<
>

Técnico da seleção feminina inglesa, Phil Neville, mostra preocupação com 'padrão de arbitragem' no futebol feminino

Phil Neville, técnico da seleção feminina inglesa durante amistoso contra Austrália Getty Images

O técnico da seleção feminina da Inglaterra, Phil Neville, disse que o nível de arbitragem no futebol feminino o preocupa, depois de não terem marcado duas penalidades a favor de seu time no empate em 1 a 1 com a Austrália, na última terça-feira (10) no estádio Craven Cottage, em Londres.

O gol de Fran Kirby, aos 84 minutos, foi impedido pela zagueira australiana Clare Polkinghorne, mas antes, a Inglaterra perdeu diversas oportunidades de gol durante o jogo.

O time da casa teve um pênalti não marcado no final da partida, depois de Nikita Parris, que havia saído do banco, foi derrubada dentro da área. Além disso, a seleção inglesa também apelou por uma penalidade não marcada no primeiro tempo e por ter um gol anulado incorretamente.

Há rumores de que o VAR estará presente na Copa do Mundo Feminina na França, no ano que vem, assim como foi na Rússia, embora o ex-jogador do Manchester United e do Everton, Phil, tenha dito que o padrão de arbitragem o preocupava.

"Ter VAR na Copa do Mundo não me preocupa", disse Neville. "O que me preocupa é o padrão de arbitragem. Estamos colocando as jogadoras sob imensa pressão, para desafiá-las a serem melhores profissionais e jogarem melhor futebol. Queremos que o jogo das mulheres seja o topo absoluto e então eu vejo uma performance como essa? A atuação dessa noite [do árbitro]: essa é a minha maior preocupação”.

"É parte do futebol. Uma vez eu joguei um jogo pelo Manchester United contra o Tottenham e o Tottenham marcou quando Roy Carroll (goleiro do United) levou para sua rede e o jogo seguiu. Então acontece, eu não estou dizendo que é o jogo das mulheres. Acontece em ambos os lados. Mas eu apenas acho que o padrão de arbitragem está menor do que deveria ser."

Após jogar o segundo amistoso consecutivo, Neville também ficou frustrado com o resultado. Depois de derrotar o Brasil por 1 a 0 no sábado, Neville pediu às jogadoras que fossem mais implacáveis na frente do gol, mas só podia ver como sua equipe perdeu várias oportunidades de cravar a vitória em Craven Cottage.

"Eu me responsabilizo pelas chances porque eu falo sobre liberdade de expressão", disse Neville. "Eu quero que as jogadoras passem a bola, driblem, criem um contra um. Talvez seja hora de voltar a enrolar a bola no fundo da rede."

"Mas eu gosto de ver o que elas fazem. Vendo Fran Kirby indo cara-a-cara com alguém e depois procurando por uma pessoa que está em melhor posição para marcar, isso é o que as grandes jogadoras fazem e é isso que grandes equipes fazem. Então nós vamos perseverar com isso porque isso nos levará aonde queremos chegar”.