<
>

Libertadores: Campeã e craque do Atlético Huila, Yoreli Rincón revela que time feminino não receberá dinheiro da premiação

Pela primeira vez na história, uma equipe da Colômbia foi campeã da Libertadores feminina. O Atlético Huila, time da Liga Colombiana feminina, que só existe há duas temporadas, venceu o bicampeão Santos para levar o cobiçado troféu do torneio continental para o país. A melhor participação de um time colombiano na Libertadores havia sido em 2013, quando o Formas Íntimas ficou com o vice-campeonato ao perder para o brasileiro São José na final.

Em um jogo que foi levado para a decisão dos pênaltis no último domingo, a camisa 10 Yoreli Rincón foi quem fez o último gol, para liquidar a vitória do Huila por 5 a 4. Porém, embora o time tenha ficado com a vitória e a consagração do título, Rincón veio a público na terça-feira (04) revelar que a premiação de 55 mil dólares não iria para as mulheres e sim, para o time masculino, que joga na primeira divisão da Liga Colombiana.

Nas redes sociais, a camisa 10 desabafou: “Como campeãs que ganham 55 mil dólares, o dinheiro nunca chegará até nós. Será do Atlético Huila masculino, uma equipe que tem o presidente diferente da nossa”. Além disso, a meia também disse que o dinheiro que chega até as jogadoras, sai do bolso do próprio presidente da equipe, Diego Perdomo: “Temos um reconhecimento que nosso presidente vai dar, mas seu bolso e não o prêmio que devia ser recebido por termos sido campeãs da Copa Libertadores 2018. Lamentavelmente, este é o futebol feminino”. O presidente da equipe masculina é Juan Carlos Patarroyo.

Após chegada na Colômbia, Yoreli Rincón disse na coletiva de imprensa que quer apenas apoio ao futebol feminino. “Queremos mais que dinheiro. Queremos um campeonato, contrato para todas as jogadoras” – disse a meia sobre a liga colombiana, que será disputada pelo terceiro ano consecutivo em 2019.

Sobre a premiação, porém, na mesma coletiva, Rincón afirmou que foi feito um acordo e que a premiação será sim paga à equipe feminina: “Conseguimos chegar a um acordo, é um prêmio, creio eu, mais do que merecido para essas 20 jogadoras, a equipe técnica e especialmente ao Diego, nosso presidente” – e completou – “Acho que lutamos, trabalhamos e é algo normal que a equipe vencedora aproveite o prêmio”.