Mancuello, da boa fase às lesões e a nova chance no Flamengo

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

Novo craque do Flamengo tem 26 anos e esta será sua primeira experiência no exterior Novo meia do Flamengo tem 26 anos e firmou contrato por quatro anos

por Joza Novalis

A novela foi extensa, mas chegou ao fim com a contratação de Federico Mancuello pelo Flamengo. Que negócio foi este? Algo relevante e simbólico quanto ao modelo de gestão que o Flamengo pretende estampar. E isto em termos técnicos assim como em termos do que pode representar o novo reforço para a equipe da Gávea.

De início, o Rojo pedia três milhões de dólares por 50% dos direitos de seu atleta. A primeira proposta do Fla consistiu em 1,5 milhão. O oferecimento foi melhorado até o limite de 2,150 milhões. Ainda assim a direção do Independiente fechava as portas para o negócio. No fim, a contratação saiu com números que envolvem três milhões de dólares, mas por 90% dos direitos do atleta.

Gostem ou não, foi um exemplo de negociação para demais clubes do país. E em termos do que pode significar o jogador? Aí a coisa não é tão simples, pois inúmeras variantes entram em cena. Dentre elas, adaptação, recepção do clube e encaixe do atleta no esquema que Muricy Ramalho pretende implantar. Mas para tanto, convém perguntar: quem é Mancuello?

A pergunta possui duas partes, a primeira é acerca de como ele desempenha seu futebol; a segunda, acerca da personalidade, formação e até histórico de lesões. Disto decorre que este artigo divide-se em duas partes, cada uma com a função de responder as duas indagações acima. Vejamos.

Como joga Mancuello

Este tema tem deixado pouca gente sóbria entre os torcedores. Em parte porque muitos não conheciam o jogador; em parte, pela própria confusão de setores da mídia, que além de não conhecer parece pouco se importar com a falha. Fala-se tudo. E, em geral, repete-se quase tudo o que foi escrito ou falado em algum lugar. Até aí tudo bem, se as informações fossem razoáveis. Mas não são. E longe por certo de ser nossa a culpa. Problema disso é a polivalência que marca Mancuello.

Fácil entender que um jogador pode ser um meia, atuar como meia-atacante e até como atacante aberto pelo flanco. Difícil é aceitar que o cara pode ser um volante, meia pelos lados, meia centralizado ou lateral-esquerdo. Um brinde à confusão, ela é justa. Então ele atuou por todas essas posições? Inútil dizer que tudo isso é mentira. É verdade mesmo. E pior que isso, além de ter atuado em todas elas, suas características ainda permitem que se desloque por outros setores do campo.

Então, a pergunta: ele pode ser um camisa 10? Sim. Mas neste caso, espera-se a repetição daquela história de quando ele foi atuar de lateral-esquerdo. Conseguia fazer a função, mas não o fazia com brilhantismo. Polivalência tem limites. Ela pode ser importante para um jogador, mas com a dose errada pode atrapalhar. Disto decorre que ele não deveria ser um lateral? Exato! E do mesmo modo que não deveria ser sobrecarregado com a função defensiva? Também.

Há uma leitura errada de muitos quanto ao fato de que Mancuello na origem não seja um jogador de centro de campo. Na base do Independiente desde os 14 anos, ele sempre era colocado no meio-campo, e sempre à frente dos volantes, embora, nunca tão avançado, como alguns esperam que atue pelo Flamengo. E nesta posição, o garoto provinciano era um enorme sucesso; marcava muitos gols e sem fazer tantos esforços. Tudo bem que o garoto chegara todo animado em Villa Domínico e com tendência a frequentar o lado esquerdo.

Ocorre que quando criança, no Atlético y Tiro, de Reconquista, ele tinha a tendência a buscar os espaços menos povoado para chegar ao ataque; canhoto que era foi normal que escolhesse a esquerda. Não raro, contudo, aparecia até mesmo na frente, como centroavante. Bagunça era enorme, típica do amadorismo, mas incompatível com a realidade de um clube profissional.

Então, Mancuello foi centralizado, ora à frente de dois volantes ora como um segundo volante. Neste setor do campo, virou um gigante da cantera de Villa Domínico. Não foi à toa que anos depois foi recebido no time principal como "uma solução". Atrelada a esta visão, a decepção ao menos dos torcedores também se fez compreensível.

Ao ser promovido para o time principal, a concorrência era grande, assim como lacunas no Rojo pelo lado esquerdo do campo. Canhoto que é, Mancuello foi levado a atuar por este setor pelo então técnico Miguel Ángel Santoro. Seguiu na mesma posição com "Tolo" Gallego.

Efeito disso foi que o jovem da cantera teve um duplo desafio pela frente; além de precisar se adaptar à equipe principal teve ainda de se adaptar a outro setor do campo. A pressão dobrada se conjugou com sua pouca condição física, à época, e o condenou ao ostracismo e à impressão de que era somente mais uma joia da base incapaz de se adaptar ao profissionalismo.

De uma hora a outra, Mancuello foi obrigado a correr algo como 70 metros pelo setor esquerdo, precisando retornar e com velocidade para recompor a marcação. Seu corpo sinalizava desgastes que se somavam para culminar na série de lesões dos últimos tempos. Esta é, com efeito, a principal causa deste problema.

Mais à frente abordaremos o papel de Almirón quanto ao posicionamento do jogador. Por hora, batemos o martelo quanto ao fato de que ele pode ser tudo, menos um lateral-esquerdo ou uma peça encaixada pelo lado direito do campo. Muito se falou sobre o fato de que ele era um segundo volante, assim como que ele não poderia ser um camisa 10. No futebol, é complicado determinar as funções de um jogador a partir do número de sua camisa.

Mesmo no setor defensivo nem sempre isto se faz com facilidade. No caso de Mancu, complica-se ainda mais, pois o jogador parece se encaixar em várias posições. Isto ocorre tanto pela sua inteligência tática, e disposição em colaborar, quanto pelas suas características, que podem até leva-lo a vestí-la. Se terá sucesso ou não é outra história, mas que a priori tem condição para isto. Porém, essa indicação, como quaisquer outras, ficaria mais fácil se soubéssemos o que é um camisa 10.

Sequer sabemos o que é um oito, que dirá um 10. Basta pensarmos em nomes históricos que vestiram esta camisa para percebermos que dificilmente eles eram parecidos. Pelé e Rivaldo têm pouco a ver com Ademir da Guia; Giovanni Moreno, ex-Racing tem nada a ver com Riquelme, que tem menos a ver com Ronaldinho Gaúcho, que não é nem Messi nem James Rodríguez.

O que é um 10? Um prêmio a quem defini-lo. Da mesma forma é o camisa oito, embora seja um caso menos complicado do que o anterior é também um daqueles em que as várias funções exercidas por jogadores diferentes nem sempre foram semelhantes. E para entrar na areia movediça, vamos bancar o seguinte: Mancuello é um camisa oito. Todavia, esta afirmação é didática e está longe de ser nada mais do que uma mera indicação. O oito clássico tende a ser um segundo volante, que ao cair para um lado do campo, é para o direito. Mancuello se desloca para a esquerda.

Cabe ao camisa oito organizar a equipe, mas dizem que cabe ao 10 a função de armador. Afora a controvérsia da afirmativa, o fato é que o reforço do Fla sabe fazer as duas coisas. Organiza melhor do que cria, mas isto tem mais a ver com o exercício de seu futebol em campo, pautado na necessidade do Independiente de 2014. Ou seja, nada impedia que ele fosse o grande criador, mas sua função em campo ressaltava mais a organização.

Entre organizar e criar, Mancuello prefere a outro verbo: "dinamizar". Na prática, pelo que vimos dele em 2014, esse termo sintetiza melhor o seu jogo, assim como o atrela bem às duas funções. Na equipe de Almirón não havia ninguém mais criativo do que Mancu. E isto por um grande acerto do técnico.

Com o amigo, Rodríguez, na cantera
Com o amigo, Rodríguez, na cantera

Se cabe ao segundo volante também a função defensiva, Almirón tirou essa obrigação das costas de seu meio-campista preferido. Mancuello teve a liberdade de avançar, irrompendo do centro para a esquerda, da esquerda para o centro ou por dentro, algumas vezes. Foi plantado como segundo volante, mas com raízes soltas e liberdade para exercer o melhor de seu futebol: sua capacidade de enxergar os espaços perfeitos para se infiltrar rumo à proximidade da área adversária.

Isto potencializou os seus arremates de média e longa distância, além de torna-lo um fator-surpresa que levava muita confusão à defesa dos rivais. Da mesma forma, gerou um aproveitamento relevante de seu passe qualificado. Então, o desacerto quanto ao seu melhor posicionamento chegava ao fim. Na prática, o que Almirón descobriu foi justo aquilo que Mancuello praticava na base, a posição de segundo volante. E o sucesso do jogador na equipe principal do Rojo pela primeira vez se assemelhou ao que ele obtinha na cantera de Villa Domínico.

Convém, no entanto, destacar o mérito de Almirón, que otimizou as características que o atleta possuía na cantera, ao ampliar sua liberdade pela cancha. Exemplo disso é que o técnico, via de regra, saía para o jogo com um esquema 3-4-1-2 (o seu preferido) e muitas vezes terminava no 3-3-2-2, com Mancuello abandonando a primeira linha e se juntando à armação, mais à frente.

Então, Mancuello pode atuar no Flamengo à frente de Canteros e Arão, por exemplo. Pode também ter a companhia apenas de um volante marcador, sem problemas. Mas se a ideia é a de extrair o seu melhor futebol, o ideal é que ocupe a posição de um "camisa oito" , sem tanto compromisso com a marcação, partindo do centro e atuando livre para organizar e até criar as jogadas da equipe. Isto não o impede de ser um 10 ou um meio-campista aberto pelo lado esquerdo. Mas desde que se tenha claro que esta não é a melhor escalação para Mancu. Que Muricy resolva.

Origem, drama e superação

A relação de Mancuello com o futebol começa muito cedo, ainda e sua cidade natal, Reconquista. Numa escolinha de futebol, numa igreja próxima à sua casa, o técnico tinha a mania de impor às crianças um treino bem curioso. "No meu caso, me colocava numa espécie de argola, no qual uma bola era oferecida. Então, eu tinha de fazer todo tipo de brincadeira com ela, sem deixa-la sair da esfera. Meu tio esbravejava? ‘que espécie de treino é esse?'. Graças a isto foi que eu aprendi a manejar a pelota". Contava o garoto com três anos de idade. E era mais um, dentre os inúmeros que já corriam atrás da bola em sua cidade natal, na província de Santa Fe.

Vestindo camisa do Rojo, desde criança
Vestindo camisa do Rojo, desde criança

Além desse manejo qualificado da bola, estamos falando de um jogador que tem boa leitura e entendimento do esquema tático de um técnico. Porém, não apenas para segui-lo às cegas, mas para descobrir, na fala do "professor", os espaços que ficam como lacunas no posicionamento e deslocamento dos jogadores. Vai a campo consciente desses espaços, pois será também por eles que cairá para conduzir a pelota ou armar algumas jogadas.

Esta leitura ele tem como poucos e não é qualquer coisa. Por ela, ele consegue entender todo o funcionamento da equipe, desde o trabalho da zaga à luta dos atacantes para guardarem a pelota no arco. Tal característica aos poucos configura Mancuello para a capitania natural da equipe, algo que Mascherano possui como uma de suas maiores virtudes. Com o tempo, a entrega da faixa de capitão para Mancu subordina-se a meras circunstâncias; algo que se faz natural. Bem cedo, o menino foi jogar no Atlético y Tiro, equipe amadora de sua cidade. Ficou por lá até perto dos 14 anos, quando desembarcar em Avellaneda para compor a base do Rojo.

