ESPN faz lista com os 100 maiores jogadores da história: opine, discorde e divirta-se

NBA na ESPN
NBA na ESPN
ESPN
top 100

Quem são os melhores jogadores da história da NBA? Para responder a pergunta, a ESPN recrutou especialistas do mundo inteiro. A missão é das mais ingratas, afinal, são eras distintas, posições diferentes, características até conflitantes.

Tudo começou em janeiro, com algumas "pílulas", cada uma contendo 10 jogadores. Primeiro, os armadores.Depois, alas-armadores e alas. Vieram, então, os alas-pívôs. Por fim, os pivôs

No fim de janeiro, a ESPN começou a sua contagem regressiva do top 100, chegando à apoteose na semana do Carnaval.  

Eleger 100 parece até fácil, afinal, são muitos jogadores. Mas, assim como acontece com qualquer lista, tudo - ou quase tudo - é passível de discussão. Você vai achar falta de um ou outro nome? Opa, sim. Vai ver que alguns de seus preferidos não estão entre os melhores? Com certeza. Vai discutir por que tal jogador apareceu na frente de outro? Sem dúvida!

Abaixo, a lista completa, com um pequeno perfil de cada eleito. Os prêmios foram simplificados, assim, um jogador eleito para o segundo ou terceiro time ideal da temporada aparecerá como eleito para a seleção da temporada. E por aí vai. 

Discuta, opine, discorde! E, principalmente, divirta-se"

 

1 – Michael Jordan

  • Acho que Deus se disfarçou de Michael Jordan"
  • 1986
  • Larry Bird, sobre o rival do Chicago Bulls

Posição: ala-armador

Times: Chicago Bulls (1984-93, 1995-98), Washington Wizards (2001-03)

Prêmios: 5 vezes MVP (1987-88, 1990-91, 1991-92, 1995-96, 1997-98), 6 vezes MVP das Finais, 14 vezes All-Star, 11 vezes na seleção da temporada, 9 vezes no time defensivo do ano, 10 vezes cestinha da temporada, Jogador Defensivo do Ano (1987-88), Novato do Ano (1984-85), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 6 (1991, 1992, 1993, 1996, 1997, 1998)

Números da carreira (média): 30,1 pontos, 6,2 rebotes, 5,3 assistências, 49,7% de aproveitamento

Apelido: Air Jordan, His Airness

Você sabia? Nas 11 temporadas nas quais jogou pelo menos 20 partidas com os Bulls, Jordan terminou entre os cinco mais votados para o prêmio do MVP dez vezes. A exceção? A temporada de novato, quando terminou em sexto. E nos playoffs, analisando pela posição de classificação, nos tempos de MJ, os Bulls nunca foram superados contra franquias de campanha igual ou inferior. O recorde é de 24 vitórias e nenhuma derrota.

ESPN
Michael Jordan 1

 

2 – Kareem Abdul-Jabbar

Posição: pivô

Times: Mikwaukee Bucks (1969-1975), Los Angeles Lakers (1975-1989)

Prêmios: 6 vezes MVP (1970-71, 1971-72, 1973-74, 1975-76, 1976-77, 1979-80), 2 vezes MVP das Finais, 19 vezes All-Star, 15 vezes no time ideal da temporada, 10 vezes no time defensivo do ano, Novato do Ano (1969-70), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 6 (1971, 1980, 1982, 1985, 1987, 1988)

Números da carreira (média): 24,6 pontos, 11,2 rebotes, 2,6 tocos, 55,9% de aproveitamento

Apelido: Cap

Você sabia? Ele simplesmente é o líder de todos os tempos da NBA em relação aos prêmios de MVP, pontos e win shares (percentual de vitórias obtidas por partidas disputadas). Quer mais? Abdul-Jabbar é dono de três dos seis melhores anos da história em win shares, incluindo a temporada 1971-1972, quando terminou com médias de 34,8 pontos e 16,6 rebotes. Se contarmos apenas as seis temporadas pré-Lakers, o pivô ainda se mantém entre os 50 melhores da história da NBA no quesito.

ESPN
Kareem Abdul-Jabbar 2

 

3 – LeBron James

Posição: ala

Times: Cleveland Cavaliers (2003-2010, 2014-hoje), Miami Heat (2010-2014)

Prêmios: 4 vezes MVP (2008-09, 2009-10, 2011-12, 2012-13), 2 vezes MVP das Finais, 11 vezes All-Star, 11 vezes no time ideal da liga, 6 vezes no time defensivo do ano, Novato do Ano (2003-04), cestinha da temporada (2007-08)

Títulos: 2 (2012, 2013)

Números da carreira (média): 27,3 pontos, 7,1 rebotes, 6,9 assistências, 49,6% de aproveitamento

Apelido: King James, The Chosen One

Você sabia? LeBron James e Michael Jordan são os únicos jogadores na história da NBA com quatro temporadas tendo avaliação de eficiência (um índice matemático conhecido pela sigla PER) igual ou maior que 30. A performance de LeBron nas finais de 2015 foi uma das melhores de todos os tempos, o que fez ele se tornar o primeiro jogador na história das decisões a liderar todos os jogadores em pontos, rebotes e assistências. Ele marcou ou deu assistência em 57,7 pontos por jogo, o maior número de qualquer jogador na história das finais.

ESPN
LeBron James 3

 

4 – Magic Johnson

Posição: armador

Time: Los Angeles Lakers (1979-1991, 1995-1996)

Prêmios: 3 vezes MVP (1986-87, 1988-89, 1989-90), 3 vezes MVP das Finais, 12 vezes All-Star, 10 vezes no time ideal da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 5 (1980, 1982, 1985, 1987, 1988)

Números da carreira (média): 19,5 pontos, 7,2 rebotes, 11,2 assistências, 52 % de aproveitamento

Você sabia? No seu melhor e no maior palco, as decisões da liga, Magic Johnson é o único jogador na história das finais da NBA com múltiplos triple-doubles em jogos que fecharam as séries. Ele teve média de 12 assistências por partida em seis vezes nas finais da NBA. Nenhum outro jogador conseguiu isto nem mesmo uma vez.

ESPN
4 Magic Johnson

 

5 – Wilt Chamberlain

Posição: pivô

Times: Philadelphia/San Francisco Warriors (1959-1965), Philadelphia 76ers (1965-1968), Los Angeles Lakers (1968-1973)

Prêmios: 4 vezes MVP (1959-60, 1965-66, 1966-67, 1967-68), 1 vez MVP das Finais (1972), 13 vezes All-Star, 10 vezes no time ideal da temporada, 2 vezes no time defensivo do ano, Novato do Ano (1959-60), escolhido para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1967, 1972)

Números da carreira (média): 30,1 pontos, 22,9 rebotes, 4,4 assistências, 54% de aproveitamento

Apelido: Wilt the Stilt, The Big Dipper

Você sabia? Chamberlain teve 118 jogos com pelo menos 50 pontos, 87 a mais que qualquer outro jogador. Ele marcou pelo menos 60 pontos 32 vezes; todos os outros jogadores na história da NBA alcançaram esta marca, juntos, 28 vezes. Ele também teve uma sequência de 186 jogos seguidos com 15 rebotes e é o único jogador que já liderou a NBA em rebotes e assistências. Fora o jogo de 100 pontos...

ESPN
5 Wilt Chamberlain

 

6 – Larry Bird

ESPN
Larry Bird 6

Posição: ala

Time: Boston Celtics (1979-1992)

Prêmios: 3 vezes MVP (1983-84, 1984-85, 1985-86), 2 vezes MVP das Finais, 12 vezes All-Star, 10 vezes na seleção do ano, 3 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (1979-80), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 3 (1981, 1984, 1986)

Números da carreira (média): 24,3 pontos, 10 rebotes, 6,3 assistências,49,6% de aproveitamento

Apelidos: Larry Legend, The Hick from French Lick

 

7 – Bill Russell

ESPN
Bill Russell 7

Posição: pivô

Time: Boston Celtics (1956-1969)

Prêmios: 5 vezes MVP (1957-58, 1960-61, 1961-62, 1962-63, 1964-65), 12 vezes All-Star, 11 vezes na seleção do ano, 1 vez no time defensivo da temporada (1968-69), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 11 (1957, 1959, 1960, 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1966, 1968, 1969)

Números da carreira (média): 15,1 pontos, 22,5 rebotes, 4,3 assistências, 44% de aproveitamento

 

8 – Tim Duncan

ESPN
Tim Duncan 8

Posição: ala-pivô

Time: San Antonio Spurs (1997-hoje)

Prêmios: 2 vezes MVP (2001-02, 2002-03), 3 vezes MVP das Finais, 15 vezes All-Star, 15 vezes na seleção do ano, 15 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (1997-98)

Títulos: 5 (1999, 2003, 2005, 2007, 2014)

Números da carreira (média): 19,3 pontos, 10,9 rebotes, 2,2 tocos, 50,6% de aproveitamento

Apelido: The Big Fundamental

 

9 – Shaquille O'Neal

ESPN
Shaquille O'Neal 9

Posição: pivô

Times: Orlando Magic (1992-96), Los Angeles Lakers (1996-2004), Miami Heat (2004-08), Phoenix Suns (2008-09), Cleveland Cavaliers (2009-10), Boston Celtics (2010-11)

Prêmios: 1 vez MVP (1999-2000), 3 vezes MVP das Finais, 15 vezes All-Star, 14 vezes na seleção do ano, 3 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (1992-93)

Títulos: 4 (2000, 2001, 2002, 2006)

Números da carreira (média): 23,7 pontos, 10,9 rebotes, 2,3 tocos, 58,2% de aproveitamento

Apelidos: Shaq, Diesel, The Big Aristotle, Most Dominant Ever, Superman

 

10 - Hakeem Olajuwon

ESPN
Hakeem Olajuwon 10

Posição: pivô

Times: Houston Rockets (1984-2001), Toronto Raptors (2001-02)

Prêmios: 1 vez MVP (1993-94), 2 vezes Jogador Defensivo do Ano, 12 vezes All-Star, 2 vezes MVP das Finais, 12 vezes na seleção do ano, 9 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1994, 1995)

Números da carreira (média): 21,8 pontos, 11,1 rebotes, 3,1 tocos, 1,7 roubada de bola

Apelido: The Dream

 

11 - Oscar Robertson

Posição: armador

Times: Cincinnati Royals (1960-70), Milwaukee Bucks (1970-1974)

Prêmios: 1 vez MVP (1963-64), 12 vezes All-Star, 11 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1960-61), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1971)

Números da carreira (média): 25,7 pontos, 7,5 rebotes, 9,5 assistências, 48,5% de aproveitamento

Apelido: Big O

 

12 - Kobe Bryant

Posição: ala-armador

Time: Los Angeles Lakers (1996-hoje)

Prêmios: 1 vez MVP (2007-08), 2 vezes MVP das Finais, 18 vezes All-Star, 15 vezes na seleção do ano, 2 vezes cestinha da temporada

Títulos: 5 (2000, 2001, 2002, 2009, 2010)

Números da carreira (média): 25,1 pontos, 5,3 rebotes, 4,7 assistências, 44,9% de aproveitamento

Apelido: The Black Mamba, Vino

 

13 - Jerry West

Posição: ala-armador

Time: Los Angeles Lakers (1960-1974)

Prêmios: 1 vez MVP das Finais (1969), 14 vezes All-Star, 12 vezes na seleção do ano, 5 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1972)

Números da carreira (média): 27 pontos, 6,7 assistências, 2,6 roubadas de bola, 47,4% de aproveitamento

Apelido: The Logo

 

14 - Julius Erving

Posição: ala-pivô

Times: Virginia Squires (1971-1973), New York Nets (1973-1976), Philadelphia 76ers (1976-1987)

Prêmios: 1 vez MVP (1980-81), 11 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1983)

Números da carreira (média): 24,2 pontos, 8,5 rebotes, 4,2 assistências, 50,6% de aproveitamento

Apelido: Dr. J

 

15 - Moses Malone

Posição: pivô

Times: Utah Stars (1974-75), Spirits of St. Louis (1975-76), Buffalo Braves (1976), Houston Rockets (1976-1982), Philadelphia 76ers (1982-1986, 1993-94), Washington Bullets (1986-1988), Atlanta Hawks (1988-1991), Milwaukee Bucks (1991-1993), San Antonio Spurs (1994-95)

Prêmios: 3 vezes MVP (1978-79, 1981-82, 1982-83), 1 vez MVP das Finais (1983), 12 vezes All-Star, 8 vezes na seleção do ano, 2 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1983)

Números da carreira (média): 20,3 pontos, 12,3 rebotes, 1,3 toco, 49.5% de aproveitamento

Apelido: Chairman of the Boards

 

16 - Karl Malone

Posição: ala-pivô

Times: Utah Jazz (1985-2003), Los Angeles Lakers (2003-2004)

Prêmios: 2 vezes MVP (1996-97, 1998-99), 14 vezes All-Star, 14 vezes na seleção do ano, 4 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: nenhum

Números da carreira (média): 25 pontos, 10,1 rebotes, 3,6 assistências, 51,6% de aproveitamento

Apelido: The Mailman

 

17 - Dirk Nowitzki

Posição: ala-pivô

Time: Dallas Mavericks (1998-hoje)

Prêmios: 1 vez MVP (2006-07), MVP das Finais (2010-11), 13 vezes All-Star, 12 vezes na seleção do ano

Título: 1 (2011)

Números da carreira (média): 22,1 pontos, 7,9 rebotes, 2,6 assistências, 47,5% de aproveitamento

 

18 - Charles Barkley

Posição: ala-pivô

Times: Philadelphia 76ers (1984-1992), Phoenix Suns (1992-1996), Houston Rockets (1996-2000)

Prêmios: 1 vez MVP (1992-93), 11 vezes All-Star, 11 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Títulos: nenhum

Números da carreira (média): 22,1 pontos, 11,7 rebotes, 1,5 roubada de bola, 54,1% de aproveitamento

Apelido: Sir Charles, the Round Mound of Rebound, The Chuckster

 

