<
>

Uma triste história em família do ciclismo: pai dopado, mãe que importava drogas, um filho flagrado e outro com morte investigada

Raimondas Rumsas durante a edição 89 do Tour de France, em julho de 2002 Getty Images

A história do ciclista Raimondas Rumsas e sua família é sombria. Foi o que relatou reportagem do El País no dia 3 de outubro, mesma data em que um tribunal italiano antidoping anunciou a suspensão provisória do filho do atleta, de mesmo nome e só 23 anos.

Em maio deste ano, o Ministério Público de Lucca, na Toscana, Itália, abriu uma investigação sobre a morte súbita de Linas Rumsas, irmão mais novo de Raimondas e também ciclista. Entre os pesquisados, os líderes de sua equipe amadora e seu pai, Raimondas Rumsas, 45, e ciclista profissional lituano na última década.

O resto da história pode ser contado a partir de 28 de julho de 2002. Perto de Bonneville, nos alpes franceses, a polícia detém Edita Rumsas, esposa de Raimondas e mãe de Linas e Raimondas. Em seu carro, uma grande quantidade e variedade de substâncias dopantes. "Eles são para minha mãe, que está doente", explicou a mulher.

No mesmo dia, em Paris, seu marido subiu ao pódio dos Champs Elysees como terceiro lugar no Tour de França, atrás de Lance Armstrong, vencedor do quinto Tour, e Joseba Beloki, com seu terceiro pódio na prova.

É o momento de maior glória de um ciclista que surpreendeu alguns anos antes ao ganhar a Volta da Lombardia (seu primeiro triunfo profissional) e que em 2001 venceu a Volta do País Basco. Os tribunais franceses acusam crime de importação ilegal de substâncias dopadas.

Em janeiro de 2005, um tribunal de Lyon condenou-os a a quatro meses de prisão. Até então, Raimondas pai não é mais um corredor profissional. Sua carreira, iniciada no Mroz polonês e depois nos times italianos Fassa Bortolo e Lampre, terminou de repente em junho de 2003, quando foi anunciado testou positivo durante a Volta da Itália que terminou em sexto.

Ele foi suspenso por um ano, quando tinha 31 anos. Ele retornou em agosto de 2004, e em dezembro ele se aposentou. Ele continuou a viver na Itália, onde se estabeleceu no início de sua carreira, observando seus filhos crescerem, que se tornaram ciclistas, como ele.