<
>

Power Ranking do Eleague Boston Major: Os "novos" desafiantes

kennyS e shox tiveram um 2017 de altos e baixos no supertime da G2 DreamHack

Para começar a temporada competitiva de 2018 com o pé direito, o Eleague Boston Major bate à porta. A competição mais prestigiosa do Counter-Strike: Global Offensive está de cara nova, mas a essência segue a mesma: os melhores times do mundo brigando pela maior fatia do prêmio de US$ 1 milhão. Ao contrário das edições anteriores, o Eleague Boston Major não terá um qualificatória offline. Essa etapa mudou de nome e agora é conhecida como “The New Challengers” - os novos desafiantes, em bom português.

De novos, porém, eles não tem (quase) nada. A fase inicial está repleta de figurinhas carimbadas: FaZe Clan, Cloud9, Natus Vincere, G2 Esports, Team Liquid, entre outros.

Das 16 participantes, 8 sobreviverão o sistema suíço e irão avançar para o estágio “New Legends” - a antiga fase de grupos. Lá, elas enfrentam as brasileiros SK Gaming e 100Thieves.

Para preparar os ânimos para a disputa, que começa na sexta-feira (12), o ESPN Esports Brasil preparou um power ranking para a fase inicial do torneio.

16 - Quantum Bellator Fire

Mantendo a atual escalação desde setembro, a Quantum Bellator Fire é a equipe menos conhecida do major. De origem russa, a organização foi vice-campeã do minor da Comunidade dos Estados Independentes.

O que pesa contra eles é a falta de experiência em competições presenciais. Além do minor, a Quantum Bellator Fire jogou apenas a qualificatória russa da WESG em lan, e ainda não contou com o lituano Aurimas "Kvik" Kvakšys, por conta da restrição de nacionalidade da disputa.

Para driblar esse problema, os russos apostam no fator surpresa. De menor escalão, é mais fácil da equipe preparar táticas inesperadas. Resta saber se isso será o suficiente para transformá-la em uma zebra gigantesca.

O primeiro confronto da Quantum Bellator Fire será contra a Na`Vi.

15 - Flash Gaming

A vaga no major” caiu no colo” da Flash Gaming após a desistência da TyLoo. Incunbidos de representar a China depois do embróglio entre a dona da vaga e Luis “peacemaker” Tadeu, QiFang "Karsa" Su e seus companheiros chegam desacreditados.

Isso porque a Flash foi apenas a terceira colocada no minor e tem utilizado uma escalação diferente da que estará no Eleague Boston Major. Karsa e KunHua “LOVEYY” Bai perderam a titularidade em dezembro, mas foram forçados a retornar por conta das regras de elenco da Valve.

Após um mês sem utilizar a dupla, a equipe corre contra o tempo para entrosar mais uma vez seu quinteto inicial. Numa competição tão concorrida como o major, é difícil pensar em uma equipe sem muito tempo de treino se dando bem.

A Flash estreia contra a G2 Esports.

14 - AVANGAR

O Cazaquistão tem entrado aos poucos no mapa do CS:GO. Depois da Gambit Esports levar a melhor no último major, é a vez da AVANGAR tentar a sorte na disputa por US$ 1 milhão.

O quinteto chega na disputa após vencer o minor CIS, batendo a Quantum Bellator Fire na decisão. O resultado, porém, não impressiona. Como as principais equipes da região já tinham vaga no major, não houve grandes concorrentes.

A situação só não é pior pois Timur "Buster" Tulepov conseguiu seu visto. O jovem cazaque teve a primeira solicitação do documento negada, mas resolveu a questão logo em seguida.

Mesmo completa, a equipe terá de ralar para reproduzir uma pequena parcela do sucesso da compatriota Gambit no PGL Kraków Major. O primeiro confronto da AVANGAR será diante da mousesports.

