Novo amuleto da sorte do Minnesota Vikings, senhora de 99 anos ganha ingressos para o Super Bowl LII

Cacau Custódio

Twitter: @NFLNatalie
Millie Wall e neta ganham ignressos para o SB LII
Millie Wall e neta ganham ignressos para o SB LII

O jogo foi no domingo, mas até agora a imagem do Milagre de Minnesota dá arrepios em qualquer pessoa que goste de esportes, sejam torcedores dos Vikings ou não. Mas para uma ilustre torcedora de Minnesota, a vitória teve um gostinho ainda mais especial.  

Millie Wall torce pelo time de Minneapolis desde 1961, quando a franquia foi fundada. Nunca, em seus quase 100 anos de idade (completa seu centenário no dia 4 de julho de 2018), ela havia assistido ao vivo a um jogo de playoffs da NFL, mas o Minnesota Vikings resolveu mudar essa história no último domingo, dia 14, quando presenteou Millie com ingressos para o jogo contra o New Orleans Saints.

Na carta enviada pelos Vikings, estava escrito:  

“Nós sabemos que você nos trará sorte quando entrarmos para este jogo de playoff e esperamos trazer a final para casa”.  

Mas nem o próprio autor da carta sabia a profecia que acabará de fazer! Contra todos os santos, um verdadeiro milagre aconteceu naquela noite, quando faltando 10 segundos para o fim da partida, Case Keenum achou Stefon Diggs para virar o jogo e colocar os Vikings nas finais de conferência da NFL.  

E mesmo quando tudo parecia perdido para os torcedores dos Vikes, tão acostumados com tragédias em jogos importantes, Millie Wall acreditava:  

“A melhor parte foi que, como todo torcedor dos Vikings sabem, quando a gente perde a liderança, perdemos a esperança, mas ela continuou acreditando. Ela falava: ‘a gente vai conseguir, só precisamos de uma interceptação. A gente vai vencer’”, contou Ashley Wall, neta da dona Millie. “Ver ela tão esperançosa, não são muitos torcedores dos Vikings que ficam assim”. 

Millie estava certa. Pouco depois, ela gritava “Skol” com toda a torcida, inflamada pelo seu quarterback. E aproveitou para fazer ali a sua própria profecia, em um cartaz no qual escreveu as três coisas que fariam o centésimo ano ser o melhor de sua vida. Entre elas, pode-se ler: ver o Vikings ganhar o Super Bowl.  

Twitter: @ashleyjwall
Cartaz de Millie Wall dá a receita para o seu centenário perfeito
Cartaz de Millie Wall dá a receita para o seu centenário perfeito

E olha que Millie chegou ao Super Bowl LII antes mesmo do seu amado Minnesota Vikings. Durante a partida contra os Saints, Roger Goodell, comissário da NFL, foi até o assento da senhora e a presenteou com dois ingressos para a grande final, que agora ela irá com sua neta Ashley, também fanática pelos Vikes. 

Twitter: @NFLNatalie
Roger Goodell foi até Millie Wall para lhe entregar ingressos para o SB LII
Roger Goodell foi até Millie Wall para lhe entregar ingressos para o SB LII

Então, só falta o Minnesota Vikings fazer a sua parte e derrotar o Philadelphia Eagles para encontrar dona Millie em casa, no dia 4 de fevereiro, já que o SB LII será disputado justamente no US Bank Stadium, estádio dos Vikes. Convidada para voar com o time para a Filadélfia, ela achou melhor permanecer em Minneapolis com a família, por questões de saúde e conforto, mas estará ligada na televisão, torcendo como nunca para que seu time a presenteie mais uma vez! 


A ESPN transmite as finais de conferência no próximo domingo a partir das 17h. 

Os troféus, quem mais jogou e comandou: as curiosidades das finais de conferência

ESPN.com.br

Chegou a hora de conhecermos os dois times que vão para o Super Bowl LII, no dia 4 de fevereiro.

Mas o domingo já é dia de duas equipes levantarem troféus. Afinal, Patriots e Jaguars vão disputar o título da AFC, enquanto Eagles e Vikings brigam para serem os melhores da NFC.

Confira algumas curiosidades das Finais de Conferência.

  • O troféu da AFC

Elsa/Getty Images
Na AFC, o troféu se chama Lamar Hunt
Na AFC, o troféu se chama Lamar Hunt

As finais de conferência começaram a ser disputadas em 1970, mas só a partir de 1984 elas ganharam seus troféus próprios.

Na AFC o troféu leva o nome de Lamar Hunt, um dos maiores promotores do futebol americano nos Estados Unidos, fundador da AFL (que se tornaria a AFC na fusão das ligas na criação do Super Bowl), e também do Kansas City Chiefs.. Ele está no hall da fama do futebol americano, assim como da MLS, a liga de futebol da bola redonda, e até do tênis.

  • O troféu da NFC

Kevin C. Cox/Getty Images
O troféu George Halas é entregue ao campeão da NFC
O troféu George Halas é entregue ao campeão da NFC

Na NFC a decisão já contou com a participação de todas as franquias que fazem parte da conferência. Porém, o torcedor do Detroit Lions é o único que nunca levou o troféu para casa.

A peça leva o nome de George Halas, fundador e dono do Chicago Bears entre 1920 e 1983, quando faleceu. Além de ser proprietário da equipe, ele também foi jogador dela e treinador, levando prêmios em todas estas funções.

  • O ‘arroz de festa’

Al Bello/Getty Images
O último título dos Steelers na AFC foi em 2010
O último título dos Steelers na AFC foi em 2010

O time que mais vezes apareceu na decisão de sua respectiva conferência foi o Pittsburgh Steelers, que foi para a decisão 16 vezes, carimbando o passaporte para o Super Bowl em oito oportunidades (ganhou seis delas, sendo o maior campeão).

Na NFC o recordista é o San Francisco 49ers, que já decidiu a conferência em 15 oportunidades. Foram seis títulos e nove derrotas.

Na sequência aparece o New England Patriots, que vai aparecer em nossos próximos três recordes.

  • Segura esta sequência

Maddie Meyer/Getty Images
Patriots são os atuais campeões da AFC
Patriots são os atuais campeões da AFC

A vitória contra os Titans no último sábado colocou o New England Patriots na final da AFC pela sétima vez consecutiva, um recorde na liga. Antes a melhor marca era do Dallas Cowboys, que foi seis vezes seguidas, entre 1991 e 1996.

Nas seis edições anteriores, os Patriots conquistaram três títulos e perderam outras três, sendo derrotado apenas uma vez jogando em casa, contra o Baltimore Ravens, em 2013.

  • O grande comandante

Ronald Martinez/Getty Images Sport
Bill Belichick disputa sua 12ª final de conferência
Bill Belichick disputa sua 12ª final de conferência

Se os Patriots chegam pela sétima vez seguida, o técnico Bill Belichick se orgulha de colocar a franquia no último degrau antes do Super Bowl pela 12ª vez, um recorde entre os treinadores.

Antes da chegada do técnico, os Patriots só haviam aparecido na decisão da AFC duas vezes, vencendo ambas, mas perdendo o Super Bowl. Com Belichick no comando, a equipe tenta ser a primeira com 10 aparições na grande decisão.

  • Se tem alguém acostumado com o jogo…

Getty
Tom Brady jogará a decisão pela 12ª vez
Tom Brady jogará a decisão pela 12ª vez

… esse é Tom Brady. Nas 16 temporadas completas em que jogou como titular (em 2008 se machucou logo no primeiro jogo), ele alcançou a decisão da conferência 12 vezes.

Gene Upshaw, ex-jogador de linha ofensiva dos Raiders, e George Blanda, ex-quarterback que defendeu Bears, Colts, Oilers e Raiders, aparecem na sequência, com 10 aparições cada.

Para lavar a alma! Milagre de Minneapolis põe fim na longa lista de frustrações dos Vikings

ESPN.com.br
Jamie Squire/Getty Images
Stefon Diggs comemora o TD da vitória no domingo
Stefon Diggs comemora o TD da vitória no domingo

É pouco provável que a festa em Minnesota tenha acabado até hoje. E é difícil prever quando o touchdown de Stefon Diggs deixará de passar na cabeça dos torcedores e nas telas de TV.

A vitória heróica sobre o New Orleans Saints pode ser ainda mais comemorada por ser algo que foge completamente do histórico dos Vikings na liga: vencer, e não perder, na última hora.

Confira a lista de jogos decisivos que terminaram com uma “punhalada no coração” do torcedor de Minnesota.

 

  • Divisional de 1975
Tony Tomsic/Getty Images
 Roger Staubach prepara para o passe que acabou com os sonhos dos Vikings
Roger Staubach prepara para o passe que acabou com os sonhos dos Vikings

Encarando o Dallas Cowboys, em Minneapolis, os Vikings tinham uma vantagem de 14 a 10 com apenas 24 segundos restando no relógio. Até que Roger Staubach acertou um passe de 50 jardas para Drew Pearson marcar o TD da vitória. A “Hail Mary” não só foi cruel como foi polêmica, já que os torcedores de Minnesota reclamaram de uma interferência no passe não marcada contra o ataque.

  • Final da AFC de 1998
CRAIG LASSIG/AFP/Getty Images
Morten Andersen comemora o chute da vitória dos Falcons
Morten Andersen comemora o chute da vitória dos Falcons

No antigo Metrodome, os Vikings vinham de uma temporada de 15 vitórias e recebiam os Falcons, que haviam vencido 14 na temporada regular. Depois de acertar todos os 35 chutes que tentou na temporada regular, Gary Anderson perdeu um field goal que poderia ter encerrado o jogo. Atlanta empataria a partida com menos de um minuto para o fim, e venceriam na prorrogação com um field goal de 38 jardas.

  • Semana 17 de 2003
Jeff Gross/Getty Images
Jogadores dos Vikings lamentam derrota no final
Jogadores dos Vikings lamentam derrota no final

Nesta ocasião os Vikings foram eliminados dos playoffs antes mesmo de jogarem ele. Vencendo os Cardinals por 17 a 12 no minuto final, eles sacaram Josh McCown duas vezes e Arizona foi para a quarta descida com o relógio andando. Só que o QB achou Nathan Poole na endzone para vencer o jogo, tirar os Vikings e classificarem os Packers. Poole, aliás, recebeu a chave da cidade em Green Bay alguns dias depois.

  • Final da AFC em 2009
Ronald Martinez/Getty Images
Brett Favre lamenta interceptação no 4º período
Brett Favre lamenta interceptação no 4º período

Com o jogo empatado com 28 pontos para cada lado, os Vikings, fora de casa, faziam uma última campanha sólida, com o chute do field goal quase garantido. Só que, quando restavam 19 segundos para o fim, na linha de 33 jardas do campo de ataque, o ataque de Minnesota foi punido por ter 12 homens em campo. Na jogada seguinte, Brett Favre foi interceptado por Tracy Porter. Na prorrogação, deu Saints.

  • Wild Card de 2015
Jamie Squire/Getty Images
Blair Walsh erra o field goal que daria a vitória aos Vikings
Blair Walsh erra o field goal que daria a vitória aos Vikings

Esse lance ainda estava muito vivo na cabeça do torcedor dos Vikings. Jogando no congelante TCF Bank Field, já que o novo estádio ainda estava sendo construído, Minnesota vencia por 9 a 0 até o quarto período, quando os Seahawks viraram para 10 a 9. Com poucos segundos no relógio, a vitória viria com um chute de 27 jardas, mas Blair Walsh errou o alvo em um lance que só deve ter se curado neste último domingo

Do nada aos playoffs, a temporada do Buffalo Bills valeu a pena

Gustavo Hofman
Getty
Taylor foi titular nos últimos dois anos em Buffalo
Taylor foi titular nos últimos dois anos em Buffalo
Os últimos dias foram de bastante emocionantes para os torcedores do Buffalo Bills. Afinal, após quase 18 anos, o time voltou aos playoffs - e de maneira dramática. Depois, teve reais possibilidade de eliminar o favorito Jacksonville Jaguars, mas caiu pelas próprias incapacidades ofensivas. Assim, permanece há mais de 22 anos sem um triunfo na pós-temporada.

O mais importante, agora, é perceber como há boas perspectivas. Depois da eliminação, o técnico Sean McDermott fez questão de ressaltar que tudo aquilo era apenas o "começo". Quando Terry Pegula comprou os Bills em 2014, ele queria que a franquia recuperasse o respeito dos adversários, e isso definitivamente aconteceu.

Não foi uma temporada perfeita, longe disso. O time perdeu jogos que não poderia, como na semana nove para o New York Jets; McDermott errou de maneira absurda ao colocar Tyrod Taylor no banco e começar com Nathan Peterman na semana 11 contra o LA Chargers; Mas acima de tudo, o saldo foi positivo para Buffalo.

Retornar aos playoffs devolveu a confiança aos torcedores, talvez os mais fanáticos da NFL. A cultura perdedora desapareceu dos vestiários e foi embora com Rex Ryan e Doug Whaley. A defesa segue forte, com destaques individuais como Preston Brown e o excelente rookie Tre'Davious White. Tudo isso sem falar em LeSean McCoy e em uma temporada onde poucos acreditavam que o time teria uma campanha positiva, inclusive pelos indicativos dados pela comissão técnica.

Ao negociar o WR Sammy Watkins e o CB Ronald Darby por escolhas no draft, a mensagem que a torcida entendia era de que "estamos em processo de reconstrução". Algo absolutamente natural para uma disfunctional franchise em busca de rumo com novo treinador e general manager. Depois do início de 5-2, aos poucos todos perceberam que as coisas poderiam acontecer mais cedo do que a maioria imaginava.

Algumas decisões serão muito importantes para o próximo passo do Buffalo Bills. Quem não é torcedor do time, talvez entenda agora, depois da derrota para os Jags, por que um novo quarterback é necessário. Além das questões contratuais (salário de US$ 18 milhões na próxima temporada, bônus de US$ 6 milhões em março), Taylor não tem a ambição necessária e o talento exigido para ser um franchise QB.

Taylor teve bom rating (53), baixíssimo número de interceptações (5), é bastante regular, mas precisa de algo a mais para liderar o Buffalo nesse próximo nível. O time teve índice de 176.6 jardas aéreas por jogo, 31o pior da liga na temporada regular. As chances desperdiçadas pelos Bills no jogo contra os Jaguars foram sintomáticas. Trata-se de um jogador muito bom, que vai seguir a carreira na liga, mas os Bills precisam mudar. E não apenas com ele, com o coordenador ofensivo, Rick Dennison, também.

Esse próximo passo pode vir através do draft, esperado um prospecto na 21a escolha ou trocando essa e a 22a para subir na lista - a franquia tem ainda mais duas escolhas na segunda rodada, uma na terceira, uma na quarta e duas na quinta. Pode ir ao mercado buscar um veterano para ajudar no desenvolvimento de Peterman e ainda selecionar um calouro. Alex Smith, que desempenhou papel semelhante no Kansas City Chiefs, seria uma ótima opção. Não se reconstrói uma franquia do dia para a noite.

O melhor de tudo, para o torcedor dos Bills, é aguardar com ansiedade a próxima temporada porque a perspectiva é boa. Algo que não acontecia há muito tempo.

Brady, Gurley, Wentz, Brown ou outro? Os candidatos ao prêmio de MVP de 2017

ESPN.com.br

A temporada regular chegou ao fim, os playoffs estão começando, mas o momento é perfeito para discutirmos quem será eleito o MVP de 2017.

O prêmio será entregue na noite do dia 3 de fevereiro, véspera do Super Bowl, mas vai alimentar discussões até lá.

Vale lembrar que os votos não levam em consideração o que o jogador venha a fazer agora na pós-temporada.

Confira quem são os principais candidatos:

 

  • Tom Brady - Patriots

Getty
Tom Brady pode ser MVP pela terceira vez
Tom Brady pode ser MVP pela terceira vez

Aos 40 anos, Tom Brady demonstrou que está longe de estar acabado. Ninguém teve mais jardas lançadas do que o camisa 12 de New England (4.577), e ele ainda foi o terceiro com mais passes para touchdown (32), terminando o ano com oito interceptações.

Brady conseguiu fazer o time avançar mesmo com muitos problemas na defesa, e buscou viradas incríveis, como a que determinou a melhor campanha da AFC, contra os Steelers. Ele já teve números melhores na carreira? Sim, mas isso não quer dizer que não tenha feito por merecer o terceiro prêmio de melhor jogador da temporada.

  • Todd Gurley - Rams

Getty
Todd Gurley foi a principal arma do ataque dos Rams
Todd Gurley foi a principal arma do ataque dos Rams

O running back do Los Angeles Rams talvez seja o maior adversário para Tom Brady. Gurley superou o fraco ano de 2016 e terminou com 2.093 jardas totais, sendo 1.305 corridas e 788 recebendo passes, e 19 touchdowns, sendo 13 pelo chão.

Gurley foi a principal peça do poderoso ataque do Los Angeles Rams, com apresentações como a contra os Titans, quando teve, sozinho, um total de 276 jardas, ou contra os Seahawks, com quatro touchdowns.

  • Carson Wentz - Eagles

Getty
Carson Wentz lesionou o joelho na 14ª semana
Carson Wentz lesionou o joelho na 14ª semana

Até mesmo a lesão de Carson Wentz foi digna de destaque. Seus ligamentos do joelho foram rompidos enquanto tentava marcar um touchdown. A jogada voltou por causa de uma falta, e ele permaneceu em campo para conectar um passe com a endzone.

Este foi o 33º passe para TD do jogador que está em seu segundo ano na liga, a segunda melhor marca da temporada na NFL – atrás apenas de Drew Brees. Pesa contra ele apenas o fato de não ter jogado a temporada completa, mas ainda é um forte candidato.

  • Antonio Brown - Steelers

Getty
Antonio Brown pode ser o primeiro recebedor eleito MVP
Antonio Brown pode ser o primeiro recebedor eleito MVP

Além de não ter terminado a temporada, perdendo dois jogos por lesão assim como Wentz, pesa contra Antonio Brown o fato de nenhum wide receiver jamais ter recebido o prêmio de MVP de uma temporada.

Mas Brown fazia uma temporada mais do que digna do prêmio, liderando a liga em jardas recebidas (1.533), além de ficar em quinto em recepções (101),  e em quarto em touchdowns aéreos (9). Não fosse a lesão sofrida contra os Patriots, seus números seriam ainda mais impressionantes, e sua candidatura ainda mais forte.

  • Correm por fora

Além dos quarto acima, outros jogadores podem sonhar com o prêmio, mas correm por fora. Russell Wilson é um deles, afinal foi quem mais passou para TD (34) e praticamente carregou sozinho um Seahawks que não tinha jogo corrido e esbanjava problemas na linha ofensiva. Não ir aos playoffs deve pesar.

Outros dois quarterbacks podem ser lembrados, mas parece pouco próvavel. Drew Brees foi o segundo com mais jardas (4.334), mas o ataque dos Saints era bem balanceado com seu corpo de corredores. Mais surpresa ainda seria ver Case Keenum como premiado, por mais que tenha feito uma temporada consistente com os Vikings.

mais postsLoading