E Raí tendo que lidar com sujeitos como Cueva?

Mauricio Barros
Maurício Barros

Conversei longamente com Raí em meados do ano passado. Trocamos ideias sobre reputação, credibilidade, ética, essas coisas que andam tão na moda hoje quanto a pochete, a kaiser bock e a lambada. Falamos bastante sobre seus interesses diversos, da Fundação Gol de Letra ao cinema em Pinheiros, dos estudos em Londres ao perfil das empresas que o procuram para campanhas publicitárias. Estava junto seu sócio de longa data, Paulo Velasco. Àquela altura, Raí já fazia parte da equipe do presidente Leco no São Paulo, como membro do Conselho de Administração. Mas, em nosso papo, ele não dava pinta de que entraria ainda mais a fundo na gestão do clube, como viria a fazer em dezembro no cargo de diretor de futebol.

Fico imaginando como deve ser difícil para Raí lidar com indivíduos como o peruano Cueva, que, já não bastasse o atraso de uma semana em sua reapresentação para a temporada 2018, pediu agora para não viajar com o clube para Mirassol, onde o São Paulo busca sua primeira vitória no Campeonato Paulista. Ele tem propostas para sair, entre elas a do Al-Ahli, dos Emirados Árabes Unidos, mas o São Paulo tem dito que não quer negociá-lo neste momento.

Via site oficial do clube, Raí fez um comunicado com teor inadmissível para alguém que, como ele, pautou sua carreira pelo profissionalismo inquestionável. Dá pra sentir o sangue fervendo em cada palavra. “O Cueva nos pediu para não participar do jogo e nós avaliamos que ele não está plenamente comprometido com a agenda do clube neste momento. Assim, decidimos não levá-lo com a delegação para Mirassol. Nós lamentamos essa situação e estamos trabalhando para tê-lo apto física e mentalmente e à disposição para voltar a contribuir com o São Paulo o mais rápido possível. O São Paulo não abre mão do jogador neste momento”.

Para um profissional de qualquer área, ver-se exposto dessa maneira pelo chefe deveria ser uma enorme humilhação. Ser acusado de não estar comprometido com a agenda do clube faria qualquer um repensar seus modos. Mas não sei se Cueva se tocará disso. Duvido. Como declarou Orlando Lavalle, treinador do peruano na base do Universidad San Martín, em recente reportagem do Uol, ele sempre, desde garoto, foi muito mimado. E pela postura de Leco, para quem não adianta querer manter jogador insatisfeito e o melhor é negociar (vide Lucas Pratto), suspeito que o peruano, principal homem de criação do São Paulo após a saída de Hernanes, não vestirá mais a camisa tricolor.

Gerir jogadores de futebol é um inferno. Em geral, salvo exceções, são mal formados culturalmente, têm repertório estreito, sofrem uma influência enorme de familiares e empresários. E, no caso dos melhores, e Cueva está entre eles, são muito ricos, o que complica ainda mais, pois não toleram ser contrariados e ameaçam sair. Raí foi o oposto disso tudo. Imagine o que não lhe dói no fígado, mesmo ganhando bem para tanto, ter que lidar com um sujeito de postura tão abjeta como Christian Cueva.

Comentários

E Raí tendo que lidar com sujeitos como Cueva?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Carta de amor aos canhotos

Mauricio Barros
Maurício Barros, blogueiro do ESPN.com.br

Quando o Palmeiras reúne dois dos melhores canhotos do futebol brasileiro, Lucas Lima e Gustavo Scarpa, me lembrei deste texto que publiquei em minha coluna na revista VIP, em junho do ano passado. Lá vai:

Assimetria hemisférica é o nome científico para as diferenças entre os lados do nosso corpo. Tenho uma das pernas milímetros mais curta que a outra e acredito que esteja aí a causa da minha lombalgia, hoje controlada pelo legado de Joseph Hubertus Pilates. Ao menos esse bug me rende um gingado de mestre-sala esloveno. Assimetria hemisférica também contempla o fato de sermos destros ou canhotos. E faz pouco mais de três meses que pesquisadores da Ruhr-Universität Bochum, na Alemanha de Pilates, jogaram água no chope de quem creditava ao cérebro a responsabilidade por nascermos Pelés ou Maradonas nos pés, Borgs ou McEnroes nas mãos.

Dizem os germânicos que a causa está determinada desde muito cedo. O estudo defende que na 13a semana de gestação os fetos já fazem movimentos preferencialmente com um dos lados do corpo. E o uso prioritário de uma das mãos já se nota na oitava semana. Nesse período, ainda não foi completada a ligação do córtex motor com a medula espinhal. Portanto, segundo o estudo, é na medula que acontece a preferência por direita ou esquerda – e aqui, por favor, não falo de política, embora nessa seara há muito eu me encontre em posição fetal.

Daí caímos como um tijolo em Messi e Cristiano Ronaldo. O FutLAB, grupo que fundei com amigos feras em estatísticas para analisar o futebol sob o prisma exclusivo dos números, publicou recentemente no site da ESPN uma comparação entre os dois mais Neymar. O brasileiro ficou bem atrás. Messi venceu CR7 pelas características relacionadas à maior participação no jogo. Os números se restringiram às quatro temporadas em que os três atuaram juntos na Espanha.

Confesso que minha preferência por Messi já existia muito antes de ver os números. E mesmo que o argentino perdesse, eu mandaria às favas minhas próprias convicções estatísticas. Tudo porque o pequeno Lionel, na barriga da mamãe Celia Cuccittini, já usava a canhota. E eu amo os canhotos. Sua biomecânica é diferente, improvável, estilosa. Minha medula me fez destro, mas desde pequeno não me conformei. Treinei a esquerda à exaustão, a ponto de poder bater tranquilamente um escanteio com esta perna que não é a minha boa. Mas meu movimento sempre será forçado, robótico, porque na barriga da minha mãe eu mexia a destra. Frustrante.

O Capiroto, o Indivíduo, o Sujo, o Cramulhão, o Das Trevas… Guimarães Rosa nos deixou dezenas de nomes para o Demônio. Até nisso eu renego o legado da minha assimetria hemisférica. Prefiro, de longe, “o Canhoto”.

Comentários

Carta de amor aos canhotos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Quem vai ficar com Robinho?

Mauricio Barros
Maurício Barros

E Robinho surge nas redes sociais curtindo o verão de jet ski e soltando grunhidos ininteligíveis sobre as águas. Seu staff diz que, após a rescisão contratual com o Galo, o jogador não tem pressa em fechar com um clube para o ano que se inicia.

Depois de uma boa temporada em 2016, o atacante viveu um 2017 de altos e baixos ­– mais baixos que altos, diga-se, embora tenha tido um brilhareco na reta final. No dia 23 de novembro, a má fase em campo ganhou contornos sombrios: a Justiça da Itália anunciou a condenação de Robinho a nove anos de prisão porque teria participado, ao lado de outros cinco homens, de um estupro coletivo de uma jovem de origem albanesa em uma boate de Milão. O episódio aconteceu, segundo a Justiça, em 22 de janeiro de 2013, quando Robinho jogava no Milan.

A condenação acontece em primeira instância e cabe recurso. Robinho, por meio de seus advogados, nega enfaticamente a participação no episódio e disse que vai recorrer. Vale lembrar que, em 2009, uma jovem também o acusou de violência sexual em uma boate de Leeds, Inglaterra, quando Robinho jogava no Manchester City. Após investigação da polícia, ficou comprovado que a mulher estava mentindo, e foi aberto contra ela um processo por falsa acusação.

Fato é que, enquanto cabem recursos, Robinho está livre para tocar sua vida. É fato também que o peso moral dessa condenação em primeira instância é enorme e, quem o contratar, deverá ter consciência disso. Ainda no Atlético, um grupo que se identificou como “Feministas do Galo” pendurou uma faixa na frente da sede do clube em Belo Horizonte contra a presença do atleta: “Um condenado por estupro jogando no Galo é uma violência contra todas as mulheres”.

Robinho tem uma carreira brilhante dentro de campo, principalmente no Santos e na Seleção Brasileira. Na Europa, onde atuou no Real Madrid, no Manchester City e no Milan, não conseguiu confirmar tudo o que se esperava de seu potencial, tendo sido um ator secundário. A meu ver, faltou seriedade ao craque no período europeu. Robinho sempre me pareceu criança demais, fanfarrão demais. E ainda parece, quando o vejo publicar vídeos curtindo a vida adoidado quando uma condenação tão séria quanto essa assombra seu futuro.

Robinho logo completará 34 anos e a vida continuará depois que pendurar as chuteiras. Já está milionário e dinheiro não será problema. Se está tão certo de sua inocência, como tem declarado desde que o episódio veio à tona, deveria focar em sua defesa, concentrar esforços em provar que não tem culpa. É hora de recolhimento, de calcular melhor suas aparições públicas. Isso não implica renunciar à vida nem ao trabalho enquanto os recursos rolam nos tribunais da Itália, mas ter consciência do tamanho da encrenca em que está metido.