13 - Sprout

Criada a partir da espinha dorsal da Penta, a Sprout chega ao major cercada de desconfiança. Kevin “kRYSTAL” Amend e seus companheiros tiveram apenas uma competição presencial para se provar.

Ainda como Seed, o quinteto foi 3-4º colocado nas finais do ROG Masters 2017 EMEA. Lá, venceu Tricked na estreia e foi derrotada pela Gambit na semifinal.

No mais, a rotina dos alemães se resume em torneios de menor escalão e qualificatórias online. Os adversários dessas disputas dificilmente tem nível dos desafios que a equipe encontrará no grande palco e mesmo assim ela não tem grande sucesso - ou seja, dificilmente veremos a Sprout surpreender no major.

A estreia será diante da Space Soldiers.

12 - Vega Squadron

Depois de ganhar notoriedade ao eliminar a Ninjas in Pyjamas nas qualificatórias offline do Eleague Atlanta Major, a Vega Squadron volta a capital do estado da Georgia mais experiente.

Sem conseguir a vaga na ocasião, a equipe se classificou para o PGL Kraków Major e agora disputará seu segundo major consecutivo. A escalação é a mesma que foi eliminada ainda na primeira fase da disputa na Polônia.

Como trunfo, a Vega leva a experiência que adquiriu ao longo da última temporada. A equipe expandiu o seu cardápio de adversários ao longo de 2017, enfrentando equipes de outros locais. Além disso, passou intocada pelas mudanças na região CIS e manteve sua grande estrela, Nikokay “mir” Bityukov.

Apostando na bagagem adquirida e na manutenção da escalação, os russos estreiam diante da Renegades.

11 - Misfits

A mistura entre norte-americanos e franceses da Misfits debutará no Eleague Boston Major. A equipe comandada por Sean “seangares” Gares nunca disputou um torneio desse porte e sabe que não terá vida fácil se quiser avançar.

Conhecida por seu ótimo desempenho online, a equipe teve boas campanhas em suas últimas lans: vice-campeonato no minor, com derrota para a Liquid por 2 a 1, e 3-4º lugar nas finais da 6ª temporada da ESL Pro League, após levar 2 a 0 da SK nas semifinais.

Tentando manter a forma, a Misfits tem boas chances de se dar bem na qualificatória. A esperança fica nas mãos da dupla François “AmaNEk” Delauney e Shahzeb “ShahZaM” Khan - responsáveis pelo poder de fogo da equipe.

Resta saber se os jogadores conseguiram se provar no presencial pela terceira competição consecutiva. A Misfits encara a Flipsid3 Tactics em seu primeiro desafio.

10 - Space Soldiers

A Space Soldiers sempre esteve presente no radar dos amantes de CS:GO. A equipe turca aposta nos talentosos Can “XANTARES” Dörtkardeş e Buğra “Calyx” Arkın para tentar surpreender na sua mais dura missão até hoje.

Campeã do minor europeu, a SS quer provar que pode ir além. Em sua primeira apresentação em 2018, a equipe foi vice da 26ª temporada da ESEA MDL, mas teve o lado terrorista bastante criticado.

Como trunfo, a SS traz sua imbatível Cache - com 15 vitórias nas 15 vezes que jogou o mapa em presenciais em 2017. Não vetar o mapa pode ser fatal para os adversários, o que já coloca uma carta na manga dos turcos.

Resta saber se a equipe repetirá o bom desempenho contra adversários mais qualificados e conseguirá a sonhada vaga no palco principal. A estreia será diante da alemã Sprout.

9 - Team Liquid

Desfalcada de Lucas “steel” Lopes, a Liquid despencou pelo ranking. Em condições normais, a mais brasileira das norte-americanas estaria entre as favoritas para avançar para a fase de grupos, mas a situação é outra.

Com o treinador Wilton “zews” Prado completando a escalação, as chances de sucesso da equipe são menores, mas a vaga ainda é completamente possível. Jonathan “EliGE” Jablonowski e seus companheiros são mais do que capazes de “carregar” zews para a próxima fase.

