Como troca com os Cavs deixa Lakers mais próximos de terem LeBron e Paul George

Gustavo Faldon, do ESPN.com.br
Getty
LeBron James tem opção de testar o mercado ao fim da temporada
LeBron James tem opção de testar o mercado ao fim da temporada

A troca que iniciou o fechamento da janela na NBA é uma que certamente foi boa para os dois lados, algo raro na liga. Mas há de se entender que, mais do que os Cavs, o grande vencedor do negócio foi os Lakers.

Isaiah Thomas, Channing Frye e uma escolha de primeira rodada dos Cavaliers foram trocados por Jordan Clarkson e Larry Nance Jr.

Basicamente, os Cavaliers deram uma oportunidade dos Lakers irem com tudo para cima de LeBron James, Paul George e outros grandes free agents das classes de 2018 e 2019, que incluem não só os dois como DeMarcus Cousins, quem sabe Kevin Durant e Klay Thompson, Kawhi Leonard e Jimmy Butler daqui um ano e meio.

Atualmente, os Lakers têm oito jogadores garantidos no seu elenco da próxima temporada e menos de US$ 40 milhões em salários. Prevendo o teto na casa dos US$ 101 milhões em 2018-19, o time de Los Angeles tem espaço suficiente para contratar duas superestrelas pelo contrato máximo.

LeBron James, por exemplo, é projetado para ter um salário máximo de US$ 35 milhões se abrir mão de sua opção de renovação ao fim dessa temporada com os Cavs e testar o mercado. O mesmo pode acontecer com Paul George, projetado para ter um salário de US$ 30 milhões.

Se os Lakers ainda rescindirem com Luol Deng via “stretch provision” – dividindo os US$ 36 milhões que ainda devem ao ala pelo teto salarial dos próximos cinco anos – e não renovarem com Julius Randle, o time ainda teria US$ 70 milhões no teto salarial, suficiente para trazer George e LeBron.

Ou seja, a troca com os Cavs deu aos Lakers espaço e poder de barganha para trazer ambos. Se isso realmente vai acontecer, já é outra história.

Já os Cavs, com essa verdadeira revolução feita no trade deadline, ficou claro que o time não confia tanto na permanência de LeBron James, cujo relacionamento com a diretoria parece piorar cada vez mais.

Ao adquirir jogadores jovens como Clarkson, Larry Nance Jr., Rodney Hood e se livrar de Dwyane Wade, Isaiah Thomas e não abrir mão da escolha de Draft dos Nets a qual tem direito em 2018 e provavelmente será Top 10, Cleveland prepara o terreno para uma possível transição sem James não ocorrer de forma tão drástica caso venha a acontecer.

NBA lança série comemorativa de copos colecionáveis para os fãs brasileiros

Divulgação
Copo comemorativo da NBA
Copo comemorativo da NBA

Novidade para os fãs brasileiros. A NBA lança neste fim de semana uma coleção inédita de copos colecionáveis, série limitada que estará à venda com exclusividade nas três unidades da NBA Store do país (Barra Shopping/Rio de Janeiro-RJ, Shopping Dom Pedro/Campinas-SP e Mogi Shopping/Mogi das Cruzes-SP). Os copos poderão ser adquiridos de duas maneiras: como brinde nas compras acima de R$ 250,00 ou na compra direta pelo valor de R$ 19,90 (até durarem os estoques). Ao todo, serão oito copos temáticos e o primeiro é comemorativo do NBA Sll-Star Game Los Angeles 2018 (que acontece no dia 18 de fevereiro, no Staples Center / LA-Califórnia), chegando às lojas neste sábado, dia 10 de fevereiro. A cada mês, um novo copo exclusivo será lançado, e março será o mês do Cleveland Cavaliers.

Além de All-Star Game LA 2018 e Cavs, serão lançados copos do Golden State Warriors, Chicago Bulls, Boston Celtics, San Antonio Spurs, dos Playoffs e das Finais.

Esta não é a primeira vez que a NBA lança copos colecionáveis no país. Em junho 2017, em iniciativa inédita, foram vendidos mais de 5,6 mil copos exclusivos durante a ‘The Finals’, ação que promoveu a série de finais da temporada em um casarão temático na Avenida Paulista (São Paulo). Em dez dias de evento, o público viu de perto uma exposição de camisas e itens autografados, réplicas dos vestiários, totens em tamanho real dos astros da liga, participou de brincadeiras na meia quadra, ações de parceiros, encontrou com atletas de várias modalidades e da NBA, como Marcelinho Huertas, Leandrinho Barbosa e Raulzinho Neto, e ainda assistiu aos jogos entre Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors em um enorme telão.

Mesmo odiado, Lonzo Ball vai, aos poucos, mostrando que é (muito?) bom

Pedro Suaide, do ESPN.com.br
Getty Images
Lonzo Ball em partida contra o New York Knicks
Lonzo Ball em partida contra o New York Knicks

22 de junho de 2017, Nova York. Com a segunda escolha no draft da NBA, o Los Angeles Lakers seleciona Lonzo Ball, de UCLA. A escolha, entretanto, já havia sido feita há tempos, mas no caminho oposto: a família Ball já tinha escolhido o roxo e dourado da Califórnia.

Essa confiança - ou prepotência, chame como quiser - da família já não foi muito bem vista. Isso somadoà personalidade única de seu pai, LaVar, fez Lonzo entrar na NBA com milhões de olhos julgando cruelmente cada passo ou história do Instagram do garoto de 20 anos.

Toda essa pressão ajudou o garoto a começar sua carreira com um dos piores aproveitamentos de quadra na história da NBA de um estreante (em seus primeiros 12 jogos, 29,2%, apenas melhor que Wayne Hightower, com 26,8%, considerando os primeiros 12 jogos de sua carreira). Nas primeiras partidas, os Lakers claramente melhoravam quando Lonzo estava no banco, então as críticas vieram - e potencializadas.

Entretanto, o tempo passou, segue passando, e, pasmem: Lonzo Ball é bom jogador! Mas, acima de tudo e mais importante: ele tem MUITO potencial. E isso já é bom demais, pois você não pode esperar que um calouro seja excepcional; é injusto.


Um moleque de 20 anos apresentar muito potencial numa liga dominada por homens mais atléticos, experientes e preparados, que têm entre 25 e 35 anos, é mais do que suficiente. Se, aliado ao potencial, ele apresentar números bons, melhor ainda, uma vez que números são os únicos pontos sólidos que podem ser analisados friamente em um jogador - e eles raramente mentem.

Portanto, vamos a alguns números:

Com Lonzo, os Lakers venceram 15 partidas e perderam 21 (42% de aproveitamento). Sem o camisa 2, venceram 2 e perderam 8 (20% de aproveitamento). Com o armador titular, os Lakers sofrem, em média, 107.8 pontos por jogo. Quando ele senta, o time da Califórnia permite que os adversários marquem, em média, 124 pontos. Além disso, os Lakers, em média, perdem por 15 pontos a mais quando Ball não joga (-1.4 pontos de diferença com ele jogando e -16 pontos de diferença com ele fora).

Sem entrar nos méritos subjetivos, de como a postura do time é outra, ou de como jogadores como Kyle Kuzma também caem de produção sem o armador, os Lakers, como um todo, são piores sem Lonzo Ball.

Agora, comparando o calouro com outros armadores, que se tornaram estrelas na liga, em seus respectivos anos de novato, os números de Lonzo são animadores. Os outros armadores da comparação foram Chris Paul, Damian Lillard, Kyle Lowry, Mike Conley, Stephen Curry, Kyrie Irving, Russell Westbrook e John Wall.

Dentre todas essas estrelas, comparando suas primeiras temporadas na NBA, o Laker tem - por muito - a melhor média por jogo em rebotes (7.1 por jogo, contra 4.9 do segundo) e em tocos (0.9 contra 0.5 do segundo). Em assistências por jogo, Lonzo só não dá mais que Chris Paul e John Wall deram (7.1, 7.8 é 8.3 respectivamente). Entre os 9, ele ainda é o 4º que mais rouba bolas (1.5) e o 4º com menos turnovers (2.7).

Agora, comparando Lonzo Ball hoje com todos os armadores da liga hoje, o jogador dos Lakers mostra que, para um garoto de 20 anos, seu presente já é digno de reconhecimento; que ele, além de um ponto futuro, é uma realidade. O número 2 dos Lakers está entre os 10 melhores armadores da liga em assistências por jogo (5º), rebotes por jogo (3º), roubos de bola por jogo (7º) e tocos por jogo (3º). Isso tudo numa NBA que vive na ‘era dos armadores’.

Podemos ainda dizer que, comparado com os últimos 5 armadores a serem premiados calouro do ano (Derrick Rose, 2008/09; Damian Lillard, 2012/13; Kyrie Irving, 2011/12; Michael Carter-Williams, 2013/14 e Malcom Brogdon, 2016/17), Lonzo dá mais assistências, pega mais rebotes e dá mais tocos do que todos; e só não rouba mais bolas do que MCW roubou.

Ainda dá para deixar anotado que, com sua média de assistências como novato, Lonzo seria o 4º na lista de assistências por jogo na história dos Lakers, além infinitos outros números e por aí vai. Mas vocês já entenderam o ponto.

Pela beleza do jogo, recomendo que assistam seus jogos para entender além dos números. Vejam sua visão de jogo, seus ótimos passes e até seus erros de calouro. E com isso, tirem suas próprias conclusões. A minha é de que hoje, Lonzo Ball é subestimado na liga.

Por mais que odiemos concordar com seu pai, Lonzo Ball é bom, pode ser incrível, e tem tudo para ser o futuro dos Lakers.

NBA promove ‘Tarde das Figurinhas’ nas três unidades da NBA Store no país

ESPN.com.br

A NBA promove neste sábado, dia 20, a ‘Tarde das Figurinhas’ nas três unidades da NBA Store no país (BarraShopping/Rio de Janeiro, Campinas/ Shopping Dom Pedro e Mogi das Cruzes/Mogi Shopping). A ação, inédita no país, será realizada em parceria com a Panini e vai reunir fãs de todas as idades, colecionadores do Álbum Oficial da Temporada 2017-2018 da NBA, e acontece simultaneamente das 15h30min às 19h. Será um dia especial, onde os fãs poderão trocar suas figurinhas repetidas, participar de ações e desafios para concorrer a brindes oficiais exclusivos, e viver experiências diferentes nos ambientes temáticos da liga. Além disso, apenas neste dia, os colecionadores vão encontrar totens de foto instantânea e levar para casa uma imagem com a possibilidade de escolher como moldura a capa do álbum ou a imagem de qualquer uma das 30 franquias da NBA.

Inauguradas em outubro de 2017, as lojas de Campinas e Mogi, ao lado da NBA Store do Rio de Janeiro, são as três unidades físicas da liga na América Latina. Os espaços são customizados para oferecer uma experiência única aos fãs do basquete, cercados por alta tecnologia, e com áreas de entretenimento e interação, como telas, videogame e até uma tabela oficial. Ao todo, são mais de 700 produtos licenciados oficiais, além da coleção da Nike, que passou a ser a parceira de material esportivo da liga nesta temporada. A NBA oferece seus produtos também por meio da LojaNBA.com (e-commerce em parceria com a Netshoes).

TARDE DAS FIGURINHAS 

Data: sábado / dia 20 de janeiro 
Horário: Das 15h30min às 19h
Locais NBA Store Rio (BarraShopping) Avenida das Américas, 466 / Piso Lagoa – Barra da Tijuca
NBA Store Campinas (Shopping Dom Pedro) Av. Guilherme Campos, 500 / Piso Térreo – Jardim Santa Genebra
NBA Store Mogi (Mogi Shopping) Av. Vereador Narciso Yague Guimarães, 1.001 / Piso Térreo – Centro Cívico

Saudosismos x Imediatismo em discussões de NBA LeBron ou Jordan? Marcação forte ou Run and Gun?

Marcus Martins, blogueiro do ESPN.com.br
LeBron desabafa contra a arbitragem da NBA: 'Eu sei como apitam as minhas jogadas'

Tenho 30 e poucos anos, não me considero velho de espírito (costumam dizer bem o contrário inclusive), e convivo muito bem com gente mais nova. Entretanto, essa semana fui chamado de saudosista quando se fala em NBA e achei que isso merecia uma reflexão.

Steve Kerr deu uma declaração ironizando críticos dos Warriors, dizendo que “é engraçado como a evolução humana nos esportes é reversa” e que “os caras dos anos 50 destruiriam todo mundo. É óbvio que a evolução dos jogadores, estratégias e técnicas de treino nos aperfeiçoa a cada geração. Mas Magic Johnson, Oscar Robertson, Rasheed Wallace, Dr. J e Phil Jackson foram só alguns dos que discordaram, alegando que seus times bateriam os Warriors.

Se eu acho que o Showtime Lakers ou os Bulls de Jordan bateriam os Warriors de hoje? Talvez sim, talvez não. Isso pouco importa. Não se trata de invalidar evolução ou história. Trata-se do fato de que a evolução se dá em ciclos, com fatores que permanecem e alguns descartáveis ao longo do tempo. Nem tudo, simplesmente evolui e melhora.

O escanteio curto no futebol é um sinal de evolução? Tenho minhas dúvidas.

Ficaria o dia todo citando uma série de fatores contemporâneos e passados que fazem ou fizeram parte de um determinado ciclo, mas que não significam evolução em relação ao período anterior. Enfim, Fui chamado de saudosista por achar ridículo Demarcus Cousins flopar. Um pivô, de 2,11m e 122kg, dos caras mais brutos da NBA, cavando falta em um corta-luz banal. Ora, acharia ridículo isso em qualquer era, mas com certeza, tendo visto caras como Shaq, David Robinson e Olajwon fica mais difícil de tolerar.

E estou errado? É saudosismo isso?

Photo by Bilgin S. Sasmaz/Anadolu Agency
LeBron James em ação pelo Cleveland Cavaliers, na NBA
LeBron James em ação pelo Cleveland Cavaliers, na NBA

Que fã de NBA quer ver alguém arremessar 15 lances livres em uma noite? Cavando faltas ridículas, esticando a perna para obter contato... Uma enquete rápida, com certeza daria margem de 90% para um jogo mais ágil, sem tantas pausas bestas. E isso é só um aspecto negativo do jogo atual.  O que dizer sobre as defesas?

Com exceção de algumas honrosas defesas, como a do Celtics, o rating defensivo está bem alto: média de 108.1. Boston tem 99.7.  Esse papo de números é bem nerd, mas serve só para mostrar que mesmo desafiantes ao título como os Cavs, defendem muito mal – penúltimo em rating defensivo – número 29 de 30 times da liga. Defender envolve não só dar tocos ou roubar bolas, quer dizer colocar seu oponente em más situações, prejudicando sua pontuação. Por isso, calma nos chase-down blocks, defender é mais que isso.

Torceram o nariz quando eu disse que os Cavs deviam incorporar os Pistons de 2004 – que bateram os Lakers em 5 jogos - contra os Warriors nas últimas finais. Para quem não lembra, os titulares de Detroit incluíam Billups, Rip Hamilton, Rasheed Wallace, Tayshaun Prince e Ben Wallace – um quinteto bem modesto. Do outro lado? Shaq, Kobe, Karl Malone, Gary Payton... só pra citar os membros do Hall da fama. Para termos uma ideia, o jogo 3 acabou 88-68.

A minha teoria era de que, uma vez consciente de sua inferioridade técnica, defender com ferocidade seria a única oportunidade de bater Golden State. Cleveland optou por aceitar o pace insano ditado pelos guerreiros dourados e bem, já sabemos o resultado. A real é que eu só estava citando um exemplo, os Pacers de 2013-14 e os Bulls de 2010-11 fizeram trabalhos defensivos excelentes durante a temporada regular também. Muito old school pra você?

Saudosismo, segundo o dicionário é a admiração excessiva por aspectos do passado, desde comportamentos, hábitos, princípios e outros ideais obsoletos e ultrapassados. Obsoletos e Ultrapassados.

Preto e branco: veja o tênis especial de LeBron James pela igualdade racial

Seria defesa um conceito defasado ou ultrapassado? Tenho minhas dúvidas.

Já disse isso em outro texto para esse blog: Não há novidade nenhuma na luta entre gerações. Seja de jogadores, seja de torcedores. A novidade é outra, como bem definiu meu amigo @daniel_sanchez: "A nova geração quer seu espaço e me refiro a jogadores e fãs. A diferença que vejo entre as gerações anteriores é que a atual, quer na marra. Isso nos mais diversos assuntos. Há o imediatismo, não há distanciamento histórico pra se avaliar melhor. O jogador da NBA, do futebol , rapper etc tem que ser o melhor de todos os tempos pra ontem, com os caras em atividade ainda. Aí fica difícil."

Enfim, adaptando Charles Darwin à NBA, diria que as espécies/jogadores estão ligados por laços evolutivos. A seleção natural modifica características individuais, gerando novas espécies, novos estilos de jogadores. O mais forte às vezes estabelece seu domínio por um tempo, mas a inteligência para se adaptar garante a sobrevivência. Em sua primeira temporada, LeBron acertava só 29% de seus arremessos de 3 pontos(2.7 tentativas por jogo), enquanto nessa temporada houve momentos de 40% de aproveitamento (com quase 5 tentativas por jogo).

Mas nem todo mundo é LeBron, KD ou Curry, eles realmente são fora da curva e – até porque ainda estão na ativa – não temos noção exata de quão especiais eles sejam. Eles ditam tendências, reinam do Olimpo da NBA. Mas e os outros meros mortais? Pois é... ver o Brooklyn Nets tentar 34.1 arremessos de 3 pontos por jogo (2° em tentativas) e acertar somente 34% (3° pior aproveitamento da liga) é mais que um sofrimento para que assiste. É o exemplo perfeito de que os conceitos estratégicos e evolutivos não são fechados, caixas em que todo mundo cabe...

Há tempo e espaço para muitos conceitos, principalmente em uma quadra de basquete - inclusive todos ao mesmo tempo: Em um mesmo jogo, em uma mesma jogada. Então eu sugiro às novas gerações – famosa molecada que tá começando agora – estudem, investiguem, leiam e assistam. Não se apropriem indevidamente de coisas que estão por aí muito antes de vocês descobrirem o esporte, não menosprezem os fundamentos do esporte. É possível pirar com Lauri Markannen chegando a 100 bolas de 3 convertidas em apenas 41 jogos e ainda assim reconhecer que um dos trunfos dos Warriors está na defesa consistente... ou que os Nets deveriam amassar menos o aro chutando de 3. 

Live and let play.

mais postsLoading