Dentro de campo, propostas não faltarão para Robinho jogar nesta temporada. Mas, antes de escrever o contrato para o jogador assinar, o clube interessado deve responder a uma pergunta crucial: vale a pena investir tanto em um jogador decadente dentro de campo e que, fora dele, tem uma situação tão grave e delicada por resolver?                

 

Comentários

Quem vai ficar com Robinho?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O Chile é uma carga muito mais leve para Rueda

Mauricio Barros
Maurício Barros

Flamenguista, é questão de tempo que você peça a demissão de Reinaldo Rueda do comando do time. Talvez já esteja pedindo. Não porque seja o Rueda, mas porque no futebol é assim, as coisas duram pouco. Mesmo que ele fique e vá bem, uma hora o caldo entorna. Questão de meses. A carne mais perecível do mercado é a de treinador. E a do colombiano encerrou o ano na frigideira, após a melancólica derrota no Maracanã para o Independiente na final da Copa Sul-Americana.

É uma pena que seja assim. Acredito que uma avaliação justa do trabalho de um técnico só possa ser feita após uma temporada completa, que tenha se iniciado com a participação dele na escolha de reforços e dispensas, antes mesmo da pré-temporada. É o que está acontecendo, por exemplo, com Roger Machado no Palmeiras – que talvez não dure até o meio do ano, a depender dos desígnios de Resultado, o deus pagão do futebol.

Qualquer veredicto em um prazo menor que uma temporada completa contamina a justiça da análise. Rueda chegou com o ano loucamente maduro, o Flamengo envolto em mata-matas da Copa do Brasil e da Sula, tudo isso em meio ao Campeonato Brasileiro. Foram quatro meses não só de trabalho, mas de vida do treinador colombiano no Brasil. Se colocarmos no pacote toda a complexidade de mudar de país, com outra língua e cultura, e as particularidades que o gigantismo do Flamengo traz, fica ainda mais clara a percepção de que não há elementos para dizer se Rueda é um sucesso ou uma decepção. O que deu para sacar é que é um cara trabalhador, elegante e honesto no que diz e faz.

Mas Rueda está sendo muito assediado pela Federação Chilena para dirigir sua seleção. As notícias da imprensa do Chile mostram um cenário de acerto avançado, ao contrário do ceticismo com que o assunto tem sido tratado por aqui.

O Flamengo não tem muito a fazer, não vai dar aumento pra Rueda ficar. Há uma multa, e se ela for paga sob autorização do treinador, nada resta aos cartolas rubro-negros. Mas o clube tampouco pode ficar exposto a essa incerteza para além dos próximos dias. Há um planejamento para o ano a ser desenvolvido, decisões sobre contratações e dispensas, o Estadual começa logo ali, em 17 de Janeiro.

Na balança das propostas, a única coisa que pesa para que Rueda opte por ficar no Flamengo é a ambição esportiva. No âmbito sul-americano de clubes, o Fla é muito maior do que a Seleção Chilena é entre as seleções do continente. Ter sucesso dirigindo um gigante brasileiro elevaria a carreira e o patamar do colombiano. De resto, o convite chileno parece ser mais conveniente.

Quanto a salário, os chilenos certamente oferecem mais. A ideia é que o prazo de contrato seja longo, de quatro anos, visando a classificação e a disputa da Copa de 2022. No Fla, a demissão pode vir a qualquer momento... Há uma necessidade dos chilenos por alguém que comande a transição entre a geração brilhante de Alexis Sanches e Arturo Vidal e os novos nomes que estão surgindo no país. Santiago é uma cidade linda e muito mais segura que o Rio de Janeiro. E o trabalho em uma seleção é sazonal. Rueda não precisa dar expediente, ir todos os dias. Pode morar na Colômbia e viajar para passar períodos de Data Fifa no Chile. De resto, a rotina de treinador de seleção é fazer reuniões esporádicas, assistir a jogos, às vezes uma viagem pontual para observar jogadores. Um trabalho de responsabilidade e pressão razoáveis, mas nada perto do frenético cotidiano que é dirigir um clube como o Flamengo.

Essas questões de rotina são particularmente importantes para Rueda, que tem sua mãe gravemente doente na Colômbia.

Adoraria que Rueda ficasse, mas, por tudo isso, não será nenhuma surpresa se o treinador rescindir seu contrato com o Flamengo para virar treinador do Chile. Será mais um técnico estrangeiro a fracassar no Brasil nos últimos anos. Uma pena. Se fosse você, como decidiria?

