado. Ele continuou, mas perdeu aqueles 0,2s, 0,3s que precisava para ser competitivo. Eu sei porque aconteceu comigo também. Sem um brasileiro na F-1 certamente, com as crises e os governos não colocando dinheiro. Porque a F-1 não é baseada numa promotora para ter o dinheiro e pagar...a F-1 é paga pelos governos, cidades, que querem ter seu nome porque a F-1 é uma grande publicidade. E se o governo não está preparado, não acho que teremos Fórmula 1 no Brasil.

ESPN - Você vê pilotos surgindo que te animam no Brasil?
Piquet -
Não.

ESPN - Quando Nelsinho Piquet chegou na Fórmula 1, como se sentiu?
Piquet -
Foi bom. Ele é bom no que fez no automobilismo. O que aconteceu com a Renault foi muito ruim para o automobilismo. É por isso que eu tento me afastar do Briatore. O que ele fez, o que a equipe fez com ele não é algo que você pode esquecer.

ESPN - Como você e seu filho se recuperaram disso? Deve ter sido difícil.
Piquet -
Mais ele do que eu. Perguntei para o meu filho se queria ficar na F-1 com o rabo entre as pernas ou se queria fazer algo. Porque se ele quisesse fazer algo, eu faria. Ele me disse o que aconteceu uma semana depois e eu estava muito decepcionado. O primeiro cara que eu falei foi Charlie Whiting porque ele era da FIA. Ele disse que viu algo estranho, mas não podíamos provar nada. E disse que se a gente tornasse isso público poderia ser mal para o meu filho. E isso foi em outubro de 2008 quando eu falei com ele, no Brasil. Mas quando Briatore queria demitir ele, me falou 'pode ir para o tribunal, fazer o que quer'. Aí eu disse 'tudo bem'. E ele falou que iria tirá-lo da Fórmula 1. Usei o mesmo para ver como ele era.

ESPN - Você deve ter ficado aliviado que tinha boas conexões e conhecia gente na Fórmula 1.
Piquet -
Não, você está errado. Se eu fosse para Bernie, ele não queria fazer isso porque seria ruim para a F-1. Eu fui até a FIA, até Max Mosley e contei a história. E ele disse que iria investigar e que se fosse verdade teríamos justiça. E aí aconteceu. Mas não tinha bons contados.

Bernie não queria fazer nada. Max Mosley foi investigar.

ESPN - Nós veremos Pedro Piquet na Fórmula 1 no futuro?
Piquet -
Teremos que esperar. Pedro é muito rápido tecnicamente e precisa ser mais agressivo. Depende dos próximos dois anos. Se vencer, pode chegar. Se não, esquece.