Afora os anos de cantera, sua primeira etapa pelo Independiente vai de 2008 a 2011. Nunca foi grande coisa. A equipe não apresentava padrão algum até em função de que treinadores deixavam e chegavam ao clube quase a cada mês. Como foi promovido com a alcunha de "joia da cantera", foi natural que recebesse a camisa de titular. Mas como o time era horroroso, sobrava para ele toda a bronca da torcida; torcida que já não suportava mais os anos difíceis e que já previa que o pior ainda estava por vir.

A partir de 2009, Mancuello passou a jogar pouco e a ganhar a cada dia um motivo novo para afetar sua autoestima. Outros atletas irrompiam da base e ocupavam lugares na equipe, enquanto Mancu assistia quase tudo do banco, sem entender por que aqueles meninos que ele comandava na cantera ganhavam a confiança da torcida, enquanto ele pouco a pouco caia no esquecimento e, pior ainda, na indiferença de todos. Exemplo disso foram as promoções de Velázquez, Fredes e Godoy, além do próprio Patito Rodrígues, uma das soluções que vinha do banco de reservas, na inexplicável conquista da Sul-Americana de 2010.

O técnico à época da Sul-Americana era Antonio "el Turco" Mohamed. Segundo Mancuello, embora quase sempre fosse visto como reserva pelo Turco, foi com ele que teve as primeiras lições após o período da cantera: "Ele nos falava que precisávamos arrumar uma solução para todas as dificuldades, em campo. Ser um jogador profissional, também passava por aquilo".

Sem espaço no clube, um ano depois, o jogador desembarcou em Córdoba para se somar ao Belgrano. Fora contratado para fazer o setor esquerdo, assim como no Rojo. Só que já havia gente competente cuidando do assunto. Foi deslocado para a lateral-esquerda do campo, onde, novamente, alternou bons e maus momentos. Porém, por sua capacidade de aprender nas situações difíceis, o novo reforço rubro-negro fez da experiência uma nova escola para o aperfeiçoamento de seu futebol.

Aprendeu a marcar, a correr com eficiência, a cobrir espaços vazios, além do entendimento certeiro sobre o momento de tocar a pelota ou de conduzi-la pelo ataque, rumo ao arco rival. O Belgrano foi uma escola para Mancu, embora também por lá o seu corpo, que já somava esforços físicos desproporcionais da época do Rojo, seguiu a ter motivos para toda a rebeldia de 2015.

Retornou no início da temporada 2012/13. O clube era uma bagunça só. No plano institucional, as dívidas se acumulavam e os meses quase de regra eram de 40, 60 ou 90 dias. Mancuello começou a apresentar algumas de suas contusões e não conseguiu fazer a diferença. Ao término do campeonato de 2013, caiu com a equipe para a B Nacional, fato que ocorria pela primeira vez na história do antigo "Rey de Copas" da América do Sul. Mohamed não aguentava mais os cartolas do clube. Uma anedota dá conta de que ele tirava dinheiro do bolso para ajudar "na merenda". Daí para se mandar para o México foi só aparecer a primeira proposta.

De Fellipe chegou a Villa Domínico para comandar a campanha de retorno à elite. Não sabia a quem eleger como o símbolo disso dentro de campo. Foi então que começou a história de Mancuello como jogador relevante no futebol argentino.

Passou a atuar tanto pelo centro do campo, como segundo volante, como pelo lado esquerdo. Neste momento, seu amadurecimento para o futebol pareceu mais definitivo para o sucesso na B Nacional do que o encontro com o seu posicionamento ideal. Ainda recaía sobre ele a obrigação de marcar e de conduzir a equipe. Um maestro se desenhava no jovem de Reconquista e ele caiu definitivamente nas graças da torcida.

Em verdade, este foi o momento no qual a torcida voltou a acreditar na antiga promessa da base. Ao subir com a equipe para a elite argentina, Mancu ganhou status de ídolo, e teve seu nome cantado frequentemente no Libertadores de América. Entretanto, o melhor ainda estava por vir. E o pior também.

Jorge Almirón assumiu o Clube, em julho de 2014. Sob o seu comando, Mancuello chegou ao melhor momento de sua carreira. Foi um dos artilheiros do campeonato e foi chamado por Martino para a seleção da Argentina. Propostas surgiam de todos os lados e parecia impossível manter o jogador em Avellaneda por muito tempo. No ano em que o Racing foi campeão, o Independiente terminou o campeonato na quarta posição, à frente de Boca, Estudiantes e San Lorenzo. Parte desta campanha, ninguém tinha dúvida de creditar ao bom futebol de Federico Mancuello.

Suas lesões saíam das pernas e atingiam outras regiões, todo seu corpo parecia enfraquecido. Na imagem, sai de campo e vai direto para o hostpital Suas lesões saíam das pernas e atingiam outras regiões: corpo parecia enfraquecido

Nem bem começou a temporada de 2015 e Mancu começou a sofrer com lesões. Começou com as contraturas, que serviam para avisar que o corpo estava chegando a seu limite e que minis rupturas se acumulavam na sua musculatura. A coexistência de várias enfermidades nesta região do corpo permeava o surgimento de um número incontável de lesões.

Foram torções, principalmente no tornozelo esquerdo, distensões e rupturas fibrilares. Inflamações se alastravam e condicionavam o aparecimento constante de novas contusões. As duas pernas eram afetadas e até a membrana interossea, localizada entre a tíbia e a fíbula e que separa os músculos em anteriores e posteriores, acusava inflamação. Na imagem acima, uma contusão, na partida contra o Arsenal, ainda no fim de 2014; no vídeo abaixo, uma das primeiras de 2015, contra o Newell´s:

No primeiro semestre de 2015 ele entrava e saia da enfermaria, da mesma forma que entrava e saía de campo. A cada vez que apresentava uma lesão um diagnóstico era feito, a partir do qual um tratamento era indicado para a solução do problema. Nada de novo nisso, não fosse pela repercussão que o assunto recebia. O que acontecia com Mancuello, se ele atuara em 2014 de forma esplêndida, quase não sofrendo com as tais lesões de 2015?

Torcedores começaram a desconfiar do jogador e creditaram o problema à sua vontade de forçar a barra para deixar o clube e para a Europa. Muitos, sequer acreditavam que as lesões existiam. O termo "lesiones fantasmas" foi atribuído a ele e cantado em bom tom nos poucos momentos que entrava em campo ou era vista em outros locais.

A reação do jogador ocorreu em dois planos. Isolar-se cada vez mais, quase não saindo às ruas e, dentro de campo, forçar ao máximo as passadas mesmo quando estava com dor. Efeito disso era o de se esperar: o surgimento de outras lesões ou o aprofundamento de algumas já existentes ou abordadas antes por tratamentos. Ocorria que assim que ele se tratava de uma lesão, bastava pisar no gramado para outra diferente aparecer.

Em agosto, esperava-se que ele se recuperasse a tempo de disputar o clássico de Avellaneda, contra o Racing, em 13 de setembro. Não foi nem para o banco de reservas. No dia 2 de abril havia voltado de sua primeira passagem pela seleção, num amistoso preparatório à Copa América, que a Argentina fizera nos Estados Unidos. Retornou com uma grave lesão no músculo isquiotibial direito. Voltaria a campo somente cinco meses depois, em agosto.

Neste período, em vez de ficar de repouso, sempre tentava retornar. E ao que tudo indica, não só por sua disposição, mas também pela liberação médica que recebia do clube. Assim que pisava em campo, sentia uma dor diferente. O mito das "lesiones fantasmas" se propagava. No entanto, na Argentina ninguém jamais questionou uma coisa: os diagnósticos.

Se a atmosfera de crises e mendicância de glória do Rojo afetou Mancuello a partir de sua chegada ao profissional, a deteriorada estrutura do clube fez ainda pior: não ofereceu a ele sequer um diagnóstico decente acerca de suas lesões. O problema foi detectado no último trimestre de 2015. Aconselhado por pessoas próximas, ele mesmo indicou à comissão médica a necessidade de consultas a profissionais particulares.

O diagnóstico foi assustador. Afora as diversas rupturas microscópicas na musculatura, o jogador possuía uma lesão no peito do pé direito que doía há meses, às vezes, mesmo sem um único toque na região. O médico que o atendeu assegurou que a lesão era tão grave que ele só tinha visto dois casos iguais em toda a sua carreira.

Por um lado, ela vinha de uma inflamação maior, ocasionada por diversas outras pequenas nos músculos fibulares. Por outro, a lesão no peito do pé gerava o efeito contrário, levando outras lesões para a região de origem. Uma intervenção era necessária, assim como o tempo ideal para a recuperação. O que mais assustou é que não se fazia necessário muito tempo, mas o devido respeito ao tempo determinado para a recuperação.

A partir daí, constatou-se que ao longo do ano a abordagem dada ao problema de Mancuello foi primária. Houve até erros na avaliação do grau de uma entorse, dada como de grau um, quando era de grau dois. Para se ter uma ideia, a primeira requer em média 12 dias para a recuperação; a segunda, de três a quatro semanas.

Atacava-se o problema errado e isto somente colaborava para o martírio do então "ex-amado" capitão da equipe vermelha de Avellaneda. Exemplo disso foi a forçada de barra para que ele entrasse em campo contra o San Lorenzo, em abril, poucos dias após retornar da seleção com uma seríssima contusão. Todos os dias ele ia a campo, pisava no gramado e corria. Quando os repórteres perguntavam se ele estava bem, dizia que sim, temendo a fúria da torcida, que já o tratava como um jogador mercenário.

Identificado o problema, Mancuello foi submetido ao tratamento correto e após muito sofrimento, pode recuperar-se plenamente. Mas a desconfiança de todos ainda era geral; inclusive do próprio jogador. Precisava entrar em campo. No dia 04 de outubro de 2015, o Independiente foi anfitrião para o River. Era a volta do capitão. Entrou em campo e nada sentiu. Então resolveu correr e tudo para ver no que dava: desconforto algum apareceu. A minha dor, quando estava lesionado não era física, mas a da alma. "O que me doía era não poder jogar; não correr nem estar dentro da cancha, pois é justo lá dentro que um jogador pode falar e sentir-se feliz".

E voltar a falar pelo seu futebol encerrava um tempo em que sua profunda solidão o encaixotava no quarto ao afasta-los campos. No triunfo do Rojo por 3x0 sobre o River entrou e saiu de campo sem os problemas que se tatuaram no corpo, mas também no espírito e receberam a alcunha de "lesiones fantasmas". Ao final da partida, a torcida voltou a se reconectar ao seu capitão, que saiu de campo aos gritos de "Mancu, Mancu, Dale Mancu que vos sos del Rojo...". Chorando e feliz, ele mal conseguia falar e se limitava a acenar com as mãos. Era a primeira vez em um ano que Federico Mancuello jogava sem dor.

Jogos posteriores tratariam de confirmar que fato ele estava curado das inúmeras lesões que o acometeram e que o acorrentaram à enfermaria do clube e ao quarto de sua casa, no fatídico ano de 2015. Este é o jogador que ora chega ao Flamengo.