Comentários

O Chile é uma carga muito mais leve para Rueda

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

E se Tifanny, a trans do vôlei, jogasse futebol?

Mauricio Barros
Maurício Barros
Tiffany, jogadora de vôlei de Bauru
Tiffany, jogadora de vôlei de Bauru Divulgação

Jogos de Londres-2012. O verão inglês, tórrido, subsaariano, me fazia usar um moletom na tribuna de imprensa. Eu estava no Estádio Olímpico quando Oscar Pistorius disputou a eliminatória dos 400 metros rasos pela equipe da África do Sul. Havia um transe no ar, todos ali cientes de que éramos testemunhas in loco da História. Pistorius, com suas próteses conhecidas como “cheetas”, imponentes hastes de metal em forma de ponto de interrogação invertido, se tornava o primeiro atleta paraolímpico (para mim é difícil tirar esse “o” do meio) a disputar uma Olimpíada. À época, nem o mais perturbado humanoide imaginaria que, seis meses depois, Pistorius mataria a tiros sua namorada, Reeva Steenkamp, o que para sempre jogará sombras àquele momento sublime do esporte (e da humanidade) que tive o privilégio de presenciar. Atletas são humanos e, como humanos, guardam monstros dentro de si.

Havia enorme encantamento pelo que representava alguém com as duas pernas amputadas, dos joelhos para baixo, conseguir se colocar em igualdade de condições com os melhores atletas do planeta e seus corpos perfeitos.

E havia também questionamentos justamente em relação a essa igualdade: para muitos, as próteses eram capazes de impulsionar Pistorius com uma eficiência que as pernas humanas jamais conseguiriam fazer. Discussão importante, delicada e necessária, porque sensível a várias “contaminações” de análise por preconceito, ignorância e, mesmo, má fé.

É essa última discussão que me vêm à memória quando vi que Tifanny Abreu estreou na Superliga na derrota do Vôlei Bauru para o São Caetano por 3 sets a 2, no último dia 10 de dezembro. Apesar de serem questões completamente diferentes, de proporções absolutamente distintas, há um ponto em comum sobre o qual a gente deve refletir: como Pistorius, Tifanny ficou bandeira em dois mundos outrora separados: ela jogou a Superliga B masculina por Juiz de Fora e Foz do Iguaçu como Rodrigo Abreu. Agora disputa, com o nome que escolheu, a Superliga feminina pelo time do interior de São Paulo.

Robbie Rogers foi o primeiro a assumir homossexualidade na MLS
Robbie Rogers foi o primeiro a assumir homossexualidade na MLS MLS

Tifanny é uma mulher trans. Nasceu e foi registrada como homem, mas se reconhece como mulher. O vôlei foi o caminho que encontrou para se viabilizar financeiramente e realizar seu sonho. Depois de atuar em ligas masculinas da Indonésia, Portugal, Espanha, França e Holanda, foi na Bélgica, em 2012, ainda como Rodrigo, que ela fez a cirurgia de mudança de sexo (ou gênero, ou redesignação genital, os termos mudam conforme avança o debate). Tudo dentro da lei. E ao voltar ao Brasil, não imaginava seguir como atleta. Mas em 2016 uma decisão do COI, o Comitê Olímpico Internacional, permitiu a homens que participem de competições femininas, desde que com os níveis de testosterona controlados. Nem mesmo é necessário ter feito, como Tifanny, a cirurgia. Bastar a concentração do hormônio “masculino” estar abaixo de 10 nanogramas por mililitro de sangue – a de Tifanny estaria com folgas abaixo disso.

O esporte está entre as mais belas invenções humanas, é impossível que não reflita os movimentos comportamentais de seu tempo. Na moda dos cabelos, nas vestimentas, na tecnologia, nas tatuagens. Era questão de tempo que a discussão de gênero ganhasse quadras, águas, campos.

Falando em campos, o futebol é um dos mais conservadores ambientes do mundo esportivo. Na história, são raridades sequer casos como o de Robbie Rogers, que acaba de encerrar a carreira no Los Angeles Galaxy. Ele já havia se aposentado em 2013, logo após declarar ser homossexual. Mas foi convencido a voltar e virou ícone na luta contra a homofobia.

Não sei o quanto vai demorar, mas uma coisa é certa: Tifannys boleiras vão aparecer. Porque já existem. E quanto pintarem, vai se abrir também uma ponte entre as modalidades masculina e feminina? