<
>

Ela decide quem chega e quem sai: quem é a 'Dama de Ferro' do mercado no Chelsea

Marina Granovskaia é diretora executiva do Chelsea Getty

Um dos destaques do futebol inglês nos últimos anos e cobiçado por diversos clubes europeus, Ross Barkley acertou contrato de cinco anos com o Chelsea nessa sexta-feira e chegou por 15 milhões de libras (cerca de R$ 65 milhões). Ele posou para fotos e ao lado dele estava a responsável por mais uma negociação de sucesso no clube inglês: Marina Granovskaia, conhecida como ‘Dama de Ferro’. Braço direito de Roman Abramovich – dono dos Blues –, é ela que decide quem chega e quem sai.

Discreta, a russa começou a ganhar os holofotes de novembro para cá, quando o diretor técnico Michael Emenalo foi desligado do Chelsea. O nigeriano não estaria lidando bem com o fato de ser subordinado de Granovskaia, diretora técnica, e isso teria sido um dos motivos para sua saída. Mas a discreta dirigente manda e desmanda faz tempo.

Formou-se em línguas estrangeiras na Universidade do Estado de Moscou em 1997 e, no mesmo ano, começou a trabalhar na Sibneft, empresa de petróleo de Abramovich, com sua assistente pessoal. Foi então que teve início uma relação duradoura e de extrema confiança. Em 2003, o oligarca comprou o Chelsea, e Granovskaia voou para Londres, mas só em 2010 passou a representar o russo na direção do clube. Três anos depois, foi oficializada como diretora.

Sua filosofia, desde então, é não desperdiçar uma libra sequer, e depois de os primeiros anos da Era Abramovich terem sido marcado por loucuras financeiras em que se gastava mais do que faturava, ela inverteu o ciclo pregando a política de ‘vender caro para comprar barato’. Não à toa, aos 42 anos, é considerada uma das mulheres mais poderosas no futebol mundial.

Marina Granovskaia teria dado um ultimato no lendário zagueiro John Terry quando ele deixou o Chelsea, pedindo que aceitasse o salário oferecido ou saísse, e foi ela a responsável por fechar com a Nike um contrato de 60 milhões de libras, o terceiro mais valioso do mundo na época.

Foi a diretora quem conseguiu vender David Luiz ao PSG por inacreditáveis 40 milhões de libras (mais de R$ 228 milhões) – muito dinheiro por um zagueiro – e contratar Diego Costa, um goleador então em alta, por menos 8 milhões de libras (lucro superior a R$ 45 milhões nas duas transações). Também foi ela quem trouxe José Mourinho de volta em 2013, contra a vontade de Abramovich, desta vez com gastos limitados.

Outra negociação de destque foi mudar o caminho do brasileiro Willian, que estava praticamente acertado com o Tottenham. Mas seu grande prestígio começou a ser construído antes, em 2009, quando bancou Didier Drogba no Chelsea mesmo depois de uma temporada turbulenta. O atacante assinou um novo contrato, de três anos, e marcou o pênalti que deu ao time inglês o título da Champions League 2011/2012 contra o Bayern de Munique.

“Com Marina, ‘não’ signfica ‘não’, o que é muito raro no futebol. ‘Não’ pode frequentemente significar que você ainda terá umas 20 reuniões e eventualmente chegar a um acordo. Mas quando ela diz ‘não’, você não terá outra chance de conversar”, disse um empresário ao jornal inglês The Telegraph.