<
>

Um olhar de dentro do 'Secret Skirmish', o torneio de Fortnite de 500 mil dólares

Epic Games

Desde o momento da chegada no Secret Skirmish, estava claro que o torneio de 500 mil dólares de Fortnite não foi feito para ser encontrado.

Nenhum tapete vermelho levava os fãs ao Hangar Studios, local escondido na periferia do centro de Los Angeles. Não havia almofadas coloridas no chão para as pessoas descansarem, nenhuma tela gigantesca para assistir aos jogos, nenhum hambúrguer ou Suco Slurp oferecidos ao lado de um battle bus em tamanho real. A única pista de que um evento da Fortnite estava acontecendo era uma pequena placa preta e branca posicionada perto do portão da frente: "Bilhete de estacionamento necessário", impressa na mesma fonte do jogo.

Todos os eventos passados em LAN de Fortnite haviam sido celebrações gigantescas do jogo que cativou milhões ao redor do mundo. Por que, então, esse último evento foi tão reservado? O que a Epic tinha em mente?

A resposta, revelada ao longo dos três dias de evento, foi razoavelmente mundana. Mas pode, também, ser revolucionária.

Na segunda-feira, 11 de fevereiro, os preparativos para o Secret Skirmish já estavam em andamento. Lá dentro, cortinas pretas de quatro metros e meio de altura segmentaram o Hangar Studio A — um espaço de 11 mil metros quadrados que tem sido usado para comerciais, videoclipes e o programa de televisão da ABC "BattleBots" — em várias áreas distintas. A zona dos jogadores estava no centro; 100 computadores padronizados foram organizados em quatro linhas e decorados com painéis familiares de madeira usados nos eventos em LAN de Fortnite anteriores. A mesa dos narradores estava perto, em um cenário totalmente branco usado em sessões de fotos. Quase todas as paredes tinham uma advertência que dizia, por razões de sigilo, que nenhuma fotografia ou o uso de mídias sociais seriam permitidos.

Atrás da cortina, havia duas áreas de produção principais: o bullpen de transmissão, onde o diretor do show e o diretor técnico facilitavam os procedimentos, e o ponto de observação, onde uma equipe de mais de 30 observadores produzia cenas de gameplay para transmissão. A maioria dos volumosos equipamentos de produção da NEP e da Bexel que preenchiam o espaço ao redor era idêntica à configuração para a maioria dos eventos de transmissão, esportivos ou não (depois da Secret Skirmish, eles vão para a próxima transmissão do Oscar).

Tirando a “violência” entre bonecos, nós podíamos muito bem estar no backstage de um evento de World Series of Poker.

Naquela tarde, todas as atenções estavam viradas para uma série de ensaios de seis horas que antecederam o show de quinta-feira. A equipe total, responsável por funcionários contratados da Epic, era de quase 200 pessoas. Os jogadores locais de Fortnite, cada um usando a gamertag de um profissional convidado, testaram o equipamento no palco enquanto a equipe de narração também treinava.

Nesse momento, Zeke Mateus e Kristen "KittyPlays" Valnicek estavam prontos, trocando elogios enquanto seguiam os vários compromissos. Eventualmente, a dupla de "Dmo" e "Tfue" garantiu a vitória royale. Depois disso, os dois foram “entrevistados” no palco com sorrisos confusos em seus rostos.

"Estou me divertindo muito não apenas com os outros envolvidos, mas também com a equipe de backstage e com todas as pessoas que vieram aqui para testar algumas coisas", disse KittyPlays. "É um ambiente muito agradável. Que outra desenvolvedora nos daria uma oportunidade como essa para crescer e aperfeiçoar nosso trabalho e criar uma conexão? Mal posso esperar pelo show ao vivo na quinta-feira; será uma loucura".

Para o Secret Skirmish, a Epic resolveu colocar toda a equipe em um avião para Los Angeles dez dias antes do evento para treinar. A escolha não foi apenas para promover a química entre as dez pessoas, mas para fornecer reputações reais para novatos na narração, como Arten "Ballatw" Esa e Sarah "Pookieface" Lynn, além de uma chance de aprender com veteranos como Alex "Goldenboy" Mendez. Cada ensaio girava através de um dos quatro papéis - narrador, analista, entrevistador e apresentador - para descobrir seus pontos fortes individuais e promissoras duplas de narração.

“Goldenboy” está na cena dos e-sports há quase dez anos e nunca havia visto esse nível de investimento de uma empresa.