19 - John Stockton

Posição: armador

Time: Utah Jazz (1984-2003)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 11 vezes na seleção do ano, 5 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 13,1 pontos, 10,5 assistências, 2,2 roubadas de bola, 38,4% de aproveitamento de 3 pontos

 

20 - David Robinson

Posição: pivô

Time: San Antonio Spurs (1989-2003)

Prêmios: 1vez MVP (1994-95), 10 vezes All-Star, 10 vezes na seleção do ano, 8 vezes no time defensivo da temporada, Jogador Defensivo do Ano (1991-92), Novato do Ano (1989-90), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1999, 2003)

Números da carreira (média): 21,1 pontos, 10,6 rebotes, 3 tocos, 51,8% de aproveitamento

Apelido: The Admiral

 

21 - Kevin Garnett

Posição: ala-pivô

Times: Minnesota Timberwolves (1995-2007, 2015-hoje), Boston Celtics (2007-2013), Brooklyn Nets (2013-2015)

Prêmios: 1 vez MVP (2003-04), 15 vezes All-Star, 9 vezes na seleção do ano, 12 vezes no time defensivo da temporada, Jogador Defensivo do Ano (2007-08)

Título: 1 (2008)

Números da carreira (média): 17,8 pontos, 10 rebotes, 1,4 toco, 49,7% de aproveitamento

Apelido: KG, The Big Ticket

 

22 - Kevin Durant

Posição: ala

Times: Seattle SuperSonics (2007-08), Oklahoma City Thunder (2008-hoje)

Prêmios: 1 vez MVP (2013-14), 7 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (2007-08), 4 vezes cestinha da temporada

Título: nenhum

Números da carreira (média): 27,8 pontos, 7 rebotes, 3,6 assistências, 48,3% de aproveitamento

Apelidos: KD, Durantula

 

23 - Stephen Curry

Posição: armador

Time: Golden State Warriors (2009-hoje)

Prêmios: 1 vez MVP (2014-15), 3 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano

Títulos: 1 (2015)

Números da carreira (média): 21,8 pontos, 6,9 assistências, 4,2 rebotes, 44,2% de aproveitamento de 3 pontos

Apelidos: Baby-Faced Assassin, Chef Curry

 

24 - Elgin Baylor

Posição: ala

Times: Minneapolis Lakers (1958-1960), Los Angeles Lakers (1960-1971)

Prêmios: 11 vezes All-Star, 10 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1958-59), eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 27,4 pontos, 13,5 rebotes, 4,3 assistências, 43,1% de aproveitamento

Apelido: Mr. Inside

 

25 - Scottie Pippen

Posição: ala

Times: Chicago Bulls (1987-1998, 2003-04), Houston Rockets (1998-99), Portland Trail Blazers (1999-2003)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, 10 vezes no time defensivo da temporada

Títulos: 6 (1991, 1992, 1993, 1996, 1997, 1998)

Números da carreira (média): 16,1 pontos, 6,4 rebotes, 5,2 assistências, 2 roubadas de bola

Apelido: Pip

 

26 - Isiah Thomas

Posição: armador

Time: Detroit Pistons (1981-1994)

Prêmios: 12 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, MVP das Finais (1989-90), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1989, 1990)

Números da carreira (média): 19,2 pontos, 9,3 assistências, 1,9 roubada de bola, 45,2% de aproveitamento

Apelidos: Zeke, The Baby-Faced Assassin

 

27 - Dwyane Wade

Posição: ala-armador

Time: Miami Heat (2003-hoje)

Prêmios: 11 vezes All-Star, 8 vezes na seleção do ano, 3 vezes no time defensivo da temporada, 1 vez MVP das Finais, cestinha da temporada (2008-09)

Títulos: 3 (2006, 2012, 2013)

Números da carreira (média): 23,8 pontos, 5,8 assistências, 4,9 rebotes, 48,9% de aproveitamento

Apelidos: D-Wade, Flash

 

28 - John Havlicek

Posição: ala-armador

Time: Boston Celtics (1962-1978)

Prêmios: 13 vezes All-Star, 11 vezes na seleção do ano, 8 vezes no time defensivo da temporada, 1 vez MVP das Finais (1973-74), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 8 (1963, 1964, 1965, 1966, 1968, 1969, 1974, 1976)

Números da carreira (média): 20,8 pontos, 6,3 rebotes, 4,8 assistências, 1,2 roubada de bola

Apelido: Hondo

 

29 - Chris Paul

Posição: armador

Times: New Orleans/Oklahoma City Hornets (2005-2007), New Orleans Hornets (2007-2011), Los Angeles Clippers (2011-hoje)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, 7 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (2005-06), 1 vez MVP do All-Star Game (2012-13)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 18,7 pontos, 9,9 assistências, 4,4 rebotes, 2,3 roubadas de bola

Apelido: CP3

 

30 - Steve Nash

Posição: armador

Times: Phoenix Suns 1996-1998, 2004-2012), Dallas Mavericks (1998-2004), Los Angeles Lakers (2012-2015)

Prêmios: 2 vezes MVP (2004-05, 2005-06), 8 vezes All-Star, seven vezes na seleção do ano

Título: nenhum

Números da carreira (média): 14,3 pontos, 8,5 assistências, 49% de aproveitamento, 90,4% de aproveitamento nos lances livres

Apelido: Two Time

 

31 - Kevin McHale

Posição: ala-pivô

Time: Boston Celtics (1980-1993)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 6 vezes no time defensivo da temporada, 2 vezes Sexto Homem do Ano, 1 vez na seleção da temporada (1986-87), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 3 (1981, 1984, 1986)

Números da carreira (média): 17,9 pontos, 7,3 rebotes, 1,7 toco, 55,4% de aproveitamento

Apelido: Black Hole

 

32 - Patrick Ewing

Posição: pivô

Times: New York Knicks (1985-2000), Seattle SuperSonics (2000-01), Orlando Magic (2001-02)

Prêmios: 11 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, 3 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (1985-86), eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 21 pontos, 9,8 rebotes, 2,4 tocos, 50,4% de aproveitamento

Apelidos: Big Pat, Hoya Destroya

 

33 - George Mikan

Posição: pivô

Times: Minneapolis Lakers (1947-56), also played in the NBL and the BAA

Prêmios: 4 vezes All-Star, 6 vezes na seleção do ano, 3 vezes cestinha da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 7 (1947-NBL, 1948-NBL, 1949-BAA, 1950, 1952, 1953, 1954)

Números da carreira (média): 23,1 pontos, 13,4 rebotes, 2,8 assistências, 40,4% de aproveitamento

Apelido: Mr. Basketball

 

34 - Bob Pettit

Posição: ala-pivô

Times: Milwaukee Hawks (1954-55), St. Louis Hawks (1955-1965)

Prêmios: 2 vezes MVP, 11 vezes All-Star, 9 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1954-55), 2 vezes cestinha da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1958)

Números da carreira (média): 26,4 pontos, 16,2 rebotes, 3assistências, 43,6% de aproveitamento

Apelidos: Big Blue, The Bombardier from Baton Rouge

 

35 - Jason Kidd

Posição: armador

Times: Dallas Mavericks (1994-1996, 2008-2012), Phoenix Suns (1996-2001), New Jersey Nets (2001-2008), New York Knicks (2012-13)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 6 vezes na seleção do ano, 9 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (1994-95)

Título: 1 (2011)

Números da carreira (média): 12,6 pontos, 8,7 assistências, 6,3 rebotes, 1,9 roubada de bola

 

36 - Clyde Drexler

Posição: ala-armador

Times: Portland Trail Blazers (1984-1995), Houston Rockets (1995-1998)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1995)

Números da carreira (média): 20,4 pontos, 6,1 rebotes, 5,6 assistências, 2 roubada de bola

Apelido: Clyde The Glide

 

37 - Rick Barry

Posição: ala

Times: San Francisco Warriors (1965-1967), Oakland Oaks (1968-69), Washington Capitols (1969-70), New York Nets (1970-1972), Golden State Warriors (1972-1978), Houston Rockets (1978-1980); barred from playing in ABA during 1967-68 season

Prêmios: 8 vezes NBA All-Star, 4 vezes ABA All-Star, 6 vezes na seleção do ano, 4 vezes no time ideial da ABA, cestinha da temporada (1966-67), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1975)

Números da carreira (média): 24,8 pontos, 6,7 rebotes, 4,9 assistências, 89,3% de aproveitamento nos lances livres

Apelido: The Miami Greyhound

 

38 - Walt Frazier

Posição: armador

Times: New York Knicks (1967-1977), Cleveland Cavaliers (1977-1980)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 6 vezes na seleção do ano, 7 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1970, 1973)

Números da carreira (média): 18,9 pontos, 6,1 assistências, 5,9 rebotes, 1,9 roubada de bola

Apelido: Clyde

 

39 - Bob Cousy

Posição: armador

Times: Boston Celtics (1950-1963), Cincinnati Royals (1969-70)

Prêmios: 1 vez MVP (1956-57), 13 vezes All-Star, 12 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 6 (1957, 1959, 1960, 1961, 1962, 1963)

Números da carreira (média): 18,4 pontos, 7,5 assistências, 5,2 rebotes, 80,3% de aproveitamento nos lances livres

Apelidos: Cooz, Houdini of the Hardwood

 

40 - Elvin Hayes

Posição: ala-pivô

Times: San Diego Rockets (1968-1971), Houston Rockets (1971-72, 1981-1984), Baltimore Bullets (1972-73), Capital Bullets (1973-74), Washington Bullets (1974-1981)

Prêmios: 12 vezes All-Star, 6 vezes na seleção do ano, 2 vezes no time defensivo do ano, cestinha da temporada (1968-69), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1978)

Números da carreira (média): 21 pontos, 12,5 rebotes, 2 tocos, 45,2% de aproveitamento

Apelido: The Big E

 

41 - Gary Payton

Posição: armador

Times: Seattle SuperSonics (1990-2003), Milwaukee Bucks (2003), Los Angeles Lakers (2003-04), Boston Celtics (2004-05), Miami Heat (2005-2007)

Prêmios: 9 vezes All-Star, 9 vezes na seleção do ano, 9 vezes na seleção de defesa da temporada, Jogador Defensivo do Ano (1995-96), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (2006)

Números da carreira (média): 16,3 pontos, 6,7 assistências, 1,8 roubada de bola, 46,6% de aproveitamento

Apelido: The Glove

 

42 - Bill Walton

Posição: pivô

Times: Portland Trail Blazers (1974-1978), San Diego/Los Angeles Clippers (1979-80, 1982-1985), Boston Celtics (1985-1987); missed three seasons due to injury

Prêmios: 1 vez MVP (1977-78), 1 vez MVP das Finais (1977), 2 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, 2 vezes na seleção de defesa da temporada, Sexto Homem do Ano (1985-86), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1977, 1986)

Números da carreira (média): 13,3 pontos, 10,5 rebotes, 2,2 tocos, 52,1% de aproveitamento

 

43 - James Worthy

Posição: ala

Times: Los Angeles Lakers (1982-1994)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, 1 vez MVP das Finais (1988), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 3 (1985, 1987, 1988)

Números da carreira (média): 17,6 pontos, 5,1 rebotes, 3 assistências, 52,1% de aproveitamento

Apelido: Big Game James

 

44 - Dominique Wilkins

Posição: ala

Times: Atlanta Hawks (1982-1994), Los Angeles Clippers (1994), Boston Celtics (1994-1996), San Antonio Spurs (1996-97), Orlando Magic (1999)

Prêmios: 9 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 25,2 pontos, 6,8 rebotes, 2,5 assistências, 46,1% de aproveitamento

Apelido: Human Highlight Film

 

45 - Paul Pierce

Posição: ala

Times: Boston Celtics (1998-2013), Brooklyn Nets (2013-14), Washington Wizards (2014-15), Los Angeles Clippers (2015-hoje)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, MVP das Finais (2008)

Título: 1 (2008)

Números da carreira (média): 20,2 pontos, 5,7 rebotes, 3,6 assistências, 37,0% de aproveitamento de 3 pontos

Apelido: The Truth

 

46 - Allen Iverson

Posição: armador

Times: Philadelphia 76ers (1996-2006), Denver Nuggets (2006-2008), Detroit Pistons (2008-2009), Memphis Grizzlies (2009), 76ers (2009-10)

Prêmios: 1 vez MVP (2000-01), 11 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, 4 vezes cestinha da temporada, Novato do Ano (1996-97)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 26,7 pontos, 6,2 assistências, 2,2 roubadas de bola, 42,5% de aproveitamento

Apelido: The Answer

 

47 - George Gervin

Posição: ala-armador

Times: Virginia Squires (1972-73), San Antonio Spurs (1973-1985), Chicago Bulls (1985-86)

Prêmios: 9 vezes NBA All-Star, 7 vezes na seleção do ano, 4 vezes cestinha da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 25,1 pontos, 6,5 rebotes, 2,7 assistências, 50,1% de aproveitamento

Apelido: Iceman

 

48 - Willis Reed

Posição: pivô

Time: New York Knicks (1964-74)

Prêmios: 1 vez MVP (1969-70), 2 vezes MVP das Finais (1970, 1973), 7 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1964-65), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1970, 1973)

Números da carreira (média): 18,7 pontos, 12,9 rebotes, 47,6% de aproveitamento

Apelido: The Captain

 

49 - Russell Westbrook

Posição: armador

Time: Oklahoma City Thunder (2008-hoje)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, cestinha da temporada (2014-15)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 21,4 pontos, 7,4 assistências, 5,4 rebotes, 1,8 roubada de bola

 

50 - Ray Allen

Posição: ala-armador

Times: Milwaukee Bucks (1996-2003), Seattle SuperSonics (2003-2007), Boston Celtics (2007-2012), Miami Heat (2012-2014)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano

Títulos: 2 (2008, 2013)

Números da carreira (média): 18,9 pontos, 4,1 rebotes, 40% de aproveitamento de 3 pontos, 89,4% de aproveitamento nos lances livres

Apelido: Jesus Shuttlesworth

 

51 - Reggie Miller

Posição: ala-armador

Time: Indiana Pacers (1987-2005)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano

Título: nenhum

Números da carreira (média): 18,2 pontos, 3 rebotes, 3 assistências, 39,5% de aproveitamento de 3 pontos

