<
>

Segundo Zews, WESG mostrou ao MIBR "muitas áreas que temos que continuar trabalhando"

MIBR não foi páreo para o Windigo HLTV.org

Antes do que todos esperavam, o MIBR deu adeus às finais de Counter-Strike do World Electronic Sports Games. A equipe brasileira foi surpreendida pela búlgara Windigo Gaming, nesta quinta-feira (14), e derrotada nas quartas de finais por 2 a 1. Após a eliminação, ao ESPN Esports Brasil, o técnico Zews disse que a competição “mostrou muitas áreas que temos que continuar trabalhando”.

Diferente do Major, campeonato no qual o MIBR estreou a formação totalmente brasileira, no WESG a desculpa “de ser um time novo” não será usada, segundo Zews. “Cometemos erros que não costumávamos fazer”, avaliou o treinador.

Apesar das cornetadas feitas pelos torcedores nas redes sociais sobre as escolhas dos mapas para a série, Zews comentou que “caíram os melhores mapas que a gente tem”. De acordo com o técnico, o Windigo veio “com uma proposta boa de jogo que era explodir uma área do mapa e explorar”.

O Windigo começou a aprontar para cima do MIBR já no mapa que abriu a série melhor de três (md3), Dust II. A primeira metade foi parelha, com o time brasileiro vencendo por 8 a 7. Mas no lado Terrorista só deu a equipe búlgara, que fechou o jogo em 16 a 8 ao conseguir uma incrível sequência de nove pontos marcados.

“Na Dust II demoramos para nos adaptarmos. Quando encontramos a solução, num pause que a gente pensou que eles iam mudar, voltaram com a mesma proposta. Todos os rounds importantes, tomamos”, afirmou Zews.

A derrota não abalou o MIBR, que respondeu a altura vencendo a Inferno pelo mesmo placar. Mapa este que foi “tranquilo pra gente”, conforme avaliou o técnico.

Overpass foi o cenário escolhido para a partida de desempate. O MIBR começou bem com um 2 a 1, mas foi o Windigo que dominou a primeira metade, na qual venceu por incríveis 12 a 3. De Contra-Terrorista a equipe brasileira até tentou revertar a vantagem dos búlgaros, mas sem sucesso: derrota por 16 a 13.

De acordo com Zews o time brasileiro começou bem o último mapa, “mas teve um round muito importante que a gente perdeu e deixou abalar. Depois, em dois ou três rounds seguintes, cada um cometeu um erro que custou muito caro. Perdemos os dois pistol. Perdemos pistols pra caramba nesse campeonato, que mostrou muitas áreas que temos que continuar trabalhando”.

JOGANDO COM NOVA ECONOMIA

Horas antes do duelo valendo vaga numa das semifinais a Valve implementou uma nova atualização no Counter-Strike que trouxe novidades para a economia das equipes dentro das partidas. “Impacto teve”, afirmou Zews, “mas foram muitos erros” e “temos que ser sinceros: dessa vez não tem nada a ver de ser um time novo. Cometemos erros que não costumávamos cometer”.

Segundo Zews, “jogar contra um time desse é muito diferente. Contra Astralis, Liquid, Na`Vi você sabe o que pode vir. Versus esses caras você não tem muito o que estudar porque cada jogo eles vêm com uma proposta. Eles jogam pra jogar um jogo e não para para o campeonato. Eles jogaram melhor hoje e mereceram”.