A grande questão é o quão difícil será o caminho. Em jogos contra equipes com mais nomes talentosos ou com mais entrosamento, fica difícil vencer tendo um elemento que não está mais acostumado a ação do jogo e que não teve muito tempo de prática.

Para complicar ainda mais a vida da Liquid, o primeiro duelo é contra a temida FaZe Clan.

8 - Flipsid3 Tactics

Nesta vida só existem duas certezas: a morte e Yegor “markeloff” Markelov participando do major. O veterano ucraniano é um dos poucos da célebre lista de jogadores que jogou as 12 edições do torneio mais prestigiado do cenário.

A missão deste ano, porém, será mais difícil. markeloff perdeu o mais ilustre de seus companheiros, Denis “electronic” Sharipov, para a Na`Vi. Sem seu jogador mais regular, Andrey “B1ad3” Gorodensky terá de extrair o máximo de seus comandados.

Apostando no rígido sistema do capitão, a equipe tem o reforço de Denis “seized” Kostin, outro acostumado a disputar majors. Como a presença da F3 em lans é quase inexistente, não dá para saber o que esperar da equipe com o novo reforço. De qualquer modo, já estámos cansados de presenciar o "milagre da classificação" da mesma.

Para tentar mais uma vez se garantir entre as 16 principais equipes do mundo, a F3 encara a Misfits na rodada de número 1.

7 - Renegades

Embalados pela grande fase da dupla Keith “NAF” Markovic e Noah “Nifty” Francis, a Renegades chega ao Eleague Boston Major com grandes chances de classificação. A equipe de origem australiana não participa de um major desde a ESL One Cologne 2015.

Para mudar esse panorama, a confiança está em NAF e Nifty. Os norte-americanos foram as últimas adições da escalação e elevaram o patamar do time. Depois da chegada da dupla, a Renegades colecionou boas participações no presencial e títulos na segunda edição do StarLadder i-League Invitational e no minor asiático.

Resta saber se os jogadores manterão esse nível no grande palco. A estreia da Renegades acontece diante da Vega Squadron.

6 - EnVyUs

Formada pelos “restos” do supertime francês, a EnVyUs saiu muito melhor que a encomenda. Não que a equipe tenha se tornado uma super potência, mas se mostra uma concorrente digna e tem presença massiva em torneios presenciais.

Contando com um grande ano de Cédric “RpK” Guipouy, os franceses foram vice-campeões do minor europeu e 3-4º colocados na DreamHack Open Winter, seu último evento em 2017.

Com “Le Tank” vivendo um de seus melhores momentos e Vincent “Happy” Cervoni mostrando ter se reciclado como capitão, a nV é uma das maiores ameaças do primeiro estágio do major. Além da dupla, a máquina de highlights Adil “ScreaM” Bernlitom não pode ser ignorada.

Resta saber se os três jogadores conseguirão a ajuda dos inconsistentes Alexandre “xms” Forté e Christophe “SIXER” Xia. Em caso de negativa, a dupla pode sucumbir aos fantasmas de Fabien “kioShiMa” Frey e Mathieu "ZywOo" Herbaut, favoritos dos fãs para integrar a escalação.

A nV inicia sua jornada enfrentando a Cloud9.

5 - Natus Vincere

Uma das maiores decepções de 2017, a Na`Vi quer fazer do novo ano um cenário completamente diferente. Depois de passar toda a última temporada sendo carregada por Oleksandr "s1mple" Kostylev, os ucranianos querem voltar a glória.

Para isso, a organização tirou o “escorpião do bolso” para trazer electronic da Flipsid3. E deu resultado. Em seu primeiro presencial com o russo, a DreamHack Open Winter, a Na`Vi levantou sua única taça de 2017.

Visando repetir o bom desempenho, a Na`Vi figura entre as favoritas para conseguir chegar ao major. Mesmo após um ano decepcionante, não se pode duvidar da habilidade individual insana de s1mple e do ar de renovação que electronic deu ao time.

A estreia dos ucranianos será diante da Quantum Bellator Fire.

4 - mousesports

Conduzida por Tomáš “oskar” Šťastný, um dos melhores jogadores do mundo em 2017, a mouseseports chega no major como uma das favoritas a vaga. Ao contrário do que se pensava, a equipe só melhorou depois da saída de Nikola “NiKo” Kovac e viveu um bom ano.

Reformulada após a saída do astro bósnio, a mouz teve grandes momentos na última temporada, como o título na ESG Tour Mykonos e os vices na DreamHack Open WInter e na 4ª edição da Esports Championship Series.

Embalada pelos dois últimos resultados, que aconteceram em dezembro, o quinteto chega como uma quase certeza de vaga.

O primeiro adversário da mouz é a AVANGAR.

3 - Cloud9

Com a Liquid desfalcada e uma Misfits que ainda precisa se provar no presencial, a Cloud9 é a grande esperança norte-americana. A equipe de Jake “Stewie2k” Yip é uma das favoritas a conseguir a vaga no torneio de US$ 1 milhão.

Depois de ser eliminada na primeira fase da última edição do major, a C9 se reforçou com Tarik “tarik” Celik e Will “RUSH” Wierzba. A mudança deu resultado e a escalação conseguiu bons resultados no presencial, como semifinais na DreamHack Open Montreal, ESL One New York e Eleague Premier, além de títulos na DH Open Denver e iBUYPOWER Masters 2017.

Para chegar mais uma vez até a fase de grupos do major, a equipe quer repetir o bom desempenho que teve nesses torneios. Contando com o histórico do quinteto, não deve ser difícil alcançar esse objetivo.

A estreia da C9 será diante da EnVyUs.

2 - G2 Esports

Dona de um dos esquadrões mais talentosos do mundo, a G2 é franca favorita a vaga na fase de grupos. O supertime francês tem a experiência e a habilidade necessária para conseguir avançar sem sustos, mas teme a inconsistência.

Com estrelas como Kenny “kennyS” Schrub e Richard “shox” Papillon, o quinteto alterna facilmente entre maior pedra no sapato da SK e eliminada na primeira fase de ligas online.

O primeiro ano da equipe é repleto desses momentos. Formado após o Eleague Atlanta Major, o supertime venceu três presenciais: DreamHack Open Tour, finais da 5ª temporada da Pro League e DreamHack Masters Malmö. Para um time formado para ser um bicho papão, foi “pouco”.

O potencial está lá e isso foi mostrado em todos esses momentos. Mas também houveram as ocasiões onde a equipe perdeu em qualificatórias online para times inferiores, como Heroic e EnVyUs.

Mesmo instável e com shox longe de sua forma passada, a G2 não deve ter problemas para triunfar. A estreia dos franceses será diante da Flash.

1 - FaZe Clan

Ver o segundo melhor time do mundo disputando uma fase preliminar de major é até estranho. Encerrando a temporada em alta e vivendo seu melhor momento, a FaZe ainda não está garantida no olimpo do torneio de US$ 1 milhão.

Ao contrário da arquirrival SK, os europeus terão de suar para chegar até a etapa de grupos. Mas não deve ser difícil. Com um poder de fogo de dar inveja a qualquer um, a FaZe é a grande favorita a avançar e também a conquistar o major, já que a SK vem desfalcada para a disputa.

Passar por pelo menos 3 das 15 componentes do ranking não deve ser tarefa difícil para os comandados de Finn “karrigan” Andersen. Então, ao menos que uma tragédia aconteça, a FaZe dificilmente ficará de fora da fase The New Legends.

O jogo inaugural da equipe número 2 do mundo - e número 1 do nosso power ranking -, será diante da Liquid.