<
>

Geguri na OWL e Brasil no topo do CrossFire: Cinco momentos marcantes dos esports em 2018

A Black Dragons trouxe o tão sonhado título Mundial para o Brasil Divulgação / Black Dragons

Muito aconteceu em 2018 no mundo dos esportes eletrônicos. Desde os acontecimentos cotidianos aos fatos que marcaram o ano que passou, como o crescimento do cenário feminino, o domínio da Astralis no Counter-Strike: Global Offensive e os inúmeros torneios disputados em diversas modalidades.

Passando a limpo tudo o que aconteceu neste ano, de janeiro a dezembro, a equipe do ESPN Esports Brasil elencou cinco momentos que marcaram a temporada 2018 dos esportes eletrônicos no Brasil e no mundo.

A CHEGADA DE GEGURI NA OVERWATCH LEAGUE

Apesar de não gostar da ideia, Geguri foi um marco nos esportes eletrônicos em 2018. Depois de ficar famosa por precisar provar em câmera que não usava hack, e sim que era apenas muito boa, a sul-coreana foi contratada pela Shanghai Dragons para disputar a Overwatch League - a grande aposta da Blizzard para seu FPS que contou com vagas sendo vendidas a US$ 20 milhões em sua primeira temporada.

Ter uma mulher jogando no mais alto nível de um jogo em um time misto - e vivendo com o resto da equipe - é um exemplo a ser seguido por outras organizações. É uma amostra de que, com esforço e vontade, é possível quebrar o tabu de times mistos e encontrar jogadoras tão boas quanto jogadores. Além disso, a presença dela ainda serve como inspiração para outras mulheres seguirem o mesmo caminho por se verem representadas ali.

-- Daniela Rigon

ENFIM, BRASIL CAMPEÃO MUNDIAL DE CROSSFIRE

O Counter-Strike: Global Offensive não é o único FPS no qual uma equipe brasileira levantou um título Mundial. Nesta temporada, graças a Black Dragons, o País entrou para a história do CrossFire. Após quatro anos de muitas tentativas e frustrações, o Brasil, enfim, conquistou o CrossFire Stars, o maior e mais importante torneio da modalidade.

O título foi obtido no início de dezembro após a Black Dragons derrotar a RuLegends por 3 a 0. A equipe fez ótima campanha no campeonato, sendo que na Fase de Grupos ficaram na liderança do Grupo C com apenas uma derrota e na semifinal bateu a grande favorita ao título, a chinesa Super Valiant Gaming.

-- Gabriel Melo

O TRÁGICO TORNEIO DE MADDEN

O ano de 2018 marcou um dos momentos mais tristes da história dos esportes eletrônicos. Em 26 de agosto, em Jacksonville, Flórida (EUA), o Madden Championship, circuito competitivo oficial de Madden 19 organizado pela EA Sports, acabou nas páginas policiais de todo globo ao ser palco de um tiroteio em massa. Durante a competição, uma das mais populares nos EUA dado o amor dos estadunidenses pelo game, um homem de 24 anos abriu fogo contra os participantes e torcida. O saldo trágico foi de 4 mortos e 11 feridos.

-- Ricardo Caetano

BRASIL NA FINAL DO HEARTHSTONE GLOBAL GAMES

Neves, Rase, Perna e Lucas formaram a seleção brasileira de Hearthstone no mundial que rolou na Blizzcon nesse ano. Os quatro, que já figuram entre os melhores jogadores do mundo, se uniram formando uma equipe muito consistente e bem desafiadora. Foi incrível ver os jogadores reunidos escolhendo cada uma das jogadas e nos levando para a grande final. Não levantamos a taça, mas provamos que também somos muito estrategistas.

-- Rodrigo Guerra

CLOUD9 LEVANDO AMÉRICA DO NORTE PARA O TOPO DO CS

Poucas pessoas apostavam que o 2018 de Counter-Strike: Global Offensive começaria com um resultado tão inesperado: uma equipe norte-americana vencendo um major. E a Cloud9 tratou de dar a grande surpresa da temporada.

Numa final épica, a C9 bateu a franca favorita FaZe Clan por 3 a 2 e ergueu o título do Eleague Boston Major - o primeiro troféu desse porte conquistado por um time dos Estados Unidos. Depois de fazer 3-0 no estágio The New Challengers sem muitos problemas, a equipe passou apuros no The New Legends e se classificou com uma vitória na última rodada diante da Vega Squadron.

Nos playoffs, o time também atropelou a G2 Esports nas quartas com 2 a 0 e bateu a SK Gaming - completada por João “felps” Vasconcellos -, por 2 a 1. Na decisão, o MVP Tarik “tarik” Celik e seus comandados venceram a prorrogação por 22-19 na Inferno, cravaram o 2 a 1 e entraram para a história dos esports.

Tão inesperado quanto o título, foi o fim daquela escalação. Mesmo fazendo história como primeiro campeão de major norte-americano, o quinteto se desfez rapidamente. Jake “Stewie2K” se transferiu para a SK, Tyler "Skadoodle" Latham se aposentou e Tarik se juntou ao ex-companheiro ao lado dos brasileiros. Hoje, menos de um ano depois da conquista, só Timothy “autimatic” Ta e Will “Rush” Wierzba permanecem na organização.

-- Roque Marques