No vídeo abaixo, melhores momentos de Mancu, em 2014:

No vídeo abaixo imagens que mostram Mancuello como uma articulador no campo de ataque; foi genial no gol de Lucero:

Comentários

Mancuello, da boa fase às lesões e a nova chance no Flamengo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Fluminense espera Fernando Diniz mais maduro, sem perder o elenco, para reformular o time em 2019

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
Fernando Diniz, quando técnico do Athletico: profissional segue sob contrato com o clube paranaense
Fernando Diniz, quando técnico do Athletico: profissional segue sob contrato com o clube paranaense Gazeta

O Fluminense acertou com Fernando Diniz para 2019. Técnico do Athletico Paranaense no primeiro semestre de 2018, ele só não foi anunciado pelo tricolor para próxima temporada porque segue vinculado ao campeão do Paraná e da Copa Sul-americana.

Diniz deixou o comando do time profissional do Furacão após a 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, durante a Copa do Mundo, mas não se desligou do clube paranaense. Ele seguiria como gestor das categorias atleticanas no ano que se aproxima.

Para contar com Fernando, o Fluminense lhe dará um aumento salarial, mas o treinador só poderá ir para o Rio de Janeiro assumir o comando do elenco após finalizar os tramites trabalhistas com o Athletico. Mas já existe o acordo feito entre clube carioca e o profissional.

Um receio dos dirigentes passa pela relação do treinador com os comandados. De forte temperamento, ele teria perdido o grupo durante sua passagem à frente do time rubro-negro. Confiante em sua capacidade, o Fluminense espera recebê-lo mais maduro e capaz de capitanear uma ampla reformulação.

A ideia é montar um novo time, na linha do que Diniz fez no Audax, vice-campeão paulista em  2016, e no próprio Furacão. Um aposta do Fluminense, onde Fernando atuou. Meio-campista, ele defendeu entre 2000 e 2003 o clube das Laranjeiras. Diniz fará 45 anos em março.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus


Comentários

Fluminense espera Fernando Diniz mais maduro, sem perder o elenco, para reformular o time em 2019

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Atlético-MG faz balanço de um 2018 com corte de custos e mira estádio como ponto da virada

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

O Atlético termina 2018 sem títulos, mas com a vaga na próxima Copa Libertadores, o que não deixa de ser positivo em meio às mudanças estabelecidas no clube. Especialmente o corte nos gastos a partir da chegada de Sérgio Sette Câmara à presidência. O blog conversou com o vice-presidente do Galo, Lásaro Cândido da Cunha, ex-diretor jurídico do Galo e conhecido da torcida por sua atuação na área.

Qual o balanço que fazes da situação do Atlético na parte jurídica após o primeiro ano de mandato do presidente?

Na parte jurídica demos sequência ao que já estamos fazendo desde 2009, qualificando melhor nossos contratos e controles. Temos hoje, por exemplo, um dos menores números de reclamações trabalhistas entre os clubes, algo em torno de 25 ações em curso. Todo  estoque.

O clube ainda está no ato trabalhista?

Saímos desde 2012. Seguramente, entre os clubes, o Atlético tem a melhor situação trabalhista. Ato trabalhista se justifica quando há descontrole de ações trabalhistas, há então necessidade de se ter uma unificação das causas para disciplinar os pagamentos, sem inviabilizar o clube. A liberação do Ato Trabalhista significa início de organização.

Lasaro da Cunha, vice-presidente do Atlético: livre do ato trabalhista e planejando estádio
Lasaro da Cunha, vice-presidente do Atlético: livre do ato trabalhista e planejando estádio arquivo



E nas finanças?

Na parte financeira, embora não atue diretamente na área, reduzimos nosso custo no futebol ao dispensar figurões (Fred, Robinho...) para investir em jogadores mais jovens etc. Mas o custo de dispensa de alguns jogadores (Felipe Santana, Roger Bernardo etc) atrapalhou, e ainda atrapalha, em menor escala; o custo financeiro do clube. Além do custo das dívidas antigas. Acho também que houve alguns erros da diretoria de futebol e instabilidade; demissões de técnicos, algo que temos de evitar para a próxima temporada. 

Como está a questão do estádio?

Há, por outro lado, a chance concreta do estádio ter o início das obras logo no começo de 2019. algo que pode ser a base de nossa estabilidade financeira. Teremos ao final um estádio quitado e com enormes possibilidades de futuramente com shows, eventos etc. E acolhimento ao torcedor nas diversas faixas de renda. 

E quanto ao futuro do Galo?

Sim, além disso, precisamos avançar para disciplinar melhor os limites de gastos para  gestões futuras do clube. 

follow us on Twitter
 
follow me on youtube
 
follow me on facebook
 
follow us on instagram
 
follow me on google plus


Comentários

Atlético-MG faz balanço de um 2018 com corte de custos e mira estádio como ponto da virada

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Abel Braga fala sobre o Santos e retorno ao Flamengo depois de 15 anos

Mauro Cezar Pereira
Por Alysson Rodrigues

O técnico Abel Braga e Renato Gaúcho são os mais lembrados nos clubes que buscam um novo treinador para 2019, já que a temporada no futebol brasileiro termina no dia 2 de dezembro. Em entrevista exclusiva ao jornalista Alysson Rodrigues , ‘Abelão’ repensa sobre possibilidade de treinar Santos: “Vamos esperar o campeonato acabar...” e desconversou sobre um retorno ao Flamengo, clube que dirigiu em 2004 e ganhou uma taça regional. 

Abel, que curte suas férias no Uruguai, relata “não estar preocupado com o tempo parado”. O treinador ainda relembra que já repetiu esses tempos sabáticos em saídas de Flamengo, Al-Jazira e Internacional.  O treinador comenta que não foi sondado por ninguém e quem deve falar se o procurou, é o clube e não ele. “Acho que seria supervalorização eu dizer algo do tipo, a equipe que tem de divulgar aos torcedores”.  

Quando relembrou da época que treinava o Flamengo, Abel ri e diz não ter comparação nem na brincadeira aquela equipe que tinha em mãos com a atual. “Aquele time tinha Júlio César, Felipe e Zinho, como destaques”. Esse Flamengo há 15 anos era formado por um corpo diretório de Márcio Braga (presidente), Júnior (diretor técnico), ex-jogador e ídolo; além de João Henrique Areias (marketing) e José Maria Sobrinho (diretor executivo). 

Abel Braga em ação durante a sua passagem pelo Flamengo, em 2004
Abel Braga em ação durante a sua passagem pelo Flamengo, em 2004 arquivo

O elenco que o técnico Abel Braga também contava com os experientes Fabiano Eller, Athirson, Roger Machado, Júnior Baiano, Fábio Baiano e Dimba.  Os cariocas tinham garotos da base bem conhecidos do fã de futebol completando o grupo. Casos de Ibson,  Jonatas, André Bahia, Vinicius Pacheco, Egídio, Andrezinho e Roger Guerreiro. 

A temporada para ‘Abelão’ parecia correr normalmente.  Ganhou o 1º turno do campeonato carioca por 3 a 2 ao enfrentar o Fluminense. E foi campeão estadual diante do Vasco fazendo o clássico dos milhões no Maracanã ao vencer os dois jogos.  O destaque foi o atacante Jean que fez três gols na partida final. 

Os cariocas sentiam confiança que aquele ano seria o fim do jejum de títulos nacionais de grande expressão que não vinha desde o campeonato brasileiro de 1992. A chance teve, mas o clube fracassou na final contra o Santo André.  Empate por 2 a 2 no antigo Palestra Itália e perdeu por 2 a 0 no Rio Janeiro. 

A queda de Abel Braga era iminente. E aconteceu depois da derrota para o Juventude, em Volta Redonda, por 1 a 0 e seguir lanterna do nacional, à época.  ‘Abelão’ comandou o time por 44 partidas. Foram 19 vitórias, 12 empates e 13 derrotas com aproveitamento de 52,2% de 70 gols marcados e 56 sofridos. Aquele ano os rubro-negros acabaram em 17° lugar em um torneio disputado por 24 times. 

Abel Braga reconhece que são poucos os jogos bons no Brasil e aponta problemas para isso. “É possível agregar desempenho com qualidade de jogo.  A questão é o calendário. Os estaduais precisam ser revistos. É necessário adequar. Treino 15 ou 16 dias para aguentar temporada de 70 ou 75 jogos. Um exemplo desse ano foi o Barbieri que tinha pressão de ganhar tudo. Felipão, por outro lado, logo que assumiu avisou que era impossível ganhar tudo. O resultado sempre fala mais alto. Diretor e torcedor não quer saber de desempenho. Querem resultado. Mas, é claro, se agregar ambos, 80% de chance de vitória, do que aqueles que jogam por uma bola”. 

Abel lembra sua passagem pelo Flamengo, então ainda distante de sua situação atual, com estrutura e CT
Abel lembra sua passagem pelo Flamengo, então ainda distante de sua situação atual, com estrutura e CT arquivo

O experiente e talento zagueiro quando jogava, Abel relacionou a pressão exercida sobre Barbieri no Flamengo pelos resultados e não pelo desempenho. Mesmo sendo o clube que rivaliza com o Palmeiras, como os mais ricos do país, os cariocas não gritam é campeão de torneio nacional desde 2013. Do brasileirão há quase uma década. Além das vexatórias campanhas na Libertadores.  

“O futebol é complexo. Eles (Flamengo) têm pecado muito num momento crucial, sendo eliminado em momentos importantes. Isso causa uma ansiedade muito grande. O torcedor do Flamengo se faz presente todo jogo. É um clube tudo certo, bem administrado financeiramente, mas na hora ‘H’ tem falhado em alguma coisa, no momento que necessita as coisas não acontecem”. 

“O grande parâmetro da atualidade é o Palmeiras. O clube paulista é qualificado e com um treinador bem gabaritado. Depois do 7 a 1 tentou- se denigrir a imagem dele (Scolari), mas o mesmo é fantástico. Não à toa que brigou por tudo na temporada”, comentou o técnico. 

Pelas incertezas vividas em Corinthians, São Paulo e Santos para 2019, o treinador revela um desejo antigo de vir a São Paulo, mas que não tem nada concreto. Parece que uma porta já se fechou, pois Fábio Carille está acertando seu retorno aos corintianos. “Tem realmente no meu currículo esse buraco de não ter trabalhado na maior metrópole do país. Por exemplo, passei 7 vezes no Internacional. Seria bom ter isso na carreira. Há uma estrutura diferente, assim como o futebol jogado “. 

Abel Braga diz não ter mais desejos de dirigir fora do Brasil. Atualmente, seu filho Fábio Braga, cuida da sua carreira recebeu sondagem do Al-Hilal (Arábia Saudita), mas não quis. Porém, cita que Europa pelo peso cultural seria uma possibilidade, em caso de proposta. Algo que não aconteceu até o momento.

follow us on Twitter
 
follow me on youtube
 
follow me on facebook
 
follow us on instagram
 
follow me on google plus


Comentários

Abel Braga fala sobre o Santos e retorno ao Flamengo depois de 15 anos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Veja quais os times que mais tiveram saldo entre pênaltis contra e a favor no Brasileirão

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
O goleiro Marcelo Grohe em ação pela Recopa: nenhum pênali contra o campeão da Libertadores na Série A 2p
O goleiro Marcelo Grohe em ação pela Recopa: nenhum pênali contra o campeão da Libertadores na Série A 2p []

O Grêmio é o segundo time que mais penalidades máximas teve a seu favor nas 34 rodadas do Campeonato Brasileiro. Foram 11 batidas pelo campeão da Libertadores e nenhuma pelos seus adversários. Isso gera um saldo de 11, superando o Vasco, equipe com mais penais para si, uma dúzia, mas três contra. Já o Fluminense é o único sem pênaltis para bater em 34 jogos. Confira os números do Footstats.

Pênaltis na Série A 2018*

Grêmio (11-0) 11
Vasco (12-3) 9
Palmeiras (7-1) 6
Internacional (7-3) 4
Santos (4-2) 2
Bahia (4-3) 1
Cruzeiro (6-5) 1
Atlético-MG (5-5) 0
Ceará (2-2) 0
São Paulo (3-3) 0
Chapecoense (3-4) -1
Flamengo (3-4) -1
Botafogo (4-6) -2
Vitória (3-5) -2
Corinthians (1-4) -3
Sport (3-6) -3
América (3-7) -4
Atlético-PR (2-8) -6
Paraná (1-7) -6
Fluminense (0-6) -6

* entre parênteses os penais a favor menos os contra, ao lado o resultado
Fonte: Footstats

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus


Comentários

Veja quais os times que mais tiveram saldo entre pênaltis contra e a favor no Brasileirão

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Fla perde último clássico na 'Era' Bandeira de Mello, que colecionou fracassos contra Flu, Bota e Vasco

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

A derrota para o Botafogo por 2 a 1 no Estádio Nilton Santos, o Engenhão, praticamente sepultou as esperanças de título brasileiro do Flamengo em 2018, último ano de mandato do presidente Eduardo Bandeira de Melo, iniciado em 2013 e marcado por um fraco desempenho nos confrontos com os rivais cariocas, mesmo com muito mais dinheiro e, consequentemente, investimentos. O aproveitamento rubro-negro nesses seis anos foi de 52% diante do trio, com 30 vitórias, 27 empates e 18 derrotas.

Neste ano, o Flamengo foi eliminado da Taça Rio pelo Fluminense e da final Estadual tendo como algoz também o Botafogo. Os tricolores ainda aplicaram um 4 a 0, a maior goleada do Fla-Flu em 29 anos. Já o Vasco, time carioca de pior campanha no Campeonato Brasileiro e lutando contra o rebaixamento, não foi derrotado pelos rubro-negros na atual Série A, empatando em Brasília no returno em função de um gol contra quando, muito desfalcado, merecia derrotar o time de vermelho e preto. 

Segundo o site Transfermarket, o elenco do Flamengo está avaliado em € 76,2 milhões (R$ 322,5 milhões) , um dos dois mais caros do Brasil ao lado do Palmeiras, com € 76,9. 0 do Botafogo vale € 31,3 milhões (R$ 132,4  milhões), o do Vasco registra € 30,1 milhões (R$ 127,4  milhões) e o do Fluminense € 28,7 milhões (R$ 121,5  milhões). Isso significa que, sozinho, o grupo de jogadores rubro-negros tem valor de mercado equivalente a mais de 85% da soma de investimentos dos três outros cariocas.

Dizem que dinheiro não é tudo. Alguma dúvida?

follow us on Twitter
 
follow me on youtube
 
follow me on facebook
 
follow us on instagram
 
follow me on google plus

Comentários

Fla perde último clássico na 'Era' Bandeira de Mello, que colecionou fracassos contra Flu, Bota e Vasco

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Rubro-negros ainda pensam em Renato 'Gaúcho' Portaluppi, hoje mais perto de uma renovação com o Grêmio

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
Renato Gaúcho retornou em setembro de 2016 ao comando do Grêmio e ganhou quatro taças
Renato Gaúcho retornou em setembro de 2016 ao comando do Grêmio e ganhou quatro taças Getty

A renovação do contrato de Renato "Gaúcho" Portaluppi com o Grêmio está bem encaminhada. O técnico campeão da Copa Libertadores vem discutindo com os dirigentes tricolores há algum tempo sobre a extensão do compromisso. A eliminação diante do River Plate na semana passada não mudou em nada o interesse do clube, que deseja contar com ele em 2019. 

Renato já foi aconselhado por pessoas próximas a seguir no comando do elenco gremista. Ele retornou em setembro de 2016 e desde então renovou duas vezes seu contrato, que termina ao final de 2018. O Flamengo tentou contar com ele durante a atual temporada, mas o treinador preferiu permanecer à frente do time com o qual também ganhou Copa do Brasil, Recopa e Gaúchão.

Diante do possível novo assédio do clube carioca, que está às vésperas da eleição presidencial, o melhor cenário para os gremistas é o fechamento de um novo acordo o quanto antes. Obviamente o futuro presidente do Flamengo só poderia formalizar um compromisso com Renato "Gaúcho" Portaluppi após o pleito, que está marcado para 8 de dezembro, um sábado.

Apoiadores do candidato de oposição, Rodolfo Landim, conversaram com pessoas próximas a Renato, que deve ser procurado por integrantes da chapa situacionista, do atual vice-presidente de futebol, Ricardo Lomba. O treinador não pretende se reunir com outro clube antes de definir se permanece no Grêmio, cujo presidente, Romildo Bolzan, tem mandato até o final de 2019.

De folga, Renato está no Rio de Janeiro, onde mantém sua casa, com volta prevista a Porto Alegre para terça-feira. Ele voltará a treinar o time do Grêmio na quarta. Domingo, na Arena, às 17 horas, o adversário será o Vasco. A equipe está a dois pontos do seu objetivo imediato, alcançar o São Paulo na luta pela quarta colocação no Brasileiro, que dá vaga na fase de grupo da Libertadores. 

follow us on Twitter
 
follow me on youtube
 
follow me on facebook
 
follow us on instagram
 
follow me on google plus

Comentários

Rubro-negros ainda pensam em Renato 'Gaúcho' Portaluppi, hoje mais perto de uma renovação com o Grêmio

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Dudu, Paquetá, um Palmeiras com fome de troféus e esse Flamengo que prefere o 'cheiro' dos euros

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
Marlos, após empatar o jogo, deixou Paquetá em excelentes condições: mandou a bola em Milão
Marlos, após empatar o jogo, deixou Paquetá em excelentes condições: mandou a bola em Milão Reproduçao TV

 

Maracanã, sábado. Lucas Paquetá teve a bola do jogo, foi displicente. Poderia fazer história no Flamengo, pelo jeito não fará, prefere ser reserva num Milan decadente que sequer disputa a Champions League, nem faz cócegas na Juventus e perde para a Internazionale. O futuro dele foi decidido pelo imediatismo dos euros, por empresário e familiares. A bola era para bater com força e convicção, como Marlos (pasmem) Moreno fez instantes antes. Tentou uma colocadinha infeliz. Mais limitados como Henrique Dourado, por exemplo, provavelmente não perderiam tamanha oportunidade.

Coisas do Flamengo, onde outro problema (gravíssimo) é a lateral-direita. Uma herança terrível de Rodrigo Caetano, com a chancela presidencial. Em compensação o ex-diretor-executivo contratou Renê, de ótimo custo-benefício, um jogador correto e regular. Pará errou pateticamente no gol. Mas o que esperar de uma gestão que até pouco tempo atrás discursava protegendo jogadores e sem a menor capacidade crítica para avaliar suas deficiências?  Míope diante da incapacidade de alguns atletas diante da missão que é vestir a camisa do Flamengo num momento de ambições e grande investimento.


O clube paga pelos seus erros, demorou a se mexer, a mudar de técnico, perdeu para o Corinthians e não venceu o Palmeiras quando o triunfo era vital. Mais uma decepção parece se aproximar dos rubro-negros, que ainda assim insistem em lotar o Maracanã. Quanto aos palmeirenses, além de terem buscado a tempo, com êxito até aqui na Série A, um novo treinador, seguraram Dudu quando este se mostrou disposto a ir para a China. Podem até negociá-lo, mas naquele momento, no meio da temporada, tal possibilidade sequer foi admitida pelos dirigentes do clube paulista. Corretíssimo.

Já os do Flamengo, ávidos por mais alguns zeros no balanço financeiro, venderam Paquetá quase três meses antes da reabertura da janela internacional de contratações. É  cheiro dos euros. Dudu esqueceu pelo menos momentaneamente os dólares dos chineses, se concentrou no Palmeiras, voltou a jogar muito bem e fez o gol importantíssimo na única chance que teve no duelo do Maracanã. O camisa 7 alviverde anda com a cabeça 100% no seu atual time. Mirou e acertou o gol. Quanto a Paquetá, teve mais chances até, falhou na maior delas. Chutou longe. Em Milão. Sua cabecinha já parece por lá.


follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus


Comentários

Dudu, Paquetá, um Palmeiras com fome de troféus e esse Flamengo que prefere o 'cheiro' dos euros

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Entrevista: rival do Grêmio na Libertadores, River investe em estudo para reconquistar a América

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
Gustavo Grossi é o Diretor Esportivo e CEO do River Plate: de um total de 160 inscritos, 12 brasileiros
Gustavo Grossi é o Diretor Esportivo e CEO do River Plate: de um total de 160 inscritos, 12 brasileiros Divulgação

Semifinalista da Copa Libertadores, o River Plate está investindo no estudo conjunto desenvolvido pelos diferentes níveis de seu futebol, dos garotos mais novos aos profissionais. Oferece curso, aberto, que proporciona diploma de Diretor Esportivo de Futebol profissional e que faz parte desse projeto, com aulas que podem ser online ou ao vivo.

Gustavo Grossi é o Diretor Esportivo e CEO dos Millonarios. A máxima autoridade desde a base do clube e não só coordena, como ministra o curso, que aborda todos os temas que devem ser dominados por um Diretor Esportivo. Ao lado de outros profissionais, as aulas englobam as diversas funções e têm como alvo treinadores, gerentes de futebol, preparadores físicos, jogadores, advogados, jornalistas... 

O blog entrevistou o CEO do River Plate para entender o projeto e o quão relevante esse tipo de ação é para o desenvolvimento do clube, que depois de passar pela segunda divisão em 2012 ganhou todos os títulos possíveis no continente. E pode levantar mais uma Libertadores em mais quatro partidas

Qual é o público alvo do curso?
É basicamente destinado a qualquer pessoa que se dedica à gestão de futebol profissional, incluindo um público como gerente de esportes, um jogador com grande experiência, ex-jogadores, treinadores físicos, jornalistas, agentes de jogadores, gestores e todos os profissionais que cercam o desenvolvimento de um clube.

Como pode ser feito por quem mora no Brasil?
Nestes momentos utilizamos a ferramenta do grupo fechado ao vivo do Facebook para a visualização ao vivo ou aula gravada, ao mesmo tempo a tela da Universidade do River Plate.

O CEO do River Plate em palestra com meninos da base: integração em todas as categorias do clube argentino
O CEO do River Plate em palestra com meninos da base: integração em todas as categorias do clube argentino Divulgação

Quantos brasileiros estão matriculados?
De um total de 160 são 12 brasileiros inscritos até agora. Calculamos vários outros. Entre os estudantes está o Isaias Tinoco, supervisor com vasta experiência no futebol brasileiro (trabalhou por anos no Vasco e no Flamengo) e para todos nós orgulhosos de estar realizando uma troca de conhecimentos entre os dois países.

O curso será levado ao Brasil em 2019?
Devido às características do mesmo acho que é possível acontecer, consideramos que é uma ferramenta a ser levada em conta para aqueles que se dedicam completamente a este esporte e buscam profissionalizar sua paixão. Portanto, a demanda pode ser muito importante e ditar isso no Brasil é um dos nossos objetivos.

Quais são as disciplinas do curso?
Entre outros pontos, Diretor de Esportes, a organização do futebol profissional, marketing esportivo, imprensa e comunicação, secretariado técnico e gerente de futebol profissional. 

Qual o perfil dos alunos?
São aqueles que estão interessados em dar um salto de qualidade com base no estudo e conhecimento específico de todas as áreas que compõem o desenvolvimento do futebol na América do Sul.

Grossi em evento no Brasil, representando o River Plate: brasileiros pagam R$ 450 para concluir o curso
Grossi em evento no Brasil, representando o River Plate: brasileiros pagam R$ 450 para concluir o curso Divulgação

Quais são as deficiências dos profissionais que atuam no Mundo do Futebol?
Há poucas oportunidades educacionais oferecidas em nosso continente e também não temos os mesmos requisitos e a economia com a qual conta a Europa para formação. 

O que é feito na Argentina na gestão esportiva e o que pode ser adotado no Brasil?
O que ambos os países desenvolvem é semelhante no marketing, em parcerias, no jurídico. Em tudo o que envolve a bola fora do campo de jogo. Mas ambos os países podem, sem dúvida, contribuir diretamente para o recrutamento de talentos, a profissionalização das escolas e do método de formação. Sem dúvida, no momento em que os critérios forem unificados e as duas ligas serão fortalecidas e ambos estarão, sem dúvida, entre as cinco melhores do mundo.

E o que é feito na Europa e ainda não adotado na América do Sul na gestão do futebol profissional?
A Europa possui, desde os anos 1990, um modelo educativo diretamente voltado à profissional, à evolução. Definiram como uma política de Estado e as diferenças no investimento e dedicação ao longo das últimas três décadas são enormes. A partir do que acontece lá podemos refletir e concluir que muitos países têm sido capazes de equilibrar em seus desenvolvimentos de futebol. Da mesma forma é sempre bom poder começar como são essas oportunidades.

Ignacio Scocco, goleador do River (no destaque), durante a cerimônia na qual os alunos receberam seus diplomas
Ignacio Scocco, goleador do River (no destaque), durante a cerimônia na qual os alunos receberam seus diplomas Divulgação

Qual o custo do curso e quantas horas/aula, aulas presenciais, online, etc.?
O custo nesta primeira oportunidade, por ser seu lançamento e procurando que todos os países do continente pudessem se desenvolver, tinha de ser baixo. Os professores e a universidade não tinham como objetivo o rendimento econômico, mas sim democratizar o conhecimento. Estudantes brasileiros pagam R$ 450 para obter o diploma inteiro em oito aulas, duas horas a cada terça-feira, numa duração total de 16 horas.

O investimento em estudos, em conhecimento, já se reflete na base do River Plate, na revelação de atletas?
O futebol de hoje precisa de jogadores inteligentes, portanto, tudo o que lhes dá a chance de pensar será um salto de qualidade para a formação integral deles.

Poderia citar alguns que já estão entre os profissionais e que surgiram dessas iniciativas acadêmicas do clube?
Do ponto de vista dedutivo, faço parte dos profissionais de futebol que, além de terem sido atletas de base e sem uma carreira profissional em futebol profissional, conseguiram desenvolver projetos em grandes clubes da América, mas a tendência de preparação na Europa é determinante para essas posições dentro desse continente, enquanto na América está chegando lentamente. Jogadores profissionais como Ponzio e Scocco são graduados, fizeram o curso.

Leonardo Ponzio, capitão do River Plate, que seguiu no clube mesmo quando caiu para a 2ª divisão, fez o curso
Leonardo Ponzio, capitão do River Plate, que seguiu no clube mesmo quando caiu para a 2ª divisão, fez o curso Divulgação

Como esses estudos beneficiam vocês no campo hoje?
De acordo com a palavra dos jogadores, este diploma permitiu não apenas compreender e compreender melhor o desenvolvimento do futebol em todas as áreas, mas também conhecer os detalhes do que acontece fora do campo em favor dos jogadores e da equipe técnica na profissionalização de cada clube. E também lhes dá uma maior clareza da profissão que gostariam de ter uma vez terminada a sua carreira como atleta.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

Comentários

Entrevista: rival do Grêmio na Libertadores, River investe em estudo para reconquistar a América

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Após eliminações, São Paulo treina 7 semanas inteiras e não vence. Saudades da ‘Sula’?

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

Diego Aguirre, treinador do São Paulo: sete semanas livres de treinos, nenhuma vitória
Diego Aguirre, treinador do São Paulo: sete semanas livres de treinos, nenhuma vitória Gazeta Press


São seis jogos sem vitória, desde o 1-0 sobre o Bahia, em 8 de setembro. E não é só. No São Paulo em queda livre as semanas inteiras dedicadas aos treinamentos, sem jogos às quartas e quintas-feiras, não resultam em nada.

Primeiro o time saiu da Copa do Brasil, mas desde a eliminação da Copa Sul-americana pelo Colón, na Argentina, já são sete partidas disputados em sábados e domingo após dias úteis sem compromissos. Nenhuma vitória, cinco empates (dois 0-0) e três pelejas sem marcar.

Definitivamente não jogar outros torneios e contar com intervalos de seis a oito dias entre um cotejo e outro não tem pesado rigorosamente nada. O técnico Diego Aguirre até muda a escalação, busca soluções...

Mas não as encontra, tampouco agrega nova forma de jogo à equipe. Deve ter muito são-paulino por aí arrependido por ter acreditado na tese de que o desempenho melhoraria com tempo para treinar e descansar. 

Certamente esses sentem saudades da ‘Sula’, a Copa Sul-americana.

Treinar pra que?
Resultados após semanas livres só com treinamentos:
Domingo 2/9 1-1 Fluminense (C)
Domingo 16/9 0-0 Santos (F)
Sábado 22/9 1-1 América (C)
Domingo 30/9 2-2 Botafogo (F)
Sábado 6/10 0-2 Palmeiras (C)
Domingo 14/10 1-3 Internacional (F)
Sábado 29/10 0-0 Atlético-PR (C)

follow us on Twitter
 
follow me on youtube
 
follow me on facebook
 
follow us on instagram
 
follow me on google plus
 

Comentários

Após eliminações, São Paulo treina 7 semanas inteiras e não vence. Saudades da ‘Sula’?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

No reino do 'jogo reativo', quem 'gosta' da bola no Brasileirão? Veja a posição de seu time no ranking

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
Luan, do Grêmio, em meio aos jogadores do Atlético-PR no jogo do início do Campeonato entre os então times de mais posse de bola
Luan, do Grêmio, em meio aos jogadores do Atlético-PR no jogo do início do Campeonato entre os então times de mais posse de bola Divulgação / Grêmio

Está na moda não é de hoje. O futebol praticado no Brasil é caracterizado pela quase ojeriza à bola. Equipes com orçamentos diversos, dos maiores aos menores, aderem a estratégia do deixar a pelota com o adversário. Sim, ela parece ser mesmo um problema, não a solução. São os times "reativos", ou seja, que reagem ao se fechar e sair em estocadas eventuais na busca pelo gol. E dentro de tal proposta, na maior parte do tempo a ideia é deixar mesmo o manejo da redonda com o adversário.

Dos 11 dos 20 times da Série A têm menos de 50% de posse de bola, em média, nos jogos do Campeonato. O São Paulo, que liderava até duas rodadas atrás, é um dos quatro piores no quesito. Quando ainda era treinado por Fernando Diniz, antes da disputa da Copa do Mundo, o Atlético Paraense tinha média de 60,5%, único time a alcançar mais de 60% como marca.

Se o Grêmio, quinto na classificação em pontos ganhos, já trocou 12.989 passes completados, o Internacional, vice-líder, acumula 9.742. Já o Palmeiras, líder, 9.391. O São Paulo, que esteve por um bom tempo no topo da tabela, registra 8.261, ou seja, os tricolores paulistas têm média equivalente a apenas 63% dos passes trocados pelos gremistas.

Entre os finalistas da Copa do Brasil, interessante observar que apesar da fama de retranqueiro com Jair Ventura nas fases decisivas do mata-mata, o Corinthians é quarto em posse de bola no geral e segundo em passes trocados no Campeonato, com 12.028. Em boa parte, herança de Osmar Loss, pois com o atual treinador o time cai para quarto.

Um reflexo de uma gradual movimentação do campeão de 2017 para a reatividade futebolística. Os corintianos caminham na direção do seu adversário na decisão da Copa, o Cruzeiro, que com um dos mais fartos elencos da primeira divisão, troca passes numa proporção próxima da que apresenta o Vasco em sua luta contra o rebaixamento.

Confira a lista dos times e o percentual de posse de bola que cada um possui no Campeonato Brasileiro da primeira divisão em 2018. Os números são da ferramente utilizada pelo Data ESPN, o TruMedia.

Posse de bola (média):
1 Grêmio 56,4%
2 Flamengo 55,6%
3 Atlético-MG 55,6%
4 Corinthians 55,1%
5 Atlético-PR 54,9%
6 Santos 52,7%
7 Vasco 7 51,0%
8 Palmeiras 50,9%
9 Cruzeiro 50,7%
10 Fluminense 49,5%
11 Internacional 49,5%
12 Sport 48,0%
13 Chapecoense 47,4%
14 Bahia 47,3%
15 Vitória 47,2%
16 São Paulo 46,8%
17 Botafogo 46,6%
18 América 45,5%
19 Ceará 43,9%
20 Paraná 43,6%

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Comentários

No reino do 'jogo reativo', quem 'gosta' da bola no Brasileirão? Veja a posição de seu time no ranking

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Como jogadores devem investir e enviar dinheiro para o Brasil? Histórias bizarras de grana e bola

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

 

Como jogadores de futebol devem preparar o futuro? De que maneira podem remeter dinheiro legalmente para o Brasil quando atuam no exterior? E os que mergulham na vida nababesca, gastando muito além do razoável, correm risco de em alguns anos passar sufoco quando poderiam relaxar com as economias feitas ao longo da carreira? Para entender tais situações, o blog conversou com Marcelo Claudino da Top Soccer, empresa que presta serviços de assessoria financeira, contábil e jurídica para atletas e treinadores do futebol profissional no Brasil e no exterior. "Nossa ideia é ajudar em diferentes frentes, como na gestão patrimonial", resume.

 A maior demanda envolve as esferas contábil e fiscal para regularização de situação junto à Receita Federal e defesa de casos que já foram objeto de autuação pelo Ministério da Fazenda. "Desde 2013, centenas de profissionais do futebol atuando no Brasil e no exterior foram autuados pela Receita Federal. Existe também uma demanda cada vez maior pela educação financeira através da qual os atletas pretendem entender melhor como rentabilizar melhor seus investimentos sem assumir riscos desnecessários", conta.

 As dúvidas mais comuns dos profissionais do futebol referem-se às vantagens e desvantagens da aquisição de determinados tipos de imóveis e viabilidade ou não de abertura de negócios próprios. Com a taxa de juros em patamar muito baixo, querem também se informar melhor das alternativas para rentabilizar melhor seus investimentos. "A cada dez atletas, oito não dominam o conhecimento necessário para gerir minimamente seu patrimônio. Muitos gerem por conta própria, mas é muito comum perderem dinheiro em operações corriqueiras, como a compra e venda de bens", cita.

 Uma das questões mais comuns envolve a ida para o exterior. Em geral o profissional não sabe bem o que fazer. Muda de domicílio? Onde pagará os impostos? "Primeiro é feita uma avaliação do contrato, do prazo e em que país irá atuar, a legislação local. A comunicação de saída definitiva junto à Receita Federal é o caminho mais seguro para evitar-se questionamentos futuros, pois define de imediato o novo domicílio fiscal do atleta ou treinador. Com isso, o profissional do futebol consegue, ainda que seja minimamente tributado no exterior, internalizar praticamente a totalidade dos recursos, ou seja, fazer com que fiquem somente no Brasil, livre de impostos".

.
. .

 A comunicação de saída definitiva acarreta em abertura de uma conta específica junto ao Banco Central para o recebimento exclusivo de câmbio e salários oriundos do trabalho no exterior. É uma conta que tem controle em tempo real pelo Banco Central devido às questões de evasão ilegal de divisas e lavagem de dinheiro. E há histórias que beiram o bizarro.

 “Conhecemos, certa vez, um atleta, que não chegou a trabalhar conosco, que gastou R$ 100 mil em uma semana apenas com lazer e supérfluos. É difícil precisar qual o mais desorientado pois, por incrível que se possa imaginar, os perfis são bastante heterogêneos apesar de estarem ligados ao mesmo nicho. Há atletas que sentimos que podemos contribuir ainda mais para o seu amadurecimento porque não tiveram total atenção da família em sua formação ou deixaram o convívio da família muito cedo para lutar por um espaço no futebol", explica Marcelo Claudino.

 O contraponto está em profissionais que têm maior curiosidade por temas ligados à finanças e aptidão para a área de investimentos. Casos de Fillipe Soutto (Vitória), Yuri (Botafogo-SP) e Léo (Cruzeiro), que têm muito interesse e gosto por tais assuntos. Já as mulheres dos jogadores muitas vezes são responsáveis pela iniciativa de contratação dos serviços especializados da empresa. "Elas costumam querem auxiliar seus parceiros a manter um orçamento equilibrado e a poupar para o futuro".

 Faz sentido. Entre os erros mais comuns que jogadores de futebol e atletas de outras modalidades cometem por não ter assessoria especializada estão a imobilização do capital em sociedades (negócios) com terceiros, exagero na compra de imóveis, erro na escolha de pessoas para as quais estabelecem poderes (procurações), alto padrão de vida negligenciando o pós-carreira e falta de critérios para investir seus recursos financeiros.

 Um atleta brasileiro procurou a empresa para ajudá-lo com a documentação para providenciar seu casamento no país em que atuava. A burocracia era grande pois o casamento teria que ser feito no consulado brasileiro distante cerca de 500 quilômetros da cidade em que vivia. Após todo o trabalho, o casamento foi realizado e o atleta já saiu do consulado com sua certidão de casamento. Problema resolvido: sua esposa poderia agora pedir a residência temporária no país e ficar junto a ele durante todo o contrato. "Dois dias depois, o atleta entra em contato com a seguinte dúvida: 'É verdade que se eu separar, eu terei que pagar pensão?'"

 Em outra ocasião, um atleta que jogava na China precisava transferir US$ 300 ml para o Brasil e procurou a empresa para ajudá-lo após uma grande trapalhada. Ele recebeu uma mensagem truncada do intérprete induzindo-o a entender que só seria possível, como estrangeiro, enviar ao Brasil US$ 50 mil por ano. Ansioso para enviar a quantia e sem verificar a informação recebida, dividiu o dinheiro em 3 partes e o transferiu para a conta de três jogadores chineses do time. 

"O câmbio foi feito por cada um dos chineses para o banco do atleta no Brasil. Naturalmente, as três operações de câmbio foram bloqueadas pelo Banco Central pois não tinham lastro e uma documentação que as justificasse. Informamos a ele que a única maneira de recuperar seu dinheiro era retornar o dinheiro para os chineses, receber os recursos em sua conta na China e refazer todo o processo. Fez-se um silêncio sepulcral ao telefone até que ele finalmente falou: 'Mas eu briguei com eles'".

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus
Comentários

Como jogadores devem investir e enviar dinheiro para o Brasil? Histórias bizarras de grana e bola

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Dorival Júnior diz que ação contra o Flamengo foi resolvida; clube não confirma e anuncia sua contratação

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

O blog manteve contato com o técnico Dorival Júnior, antes de ser anunciado oficialmente como técnico do Flamengo. O treinador esperava a definição e disse que não há mais entraves na Justiça entre ele e o clube carioca, o que a agremiação carioca não confirma, porém.

Está de volta ao Flamengo?

Dorival Junior: Ainda não fechou, tivemos um contato hoje, estou no aguardo.

Tem visto os jogos do time?

Dorival Junior: Vi vários, estava acompanhando todos os campeonatos..

O Flamengo tem grande dificuldade em fazer os gols, mesmo com posse...

Dorival Junior: Eu vi, tem posse, falta penetração.

Você ainda tem uma ação na justiça contra o Flamengo, o entrave é esse?

Dorival Junior: Não, a ação foi resolvida.

Houve acordo?

Dorival Junior: Sim, há 40 dias.

Diziam há algum tempo que por questões pessoais você não poderia voltar ao trabalho naquele momento, isso procede? Já foi equacionado?

Dorival Junior: Sim., mais tranquilo.

A definição com o Flamengo sai hoje?

Deve sair, me posicionaram dessa forma. Me sinto mais confiante para um retorno e acreditando muito.

Comandará o time sábado contra o Bahia, em Salvador?

Dorival Junior: Dependerá do tempo.

Posteriormente, o blog entrou novamente em contato com Dorival Junior, que reafirmou ter chegado a acordo com o clube em relação a pendência, embora ainda não haja nada assinado.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus
Comentários

Dorival Júnior diz que ação contra o Flamengo foi resolvida; clube não confirma e anuncia sua contratação

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Eliminação cara no Flamengo: Bandeira sofre derrota ao buscar empréstimo para fechar contas de 2018

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

Eduardo Bandeira de Melo, que deixará a presidência do Flamengo ao final de 2018
Eduardo Bandeira de Melo, que deixará a presidência do Flamengo ao final de 2018 Reprodução


A eliminação da Copa do Brasil 28 dias depois da queda na Libertadores abalou as estruturas financeiras do Flamengo. O clube esperava contar com as premiações destinadas aos finalistas e campeões, mas fracassou em ambas. Assim, em final de mandato, a gestão Eduardo Bandeira de Melo enfrenta dificuldades para fechar as contas de 2018 no azul, e busca antecipação de receitas do ano que vem, quando ele não mais será o presidente. Mas o pedido foi rejeitado pelo Conselho de Administração na noite desta quinta-feira por 27 a 13.  Dos 102 integrantes do COAD, pouco mais de uma dezena marcou presença para apoiar o pedido, o que evidencia o quão em baixa está o mandatário.

Antes, integrantes do Conselho de Administração do Flamengo receberam documento onde se lê: "Ficam convocados os senhores membros (...) para a reunião extraordinária que se realizará no próximo dia 27 de setembro de 2018, quinta-feira (...)". Entre os itens em pauta a "apreciação e votação da proposta de readequação ao orçamento de 2018(...)".

Mais: "apreciação e votação da proposta da Captação de Recursos através de Cessão de Recebíveis com o Banco BMG S/A tendo como garantia os recebíveis da Adidas de Abril de 2019 (...)". E ainda "apreciação e votação da proposta de Captação de Recursos através de Cessão Definitiva dos Direitos dos Recebíveis com o Banco BGB Westton, referente a (sic) venda do atleta Felipe Vizeu para o Clube Udinese (...).

********************************************************************************************************************************************
"Se não entrar a final da Copa do Brasil, terei um problema", Márcio Garotti, diretor financeiro do Flamengo, em entrevista ao jornal O Globo.

********************************************************************************************************************************************

Em entrevista ao jornal O Globo quatro dias antes da derrota para o Corinthians, o diretor financeiro do Flamengo, Márcio Garotti, revelou o déficit causado pelas contratações de jogadores, que não deram retorno: "A balança é negativa. Tínhamos previsão que fosse positiva em R$ 5 milhões. Mas se gastou mais para contratar os reforços. Temos R$ 16 milhões negativos em relação a saída e entrada de jogadores este ano" — clique aqui e leia na íntegra.

Garotti falou ainda sobre as possíveis premiações por resultados nas competições: "Não tenho a passagem para a final da Copa do Brasil projetada. A Libertadores havíamos projetado as quartas de final. Mas estamos na semifinal da Copa do Brasil. Nessa readequação, coloquei alguns riscos que a gente tem e oportunidades. Se não entrar a final da Copa do Brasil, terei um problema. E vou ter que contar com outras coisas".

Cláudio Pracownik era o vice-presidente de finanças e administração, deixou a diretoria há pouco mais de dois meses e apoia a chapa oposicionista, de Rodolfo Landim, na eleição presidencial de dezembro. Pela situação o candidato é Ricardo Lomba, atual vice de futebol, apoiado pelo presidente Bandeira de Melo. Procurado pelo blog, Pracownik preferiu não se manifestar a respeito.

A matéria de O Globo explica ainda que "o clube contará, no empréstimo previsto, com R$ 14 milhões do contrato de 2019 da Adidas e R$ 7,4 milhões referentes a parcelas antecipadas da venda de Vizeu". Justamente temas em pauta na reunião do Conselho de Administração. Ao final, o diretor financeiro diz ao jornal carioca que  "a fábrica do Flamengo é fazer títulos". Se isso fosse verdade, na atual gestão ela teria falido.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Comentários

Eliminação cara no Flamengo: Bandeira sofre derrota ao buscar empréstimo para fechar contas de 2018

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O renascimento de um treinador que faz o elenco do 18º orçamento da Série A jogar com a bola. E bem

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

De finalista da Libertadores a técnico que ficou três anos sem comandar um time profissional. Adilson Batista sumiu do mercado depois que se desligou do Joinville, então na primeira divisão em 2015. Reapareceu em julho à frente do América, depois que Enderson Moreira trocou o clube mineiro pelo Bahia.

O Coelho reagiu não apenas na classificação como no desempenho em campo. Era 17º da Série A, abrindo a zona de rebaixamento, com 14 pontos em 14 jogos, quatro vitórias e oito derrotas. Hoje ocupa a 13ª posição. Em 12 partidas fez 17 pontos, venceu mais quatro vezes, mas só perdeu três pelejas.

Enfrentou o São Paulo (líder), Palmeiras (2 º colocado), Internacional (3º) e (Flamengo (4º) e não perdeu para nenhum. Melhor: derrotou o time gaúcho logo na estreia do treinador, com nova vitória em seguida, sobre o Santos. O time que acertava 303 passes por jogo elevou a média a 381, segundo o Footstats.

Sábado buscou o 1 a 1 no Morumbi em jogada que levou 65 segundos, com 49 toques na pelota dados por 10 jogadores. Até o goleiro João Ricardo participou — veja o vídeo abaixo. Como fazer isso com o 18º elenco, em investimento, entre os 20 times da primeira divisão, segundo o site Transfermarkt? Essa é uma das perguntas que o blog fez a Adilson Batista.

Fale sobre o gol de sábado, como preparar a equipe para aquilo?
Eu tive a sorte de fazer um jogo por semana, isso para futebol brasileiro é importante e foi para mim, pois cheguei no meio do caminho, com o time na zona de rebaixamento, precisava conhecer os atletas, resgatar autoestima, confiança, não sofrer tantos gols como vinha sofrendo. Era preciso arrumar setor defensivo, processo de construção, trabalhar o último terço para aumentar o poder de finalização. Assim as coisas foram melhorando. Se você olhar o meu jeito, como a gente gosta, sempre gostei de ter a posse, claro que com intensidade, velocidade, dinâmica, saídas rápidas, mas é um processo que por jogar uma vez por semana me ajuda a desenvolver coisas que eu gosto. Mas tenho que entender também que às vezes as características do meu elenco não oferecem a condição. Já foram 12 formações diferentes.

Mas você treinou isso?
O São Paulo é um time de transição e que usa bem o corredor, dos 24 gols fez 14 por dentro, tinha a penetração do Hudson, a bola chega no Nenê e no Diego Souza, e eles podem desequilibrar. Então tentei preencher o meio e valorizar a posse de bola. Claro que trabalho, dou ênfase e sempre dei a tudo isso, à posse de bola, inversões, penetrações, recomposição. Eu levo muito jogo a jogo, gosto de dar treino e procuro trabalhar em cima do próximo jogo e das características do próximo adversário.

O América não perde para os times de cima, por que?
O time teve bons momentos nesses jogos. Cada partida teve sua característica, mas sufoco mesmo tomei na Vila (Belmiro) no meu segundo jogo.

Nota-se que mesmo com o calendário longe do ideal, é possível treinar e agregar algo ao time...
Com uma semana livre dá para fazer coisas boas. Se o horário fosse mais adequado, seria melhor. Por que jogar às 16 horas? Um pouco mais tarde está mais fresco e o jogo fica mais intenso, tudo isso interfere. Tem a logística, às vezes temos que sair do Nordeste e ir até São Paulo para depois embarcar para Belo Horizonte. Perdemos uma noite na cidade onde jogamos e isso atrapalha o processo de recuperação. Os times de São Paulo e Rio não têm esse problema por que existem muitos voos.

Você deu entrevista recente criticando a estrutura do futebol brasileiro e disse que vê Premier League, não a Série B do Brasileiro. O que consegue extrair dos jogos da liga inglesa, entre outras?
Não é falta de respeito à Série B. O contexto foi o seguinte: reclamei do horário, da falta de tempo de recuperação, do calendário. Eu gosto de ver jogos intensos, vejo futebol argentino, os times do (Jurgen) Kloop. Por que não temos isso? Por desperdiçarmos 23 datas no Estadual, jogamos em horário inadequado, não há tempo de recuperação. Precisamos melhorar. Nem os árbitros têm tempo para se recuperar. É muita coisa que precisa ser melhorado. É evidente que vejo (a Premier League) porque a dinâmica é maior, o jogo é mais intenso, lá estão os melhores e há mais organização. Se olharmos Corinthians x Grêmio há dois anos, Atlético x Flamengo, fizeram bons jogos, mas a gente quer mais.

Adilson comanda treino do América: reação, fuga do rebaixamento e gol com longa troca de passes no Morumbi
Adilson comanda treino do América: reação, fuga do rebaixamento e gol com longa troca de passes no Morumbi Mourão Panda/divulgação

No que estamos mais atrasados em campo?
Pecamos na tomada de decisão. Fazemos escolhas erradas. O processo de formação para essa roda girar, digamos que seja de oito anos, o jogador vai dos 12 aos 20. Para você formar tem três eleições num clube, isso muda tudo, arrebenta tudo, ensinamento, metodologia. É um caminho no qual ficamos reféns de parte política, de um monte de coisas, é um atraso. 

Por que tantos times brasileiros jogam "sem a bola"?
Não é questão de emprego ou segurar o emprego, limitação. Acho que a compactação, a velocidade, a intensidade aumentou muito em nosso jogo. Às vezes é questão técnica mesmo. Discutimos porque não ganhamos a Copa do Mundo. Ganhamos com Pelé, Garricha, Gérson, Jairzinho, Romário, Ronaldinho, Romário. E nesse Copa tinha Neymar. Não ganhamos com Sócrates, Zico, Falcão, Júnior, Cerezo. Aí você vê o grau de dificuldade.

Houve queda?
Na parte técnica também caímos. Quantos jogos de bom nível um time júnior faz? O América faz um com o Cruzeiro, e outro com o Atlético, na Copinha se passar, um, na Taça BH um ou dois... A base não faz dez jogos por ano que o desafiem e o façam crescer. Como vamos preparar esse menino?

Quais suas referências entre os treinadores atuais?
(Pep) Guardiola, Klopp... O (Maurício) Pochetino faz um grande trabalho. O menino do River Plate, (Marcelo) Gallardo. Tem muita gente boa, mas temos que cuidar de uma série de coisas. Em quase três anos de Cruzeiro trabalhei com 92 jogadores, é muita mudança. Toda hora você tem que mudar, isso é bem complicado também. 

Em que sentido?
De Bruyne é 10, David Silva é 10, então temos que discutir o Ganso daqui a pouco. A dinâmica é o que a gente quer, a intensidade, tem a hora de dar velocidade e a de segurar. Por isso falo da tomada de decisão, e o que é isso? O jogador tem, que ser inteligente.

O futebol jogado no Brasil merece que nota de 0 a 10?
Ao do América dou 10 (risos). 

É mais fácil montar um time que atua fechado, o jogo reativo, do que uma equipe que prioriza a posse de bola, que propõe o jogo?
Não sei se é mais fácil, todo mundo acha que defender é mais fácil do que construir, alguns até acham que o processo de construção é muito intuitivo. Na experiência que eu tive em relação aos clubes que propuseram o jogo e os menores, que ficam mais atrás, prefiro o processo de construção, da meia lua para a frente, do que ficar 50 metros atrás e percorrer mais 50 metros para chegar na frente. Mas se pensarmos no nível que está, na falta de talento, de individualidade, fica 0 a 0. Aí quem faz a diferença? Prefiro do meio de campo para frente do que ter espaço para contra-atacar. Aí entra roda, faz inversão, muda de direção... Vai surgir o espaço em algum momento, é só ter paciência. Você pega o Ajax dos anos 1990, que acompanhei muito naquela época, vi muitos jogos deles e aí você via girar, ter paciência. Aquele time é um espelho para mim. Mas aqui você joga com o goleiro e a torcida vaia.

Você ficou um bom tempo fora do mercado, o que fez nesse período?
Eu cuidei dos meus negócios, fiz cursos na CBF, Universidade do Futebol, gestão, acompanhei treinamentos e jogos do Bayer Leverkusen, Schalke 04, fui até Argentina, Chile e Paraguai ver os jogos, conversei muito... Fiz media training, mas eu as vezes avacalho, baixa meu espírito de ser sincero e verdadeiro. Foram três anos sem trabalhar, desde o Joinville quando o time ainda estava na primeira divisão. 

O que o América ainda pode fazer em 2019?
Meu sonho são os 46 pontos (nota do blog: pontuação que matematicamente livra do rebaixamento), vamos atrás disso primeiro.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus
Comentários

O renascimento de um treinador que faz o elenco do 18º orçamento da Série A jogar com a bola. E bem

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Corinthians de 2017 foi campeão 'sem gostar da bola'?! Mentira! Quem joga assim? O São Paulo de hoje

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN


Na campanha do título brasileiro de 2017, o Corinthians se notabilizou pela solidez defensiva em especial no primeiro turno, quando fez 47 de seus 72 pontos (65%) na metade inicial do certame. Nela sofreu nove gols em 19 pelejas, contra 21 acumulados na segunda parte do campeonato. Daí a afirmarem que o time jogava sempre fechado e sem a bola, foi muito rápido. Mas os fatos não comprovam tal tese (veja abaixo).

Os passes trocados pelos times da Série A em 2017 (à esquerda) e até a 25ª rodada no campeonato brasileiro de 2018
Os passes trocados pelos times da Série A em 2017 (à esquerda) e até a 25ª rodada no campeonato brasileiro de 2018 TruMedia/ESPN

Os corintianos foram os que mais passes trocaram no Brasileirão que conquistaram ano passado, à frente apenas do Grêmio, que costumeiramente lidera tal ranking, como ocorre atualmente, como mostra o TruMedia, ferramenta utilizada pelo Data ESPN. Já o atual líder, São Paulo, faz jus ao rótulo de que não curte muito ter a pelota nos pés. A equipe tem número de passes trocados inferior até ao Paraná, destacado lanterna da temporada.


follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Comentários

Corinthians de 2017 foi campeão 'sem gostar da bola'?! Mentira! Quem joga assim? O São Paulo de hoje

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Conselheiros são agredidos após reunião no Vasco e grupo protesta

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

O Malta do Vasco, grupo que apoiou Fernando Horta na polêmica eleição do Vasco, que se arrastou entre novembro e janeiro, emitiu uma nota de repúdio à agressão de dois conselheiros após a reunião do Conselho Deliberativo na noite de segunda-feira, na Sede Náutica do clube. Foram atacados Luiz Dias e Fabio Muniz, um dos principais aliados de Júlio Brant, candidato derrotado no pleito que elegeu Alexandre Campello presidente.

A nota de repúdio do grupo Malta do Vasco, que apoiou Fernando Horta na eleição passada
A nota de repúdio do grupo Malta do Vasco, que apoiou Fernando Horta na eleição passada Reprodução

Dias e Muniz são ligados ao grupo “Sempre Vasco” e foram agredidos após a votação sobre o empréstimo de R$ 32 milhões pedido pela diretoria para que possa quitar compromissos financeiros deste ano. A aprovação aconteceu quase que por unanimidade. Na primeira votação, o grupo de Brant e o "Casaca" foram contra o empréstimo e pediram maiores detalhes. Com a alta dos juros, os R$ 31 milhões iniciais se elevaram em R$ 1 milhão até a data da nova reunião, quando finalmente houve a aprovação.

"Lamentável o que se passou na Lagoa. Conselheiros de oposição sendo agredidos numa ação claramente orquestrada. Foram chamados pelo nome por vândalos de capacete. O Vasco não consegue se livrar desse passado de política baixa, suja e agressiva. Temos uma árdua tarefa pra mudar isso. Mas esse caso específico é de polícia e não de política., disse Júlio Brant.

Muniz seria o vice-presidente de finanças do Vasco, caso ele vencesse a última eleição. O empréstimo solicitado pela situação envolveu uma costura política envolvendo oponentes de Campello ligados aos presidentes dos Conselhos Deliberativo, Roberto Monteiro, e de Grandes Beneméritos, Eurico Miranda. Dos 178 conselheiros presentes, 176 votaram pela autorização – votaram contra Edmílson Valentim, presidente do Conselho Fiscal, e Marcos Dias.  

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus
Comentários

Conselheiros são agredidos após reunião no Vasco e grupo protesta

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Arame liso? Veja quantas finalizações seu time precisa para marcar um gol

Mauro Cezar Pereira

Levantamento a partir dos números do Footstats mostra o desempenho dos times da Série A do Campeonato Brasileiro nas finalizações. Foram considerados números referentes aos jogos disputados após a Copa do Mundo.

É possível observar que o Atlético Mineiro, dono do melhor ataque em todo o certame (41 tentos) é o time que menos precisa arrematar para colocar a bola nas redes rivais. Já o Paraná, lanterna da competição, necessita de incríveis quatro dezenas de finalizações para chegar a um gol.

O Paraná Clube pós-Copa: mais de 160 arremates e apenas quatro gols no Brasileiro
O Paraná Clube pós-Copa: mais de 160 arremates e apenas quatro gols no Brasileiro TruMedia/ESPN

Confira o ranking e veja se o seu time é arame liso, aquele que cerca e não machuca (o adversário).

Clube*

Paraná 40,8

Botafogo 28,0

Sport 25,3

Vitória 19,6

Ceará 16,0

Vasco 15,3

Fluminense 14,8

Cruzeiro 13,7

Flamengo 12,2

Chapecoense 10,7

Santos 9,9

Bahia 9,6

Palmeiras 9,2

América 8,7

Atlético-PR 8,5

Inter 8,4

Corinthians 8,2

São Paulo 8,2

Grêmio 8,1

Atlético-MG 7,9

* Finalizações por gol marcado

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Comentários

Arame liso? Veja quantas finalizações seu time precisa para marcar um gol

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Por ofensas racistas, várias ligadas a futebol e a Mbappe, MP pede indenização milionária a youtuber

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

 

Destaque da Copa 2018 e campeão na Rússia, o francês Kylian Mbappé é citado em ação do Ministério Público de São Paulo (MPSP) contra um youtuber por publicações racistas em rede social, inclusive com o atleta do Paris Saint Germain sendo alvo — clique aqui e acesse a informação no site do próprio MPSP.  Foi ajuizada ação de responsabilidade por danos sociais contra Julio Cocielo em razão de racismo no Twitter. Um tuite dele durante a Copa do Mundo sobre o jogador de 19 anos faz parte do relato com pedido de indenização que beira os R$ 7,5 milhões.

 O blog teve acesso ao documento do Ministério Público. A ação Civil Pública contra Júlio Cocielo refere-se a "publicações racistas entre 2010 e 2018, prática sistemática de racismo no ambiente virtual, utilização do Twitter para violação de direitos fundamentais, ofensa a direitos de matiz constitucional, violação aos direitos humanos. Violação da Constituição Federal e de Tratados Internacionais de Direitos Humanos, caracterização de dano social, responsabilidade civil". E destaca obrigação de fazer consistente no pagamento de indenização (Lei nº 7.347/85).

Os tuites chegaram conhecimento da Promotoria de Justiça de Direitos Humanos, Área da Inclusão Social, primeiramente formulada ao Ministério Público do Estado da Bahia que, por sua vez, a encaminhou ao MP paulista. Está no documento que a "representação diz respeito a diversos comentários racistas que o réu vem publicando em seu perfil da rede social 'twitter' desde 2010. O último episódio ocorreu durante a Copa do Mundo de futebol masculino de 2018, ocasião em que o réu, referindo-se ao jogador da seleção francesa Kylian Mbappé Lottin, publicou o seguinte post:"

 

De 30 de junho de 2018, tuite sobre Mbappe que está documentado na ação
De 30 de junho de 2018, tuite sobre Mbappe que está documentado na ação Reprodução

A ação vai adiante e apresenta postagens consideradas racistas pelo MP publicadas desde 2010, como uma de novembro daquele ano que, destaca o documento, "reforça o estereótipo repugnante direcionado aos negros, comparando-os com ladrões":

Tuite de 2010 que está na ação do Ministério Público de São Paulo
Tuite de 2010 que está na ação do Ministério Público de São Paulo Reprodução

O documento destaca ainda que "em 11 de dezembro de 2013, dia do jogo final da Copa Sul-Americana de futebol masculino entre os clubes campineiro Ponte Preta e o argentino Lanús, o réu comparou uma vizinha negra a uma macaca, em alusão ao apelido da equipe de Campinas":

Em 2013, tuitada motivada por jogo da Ponte Preta que foi documentada pelo MP
Em 2013, tuitada motivada por jogo da Ponte Preta que foi documentada pelo MP Reprodução

E o MP cita outras situações ligadas ao futebol: "Uma semana depois, quando o Atlético-MG perdeu para o clube marroquino Raja Casablanca no Mundial Interclubes, escreveu:"

Em 2013, participação do Atlético no Mundial de clubes e outro tuite que o MP reproduz no documento
Em 2013, participação do Atlético no Mundial de clubes e outro tuite que o MP reproduz no documento Reprodução

O Ministério Público reproduz diversos tuites classificados como de teor racista, ligados ao não a temas futebolísticos. E acrescenta que as "publicações foram as poucas que puderam ser resgatas, lembrando que o réu, após o último episódio racista em que ele se referiu ao jogador de futebol francês, apagou mais de 50.000 (cinquenta mil) publicações que realizou ao longo dos últimos anos, grande parte com caráter racista, machista e homofóbico".

 A delação foi encaminhada à Promotoria de Justiça Criminal e a ação civil pública contém pedido de indenização "pelos danos sociais causados pelo réu em razão da afronta à dignidade humana e demais valores constitucionais, o que não se desfaz com a remoção das postagens, tampouco com o seu pífio pedido de desculpas, os quais, indubitavelmente, relacionam-se com os prejuízos financeiros sofridos pelo youtuber em suas relações comerciais, como a perda de patrocínios e campanhas publicitárias".

 O documento com a data de hoje (12 de setembro de 2018) é assinado por Eduardo Ferreira Valerio, 2º Promotor de Justiça de Direitos Humanos; Bruno Orsini Simonetti, 1º Promotor de Justiça de Direitos Humanos designado; e Veronica Homsi Consolim, Analista de Promotoria. E determina: "seja o réu, por fim, condenado no cumprimento da obrigação de fazer, consistente no pagamento de indenização por dano social da quantia de R$ 7.498.302 (sete milhões, quatrocentos e noventa e oito mil, trezentos e dois reais), valor a ser corrigido monetariamente quando do efetivo pagamento e revertido em favor do Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos - FID, previsto no artigo 13 da Lei nº 7.347/85 e nas Leis Estaduais nº 6.536/89 e nº 13.555/09". Cocielo deverá apresentar sua defesa, assim que for notificado pelo juiz. 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Comentários

Por ofensas racistas, várias ligadas a futebol e a Mbappe, MP pede indenização milionária a youtuber

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Com um jogo a cada 2,7 dias, Maracanã será fechado para recuperar gramado e planeja 2019

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN
O colombiano Uribe em ação no gramado do Maracanã em Corinthians x Flamengo, na quarta-feira
O colombiano Uribe em ação no gramado do Maracanã em Corinthians x Flamengo, na quarta-feira Gazeta Press


O Maracanã recebeu no último mês 13 jogos em 36 dias, ou seja, uma peleja a cada 2,7. O Camp Nou, do Barcelona, teve 26 partidas em todo o ano de 2017. Desgastado e criticado, o gramado passou por recuperação para receber Flamengo x Corinthians e nas próximas semanas duas partidas do Fluminense sairão do estádio para que o campo se recupere, contra Grêmio e Paraná Clube.

Diante do Deportivo Cuenca, em 4 de outubro, pela Copa Sul-americana o time tricolor poderá utilizar ao estádio. Para Flamengo x Atlético, em 23 de setembro, acontecerão vários procedimentos de recuperação. A ideia era tirar essa partida do Maracanã, mas os ingressos já estavam sendo vendidos e a transferência de local tornou-se inviável. Entre os dias 13 de setembro e 9 de outubro só haverá esses dois jogos no local.

Serão dez dias sem cotejo algum, sendo que recentemente aconteceram seis no mesmo intervalo de tempo. Com esse período, o gramado atual melhorará, segundo a Greenleaf, responsável pelo piso. A empresa espera que chegue a 80% de sua capacidade. Para 2019 estão previstas ações específicas. O plantio será no dia seguinte à tradicional partida de final de ano organizada por Zico, marcada para a noite de 28 de dezembro.

Dois campos reservas com o mesmo tratamento já estão na fazenda em Saquarema (RJ) onde houve o plantio durante a Copa do Mundo. As lâmpadas holandesas que projetam luzes que substituem a solar ficarão sobre o pedaço do campo perto do setor norte onde no inverno não bate sol. A ideia é evitar que no próximo ano o gramado não fique como recentemente, já que a overdose de jogos provavelmente não cessará.

Em 24 horas a empresa assegura que consegue substituir o piso, algo que ocorreu em meio aos Jogos Olímpicos de 2016. O show de Roger Waters (ex-Pink Floyd) será no dia 24 de outubro e troca de gramado acontecerá no dia seguinte. A tabela do campeonato brasileiro marca o encontro entre Flamengo e Palmeiras para o dia 27, um sábado, a priori. O Fluminense pensa no Nilton Santos/Engenhão como opção para encarar o Grêmio.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Comentários

Com um jogo a cada 2,7 dias, Maracanã será fechado para recuperar gramado e planeja 2019

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Falha interna gera multa de R$ 1 milhão ao Fla e irritação com demitido que Bandeira homenageou

Mauro Cezar Pereira
Mauro Cezar Pereira, jornalista da ESPN

Uma falha de comunicação entre departamentos do Flamengo resultou na escalação de Réver contra o Internacional no primeiro turno do Brasileirão. A presença do zagueiro naquele jogo gerou uma dívida de R$ 1 milhão do time carioca com o novo líder da Série A do campeonato.

Quando o atleta trocou o  Internacional, pelo Flamengo, Rodrigo Caetano era o diretor-executivo do time carioca. Representando os rubro-negros, ele aceitou a chamada "cláusula de proteção", que estipula pagamento de R$ 1 milhão caso o jogador fosse escalado contra seu ex-clube.

Curiosamente, o dirigente, demitido em 29 de março após derrota para o Botafogo e eliminação do Estadual, assumiu cargo semelhante justamente no clube gaúcho. Ele foi apresentado 18 dias após a vitória rubro-negra sobre o Colorado, por 2 a 0, em 6 de maio, no Maracanã. Ou seja, Caetano não estava mais no clube carioca quando escalaram Réver contra o time porto-alegrense.

O blog apurou que antes daquele cotejo pelo primeiro turno, o Jurídico do Flamengo alertou um funcionário do departamento de futebol sobre a cláusula. Réver não deveria atuar, exceto se o clube quisesse pagar tanto dinheiro para tê-lo por uma peleja, algo obviamente desproporcional. 

Mas a informação não teria chegado ao atual diretor de futebol, Carlos Noval, tampouco ao treinador Maurício Barbieri. Com a falha de comunicação, o capitão ficou 90 minutos em campo. Para o jogo do segundo turno, novo alerta do jurídico e a decisão de não escalá-lo.

Os rubro-negros procuram uma brecha na justiça para escapar da multa, mas sabem que as chances não são das maiores. O blog ouviu um advogado especializado em direito esportivo, que vê alguns caminhos por meio dos quais o Flamengo pode tentar algo (abaixo).

 

Artigos que podem ser utilizados pelo Flamengo para não pagar a multa ao Inter: chance pequena
Artigos que podem ser utilizados pelo Flamengo para não pagar a multa ao Inter: chance pequena .

Há itens dos regulamentos da Fifa e de Registros da CBF que tornam passíveis de punição em caso de influência de uma associação em outra, ou de terceiros, nas políticas financeiras, de escalação, etc. Já o artigo 27C da Lei Pelé poderia ser citado para que a cláusula seja vista como nula.

Entre dirigentes e apoiadores da gestão, há grande descontentamento com a herança de Rodrigo Caetano. Não só por contratações que até hoje não dão retorno, como Geuvânio, Rômulo e Marlos Moreno, mas também pelo fato de o Inter só acionar a cláusula depois de sua chegada ao Beira-Rio.

Curiosamente, o executivo foi homenageado pelo presidente Eduardo Bandeira de Melo na entrevista coletiva na qual ele anunciou a demissão de Caetano. Na oportunidade ele disse: 

É um profissional de altíssimo nível, a quem eu agradeço muito o trabalho que ele desenvolveu aqui no clube. Vou sentir muita falta dele aqui no dia a dia, da competência dele, da dedicação dele. Foi um colaborador absolutamente excepcional. E tenho certeza que ele vai dar muito certo, que a carreira dele vai ser muito bem-sucedida, que ele merece, e ele está preparado para exercer qualquer função no futebol, seja em clube, entidade de administração, CBF, seleção brasileira, inclusive em governos. Então... começar agradecendo o trabalho do Rodrigo e tenho certeza que o Rodrigo também vai ficar muito feliz vendo a continuidade do trabalho dele sendo capitaneada aqui pelo Carlos Noval".


 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram



Comentários

Falha interna gera multa de R$ 1 milhão ao Fla e irritação com demitido que Bandeira homenageou

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading