<
>

Opinião: Não precisamos de FIFA 19, mas de um FIFA

FIFA 19 vem aí. Não seria melhor apenas atualizar o jogo que já tempos? Divulgação/EA Sports

Para milhões de jogadores em todo mundo, o terceiro trimestre de todo ano é especial. É quando empresas como Konami e EA Sports lançam novos games de suas franquias, Pro Evolution Soccer e FIFA, respectivamente. A espera e a felicidade são tão grandes, que por um tempo estes mesmos jogadores esquecem de algo que realmente odeiam: ter que comprar um novo jogo a cada ano.

Em época de lançamento, lá vão os jogadores gastar R$ 200 reais para ter seu novo FIFA ou PES, com “novos” gráficos, gritos de torcida e elencos com as novas aquisições de times. E só. É o que se espera de FIFA 19 ou PES 2019: um Salah com rating maior que a versão de 2018 e alguma estrela mais rebelde com seu novo penteado.

A cada ano, vende-se o jogo como algo totalmente novo, mas que na verdade mais parece um carro usado que passou por uma lanternagem. O investimento de R$ 200 reais é bastante alto para o que é entregue.

Em tempos de conteúdo online, cujo atualizações são facilitadas pela internet de banda larga, por que ainda não pensou em apenas ter jogos atualizados no lugar de “novos jogos”? A Copa do Mundo está no centro das atenções em FIFA 18: DLC gratuito ou jogo independente pago (como sempre foi)?

COPA DO MUNDO

A expectativa de conteúdo especial da Copa do Mundo em FIFA 18 é grande entre os jogadores e a noite desta quinta-feira (26) foi agitada. Alguns jogadores e membros da comunidade relataram em suas redes sociais informações sobre a possível resposta sobre o conteúdo do mundial no game.

Jogadores de PlayStation 4 notaram na loja digital, a PlayStation Store, que o atalho de FIFA mudou para uma uma imagem de Cristiano Ronaldo com a camisa de Portugal e o logo da Copa da Rússia. O fato durou alguns minutos e saiu do ar, mas foi o suficiente para imagens e vídeos serem compartilhadas.

Segundo as informações, a Copa do Mundo seria um DLC gratuito disponível em maio. Não é possível se ter algum tipo de certeza dada ao tamanho da imagem, mas a data de 27 de maio pode ser vista. Como conteúdo geralmente não é disponibilizado aos finais de semana, podemos deduzir 25 ou 28 do mês mesmo mês.

A Copa na franquia tem sido disponibilizada ao longo dos anos de realização do evento como um jogo independente. Assim, para se jogar FIFA e o mundial nos videogames, era preciso comprar dois jogos a cada quatro anos.

Uma DLC gratuita vem como uma celebração ao futebol nos games, um algo mais para o jogador que já investiu no FIFA mais atual, que geralmente compra FIFA Points em FUT e se diverte por muitas horas nele, e que acaba por ajudar a já arranhada imagem da EA junto a comunidade.

A IMAGEM DA EA ESPORTS

A EA tem sempre alguma polêmica, geralmente atrelada a sua fome monetária. Desde quando os Loot Boxes se tornaram uma fonte de renda extra, o tema volta à tona sempre que um jogador se enfurece ao ter que comprar novos itens para receber itens.

A polêmica dos Loot Boxes é grande, sendo comparada a jogos de azar e banidas de diversos países, como Holanda e Bélgica. O jogador, para ter uma experiência superior, recorre ao pagamento de itens que não garantem satisfação, mas a oportunidade de se conseguir conteúdo extra.

Em FIFA, com seus pacotes de jogadores, a polêmica se junta ao fato da compra anual do jogo e a frustração de se perder todo o elenco do Ultimate Team a cada temporada. Opa, gastamos tempo e dinheiro parta ter que recomeçar outra vez em FIFA 19? A EA tem a própria solução dentro de FUT.

O “MUNDO IDEAL”

O Desafio da Montagem de Elenco faz om que o jogador complete tarefas para conseguir determinados jogadores. É algo muito mais próximo do justo, já que precisamos muito mais do esforço do que a sorte dos pacotes. Se você cumprir as tarefas, cuja dificuldade está alinhada com a qualidade do prêmio, terá seu objeto de cobiça.

O famigerado “reset” da equipe, quando temos que reconstruir tudo, deveria dar lugar a manutenção do que se já gastou. O jogador tem um super time? Parabéns. O adversário não tem? Que ele monte seu esquadrão, pois saberá que o esforço não será em vão com o lançamento do próximo jogos. O circuito competitivo? Favoreça a habilidade individual de cada atleta eletrônico e ofereça todos os jogadores de FUT no circuito competitivo.

Já para o caso da venda anual, EA e Konami poderiam seguir o exemplo da Apple, por exemplo, e seu sistema operacional. A empresa da maça passou a disponibilizar seu sistema de forma gratuita feita de tempos em tempos de maneira digital. Não há venda direta do sistema, atrelada apenas a compra de um produto, como um laptop ou computador de mesa.

A Apple ganha na venda de aplicativos e de seus produtos, mas o software principal, a “alma” permanece grátis. Assim, o usuário decida onde vai gastar.

Em FIFA, o jogador decide se quer jogar a nova Champions League ou Brasileirão, e não receber a força a nova liga russa ou saudita. A loja dos games de futebol poderiam vender conteúdos robustos ou eventos determinados para dar a liberdade de escolha ao seu consumidor.

A personalização de FIFA, sem interferir no jogo em si para que o game não se torne um “pague para vencer”, pode ser o futuro que o jogador espera e pode pagar. Em vez de um “novo jogo” todos os anos, teríamos “um jogo novo”. No lugar de FIFA 19, teríamos FIFA. Ponto.