"Normalmente, você é chamado para um show, você tem um dia de ensaios, talvez você comece um jogo. Depois disso, bola pro alto que o jogo começou", disse Goldenboy. "Mas a Epic não gosta disso, e promoveu um campo de treinamentos para comentaristas. Nós passamos por tudo. Eu aproveitei minha experiência, pude ajudar muito pessoas aqui, falei ‘é assim que fazemos, mas também adicionamos esse negócio diferente que tem o Fortnite’. Foi muito proveitoso para todos envolvidos.”

As razões da Epic para organizar o campo de treinamento de comentaristas eram duas. Eles viram a chance de criar um grupo como o do Saturday Night Live, que traria consistência aos seus eventos ao vivo. Mas eles também queriam recompensar membros talentosos da comunidade que eram apaixonados pelo jogo. Jeremy Hoffmann, diretor de produção de vídeos da Epic (embora seja responsável por muito mais), explicou por que sua empresa valorizava a autenticidade dos convidados.

"Estamos em Los Angeles. Se eu fizesse uma chamada aberta para sediar qualquer coisa do Fortnite, haveria uma fila pelo quarteirão", disse Hoffmann. "Mas quantas dessas pessoas realmente se importam com o jogo? Não seriam muitas, e não é assim que queremos operar. Temos muitos caras realmente bons que são grandes fãs de Fortnite que, se fizéssemos o esforço, poderiam se tornar ótimos casters. Em última análise, enquanto eles forem autênticos, acho que as pessoas vão querer ouvi-los mais do que qualquer um.”

Levará algum tempo para melhorar as habilidades na câmera, mas a Epic pode se dar ao luxo de esperar; a empresa pretende usar seus narradores para outros eventos além do Secret Skirmish. Fora da câmera, eles estão reforçando amizades que serão registradas na hora da narração. Cada pessoa que estava presente num recente jantar de churrasco coreano ficou emocionada quando a KittyPlays pediu a todos que dissessem algo pelo qual estavam agradecidos. Claro, eles nomearam um ao outro.

Jack “CouRage” Dunlop começou o primeiro dia de Secret Skirmish de maneira brilhante, apesar da chuva que castigou Los Angeles. Quando as cinquenta duplas caíram em suas drop zones pela primeira vez, aplausos e gritos espontâneos surgiram da área de transmissão.

“É como um foguete sendo lançado,” disse o produtor de criação Matty Kirsch ao sentar-se próximo ao controle da missão.

Não daria para começar um torneio de Fortnite sem, pelo menos, 11 horas de blá-blá-blá. A Epic lançou o Patch 7.40 naquela manhã, mais uma vez obrigando os competidores a lutar por uma lida no meta. Felizmente, nada atingiu o nível de estragar o jogo experienciado pela Lâmina Infinita ou a Boombox; na verdade, muitos dos ajustes foram pedidos justamente pelos jogadores. O avião X4 não quebrava mais construções. O dano do canhão de mão foi nerfado para não poder destruir estruturas. Bazucas só poderiam ser obtidas pelos supply drops, removendo a vantagem dos jogadores que achavam a arma antes.

"Foi uma grande mudança para o cenário competitivo", disse o caster "SypherPK" Hassan. "Todas essas mudanças melhoraram o modo competitivo. Se eles jogassem outra espada, isso seria um problema, mas eles não o fizeram. Para ser honesto com você, de todos os jogos competitivos que eu assisti, joguei ou narrei, esse parece o mais competitivo e com potencial de entreter.”

Uma desvantagem imprevista para o novo patch foi a necessidade da produção de atualizar todos os sistemas, exigindo um download tão grande e rápido que o ISP sobrecarregou a conexão. Embora o torneio tenha sido feito principalmente offline, o “afogamento” foi significativo o suficiente para exigir uma ligação apressada de Hoffmann a um representante do ISP, implorando pela liberação da banda de internet. A Epic finalmente resolveu o problema – nenhum dano foi causado.

Um dos novos elementos que a produção teve bastante tempo para se adaptar foi um novo visual para a transmissão, reorganizado para que a visão da ação passe a ser mais limpa. Os materiais deixaram de ser organizados do lado direito da tela; ao invés disso, foram representados como um único número de lado do nome do jogador. A maior parte da informação que estava no topo da tela (o mini-mapa, os indicadores de safezone, os jogadores deixados vivos) foi movida para o fundo.

O Fortnite competitivo nunca esteve melhor, a não ser por um aspecto crucial: o feed de eliminações sumiu, perdido entre as mudanças no HUD. Para compensar, a Epic começou o Secret Skirmish confiando em seu novo analista, além de uma espécie de postgame recap para mostrar os replays das eliminações que a transmissão principal não captou. Ainda assim, os fãs de um jogador ou de outro ficaram desapontados, porque muitas vezes não conseguiam ver o destino do jogador que eles estavam torcendo se ele não estivesse nas safes finais ou se não fosse um dos queridinhos da câmera.

Esse desapontamento eventualmente se espalhou para as redes sociais, o que influenciou em parte a criação de um fluxo separado da Twitch - intitulado "fortniteactionfeed" - que apresentou o feed de eliminação usado internamente pela Epic. Tirando isso, as mudanças do HUD criam um campo de visão mais amplo e claro para acompanhar a jogabilidade. É uma benção para o diretor do jogo, Phil Englert e sua equipe, todos os quais agem como cineastas individuais quando compõem tomadas amplas. Englert é graduado pela Universidade Chapman com um BFA em produção de filmes, e todos os seus observadores fazem aulas para entenderem melhor enquadramento, som, cores, etc…

Com a ajuda de Englert e sua equipe, CouRage e Benjamin "DrLupo" Lupo narraram o primeiro jogo, uma disputa acelerada situada na positividade do patch 7.40. Com uma simetria um pouco incomum, os resultados do jogo de teste se repetiram. Desta vez, o verdadeiro Dylan "Dmo" Moore e Turner "Tfue" Tenney venceram Harrison “Psalm” Chang para garantir o primeiro victory royale da competição, em que conseguiram pressão letal e eliminaram o jogador.

Mas será o segundo jogo a ficar na memória daqueles que assistiram, mesmo ninguém no hangar tendo percebido seu significado ao momento.

Quando KittyPlays e Pookieface sentaram na mesa para o segundo jogo, elas se tornaram a primeira dupla inteiramente feminina a narrar uma competição major de eSports. A química das duas era evidente desde os ensaios, em que o bom humor de Pookie casou muito bem com o conhecimento do jogo de Kitty.

"Nós sabíamos, mas meio que lá no fundo", disse Pookieface sobre a dupla inovadora. "No final do dia, nós só queremos fazer um bom trabalho e fazer um bom show. Mas se pudermos inspirar uma garotinha que está assistindo para dizer: “Quer saber, eu quero ser como elas. Eu quero trabalhar em eSports e com videogames," eu fiz o meu trabalho. Eu sempre tentei ser uma boa modelo para as meninas mais jovens que assistem à minha stream. Eu só quero inspirá-las a fazer o que quiserem.”

O contexto histórico parecia perdido para a equipe de transmissão que, como todo mundo no estúdio, continuava trabalhando como se nada de especial acontecesse, o que em si era um pequeno triunfo.

"Devia ser uma coisa normal”, Goldenboy disse. “Temos nessa transmissão quatro hispânicos, temos Balla que é de descendência somali, temos várias mulheres, somos diversos. Esse é o mundo em que vivemos. Estamos em um mundo diverso de pessoas que trazem um uma variedade de talentos para a mesa, e não importa a cor da sua pele, seu sexo, sua raça, religião, cor, orientação sexual. Não importa. Você apenas ama Fortnite — é isso.”

“Fortnite faz um excelente trabalho nisso, em não mostrar como nós temos personagens diferentes. Outras pessoas fariam barulho falando ‘olha que legal, a gente tem personagem de tudo quanto é jeito,’ mas não o Fortnite. Nós não precisamos disso. Quando você coloca em público, isso fala por si só.”

A chuva continuou a cair ao longo no evento solo do Secret Skirmish de sexta-feira. A tempestade não dissipou, e nem o domínio absoluto da Ghost Gaming no jogo. Durante as duplas de quinta-feira, a organização teve quatro de seus membros terminando entre os quatro primeiros, um em cada slot. Sexta-feira não foi diferente, como Timothy "Bizzle" Miller ganhando seu primeiro evento competitivo de Fortnite com uma eliminação maravilhosa com o canhão de mão no fim. A vitória foi suficiente para terminar vencendo por 12 a 11 o seu companheiro de equipe Rocco "Saf" Morales, que venceu em dupla com Ronald "Ronaldo" Mach na quinta-feira. Bizzle deixou o torneio com cerca de 62 mil dólares em premiação.

Enquanto Bizzle percorria a divisória da cortina preta a caminho da entrevista dos vencedores com KittyPlays, a câmera conseguiu esconder o segredo de Secret Skirmish. Seis dos consoles de 100 jogadores foram separados em sua própria linha, de frente para o resto, do lado de fora da maior parte da visão da câmera. Sentados em uma plataforma elevada, cada um tinha telas de LED de alta qualidade. A Epic estava usando-os (e os jogadores designados aleatoriamente sentados lá) como ratos de laboratório durante a LAN para experimentar a mais nova atração do Fortnite.

Hoffmann deu a letra. Ele sonha com Fortnite por rodada, cada jogador sentado em um console enquanto uma câmera frontal em uma tela de LED exibe indicadores como saúde, escudo, armas e pontuação. Dentro de um estádio lotado, Hoffmann quer 60 jogadores no círculo de baixo e 40 jogadores em um círculo de cima, com mais 20 LEDs pendurados no teto que giram a jogabilidade e as telas de cada jogador. Os fãs poderiam se mover pelo prédio para se sentar na visão de seus jogadores favoritos. Talvez haja um marcador de LED perto do chão com um feed de eliminação em funcionamento, e quando um jogador tiver sede, uma luz vermelha será acesa em sua estação, além de um "X" vermelho em sua tela.

Hoffmann falou rapidamente enquanto o evento rolava. Seu sorriso era contagiante.

“Se não vamos fazer algo divertido e diferente, então que porr* estamos fazendo aqui?”, disse Hoffmann. “Por que estou aqui? Creio que todos querem fazer coisas diferentes e mudar o jeito que as pessoas consomem entretenimento, modos competitivos, interação de fãs. É para isso que eu venho trabalhar todos os dias”.

O segredo da Secret Skirmish é o mesmo que a Epic manteve desde que lançou o Celebrity Pro-Am, na E3 em Los Angeles. Tudo é um teste. Toda skirmish, todo jogo, é tudo um experimento. Eles precisavam de um lugar para tudo isso ganhar vida, com a ajuda dos jogadores profissionais. Nasceu, então, o Secret Skirmish.

É tentador caracterizar a Copa do Mundo de Fortnite de 30 milhões de dólares que acontecerá em julho (sem mencionar mais 1 milhão que estará sendo dado a cada semana a partir de 13 de abril) como um exame final, um ponto culminante desse esforço louco e competitivo no Fortnite. Os altos funcionários da Epic na Secret Skirmish discordaram. Para Michael Gay, diretor de produção cinematográfica da Epic, o objetivo de ter o modo observador é um dia torná-los disponíveis através do Criativo. Qualquer um que queira executar seu próprio torneio Fortnite poderá, se a questão econômica for favorável.

Hoffmann concorda.

“Tudo que estamos fazendo vai culminar em um show mais eficiente, e criar as ferramentas necessárias torna a tarefa mais fácil para todos,” disse Hoffmann. “Essa é a coisa mais importante, e é isso que queremos fazer. Não há um objetivo final porque não temos um final. Essa é a nossa mentalidade, sempre prontos para o próximo desafio.

A mentalidade da Epic, essa vontade de fazer os outros crescerem pela sua própria grandeza, acreditando que várias coisas podem ser ótimas sem se excluírem não é mostrada apenas no observer tool, que eles gastaram milhares e milhares de dólares aperfeiçoando. Foi também a chance dada a Robert “Butter” Van Lingen – um amador da Califórnia – de competir com os melhores dos melhores no Secret Skirmish por uma quantia de dinheiro que pode mudar a sua vida. É o instinto que reconhece e premia os apaixonados pelo jogo.

Nenhum funcionário da Epic estava preparado para dizer que a configuração dos sonhos de Hoffmann estaria disponível para a Copa do Mundo em julho, mas a esperança? A intenção? Está lá. Todos os seus ensaios nos dias que antecederam o Secret Skirmish também foram ensaios para a Copa do Mundo e o que está além.

Alberto "Crumbz" Rengifo nunca apareceu na transmissão oficial, mas antes de voltar para a mesa de analistas do League of Legends no fim de semana passado, ele estava no Secret Skirmish com a equipe de talentos, testando uma transmissão em espanhol com Paola "Pancakepow" Alejandra.

“ A Epic está constantemente fazendo mudando para fora de sua zona de conforto para empurrar seu público para outras áreas de entretenimento", disse Crumbz. "Porque no final do dia, é isso – entretenimento. Você pode defini-lo de várias maneiras, mas o entretenimento é uma válvula de escape muito grande. Às vezes, eu não quero pensar nos e-mails que tenho que responder – eu só quero jogar Fortnite e LoL.

É como dar uma volta no parque. Nós só precisamos de um tempo para esquecer as coisas, e quanto mais temos esse tempo livre, mais aprendemos coisas novas. Afinal, você não ia querer dar uma volta no mesmo parque para sempre.”