 

52 - Bob McAdoo

Posição: ala-pivô

Times: Buffalo Braves (1972-1976), New York Knicks (1976-1979), Boston Celtics (1979), Detroit Pistons (1979-1981), New Jersey Nets (1981), Los Angeles Lakers (1981-1985), Philadelphia 76ers (1986)

Prêmios: 1 vez MVP (1974-75), 5 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, 3 vezes cestinha da temporada, Novato do Ano (1972-73), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1982, 1985)

Números da carreira (média): 22,1 pontos, 9,4 rebotes, 1,5 toco, 50,3% de aproveitamento

 

53 - Wes Unseld

Posição: pivô

Times: Baltimore Bullets (1968-1973), Capitol Bullets (1973-74), Washington Bullets (1974-1981)

Prêmios: 6 vezes All-Star, 1 vez MVP das Finais (1978), Novato do Ano, 11 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1978)

Números da carreira (média): 10,8 pontos, 14 rebotes, 3,9 assistências, 50,9% de aproveitamento

 

54 - Bernard King

Posição: ala

Times: New Jersey Nets (1977-1979), Utah Jazz (1979-80), Golden State Warriors (1980-1982), New York Knicks (1982-87), Washington Bullets (1987-1991), New Jersey Nets (1992-93), missed 1985-86 and 1991-92 seasons to injury

Prêmios: 4 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, Jogador que mais evoluiu na temporada (1981), cestinha da temporada (1984-85)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 22,5 pontos, 5,8 rebotes, 3,3 assistências, 51,8% de aproveitamento

 

55 - Dave Cowens

Posição: ala-pivô

Times: Boston Celtics (1970-1980), Milwaukee Bucks (1982-83)

Prêmios: 1 vez MVP (1972-73), 7 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano, 3 vezes no time defensivo do ano, Novato do Ano (1970-71), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1974, 1976)

Números da carreira (média): 17,6 pontos, 13,6 rebotes, 3,3 assistências, 46% de aproveitamento

Apelido: Big Red

 

56 - Pau Gasol

Posição: ala-pivô

Times: Memphis Grizzlies (2001-2008), Los Angeles Lakers (2008-2014), Chicago Bulls (2014-hoje)

Prêmios: 5 vezes All-Star, Novato do Ano (2001-02), 4 vezes na seleção do ano

Títulos: 2 (2009, 2010)

Números da carreira (média): 18,3 pontos, 9,5 rebotes, 1,7 toco, 51,1% de aproveitamento

 

57 - Robert Parish

Posição: pivô

Times: Golden State Warriors (1976-1980), Boston Celtics (1980-1994), Charlotte Hornets (1994-1996), Chicago Bulls (1996-97)

Prêmios: 9 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 4 (1981, 1984, 1986, 1997)

Números da carreira (média): 14,5 pontos, 9,1 rebotes, 1,5 toco, 53,7% de aproveitamento

Apelido: The Chief

 

58 - Tony Parker

Posição: armador

Time: San Antonio Spurs (2002-hoje)

Prêmios: 6 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, 1 vez MVP das Finais (2007)

Títulos: 4 (2003, 2005, 2007, 2014)

Números da carreira (média): 16,7 pontos, 5,9 rebotes, 49,5% de aproveitamento

 

59 - Carmelo Anthony

Posição: ala

Times: Denver Nuggets (2003-2011), New York Knicks (2011-hoje)

Prêmios: 9 vezes All-Star, 6 vezes na seleção do ano, cestinha da temporada (2012-13)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 25 pontos, 6,6 rebotes, 3,1 assistências, 45,4% de aproveitamento

Apelido: Melo

 

60 - Earl Monroe

Posição: ala-armador

Times: Baltimore Bullets (1967-1971), New York Knicks (1971-1980)

Prêmios: 4 vezes All-Star, 1 vez na seleção da temporada (1969), Novato do Ano (1967-68), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1973)

Números da carreira (média): 18,8 pontos, 3,9 assistências, 3 rebotes, 46,4% de aproveitamento

Apelidos: Earl The Pearl, Black Jesus

 

61 - Manu Ginóbili

Posição: ala-armador

Time: San Antonio Spurs (2002-hoje)

Prêmios: 2 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, Sexto Homem do Ano (2007-08)

Títulos: 4 (2003, 2005, 2007, 2014)

Números da carreira (média): 14,2 pontos, 4 assistências, 1,4 roubada de bola, 45% de aproveitamento

 

62 - Alex English

Posição: ala

Times: Milwaukee Bucks (1976-1978), Indiana Pacers (1978-1980), Denver Nuggets (1980-1990), Dallas Mavericks (1990-91)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano, cestinha da temporada (1982-83), eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 21,5 pontos, 5,5 rebotes, 3,6 assistências, 50,7% de aproveitamento

 

63 - Tracy McGrady

Posição: ala-armador

Times: Toronto Raptors (1997-2000), Orlando Magic (2000-2004), Houston Rockets (2004-2010), New York Knicks (2010), Detroit Pistons (2010-11), Atlanta Hawks (2011-12)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 7 vezes na seleção do ano, Jogador que mais evoluiu (2000-01), 2 vezes cestinha da temporada

Título: nenhum

Números da carreira (média): 19,6 pontos, 5,6 rebotes, 4,4 assistências, 43,5% de aproveitamento

Apelidos: T-Mac, The Big Sleep

 

64 - Dennis Rodman

Posição: ala-pivô

Times: Detroit Pistons (1986-1993), San Antonio Spurs (1993-1995), Chicago Bulls (1995-1998), Los Angeles Lakers (1998-99), Dallas Mavericks (1999-2000)

Prêmios: 2 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, 2 vezes Jogador Defensivo do Ano, 8 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 5 (1989, 1990, 1996, 1997, 1998)

Números da carreira (média): 7,3 pontos, 13,1 rebotes, 1,8 assistência, 52,1% de aproveitamento

Apelido: The Worm

 

65 - Alonzo Mourning

Posição: pivô

Times: Charlotte Hornets (1992-1995), Miami Heat (1995-2002 and 2005-2008, missed 2002-03 season due to illness), New Jersey Nets (2003-2004)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, 2 vezes Jogador Defensivo do Ano (1998-99, 1999-00), 2 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (2006)

Números da carreira (média): 17,1 pontos, 8,5 rebotes, 2,8 tocos, 52,7% de aproveitamento

Apelido: Zo

 

66 - Chris Webber

Posição: ala-pivô

Times: Golden State Warriors (1993-94 and 2008), Washington Bullets/Wizards (1994-1998), Sacramento Kings (1998-2005), Philadelphia 76ers (2005-2007), Detroit Pistons (2007)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano

Título: nenhum

Números da carreira (média): 20,7 pontos, 9,8 rebotes, 4,2 assistências, 47,9% de aproveitamento

Apelido: C-Webb

 

67 - Dwight Howard

Posição: pivô

Times: Orlando Magic (2004-2012), Los Angeles Lakers (2012-13), Houston Rockets (2013-hoje)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 8 vezes na seleção do ano, 3 vezes Jogador Defensivo do Ano, 5 vezes no time defensivo da temporada

Título: nenhum

Números da carreira (média): 18 pontos, 12,7 rebotes, 2,1 tocos, 58% de aproveitamento

Apelidos: D12, Superman

 

68 - Bob Lanier

Posição: pivô

Times: Detroit Pistons (1970-1980), Milwaukee Bucks (1980-1984)

Prêmios: 8 vezes All-Star, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 20,1 pontos, 10,1 rebotes, 3,1 assistências, 51,4% de aproveitamento

Apelido: Dobber

 

69 - Vince Carter

Posição: ala-armador

Times: Toronto Raptors (1998-2004), New Jersey Nets (2004-2009), Orlando Magic (2009-2010), Phoenix Suns (2010-11), Dallas Mavericks (2011-2014), Memphis Grizzlies (2014-hoje)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1998-99)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 19,1 pontos, 4,7 rebotes, 3,5 assistências, 43,9% de aproveitamento

Apelidos: Vinsanity, Half-Man Half-Amazing, Air Canada

 

70 - Artis Gilmore

Posição: pivô

Times: Kentucky Colonels (1971-1976, ABA), Chicago Bulls (1976-1982 and 1987), San Antonio Spurs (1982-1987), Boston Celtics (1988)

Prêmios: 11 vezes NBA/ABA All-Star, 1 vez ABA MVP (1971-72), 5 vezes na seleção da temporada da ABA, Novato do Ano da ABA (1971-72), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1975, ABA)

Números da carreira (média): 18,8 pontos, 12,3 rebotes, 2,4 tocos, 58,2% de aproveitamento

Apelido: The A-Train

 

71 - Pete Maravich

Posição: ala-armador

Times: Atlanta Hawks (1970-1974), New Orleans Jazz (1974-1979), Utah Jazz (1979), Boston Celtics (1979-80)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, cestinha da temporada (1976-77), eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 24,2 pontos, 4,2 rebotes, 5,4 assistências, 44,1% de aproveitamento

Apelido: Pistol Pete

 

72 – Adrian Dantley

Posição: ala

Times: Buffalo Braves (1976-77), Indiana Pacers (1977), Los Angeles Lakers (1977-1979), Utah Jazz (1979-1986), Detroit Pistons (1986-1989), Dallas Mavericks (1989-90), Milwaukee Bucks (1990-91)

Prêmios: 6 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1976-77), 2 vezes cestinha da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: nenhum

Números da carreira (média): 24,3 pontos, 5,7 rebotes, 3 assistências, 54% de aproveitamento

 

73 - Dikembe Mutombo

Posição: pivô

Times: Denver Nuggets (1991-1996), Atlanta Hawks (1996-2001), Philadelphia 76ers (2001-02), New Jersey Nets (2002-03), New York Knicks (2003-04), Houston Rockets (2004-2009)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano, 4 vezes Jogador Defensivo do Ano, 6 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 9,8 pontos, 10,3 rebotes, 2,8 tocos, 51,8% de aproveitamento

 

74 – Dolph Schayes

Posição: ala-pivô

Times: Syracuse Nationals (1949-1963), Philadelphia 76ers (1963-64)

Prêmios: 12 vezes All-Star, 12 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1955)

Números da carreira (média): 18,5 pontos, 12,1 rebotes, 3,1 assistências, 84,9% de aproveitamento nos lances livres

 

75 - Blake Griffin

Posição: ala-pivô

Times: Los Angeles Clippers (2009-hoje; missed 2009-10 season due to injury)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (2010-11)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 21,6 pontos, 9,6 rebotes, 4 assistências, 52,2% de aproveitamento

 

76 - Nate Archibald

Posição: armador

Times: Cincinnati Royals/Kansas City Kings (1970-1976), New York Nets (1976-77), Buffalo Braves (1977-78; missed season due to injury), Boston Celtics (1978-1983), Milwaukee Bucks (1983-84)

Prêmios: 6 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1981)

Números da carreira (média): 18,8 pontos, 7,4 assistências, 1,1 roubada de bola, 46,7% de aproveitamento

Apelido: Tiny

 

77 - Joe Dumars

Posição: ala-armador

Time: Detroit Pistons (1985-1999)

Prêmios: 1 vez MVP das Finais (1988-89), 6 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano, 5 vezes no time defensivo da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1989, 1990)

Números da carreira (média): 16,1 pontos, 4,5 assistências, 46% de aproveitamento, 38,2% de aproveitamento de 3 pontos

 

78 - Sam Jones

Posição: ala-armador

Time: Boston Celtics (1957-1969)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 10 (1959, 1960, 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1966, 1968, 1969)

Números da carreira (média): 17,7 pontos, 4,9 rebotes, 2,5 assistências, 45,6% de aproveitamento

 

79 - Jerry Lucas

Posição: ala-pivô

Times: Cincinnati Royals (1963-1969), San Francisco Warriors (1969-1971), New York Knicks (1971-1974)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 5 vezes no time defensivo da temporada, Novato do Ano (1963-64), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1973)

Números da carreira (média): 17 pontos, 15,6 rebotes, 3,3 assistências, 49,9% de aproveitamento

 

80 - Grant Hill

Posição: ala

Times: Detroit Pistons (1994-2000), Orlando Magic (2000-2007; perdeu a temporada 2003-04 por lesão), Phoenix Suns (2007-2012), Los Angeles Clippers (2012-13)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, Novato do Ano (1994-95)

Títulos: nenhum

Números da carreira (média): 16,7 pontos, 6 rebotes, 4,1 assistências, 48,3% de aproveitamento

 

81 – Sidney Moncrief

Posição: ala-armador

Times: Milwaukee Bucks (1979-1990), Atlanta Hawks (1990-1991)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano, 2 vezes Jogador Defensivo do Ano

Título: nenhum

Números da carreira (média): 15,6 pontos, 4,7 rebotes, 3,6 assistências, 50,2% de aproveitamento

Apelido: The Squid

 

82 – David Thompson

Posição: ala-armador

Times: Denver Nuggets (1975-1982), Seattle SuperSonics (1982-1984)

Prêmios: 4 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama, 1vez MVP do All-Star Game (1979), 1 vez MVP do All-Star Game da ABA (1976)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 22,7 pontos, 4,1 rebotes, 3,3 assistências, 50,4% de aproveitamento

Apelido: Skywalker

 

83 – Chris Mullin

Posição: ala

Times: Golden State Warriors (1985-1997, 2000-2001), Indiana Pacers (1997-2000)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 18,2 pontos, 4,1 rebotes, 3,5 assistências, 38,4 % de aproveitamento nos 3 pontos

 

84 - Dennis Johnson

Posição: armador

Times: Seattle SuperSonics (1976-1980), Phoenix Suns (1980-1983), Boston Celtics (1983-1990)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 2 vezes na seleção do ano, 6 vezes na seleção de defesa do ano, 1 vez MVP das Finais (1979), eleito para o Hall da Fama

Títulos: 3 (1979, 1984, 1986)

Números da carreira (média): 14,9 pontos, 5 assistências, 1,3 roubada de bola, 79,7% de aproveitamento nos lances livres

 

85 – Dave DeBusschere

Posição: ala-pivô

Times: Detroit Pistons (1962-1968), New York Knicks (1969-1974)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 6 vezes no time defensive da temporada, eleito para o Hall da Fama

Títulos: 2 (1970, 1973)

Números da carreira (média): 16,1 pontos, 11 rebotes, 2,9 assistências, 43,2% de aproveitamento

 

86 – Chris Bosh

Posição: ala-pivô

Times: Toronto Raptors (2003-10), Miami Heat (2010-hoje)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 1 vez na seleção da temporada (2007)

Títulos: 2 (2012, 2013)

Números da carreira (média): 19,2 pontos, 8,5 rebotes, 2 assistências, 49,4% de aproveitamento

 

87 – Chauncey Billups

Posição: armador

Times: Boston Celtics (1997-1998), Toronto Raptors (1998-1999), Denver Nuggets (1999-2000, 2008-2011), Minnesota Timberwolves (2000-2002), Detroit Pistons (2002-2008, 2013-2014), New York Knicks (2011), Los Angeles Clippers (2011-2013)

Prêmios: 5 vezes All-Star, 3 vezes na seleção do ano, 1 vez MVP das Finais (2004)

Título: 1 (2004)

Números da carreira (média): 15,2 pontos, 5,4 assistências, 2,9 rebotes, 89,4% de aproveitamento nos lances livres

Apelido: Mr. Big Shot

 

88 – Billy Cunningham

Posição: ala

Times: Philadelphia 76ers (1965-1972 and 1974-1976), Carolina Cougars (1972-1974)

Prêmios: 4 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano (1973-74), 1 vez MVP da ABA (1973), eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1967)

Números da carreira (média): 20,8 pontos, 10,1 rebotes, 4 assistências, 44,6% de aproveitamento

Apelido: Kangaroo Kid

 

89 – Yao Ming

Posição: pivô

Time: Houston Rockets (2002-2011)

Prêmios: 8 vezes All-Star, 5 vezes na seleção do ano

Título: nenhum

Números da carreira (média): 19 pontos, 9,2 rebotes, 1,9 toco, 83,3% de aproveitamento nos lances livres

 

90 - Paul Arizin

Posição: ala

Times: Philadelphia Warriors (1950-1962; Arizin missed two seasons due to military service)

Prêmios: 10 vezes All-Star, 4 vezes na seleção do ano, eleito para o Hall da Fama

Título: 1 (1956)

Números da carreira (média): 22,8 pontos, 8,6 rebotes, 2,3 assistências, 81% de aproveitamento nos lances livres

Apelido: Pitchin' Paul

 

91 – Maurice Cheeks

Posição: armador

Times: Philadelphia 76ers (1978-89), San Antonio Spurs (1989-1990), New York Knicks (1990-91), Atlanta Hawks (1991-92), New Jersey Nets (1992-93)

Prêmios: 4 vezes All-Star, 5 vezes no time defensivo

Título: 1 (1983)

Números da carreira (média): 11,1 pontos, 6,7 rebotes, 2,1 roubadas, 52,3% de aproveitamento

 

92 – Nate Thurmond

Posição: ala

Times: San Francisco/Golden State Warriors (1963-74) Chicago Bulls (1974-76), Cleveland Cavaliers (1976-77)

Prêmios: 7 vezes All-Star, 5 vezes no time defensivo, eleito para o Hall da Fama

Título: nenhum

Números da carreira (média): 15 pontos, 15 rebotes, 2,1 tocos, 42,1% de aproveitamento

Apelido: Nate The Great (Nate, o Maior)

 

93 – Lenny Wilkens

Posição: armador

Times: St. Louis Hawks (1960-68), Seattle SuperSonics (1968-72), Cleveland Cavaliers (1972-74), Portland Trail Blazers (1974-75)

Prêmios: 9 vezes All-Star, eleito para o Hall da Fame

Título: nenhum

Números da carreira (média): 16,5 pontos, 4,7 rebotes, 6,7 assistências, 43,2% de aproveitamento

 

94 - Mark Price

Posição: armador

Times: Cleveland Cavaliers (1986-95), Washington Bullets (1995-96), Golden State Warriors (1996-97), Orlando Magic (1997-98)

Prêmios: 4 vezes All-Star, 4 vezes no time ideal da temporada

Título: nenhum

Números da carreira (média): 15,2 pontos, 6,7 assistências, 1,2 roubada, 40,2% de aproveitamento em três pontos

 

95 – Marc Gasol

Posição: pivô

Times: Memphis Grizzlies (2008-hoje)

Prêmios: 2 vezes All-Star, 2 vezes no time ideal da temporada, Jogador de Defesa do Ano (2012-13), eleito para o time defensivo(2012-13)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 14,3 pontos, 7,8 rebotes, 1,5 toco, 50,3% de aproveitamento

 

96 - Bobby Jones

Posição: ala

Times: Denver Nuggets (1974-78), Philadelphia 76ers (1978-86)

Prêmios: 5 vezes All-Star (ABA, 1975-76), eleito para o time ideial da ABA (1975-76), 11 vezes eleito para o time defensivo, eleito para Sexto Homem do Ano (1982-83)

Título: 1 (1983)

Números da carreira (média): 12,1 pontos, 6,1 rebotes, 1,5 roubada, 56% de aproveitamento

 

97 – James Harden

Posição: ala-armador

Times: Oklahoma City Thunder (2009-12), Houston Rockets (2012-hoje)

Prêmios: 3 vezes All-Star, 3 vezes eleito para o time ideia. Sexto Homem do Ano(2011-12)

Título: nenhum

Números da carreira (média): 20,3 pontos, 4,4 rebotes, 4,6 assistências, 44,1% de aproveitamento

Apelido: The Beard

 

98 - Gail Goodrich

Posição: ala-armador

Times: Los Angeles Lakers (1965-68, 1970-76), Phoenix Suns (1968-70), New Orleans Jazz (1976-79)

Prêmios: 5 vezes All-Star, eleito para o time ideal da temporada (1973-74) e para o Hall da Fama

Título: 1 (1972)

Números da carreira (média): 18,6 pontos, 4,7 assistências, 1,3 roubada, 45,6% de aproveitamento

Apelido: Stumpy

 

99 - Kevin Love

Posição: ala-pivô

Times: Minnesota Timberwolves (2008-14), Cleveland Cavaliers (2014-hoje)

Prêmios: 3 vezes All-Star, 2 vezes no time ideal da temporada, jogador que mais evoluiu (2010-11)

Títulos: nenhum

Números da carreira (média): 18,5 pontos, 11,7 rebotes, 44,6% de aproveitamento, 36,3% de aproveitamento nos 3 pontos

 

100 - Shawn Kemp

Posição: ala-pivô

Times: Seattle SuperSonics (1989-1997), Cleveland Cavaliers (1997-2000), Portland Trail Blazers (2000-2002), Orlando Magic (2002-03)

Prêmios: 6 vezes vezes All-Star, 3 vezes no time ideal da temporada

Títulos: nenhum

Números da carreira (média): 14,6 pontos, 8,4 rebotes, 1,2 toco, 48,8% de aproveitamento

Apelido: Reign Man

*Com informações do ESPN Stats & Information

Fonte: ESPN.com.br

Comentários

ESPN faz lista com os 100 maiores jogadores da história: opine, discorde e divirta-se

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Hierarquia é a palavra para os Nets não serem um fiasco: Harden e Kyrie precisam entender que o time é de Durant

Pedro Suaide
Pedro Suaide

A troca que levou James Harden ao Brooklyn Nets já é uma das maiores dos últimos tempos, mas é uma questão de apenas detalhes para que ela seja eternizada como uma piada, um fracasso. 

Em pouquíssimas vezes na história - talvez nenhuma - três jogadores tão bons e tão próximos ao auge estiveram juntos no mesmo time. Talvez exista um motivo para isso. 

O dia em que Durant, Harden e Kyrie foram colegas de time pela 1ª vez na NBA

Os grandes trios que tiveram sucesso na Liga tinham, no mínimo, uma das duas seguintes características: encaixe e hierarquia.

No lendário Miami Heat do começo da década, LeBron James era o dono da equipe, Wade seu braço direito e Bosh um operário muito acima da média, capaz de decidir jogos quando necessário. Nos inesquecíveis Spurs, Tony Parker levava a bola, Tim Duncan era a referência e Ginóbili o incendiário que vinha do banco. 

Durant e Harden, inclusive, servem de exemplo para isso quando lembramos do ótimo Thunder que chegou às Finais em 2012. Westbrook era quem iniciava o ataque, Durant o pontuador nato e Harden uma espécie de Ginóbili. 

Reunidos nos Nets: os melhores momentos de Durant e Harden lado a lado pelo OKC Thunder

O problema para os Nets (ou a solução) é que Harden não é o mesmo de 9 anos atrás. Evidentemente, é um jogador muito melhor - um dos melhores que vimos na década e um dos pontuadores mais mortais do século. De lá para cá, foram oito seleções para o All-Star Game, três títulos de cestinha da temporada, um MVP e mais incontáveis méritos. Assim como seu jogo, obviamente, a cabeça mudou - e o cara que vinha do banco se tornou o jogador que mais fica com a bola em mãos na NBA.
 
Mas assim como ele faz em altíssimo nível há tantos anos, Kyrie Irving também é o iniciador do ataque e dono da posse por onde passa desde que chegou na NBA. E agora os dois estão lado a lado, mas o jogo segue com apenas uma bola. 

Steve Nash, ao lado de seu assistente Mike D'Antoni, treinador com quem Harden chegou ao auge em Houston, devem definir algum tipo de rodízio, para essa dupla de armadores dividirem a função de 'dono da bola' - é o mínimo. 

Triplos-duplos históricos, cestas decisivas e os 10 principais momentos de James Harden na NBA

Mas, uma missão muito mais importante do que essa, é fazer Kyrie e Harden, dois dos melhores jogadores de basquete do mundo, entenderem que eles serão coadjuvantes. Sim, coadjuvantes. Talvez os coadjuvantes com maiores médias de pontos por jogo que já vimos, mas coadjuvantes. Porque é assim que esse time pode dar certo e não ser um fracasso. 

Kevin Durant, ao lado apenas de LeBron James, é o tipo de jogador que já se provou suficientemente para ser o dono do time em que estiver (não me pergunte o que aconteceria com os dois juntos). Um dos pontuadores mais temidos de todos os tempos, KD é praticamente idefensável. Foi MVP e 4x cestinha da temporada ainda garoto em Oklahoma, liderou os Warriors a dois títulos trucidando seu arquirrival nas Finais e ganhando o prêmio de melhor da decisão em ambos os anos. E fez tudo isso com o mesmo olhar mortal na cara. Por isso e tanto mais, é a referência onde estiver. 

[]

No caso dos Warriors, as especificidades eram diferentes. O time estava pronto e não era do antigo camisa 35, mas sim de Curry, Klay e Green. Entretanto, os três abraçaram Durant e potencializaram seu jogo. É isso que Kyrie e Harden precisam fazer.

Isso não quer dizer que os dois armadores dos Nets não vão arremessar no fim do jogo e terão médias de 12 pontos por jogo. Muito pelo contrário. Mas o que não pode acontecer é, hora um, hora outro, segurar a bola e tentar decidir sozinho enquanto Kevin Durant está em quadra. E o problema é que isso não é uma questão de basquete, mas sim de cabeça.

Incontáveis craques abriram mão de ser o número um de sua equipe para conquistar o troféu. Wade fez isso e não existe um louco no mundo que diga que ele não foi fundamental em seus títulos. De novo, não é uma questão de basquete, mas sim de cabeça. Cabeça que se os Nets tiverem, têm tudo para serem imparáveis.

Comentários

Hierarquia é a palavra para os Nets não serem um fiasco: Harden e Kyrie precisam entender que o time é de Durant

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Coração, coesão e, finalmente, evolução: vamos falar sobre o New York Knicks

Pedro Suaide
Pedro Suaide

Pela quarta vez no milênio, o New York Knicks tem mais vitórias do que derrotas após sete jogos na temporada. Poucos dados representam como esse a realidade perdedora da franquia há décadas.
No começo de 2020, Leon Rose assumiu o comando das operações de basquete, e após uma longa pausa forçada pela COVID-19, seu trabalho começou a ser visto, com Tim Thibodeau chegando para ser o treinador e os reforços do mercado vestindo o uniforme pela primeira vez.

Após sete jogos oficiais, é possível afirmar que os torcedores dos Knicks voltaram a ter esperança.
O time tem a quinta melhor eficiência defensiva da NBA até o momento, e já venceu equipes como os Bucks e os Pacers - além de Hawks e Cavs.

Para chegar a 4 vitórias na última temporada, com David Fizdale no comando, foram necessárias 22 partidas. Agora o time de Tom Thibodeau demorou apenas 7.

O treinador e os veteranos (Austin Rivers, Julius Randle, Alec Burks e Reggie Bullock) abraçaram uma mentalidade de muito trabalho. Perfil esse que combina com o promissor núcleo jovem que os Knicks têm.

O rotulo de zebra também ajuda a montar um time que não tem nada a perder, e por isso dá seu máximo em todos os momentos. Contra os Hawks, perdiam por 16 pontos no terceiro quarto, mas venceram. Já contra os Bucks, do bi-MVP Giannis Antetokounmpo, os azarões dominaram categoricamente do começo ao fim.
Se as coisas não estão dando certo no ataque, a defesa aparenta cada vez permitir menos cestas fáceis aos rivais. A intensidade e inteligência dos jogadores, sempre muito cobrados por Thibodeau, chamam atenção nesse crescimento. O treinador, reconhecido há anos por ser uma grande mente defensiva, não larga do pé e 'joga junto' na beira da quadra, buscando sempre deixar o time ligado no 220.

Mas a evolução vai muito além da moral - desse time e da franquia como um todo. Esse fator é importante para, aos poucos, acabar com o status de chacota que a equipe carrega há anos e quem sabe finalmente voltar a atrair grandes estrelas. Mas para isso, é necessário vencer, e para vencer, é preciso jogar bem... E os Knicks finalmente estão.

Julius Randle está com um começo de temporada digno de All-Star Game, com médias de 22 pontos, 11,5 rebotes e 7,5 assistências por jogo, acertando mais de 50% de seus arremessos e mais de 40% da linha dos três pontos. Virou uma referência ofensiva, aumentou seu repertório e parou de tomar tantas decisões erradas, se transformando cada vez mais em um facilitador (vide o alto número de assistências).

RJ Barrett, ainda muito cru, o que é normal para um jogador de 20 anos, cada vez mais mostra que é um pontuador nato - e se seu arremesso ainda não é confiável, é perto da cesta que ele garante seu ganha-pão. 

Mas o trabalho está gerando crescimento além dos números. Mitchell Robinson, pivô de 22 anos, finalmente apresenta indícios de que não está só correndo atrás da bola na defesa, mas sim aprendendo a se posicionar e não cometendo mais tantas faltas bobas, o que minava seus minutos por jogo nas últimas temporadas.
Alguns outros problemas parecem começar a se resolver. Na última temporada, Elfrid Payton, Frank Ntilikina e Dennis Smith Jr. foram os armadores dos Knicks, três jogadores que não matam bolas de três com consistência - algo que caminha na contra-mão da NBA de hoje. Payton segue como titular (até agora), enquanto DSJ luta por seus minutos e Ntilikina agora é utilizado como ala-armador, tentando potencializar sua boa defesa e espaçando a quadra no ataque. A diferença é que chegaram Immanuel Quickley e Austin Rivers, uma dupla que pode dar a coesão necessária para as engrenagens desse elenco rodarem como deveriam.

O primeiro citado foi a 25ª escolha do último draft. Após defender Kentucky como ala-armador, ele mostrou muito serviço na pré-temporada e já é o armador reserva do time... E como o time melhora com ele em quadra! No último jogo, contra Atlanta, o garoto jogou o último quarto inteiro e foi fundamental na virada, com 18 pontos marcados - chutando bem de três pontos, cavando faltas e roubando bolas na defesa. Rivers, recém-contratado, é outro jogador que sabe criar um arremesso longo para si e aumenta as possibilidades do ataque.

Com essa dupla de armadores que sabe arremessar, a quadra fica muito maior para Barrett e Randle infiltrarem, Robinson dominar o garrafão e Knox, Burks e Bullock arremessarem de fora. Isso que Obi Toppin, um dos favoritos para o prêmio de calouro do ano, ainda praticamente não jogou por conta de uma lesão.

O time passa longe, muito longe de ser um candidato a qualquer coisa. Ir para os playoffs seria uma conquista absurda, e isso ainda não deve ser tratado como realidade. Mas é impossível não exaltar um trabalho que finalmente está sendo bem feito em uma franquia que em muitos momentos pareceu amaldiçoada.
A falta de peso nas costas pode fazer os Knicks surpreenderem essa temporada, principalmente pela expectativa ser muito baixa. Mas o que realmente deve ser comemorado é o fato de que o núcleo jovem de Nova York finalmente está crescendo e a moral da franquia pouco a pouco começa a mudar (até o próximo escândalo desnecessário). E é esse o caminho para as coisas começarem a dar certo.

Comentários

Coração, coesão e, finalmente, evolução: vamos falar sobre o New York Knicks

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim: LaVar Ball tumultuou a NBA e agora tem uma família milionária e sonhos realizados

Pedro Suaide
Pedro Suaide

LaVar Ball tem três filhos. Lonzo, o mais velho, é jogador do New Orleans Pelicans. LiAngelo, o do meio, assinou um contrato com o Detroit Pistons. E LaMelo, o caçula, é a esperança do Charlotte Hornets. 

O quarteto (pai e filhos) está na mídia desde que os garotos jogavam em Chino Hills, uma escola da Califórnia. O basquete dos três chamava atenção com o passar dos anos, mas nunca tanta quanto as aparições do falastrão pai. 

- "Se Charles Barkley pensasse como eu, talvez ele tivesse um título da NBA"

- "No meu auge, eu mataria Michael Jordan no um contra um"

- "Lonzo está no caminho de superar Magic Johnson para ser o melhor armador da história"

- "Lonzo já é melhor que Stephen Curry", em 2017, quando seu filho ainda jogava basquete universitário por UCLA.

- "Sem Lonzo em Los Angeles, LeBron não vai ganhar um título. Eu garanto"

[]

Essas são apenas algumas das centenas de frases de LaVar que viraram manchete ao redor do planeta. Nos últimos anos, ele deu uma sossegada, mas sua missão já estava praticamente completa. O resto era questão de tempo.

Em 2017, Lonzo foi draftado pelos Lakers com a 2ª escolha daquele draft. Em 2020, LaMelo foi o 3º. LiAngelo, o pior dos três, nunca foi escolhido, mas ainda assim conseguiu sua vaga na maior liga de basquete do mundo após uma temporada na G-League, a liga de desenvolvimento.


O caminho de Lonzo foi o mais tradicional, jogando o basquete universitário. Os dois mais novos, nas mãos dos pais, jogaram na Lituânia, em uma liga criada pelo próprio LaVar e, LaMelo, até para a Austrália foi, pois já tinha capacidade de ser profissional, segundo... Vocês sabem quem.

Onde eu quero chegar com esse texto? Os três Balls sabem jogar basquete. Mas é bastante questionável se Lonzo e LaMelo seriam escolhas de draft tão altas se não fosse toda a mídia criada ao seu redor. 

Lonzo, por exemplo, era uma escolha quase unânime para os Lakers naquele momento, mas hoje vemos que Jayson Tatum, Donovan Mitchell, Bam Adebayo são jogadores indiscutivelmente melhores do que ele. Isso sem falar em John Collins, De'Aaron Fox, Jonathan Isaac, OG Anunoby e Kyle Kuzma, por exemplo. Todos esses foram selecionados após Lonzo. Sim, talvez seja só mais um dos infinitos erros em draft - acontece. Mas o que sabemos é: LaVar falou, falou, falou... E deu certo.

Em alguns anos, vamos poder fazer a mesma análise sobre LaMelo e sua turma de draft. Mas já sabemos que o garoto, que tem claros problemas dentro de quadra, carrega altíssimas expectativas nas costas mesmo sem nunca ter provado muita coisa jogando em alto nível (nem mesmo 'médio').


Por fim, esse texto está sendo escrito porque, como nos sonhos de LaVar, seus três garotos finalmente estão juntos na NBA. LiAngelo Ball, o menos falado, assinou um contrato mínimo, não garantido, com os Pistons. E quando você viu um negócio tão pequeno gerar tanto fuzuê por aí? É raro - e é mérito do papai. 

Você provavelmente não gosta de LaVar Ball - e possivelmente desenvolveu algum tipo de antipatia com algum de seus filhos (ou talvez com todos), que não têm nenhuma culpa disso. Mas isso não importa para eles. Seus sonhos estão realizados e os bolsos cheios de dinheiro.



Comentários

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim: LaVar Ball tumultuou a NBA e agora tem uma família milionária e sonhos realizados

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim: LaVar Ball tumultuou a NBA e agora tem uma família milionária e sonhos realizados

Pedro Suaide
Pedro Suaide

LaVar Ball tem três filhos. Lonzo, o mais velho, é jogador do New Orleans Pelicans. LiAngelo, o do meio, assinou um contrato com o Detroit Pistons. E LaMelo, o caçula, é a esperança do Charlotte Hornets. 

O quarteto (pai e filhos) está na mídia desde que os garotos jogavam em Chino Hills, uma escola da Califórnia. O basquete dos três chamava atenção com o passar dos anos, mas nunca tanta quanto as aparições do falastrão pai. 

  • "Se Charles Barkley pensasse como eu, talvez ele tivesse um título da NBA"
  • "No meu auge, eu mataria Michael Jordan no um contra um"
  • "Lonzo está no caminho de superar Magic Johnson para ser o melhor armador da história"
  • "Lonzo já é melhor que Stephen Curry", em 2017, quando seu filho ainda jogava basquete universitário por UCLA.
  • "Sem Lonzo em Los Angeles, LeBron não vai ganhar um título. Eu garanto"

[]

Essas são apenas algumas das centenas de frases de LaVar que viraram manchete ao redor do planeta. Nos últimos anos, ele deu uma sossegada, mas sua missão já estava praticamente completa. O resto era questão de tempo.

Em 2017, Lonzo foi draftado pelos Lakers com a 2ª escolha daquele draft. Em 2020, LaMelo foi o 3º. LiAngelo, o pior dos três, nunca foi escolhido, mas ainda assim conseguiu sua vaga na maior liga de basquete do mundo após uma temporada na G-League, a liga de desenvolvimento.


O caminho de Lonzo foi o mais tradicional, jogando o basquete universitário. Os dois mais novos, nas mãos dos pais, jogaram na Lituânia, em uma liga criada pelo próprio LaVar e, LaMelo, até para a Austrália foi, pois já tinha capacidade de ser profissional, segundo... Vocês sabem quem.

Onde eu quero chegar com esse texto? Os três Balls sabem jogar basquete. Mas é bastante questionável se Lonzo e LaMelo seriam escolhas de draft tão altas se não fosse toda a mídia criada ao seu redor. 

Lonzo, por exemplo, era uma escolha quase unânime para os Lakers naquele momento, mas hoje vemos que Jayson Tatum, Donovan Mitchell, Bam Adebayo são jogadores indiscutivelmente melhores do que ele. Isso sem falar em John Collins, De'Aaron Fox, Jonathan Isaac, OG Anunoby e Kyle Kuzma, por exemplo. Todos esses foram selecionados após Lonzo. Sim, talvez seja só mais um dos infinitos erros em draft - acontece. Mas o que sabemos é: LaVar falou, falou, falou... E deu certo.

Em alguns anos, vamos poder fazer a mesma análise sobre LaMelo e sua turma de draft. Mas já sabemos que o garoto, que tem claros problemas dentro de quadra, carrega altíssimas expectativas nas costas mesmo sem nunca ter provado muita coisa jogando em alto nível (nem mesmo 'médio').


Por fim, esse texto está sendo escrito porque, como nos sonhos de LaVar, seus três garotos finalmente estão juntos na NBA. LiAngelo Ball, o menos falado, assinou um contrato mínimo, não garantido, com os Pistons. E quando você viu um negócio tão pequeno gerar tanto fuzuê por aí? É raro - e é mérito do papai. 

Você provavelmente não gosta de LaVar Ball - e possivelmente desenvolveu algum tipo de antipatia com algum de seus filhos (ou talvez com todos), que não têm nenhuma culpa disso. Mas isso não importa para eles. Seus sonhos estão realizados e os bolsos cheios de dinheiro.



Comentários

Falem bem ou falem mal, mas falem de mim: LaVar Ball tumultuou a NBA e agora tem uma família milionária e sonhos realizados

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Jimmy Butler é a prova viva de que coração ganha jogo, e é assim que ele caminha à imortalidade

Pedro Suaide
Pedro Suaide

Indiscutivelmente, Jimmy Butler é a pior estrela de um finalista da NBA nessa década. E ainda assim, ele segue fazendo história.

Por favor, isso está longe de ser uma crítica a quem vou exaltar durante esse texto. Durante 8 anos seguidos, LeBron comandou o campeão do leste, enquanto do outro lado tivemos Dirk, Durant, Duncan e Curry/Durant, que na última temporada encararam o time de Kawhi. Todos aqui estão um patamar - ou mais - acima de Butler, tanto como jogador como quanto em questão de legado. Mas, em sua primeira chance de disputar um título da NBA, Jimmy deixa claro que seu coração pode o colocar em igualdade às lendas dentro de quadra durante os 48 minutos que duram uma partida.

Butler e LeBron travam batalha épica, Heat vence Lakers nos últimos segundos e ainda não entrega título


49 segundos. Poderia ser o tempo que você esquenta seu achocolatado no micro-ondas pela manhã, mas é o quanto Jimmy Butler descansou no jogo 5 das Finais da NBA.  35 pontos, 12 rebotes, 11 assistências. A vitória. O fim da mística do uniforme Black Mamba. E o mais importante: o respiro de quem segue vivo.

O ponto é que, a cada detalhe que você se lembra, mais você se assusta. Ser o homem que marca LeBron James em grande parte do jogo com certeza não é o que você gostaria de ver de seu principal jogador ofensivo, mas isso não pareceu afetar Jimmy Butler, que inclusive igualou marcar históricas (e surreais) de LBJ. Vamos expor algumas:

- Jimmy Butler se tornou o 7º jogador da história a ter um triplo-duplo de 35 pontos em um jogo de vida ou morte nos playoffs; o primeiro desde LeBron James, em 2009, contra o Orlando Magic

- Nos últimos 4 jogos, Jimmy Butler pontuou ou deu assistências para 240 pontos, a segunda maior marca em qualquer sequência de 4 jogos em Finais na história. À sua frente, LeBron James, em 2017, com 245. Logo atrás, Michael Jordan, em 1993, com 239.

- Jogando suas primeiras Finais da NBA, Jimmy Butler se tornou o jogador com mais triplos-duplos de 30 pontos em Finais, com 2, ao lado de LeBron James. Isso não conta apenas atuações que aconteceram no mesmo ano, mas sim em todos os tempos.

Butler pega rebote, leva porrada na cabeça, faz a cesta antes de cair e rola de dor no chão



Ele não é o melhor arremessador do mundo, longe disso. Também não é o jogador mais atlético, mais alto ou mais habilidoso. É um grande defensor, mas já vimos melhores. Ainda assim, ele tem uma coisa que falta em muita gente. Ele simplesmente não aceita perder, e é por isso que se sente em casa no Miami Heat, que pensa exatamente igual. Afinal, seu apelido não é Jimmy G. Buckets à toa. Bem, o G. é abreviação de Gets (consegue). Buckets significa 'cestas'. De um modo ou de outro, seja bonito ou na marra, Jimmy consegue suas cestas.

Os Lakers eram muito favoritos ao título da NBA, e ainda são. LeBron e Davis são sobre-humanos, e por mais que Miami tenha chegado às Finais com todos os méritos possíveis, talvez jogando até melhor que LA nos playoffs, a linda história de Cinderela deve acabar logo. Mas, apesar do provável gosto amargo da derrota, essa equipe sempre será lembrada com um sorriso no rosto de quem conta seus feitos. E ela definitivamente não vai desistir até o último segundo.

Como se já não sua história de vida, digna de roteiro de cinema, já não fosse suficiente, jogo a jogo, Jimmy Butler escreve seu caminho à imortalidade. 

No último segundo antes do intervalo, Jimmy Butler acerta lindo arremesso de três e comemora com estilo

Comentários

Jimmy Butler é a prova viva de que coração ganha jogo, e é assim que ele caminha à imortalidade

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Como o Boston Celtics reagiu, acertou sua defesa para vencer o Heat e segue vivo nos playoffs

Guilherme Giovannoni
Guilherme Giovannoni

Comentários

Como o Boston Celtics reagiu, acertou sua defesa para vencer o Heat e segue vivo nos playoffs

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Sem brio, sem fome, sem título: os Clippers cavaram sua própria cova e jogaram seu futuro fora

Pedro Suaide
Pedro Suaide

Quando você vai para o tudo ou nada, existe uma terceira opção: a humilhação. O Los Angeles Clippers foi humilhado.

O Denver Nuggets disputou 7 guerras contra o Utah Jazz e chegou para essa série completamente baleado. O time da Califórnia, como era esperado, fez 3 a 1. Mas, na hora de fechar, pipocou. Uma das maiores de todos os tempos. E além disso, mostrou a diferença que a vontade de ganhar pode fazer em um, dois e três jogos. 

A linguagem corporal mostrava uma certeza da classificação. Suas falas também. Mas o basquete é resolvido dentro de quadra. Denver buscou viradas surreais nos jogos 5 e 6. No jogo 7, se recusaram a perder.

Na primeira rodada, contra os Mavs, eles já sofreram mais do que deveriam, e se Porzingis tivesse saudável era bem possível imaginar um jogo 7. Contra os Nuggets, pagaram o caro preço do salto alto: afinal, Marcus Morris gritou na cara de Paul Milsap para o jogador dos Nuggets se preparar para ir embora. Sim, Marcus Morris, que fez 7 pontos no jogo 7 e agora está voltando para casa.

Se você fala, você tem que corresponder. E esse é o problema dos Clippers. Quem fala, não corresponde. Quem corresponde, não fala. Um time que quer ser campeão não pode ter em Patrick Beverley sua única 'chama'. Kawhi Leonard, o homem de gelo, precisa aprender um pouco com LeBron James, Jimmy Butler e até mesmo com o garoto Jamal Murray quando é a hora de chamar seus companheiros de time dentro de quadra e botar ordem no recinto. Vibrar, gritar. Mais do que um craque, ser um líder. 

Nos Raptors ele foi campeão com essa postura 'gelada', mas Kyle Lowry compensava como craque e líder.  

Paul George, que se autodenominou 'Playoff P', voltou a ser o 'Pipoca P', desaparecendo em mais um jogo de vida ou morte: dessa vez com 10 pontos, acertando 4 de 16 arremessos e 2 de 11 dos três pontos. Como se não fosse suficiente, Kawhi fez seu pior jogo de mata-mata desde 2016. Nikola Jokic, sozinho, teve mais rebotes (22 a 10), assistências (13 a 8) e tocos (3 a 2) do que os dois craques de LA juntos. 

Durante toda a temporada foi evidente a falta de encaixe dos Clippers, assim como uma construção de elenco muito questionável. Mas o talento era tão grande que eles foram levando sem sustos, teoricamente podendo 'virar a chavinha' quando quisessem. Não é assim que funciona. 

Como se já não fosse suficiente, a próxima temporada será um novo 'tudo ou nada', mas com risco muito maior. Os contratos de Paul George e Kawhi têm apenas mais um ano garantido, e para trazer a dupla, os Clippers acabaram com seu próprio futuro.

Kawhi avisou que só assinaria com a franquia se outra estrela, como Paul George, fosse para lá. Para conseguir PG, os Clippers abriram mão de Shai Gilgeous-Alexander, Danilo Gallinari, quatro escolhas não protegidas de primeira rodada do draft, uma outra escolha de primeira rodada (dessa vez protegida) e ainda mais duas trocas de escolhas, que podem fazer o Thunder ter um posicionamento melhor. 

Como resumir isso? LA não tem a sua escolha de primeira rodada do draft até 2026 e ainda mandou embora um dos armadores mais promissores da NBA. E se não for campeão na próxima temporada, terá grandes chances de perder o que conseguiu nessa troca. 

Os Clippers falaram muito e, em muitos momentos, jogaram muito. Mas, para ser campeão, jogar não é suficiente. Faltou coração, o que sobrou em Denver. O time que foi tão elogiado por ser 'low profile' morreu pela própria falta de brio. 

Comentários

Sem brio, sem fome, sem título: os Clippers cavaram sua própria cova e jogaram seu futuro fora

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Ben Simmons ou Embiid? Negociando um dos dois, listamos ideias de trocas para os Sixers buscarem o título com nova estrela

Pedro Suaide
Pedro Suaide

“Eu sempre disse que quero encerrar a minha carreira na Philadelphia e, se a história for essa, ótimo. Se isso não ocorrer, bem, você segue em frente e vive sua vida”.

Após os Sixers serem varridos pelo seu grande rival, o Boston Celtics, Joel Embiid abordou o assunto que ninguém de dentro da franquia gostaria de falar sobre. 

Foram anos e anos prometendo o tal 'processo' e dizendo à torcida que valeria a pena esperar. Depois de temporadas humilhantes, o time voltou a ser relevante e acertou em cheio em duas escolhas de draft: Joel Embiid e Ben Simmons. Muitos problemas com lesões e o azar de Kawhi Leonard acertar o arremesso de sua vida no Jogo 7 das finais do Leste de 2019, entretanto, separaram o time da missão de ser campeão.

Pior. O time parece um catado. Sem ritmo nem entrosamento, agora levaram 4 a 0 e colocaram em pauta mais do que nunca a dúvida: e se o time não tiver como dar certo ao redor de Embiid e Simmons?

Apesar de ambos serem ótimos jovens jogadores, o encaixe parece um problema. Ambos precisam de espaço no garrafão para alcançar seu potencial e talvez seja uma boa aproveitar o alto valor de mercado que os dois têm para reconstruir a equipe e sonhar com um futuro melhor.

Brett Brown, antigo técnico da equipe, já foi demitido após a eliminação. O ex-comandante claramente não conseguia fazer a equipe chegar ao seu 'teto', e agora talvez um novo treinador goste da ideia de um elenco reformulado.

Mas quem sai? Considerando o contrato de Tobias Harris praticamente impossível de negociar, imaginei cenários nos quais as contas de salários fechassem e trago algumas ideias de negócios ao redor de Embiid e Simmons.


Sixers recebem: Andrew Wiggins, a 2ª escolha geral do draft de 2020 e a escolha de 1ª rodada do draft de 2021 (via Timberwolves)

Warriors recebem: Joel Embiid

Wiggins não será uma estrela da liga, mas definitivamente pode contribuir ao lado de uma estrela. Com ele, uma escolha altíssima de draft, capaz de selecionar um jogador como Anthony Edwards, LaMelo Ball ou James Wiseman e ainda outra escolha de primeira rodada. Um pacote muito interessante para dar as chaves da franquia a Simmons e construir uma equipe que potencialize seus pontos altos ao seu redor, assim como os Bucks com Antetokounmpo. Já os Warriors mantém a dinastia viva e vão com tudo para ganhar mais títulos em um curtíssimo prazo.


Sixers recebem: Jamal Murray, Monte Morris e a escolha de 2ª rodada do draft de 2020

Nuggets recebem: Ben Simmons

Os Sixers suprem seus problemas de armação e criam um pick and roll mortal com Embiid e Murray, que cada vez mais mostra potencial de ser um dos grandes pontuadores da liga. Com ele, chega um bom armador reserva. Em Denver, Ben Simmons forma a dupla com outro pivô, mas que tem características muito diferentes das de Embiid e pode abrir o garrafão com muito mais facilidade. Ao redor dos dois, os Nuggets podem ter um futuro brilhante.


Sixers recbem: CJ McCollum, Jusuf Nurkic e Afernee Simmons

Blazers recebem: Joel Embiid e Josh Richardson

Foram anos e anos da dupla Lillard e McCollum liderando Portland. Após uma final de conferência e muitos momentos históricos, talvez a franquia precise abrir mão de CJ para tentar ganhar um anel ainda no auge de Dame, e isso pode acontecer Embiid no garrafão e Richardson completando o backcourt. Em Philly, McCollum divide a armação com Simmons, que ganha um companheiro muito consistente. Nurkic supre a falta de rebotes e Afernee pode ser o fogo que vem do banco.


Sixers recebem: Chris Paul, Luguentz Dort e a escolha de 1ª rodada do draft de 2020 (via Nuggets)

Thunder recebe: Ben Simmons

Nessa temporada, CP3 mostrou que ainda é um dos melhores da NBA - e ele pode ser a peça que faz Embiid chegar ao seu auge. Com ele, o ótimo defensor Lu Dort, de 21 anos, e uma boa escolha de draft. Em OKC, o contrato de Paul é trocado por um garoto cheio de potencial para se juntar a Shai Gilgeous-Alexander e uma enxurrada de escolhas altas de draft nos próximos anos, que formarão a equipe ao redor da dupla.


Sixers recebem: Kristaps Porzingis e a escolha de 2ª rodada do draft de 2020

Mavericks recebem: Joel Embiid

Com Porzingis, Ben Simmons terá um gigante que abre a quadra e pode dar espaço para ele infiltrar, seja para pontuar ou para abrir a bola com sua ótima visão. Com Embiid, Doncic fará uma das duplas mais surreais da NBA. De quebra, os Mavs se tornarão ainda mais atrativos para fechar com um agente livre de contrato máximo - sim, eles têm espaço no teto salarial para isso.


Sixers recebem: Jrue Holiday, Nickeil Alexander-Walker, a 13ª escolha geral do draft de 2020 e a escolha de 2ª rodada do draft de 2021

Pelicans recebem: Joel Embiid

Os Sixers pegam um armador de elite para cuidar da criação com Ben Simmons, que agora tem espaço para infiltrar no garrafão com a bola. Na defesa, a dupla forma uma das melhores parcerias da liga. Além disso, trazem um garoto com muito potencial e ganham uma escolha alta no próximo draft. Do outro lado, os Pelicans montam um garrafão com Zion e Embiid, dão a armação do time oficialmente para Lonzo Ball e fecham um dos melhores quintetos da liga, somando Ingram e Redick.


Sixers recebem: Kyle Lowry, a escolha de 1ª rodada do draft de 2020 e a escolha de 2ª rodada do draft de 2021

Raptors recebem: Ben Simmons

Uma troca parecida com a de Chris Paul. Os Sixers ganham um armador do mais alto calibre e que, nesse caso, já é campeão da NBA para jogar com Embiid. Além disso, garantem escolhas de draft para seguir fortalecendo o elenco. Já os canadenses pensam no futuro e unem os jovens All-Stars Simmons e Siakam.

Comentários

Ben Simmons ou Embiid? Negociando um dos dois, listamos ideias de trocas para os Sixers buscarem o título com nova estrela

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Celtics não dão chances e eliminam 76ers de Embiid e cia. nos playoffs da NBA

NBA na ESPN
NBA na ESPN

Vocês decidiram, e o Boston Celtics avançou nos playoffs da Conferência Leste da NBA no #EuDecidoNBAnaESPN.

O duelo era um dos mais equilibrados no papel, mas terminou com uma vantagem considerável. Jayson e cia. passaram pelo Philadelphia 76ers de Joel Embiid, Ben Simmons e cia. por 217 a 114.

Como funciona? Desde quarta-feira, às 20h (de Brasília), lançamos no Instagram da ESPN as partidas de primeira rodada dos playoffs, e o time vencedor será definido por você nos comentários. O resultado será sempre publicado aqui no blog do ESPN League, dentro do ESPN.com.br.

Os 16 times foram definidos a partir da classificação no momento da suspensão da temporada. Para os playoffs e finais de conferência, a equipe classificada será definida em uma partida única; para as Finais, o campeão sairá de uma série de 4 a 7 jogos/posts.

Todos os dias, às 20h, o jogo do dia irá ao ar, e a contagem dos comentários vai valer até às 16h do dia seguinte. As conferências Leste e Oeste vão se revezar dia a dia para a definição dos resultados.

O próximo confronto será entre Denver NuggetsHouston Rockets. Quem vence esse duelo?


Comentários

Celtics não dão chances e eliminam 76ers de Embiid e cia. nos playoffs da NBA

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

LeBron não é o MVP, mas deixa cada vez mais claro quem é o melhor jogador do mundo

Pedro Suaide
Pedro Suaide


O prêmio de MVP (Jogador Mais Valioso) da NBA é confuso e quase sempre vai gerar discussão. Quem deve ganhar? O jogador que tem maior valor para seu time, o melhor jogador na melhor equipe, o que tem os melhores números... Em algumas vezes, como com Curry em 2016, um jogador preenche todos esses inúmeros requisitos e não temos dúvidas sobre o premiado. 

O que faz Giannis Antetokounmpo é incontestável, e ele deveria ser eleito MVP com uma boa margem de vantagem, pois está tendo uma das melhores temporadas regulares de todos os tempos. Entretanto, o fato de LeBron James gerar uma discussão já é um mérito gigantesco.

O camisa 23 dos Lakers conhece o funcionamento da NBA como nenhum outro atleta em atividade. Ele sabe quais jogos são mais importantes, sabe como se preparar para os playoffs e também o que falar nas entrevistas... E com isso consegue construir uma narrativa a seu favor com um domínio que Giannis ainda não tem - e talvez nunca tenha. Ele joga xadrez enquanto o resto da liga joga damas.

Usando esse conhecimento, e atuando em altíssimo nível, LeBron 'quebrou tudo' no final de semana mais importante da temporada regular. Na sexta-feira, encarou o melhor time da NBA e bateu o grego. 37 pontos, 8 rebotes e 8 assistências. Segurou Giannis para apenas 7 pontos e 2 arremessos certos em 8 tentados quando o marcava. 

Domingo o adversário foi o Los Angeles Clippers, time que havia derrotado os Lakers duas vezes na temporada. E aí LeBron, com 28 pontos, 9 assistências e 7 rebotes, mandou outro recado. Mostrou que não existe isso deste duelo ser um 'encaixe ruim' para os Lakers, superou Kawhi Leonard e deixou claro que seu time é sim favorito caso eles se encontrem nos playoffs.

Em seu 17º ano na Liga, fazendo seus 58º e 59º jogos da temporada, contra os outros dois melhores times da liga, LeBron foi soberano contra o atual MVP e o atual MVP das Finais. Como?

Jogando como armador, abusou de sua inteligência. Mostrou como ler onde a defesa adversária vai sofrer, que é o companheiro de equipe ideal e foi agressivo. Arremessou da linha do lance livre três vezes mais do que sua média, garantindo pontos fáceis. Defendeu jogadores do mais alto nível e conseguiu diminuir seus ritmos. E tudo isso nos jogos que, até agora, nos jogos mais esperados, assistidos e discutidos - e ele sabia que seriam esses.

Giannis Antetokounmpo é o MVP da NBA com todos os méritos do mundo, mas LeBron deixa claro que não existe jogador de basquete melhor ou mais inteligente do que ele. E é isso que campeões têm.

Comentários

LeBron não é o MVP, mas deixa cada vez mais claro quem é o melhor jogador do mundo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Eu nunca quis ser como Kobe Bryant, mas nunca amei outro jogador como amo Kobe Bryant

Guilherme Sacco
Guilherme Sacco

         
    


Eu nunca quis ser como Kobe Bryant. É estranho falar isso, ainda mais em um momento como esse, mas eu nunca quis ser como Kobe Bryant. Ao mesmo tempo, nunca me apaixonei tanto por um jogador como me apaixonei por Kobe Bryant.

Explicar esse sentimento é quase impossível, mas como eu fui amar alguém que era o contrário do que eu sempre fui ou quis ser?

Nunca acreditei que a competitividade em excesso fosse uma virtude ou algo a ser exaltado. Nunca achei que trabalhar demais fosse saudável ou que gritar com seus companheiros durante um treinamento e tentar motivá-los pela pressão seja o caminho correto.

Como então eu fui me apaixonar pelo cara mais obcecado da história da NBA? O cara que acordava 4h da manhã e ia dormir meia-noite sempre com uma bola embaixo do braço? Que gritava com companheiros um treino sim e no outro também?

Simplesmente porque ele era Kobe Bryant.

Existia algo de diferente naquela camisa 24, uma aura hipnotizante que me fazia jogar todas as minhas convicções pela janela toda vez que ela ia à boca de Kobe e eu sabia que vinha algo especial.

Vá em paz, Mamba
Vá em paz, Mamba Harry How/Getty Images

Eu era apenas uma criança quando comecei a acompanhar os feitos do Black Mamba e foi por causa dele que eu me apaixonei por basquete. Se hoje eu escrevo esse texto é porque Kobe fez eu amar essa bola laranja mais do que qualquer outra coisa na vida. Foi por ficar maravilhado com as atuações espetaculares nos jogos mais difíceis, principalmente nos minutos finais. Pela enormidade de bolas vencedoras e arremessos no estouro do cronômetro. Pela capacidade de se despedir da liga anotando 60 pontos após praticamente duas décadas de pura dedicação, sangue, suor e lágrimas. De altos e baixos.

A coisa mais difícil do mundo era eu concordar com alguma postura dele. Sempre fui um dos maiores advogados de acusação da "Mamba Mentality" e todas as coisas, pra mim, negativas que ela trouxe. Ainda assim, nunca amei e nem devo amar alguém como Kobe. E essa é a mágica de Kobe Bryant.

Kobe nunca deixou de ser Kobe. Você concorde com ele ou não, Kobe não deixaria de ser Kobe. Se três arremessos consecutivos foram os responsáveis pela derrota na quarta-feira, ele acreditava que seriam os responsáveis pela vitória na sexta-feira. E fazia eles serem. Acima de tudo, Kobe sempre foi Kobe, o que quer que isso significasse ser, sem o menor remorso.

Eu posso não concordar com a postura, mas jamais vou deixar de assistir os vídeos de melhores momentos, de me emocionar com eles e com as conquistas, de admirar a autenticidade. Vou seguir gritando "Kobe!" a cada bolinha de papel jogada no lixo.

Eu nunca quis ser como Kobe, mas nunca amei outro jogador como amo Kobe. Vá em paz, Mamba.

Comentários

Eu nunca quis ser como Kobe Bryant, mas nunca amei outro jogador como amo Kobe Bryant

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Meu sonho era ser Kobe Bryant

Pedro Suaide
Pedro Suaide



Kobe foi draftado em 1996. Eu nasci no ano seguinte, e dez anos depois comecei a jogar basquete competitivamente. Antes disso, me apaixonei pelo esporte de tanto assistir partidas com meu pai. De 2007 a 2012, joguei campeonatos estaduais e sul-americanos, e meu sonho era ser Kobe Bryant!

Toda criança e adolescente tem isso: imitar um movimento, uma comemoração, passar noites e noites vendo lances - ao vivo e melhores momentos. Com toda a minha geração, este espelho foi ele. 

Sozinho, em qualquer quadra que fosse, puxava a camisa pela entrada da manga regata como ele fazia. Me imaginava ganhando um título da NBA e subindo na mesa ao centro da quadra e abrindo meus braços do jeito que ele eternizou em 2010.  A grande maioria das cestas que fiz durante minha 'carreira', comemorei com o braço dobrado e o punho, fechado, em frente ao meu rosto, como tanto o vi fazer. Sonhava com o dia em que ia jogar contra ele. 

[]

Sequer cheguei perto de ser jogador profissional, mas Kobe ainda definiu meu futuro. Decidi trabalhar com esporte por causa da NBA. E muito do meu amor pela NBA veio por causa dele. O basquete é uma bússola na minha vida, assim como na de tantas outras pessoas, e foi ele que me fez escolher o Jornalismo. 

Mas muito além disso, esse esporte criou meus círculos de amizade e colocou inúmeras pessoas tão importantes na minha vida.  Me fez mais próximo do meu pai e me ensinou as principais coisas que sei. E falando em ser pai, Kobe foi com P maiúsculo - e se como jogador não fui como ele, que eu seja para meus filhos que algum dia virão o que ele foi para Gigi, Bianka, Natalia e a bebê Capri. 

Se sonhei em ser Kobe quando mais novo, atualmente sonhava em um dia entrevistá-lo. 

Em sua aposentadoria, chorei. Com sua carta, 'Dear Basketball', chorei mais ainda. Ontem, sequer consegui digerir o que aconteceu. 

Como disse André Kfouri, Kobe foi o Jordan de quem não viu Jordan. Além disso, foi o Jordan da era digital. A carreira inteira de Bryant, do primeiro ao último dia, está documentada, viralizada e compartilhada nas redes sociais. 

No Brasil, Kobe é um dos esportistas mais amados da história. Seu auge correu lado a lado com a globalização da NBA, muito por causa de David Stern, que também nos deixou há pouco tempo. Jogou a carreira inteira em uma franquia popular e vencedora, e por lá venceu. O brasileiro ovaciona Kobe Bryant, e sua camisa é marca registrada em parques, rachões e praias por todo nosso país. 

Kobe Bryant morreu aos 41 anos em acidente de helicóptero
Kobe Bryant morreu aos 41 anos em acidente de helicóptero ESPN

Seu legado como jogador, personalidade e pai é imensurável, e seguir exaltando seus feitos é chover no molhado. Ele podia ser amado ou odiado por jogar nos Lakers, por sua mentalidade, por seus erros ou acertos dentro de quadra... Mas ele sempre foi respeitado e reconhecido como o que é: uma lenda. Kobe rompeu as barreiras do esporte e do clubismo e se tornou um astro além de seu nicho - coisa que pouquíssimos conseguem. Resta agradecer por tanto.

Então, obrigado por toda noite mal dormida por causa do fuso horário da Califórnia. Obrigado por todo arremesso completamente irracional que caiu e que me fez tomar broncas em quadra ao tentar imitá-los. Obrigado pelos títulos, pelas marcas e pelas frases. Obrigado por ter moldado toda uma geração. Obrigado por ter me ajudado a escolher o meu futuro. 

Obrigado, do fundo do meu coração, Kobe!

Comentários

Meu sonho era ser Kobe Bryant

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Já passou da hora de darmos o devido valor a Damian Lillard

Pedro Suaide
Pedro Suaide

[]

Eu, você e qualquer pessoa que já assistiu um jogo de basquete sabemos que Damian Lillard é um bom jogador. Ótimas médias, sempre presente nos playoffs, jogadas marcantes... E seguimos o definindo como um bom jogador.

Parece oportunista fazer um texto como esse agora, após ele marcar 34, 34, 61 e 47 pontos nos seus últimos quatro jogos - e talvez realmente seja. Mas a gente precisa falar sobre o tamanho de Damian Lillard.

O armador caminha para se tornar o maior ídolo da história do Portland Trail Blazers, e com certeza já fez duas das mais marcantes jogadas do século da NBA:


         
     

E como fazemos com grandes jogadores, o exaltamos por isso. Mas imagine se Russell Westbrook tivesse o feito - em playoffs, como Dame fez.

Na última semana, como já foi dito, Lillard marcou 61 pontos. E mais 47 no jogo seguinte. Quando James Harden tem atuações desse tipo, todos perdemos a linha - como deve ser feito. Com Lillard, o entusiasmo parece que acaba rápido.

Talvez por ele não ser uma personalidade polêmica, talvez por ele jogar em Portland, talvez por ele falar pouco. Nós, a mídia, damos muito pouco valor para o que Damian Lillard faz - há anos.

Sua única temporada na carreira com menos de 20 pontos por jogo foi a primeira, de calouro, com 19. Nos últimos cinco anos, tem média superior a 25 - e nesse mesmo período de tempo chuta mais de 36% nos arremessos longos, acertando, no mínimo, três arremessos em média. 

Discutivelmente, Lillard é o jogador mais clutch da NBA - aquele cara em quem a gente confia na hora de decidir o jogo. Do mesmo jeito, confiamos nele para arremessar bolas que apenas ele e Stephen Curry conseguem, de muito longe. Entretanto, se alguém faz uma cesta do meio da rua, dizemos que foi uma 'cesta de Curry', mas nunca uma 'cesta de Lillard'.

Com sua atuação de 61 pontos, ele se tornou o jogador com a melhor e a segunda melhor pontuação da história entre jogadores de 1,88 metro ou menos, com 61 e 60. A concorrência que ele deixou para trás? Tim Hardaway, Chris Paul, Allen Iverson, Isiah Thomas, John Stockton, Jerry West e muitos outros 'baixinhos'. 


         
     

Além disso, entrou num grupo de elite e se tornou um dos únicos seis jogadores da história da liga com mais de um jogo de 60 pontos, ao lado de Elgin Baylor (3), Michael Jordan (4), James Harden (4), Kobe Bryant (6) e Wilt Chamberlain (32).  Mas Lillard foi o único a fazer um jogo com tantos pontos acertando 11 cestas de três pontos.

Pensando na franquia de Portland, Lillard é o segundo maior cestinha e o terceiro com mais assistências... Isso sem ser sequer um dos 10 com mais minutos em quadra, já que está na liga há apenas oito anos.

Com 29 anos, Lillard é, literalmente, o presente da NBA. E já passou da hora de o tratarmos com o status que ele merece: um dos melhores jogadores do século.

Apreciem sem moderação.


Comentários

Já passou da hora de darmos o devido valor a Damian Lillard

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Zion Williamson tem uma primeira missão para mostrar sua grandeza: levar os Pelicans aos playoffs

Pedro Suaide
Pedro Suaide
[]

Vamos direto ao ponto: com Zion Williamson, o New Orleans Pelicans precisa agarrar e não devolver uma vaga nos playoffs do Oeste da NBA, mais aberto do que nunca.

O time fez sua lição de casa até agora. Após 44 jogos disputados na temporada, todos sem a primeira escolha do draft, o time tem 17 vitórias e 27 derrotas, uma campanha dentro do esperado, principalmente com tantas lesões curtas, como as de Brandon Ingram, Jrue Holliday, Lonzo Ball e Derrick Favors, quarteto que ocupa grande parte da minutagem do time.

Após o elenco 'engrenar', já são 11 vitórias nas últimas 16 partidas. Agora, o tão esperado Zion Williamson fará sua primeira partida oficial pela franquia - contra oSan Antonio Spurs, às 23h30, AO VIVO na ESPN e no WatchESPN.

Zion divide opiniões como poucos jogadores, e a incógnita que ronda seu nome só favorece na discussão entre gregos e troianos. Já ouvimos muitas coisas, desde "ele é gordo" até "ele será o melhor jogador da NBA na próxima década". Se apegando à fatos, o que sabemos? Sua pré-temporada, saudável e disputada em alto nível, foi histórica.

Durante os quatro jogos que ele fez, teve a quarta melhor média de pontos por jogo do período, com 23,3 por jogo - atrás apenas de James Harden (31,2), Giannis Antetokounmpo (27,3) e Stephen Curry (26,8). 

|A estreia de Zion: o que esperar da primeira partida do calouro dos Pelicans na NBA|

Zion ainda tornou-se o primeiro calouro a ter média de mais de 20 pontos por jogo acertando 70% de seus arremessos, e é aqui que ele se torna ainda mais assustador. Sua habilidade com a bola na mão é tão boa quanto a de qualquer craque regular da NBA. Entretanto, sua impulsão, força e velocidade formam uma junção nunca antes vista, e seu controle de corpo e equilíbrio, principalmente no ar e a caminho do arremesso, fazem dele um perigo constante perto da cesta. Todo arremesso que ele faz perto da cesta é de alta qualidade.

E na defesa ele também pode fazer toda a diferença. Até hoje, seu time é o 10º pior defendendo na liga. Entretanto, Zion tem uma versatilidade que, se ele desenvolver contra os maiores jogadores do mundo, podem fazer dele uma espécie de Draymond Green com mais impulsão ao marcar: um general. Durante seu ano em Duke, teve médias de 2,1 roubos e 1,8 toco por jogo. Com algo que lembre isso NBA, poderá mudar sua equipe.  

Apesar de ser o 12º de sua conferência, os Pelicans estão apenasn três jogos e meio atrás do Memphis Grizzlies, o 8º. Isso quer significa que o time tem chances realíssimas de chegar lá, mas também mostra que, para isso, terá que superar seis adversários que estão vivos na disputa.

Atrás, com dois jogos e meio a menos do que os Pelicans, estão os Kings e os Wolves, que parecem estar perdendo o fôlego de vez enquanto perdem partidas em sequência.

À frente, estão Suns, Blazers e Spurs, até chegarmos aos Grizzlies, que hoje iriam aos playoffs: dois times com muita experiência e dois comandados por garotos. E é por ser a perfeita mistura disso que os Pelicans precisam se sobressair.

Se os Pelicans são liderados Lillard, McCollum e Carmelo, e os Spurs por DeRozan e Aldridge, os Pelicans têm Jrue Holliday, JJ Redick e Derrick Favors com muitos minutos em sua rotação. Jogadores consolidados, com experiência em playoffs e que melhoram aqueles ao seu redor.

E enquanto os Suns crescem com Booker, Oubre e Ayton, e os Grizzliers surpreendem com Ja Morant e Jaren Jackson Jr, os Pelicans contam com um núcleo jovem mais completo do que ambos. Lonzo Ball está finalmente mostrando o grande jogador que pode ser; Brandon Ingram têm temporada de All-Star e aos poucos se consolida como um dos grandes jogadores da liga; e ainda restam Josh Hart, Jaxson Hayes e Nickeil Alexander-Walker, que entregam menos, mas seguem evoluindo.

Agora adicione Zion Williamson a tudo isso. Não, ele não precisará fazer 20 pontos e pegar 12 rebotes por jogo, nem dar 3 tocos ou acertar 80% de seus arremessos. Seu tamanho e sua força abrem caminhos na quadra. Ele, ao entrar em quadra, já intimida defesas e as obriga a prestarem muita atenção nele. Com isso, é uma questão de inteligência e solidariedade (que ele já apresentou) para saber distribuir a bola e explorar os grandes talentos que New Orleans tem. 

Ele não precisa ser o cestinha ou jogador que mais participa do jogo, principalmente com as ótimas temporadas ofensivas de Jrue e Ingram. Mas craques são inteligentes, e é sua inteligência que vai abrir os caminhos.

Grandes jogadores fazem grandes coisas. Zion tem sua primeira missão naquele que parece ser seu caminho para a grandeza. Hoje é o dia 1.

Comentários

Zion Williamson tem uma primeira missão para mostrar sua grandeza: levar os Pelicans aos playoffs

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

James Harden nos acostumou com o absurdo e passou a ser subestimado

Guilherme Sacco
Guilherme Sacco

         
    

James Harden terminou a década de 2010 como o maior cestinha do período. Com 19578 pontos anotados entre 1º de janeiro de 2010 e 31 de dezembro de 2019, o camisa 13 do Houston Rockets superou LeBron James, o segundo colocado, por mais de 200 pontos.

Vale lembrar que James Harden não era titular até a temporada 2012/2013, sendo "apenas" sexto homem na época de Oklahoma City Thunder. O que explica o feito do Barba? A sua capacidade absurda de pontuar que fez a gente se acostumar com o absurdo.

Nesta temporada, Harden tem média de 38,2 pontos por jogo, a maior marca desde 1986/87 quando Michael Jordan atingiu 37,1 pontos por partida.
Na reta final de dezembro, o Barba teve uma sequência de 9 jogos em que fez 39,2 pontos por jogo com 52,1% de aproveitamento dos arremessos e 48,3% do perímetro e quase ninguém falou sobre isso e, principalmente, o quão absurdo é.

James Harden passou a ser subestimado
James Harden passou a ser subestimado Stacy Revere/Getty Images

Passamos a tratar uma temporada de 38,2 pontos, 7,5 assistências, 46% de FG e 38% de 3PT (além de 62,4% de true shooting e 56,7% eFG) como algo normal e "não merecedora" do prêmio de jogador mais valioso da temporada.

James Harden faz coisas absurdas com tamanha constância que o absurdo virou normal e, portanto, o camisa 13 está passando a ser subestimado. Não se fala mais em nenhum feito do Barba que não seja fazer 60 pontos em uma partida.

Quem tenta diminuir os feitos de Harden cai nos mesmos papos de sempre: o de que ele cava muitas faltas, bate muitos arremessos livres e, portanto, pontua bastante por isso. Esquecem, por exemplo, que ele fez 55 pontos contra o Cleveland Cavaliers e 54 contra o Orlando Magic batendo 5 e 6 lances livres, respectivamente.

James Harden é um jogador histórico. O melhor cestinha desde Michael Jordan na NBA e alguém capaz de fazer 50 pontos em uma partida parecerem "normais" ou "irrelevantes". É preciso dar a devida importância histórica para o camisa 13 enquanto sua carreira está ativa e não só depois de sua aposentadoria.

Apreciem o maior pontuador da década. E não deixem a narrativa corromper a visão. Não subestimem James Harden. Tratem-o como o jogador histórico que ele é.


Comentários

James Harden nos acostumou com o absurdo e passou a ser subestimado

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O verdadeiro motivo pelo qual Carmelo Anthony foi eleito jogador da semana na NBA

Guilherme Sacco
Guilherme Sacco
Melo foi eleito o jogador da semana
Melo foi eleito o jogador da semana Alika Jenner/Getty Images

Nesta segunda-feira, a NBA anunciou os melhores jogadores da semana para cada conferência. Carmelo Anthony, do Portland Trail Blazers, venceu a premiação na Conferência Oeste.

A escolha, porém, causou uma discussão entre os fãs de basquete. Afinal, Luka Doncic, do Dallas Mavericks, teve uma semana incrível, ajudou a equipe a vencer o Los Angeles Lakers, melhor equipe da NBA no momento, com médias de 30.3 pontos, 8.7 rebotes e 9 assistências. James Harden, do Houston Rockets, fez apenas dois jogos, mas um deles de 60 pontos em apenas três quartos.

A questão, porém, vai além. Sabemos que a NBA é uma liga pautadas por narrativas e a história da última semana foi o retorno de Melo ao basquete. Depois de ficar mais de um ano sem jogar, o ala foi contratado "no desespero" pelos Blazers e ganhou uma nova - e provavelmente última - chance na NBA.


         
    

E ele tem aproveitado-a muito bem. Talvez até acima das expectativas dos mais otimistas - eu, por exemplo, fui um dos grandes defensores da volta de Melo. Com médias de 22.3 pontos, 7.7 rebotes e 2.7 assistências, Carmelo liderou os Blazers a três vitórias em três jogos na semana e a NBA viu a oportunidade perfeita de coroar a grande história da semana.

O prêmio não é pelo fato de Carmelo ter sido o melhor jogador da semana - este foi Luka Doncic -, mas, sim, por que a narrativa do retorno de Melo é a mais atraente e mais rentável para a NBA. Sinceramente? Eu não tenho o menor problema com isso.

Carmelo Anthony merece ser celebrado sempre que possível e seu retorno tem sido mágico. O que for preciso para mantê-lo assim deve ser feito.

Comentários

O verdadeiro motivo pelo qual Carmelo Anthony foi eleito jogador da semana na NBA

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Os Lakers são os donos de Los Angeles | NBA no Divã #5

ESPN League
ESPN League
Os Lakers são os donos de LA
Os Lakers são os donos de LA Arte ESPN

O Los Angeles Lakers tem a melhor campanha da NBA. LeBron James é um dos principais candidatos ao prêmio de MVP e Anthony Davis está jogando o que se esperava que ele jogasse. No NBA no Divã desta semana, Guilherme Sacco e Leonardo Sasso analisam o que faz dos Lakers uma equipe já tão pronta ainda no começo da temporada e, consequentemente, uma das candidatas ao título e cravam: Los Angeles ainda pertence ao lado azul e roxo da força. Confira!



Comentários

Os Lakers são os donos de Los Angeles | NBA no Divã #5

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Finalmente, o absurdo foi corrigido: Carmelo Anthony está de volta à NBA

Guilherme Sacco
Guilherme Sacco
Carmelo Anthony está de volta
Carmelo Anthony está de volta Getty Images


A justiça foi feita na NBA. Carmelo Anthony está de volta às quadras e será jogador do Portland Trail Blazers. O absurdo que era Melo não estar empregado foi corrigido.

O ala não joga uma partida de NBA desde o começo da temporada passada quando foi dispensado pelo Houston Rockets após apenas 10 partidas na franquia texana. E isso é um absurdo.

Não existem 450 jogadores melhores do que Carmelo Anthony no mundo. Portanto, ele não ser um dos 15 jogadores de um dos 30 elencos da NBA é absurdo.

Não existem 450 jogadores de basquete que contribuam mais do que Carmelo Anthony poderia contribuir para qualquer equipe e isso é indiscutível. No auge, Carmelo era um dos maiores pontuadores da história do basquete.


         
    

E ninguém esquece como arremessar, muito menos alguém que foi 10x All-Star da NBA "só por pontuar". Vindo do banco de reservas e com minutos restritos, Carmelo é, indiscutivelmente, uma ótima opção para segundas unidades que precisem de alguém que converta oportunidades em cestas: exatamente o que o Blazers precisa.

A grande questão com Carmelo foi a mentalidade. A hesitação em aceitar um papel secundário. No entanto, o ala deu diversos sinais de que está disposto a se sacrificar para voltar a uma quadra de basquete e fazer o que mais gosta.


         
    

E esse é outro ponto inegável. Poucos jogadores amam entrar em uma quadra tanto quanto Carmelo Anthony. Entre todos os seus defeitos, o grande destaque no jogo de Melo sempre foi a energia e a vontade de vencer acima de tudo. Não existiu uma partida em sua carreira que Carmelo não deixou tudo em quadra.

Agora, o absurdo foi corrigido. O Portland Trail Blazers faz o que todo mundo deveria ter feito antes mesmo da temporada começar: dá a última chance para Carmelo provar de uma vez por todas que merece ser lembrado como um dos pontuadores mais letais e decisivos da NBA e não por uma figura caricata que foi criada sobre ele.

Comentários

Finalmente, o absurdo foi corrigido: Carmelo Anthony está de volta à NBA

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O amanhã de Luka Doncic é hoje

Pedro Suaide
Pedro Suaide

20 anos. Alguns dos melhores jogadores universitários de basquete têm mais de 20 anos. Com essa idade, Luka Doncic é definitivamente um dos melhores, mas jogando no meio dos adultos.

Grande parte da análises sobre jogadores se baseia em sua idade e onde os mais velhos estavam com tal idade. O problema disso é que não tem como 'prever o futuro' de um ponto fora da curva, exatamente por ele não estar no mesmo nível da média.

Luka Doncic chegou à NBA em 2018 com um status de promessa, apesar de já ter conquistado a Europa com o Real Madrid e a seleção eslovena. Foi sensação em seu primeiro ano, mas obviamente era avaliado entre os calouros. Agora o ponto de comparação é outro: toda a liga. E seu rendimento mostra que ele realmente já faz parte do grupo de elite.

Após três semanas de jogos, apenas um jogador está no Top-10 de pontos, rebotes e assistências por jogo. E ele tem apenas 20 anos. E ele se chama Luka Doncic. 27,7 pontos (6º), 10,8 rebotes (10º) e 9,1 assistências (2º) de média. 

Muito além de sua posição em rankings quando comparado seus contemporâneos, é importante entender suas médias por jogo em comparação com todos os astros da NBA quando tinham sua idade. Nunca alguém teve médias tão altas, muito menos beirando um triplo-duplo. 

Considerando garotos de até 20 anos que eram protagonistas em suas equipes, Luka sobra contra outras estrelas. Para tirar uma base de análise, foram selecionados apenas jogadores que tiveram mais de 20 pontos por jogo de média.

LeBron James (2004-05) e Kevin Durant (2008-09) são os únicos que chegam perto em pontos, com 27,2 e 25,3 por jogo, respectivamente. Falando em assistências, ele é soberano, e o mais próximo também é LeBron de 2004-05, que teve 7,2. Nos rebotes, Doncic só não está melhor do que Shaquille O'Neal (1992-93), que pegou 13,3 por jogo.

E isso é muito pouco. Seu entendimento de jogo e leitura de situações em quadra estão em outro nível. É obvio que ele está longe de ser perfeito - sua escolha de arremessos ainda é bastante falha, sua defesa pode (e precisa) melhorar. Entretanto, seu instinto é de vencedor, e ele deixa isso claríssimo quando assume disputas contra os melhores do mundo em retas finais de partida.

A conversa não devem mais ser sobre se Doncic será ou não uma estrela. Mas sim quando ele vai vencer seu primeiro MVP. E o segundo. E por aí vai.

Comentários

O amanhã de Luka Doncic é hoje

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A temporada do Golden State Warriors acabou: o que fazer agora? | Programa Sem Nome #3

ESPN League
ESPN League
O que fazer com os Warriors?
O que fazer com os Warriors? Arte ESPN

Stephen Curry quebrou a mão. Klay Thompson só começa a temporada em fevereiro, depois da parada para o All-Star Game. Draymond Green machucou a mão. O Golden State Warriors lembra bastante o banco de reservas do Tune Squad contra os Monstars no 'Jogo do Universo' em Space Jam.

Ou seja, a temporada dos Warriors acabou. O que fazer agora? Trocar D'Angelo Russell e investir forte no "tank" buscando uma escolha alta no draft de 2020? Manter o armador e, ainda assim, ficar lá embaixo, mas continuar apostando no projeto que era previsto para essa temporada. Ou buscar um milagre de uma vaga nos playoffs e poder acabar prejudicando o futuro da franquia?

Guilherme Sacco e Leonardo Sasso respondem no Programa Sem Nome desta semana!



Comentários

A temporada do Golden State Warriors acabou: o que fazer agora? | Programa Sem Nome #3

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading