<
>

Alex Morgan, Caster Semenya e Naomi Osaka entram na lista das personalidades mais influentes do mundo

A nova edição da aguardada lista da revista Time coloca três mulheres do esporte entre as 100 pessoas mais influentes do mundo. Alex Morgan, Caster Semenia e Naomi Osaka aparecem no grupo ao lado de atletas como LeBron James e Mohamed Salah.

A lista é divulgada anualmente e, além de esportistas, inclui políticos, empresários e artistas. Os eleitos são divididos em três categorias: pioneiros, titãs e ícones.

Alex Morgan, jogadora do Orlando Pride e da Seleção Americana de Futebol, é uma das titãs. O perfil da atleta na revista foi escrito por outra lenda do futebol feminino, Mia Hamm.

“Desde a mais tenra idade, ela é alguém que demonstra capacidade de se conectar com os fãs e gerar mais emoção para sua equipe e para o esporte. Isso nem sempre foi fácil para mim, e Alex faz sem parecer um grande esforço”, elogiou Hamm. Eleita duas vezes a melhor do mundo, Hamm disse ainda Alex é uma influência para a próxima geração de jogadoras.

“Como mãe de filhas gêmeas de 12 anos, compreendo perfeitamente o impacto que Alex tem nessa próxima geração de jovens garotas. Sou extremamente grata que o futuro do futebol esteja em boas mãos”, completou.

A campeã mundial e olímpica de atletismo Caster Semenya é uma das personalidades da categoria ícones. Protagonista de uma polêmica permanente sobre seu gênero por ter mais testosterona do que as mulheres costumam produzir, Caster enfrentou - e ainda enfrenta - críticas pesadas para seguir no esporte. E faz isso de cabeça erguida.

Para o ex-atleta Edwin Moses, autor do perfil de Semenya na lista, a história da atleta traz uma lição: a de que o sexo nem sempre é binário. “A elegibilidade esportiva não deve ser baseada em níveis hormonais ou outras diferenças de desenvolvimento sexual”, opinou.

Moses acredita que o esforço de Semenya possa ser uma prerrogativa para a inclusão de atletas que se identificam como mulheres em competições femininas.

Na lista de personalidades pioneiras, a atleta mais jovem entre as três: Naomi Osaka. A tenista de 21 anos que surpreendeu o mundo ao derrotar a lenda Serena Williams no U.S. Open é descrita por Chris Evert, ex-número 1 do mundo, como uma atleta que representa melhor do que ninguém o “futuro globalizado e multicultural”.

Osaka, que nasceu no Japão mas representa os EUA no tênis, é filha de pai haitiano e mãe japonesa. “Algumas pessoas querem que ela abrace uma identidade única, mas (Osaka) está mais preocupada em ser apenas ela mesma”, disse Chris.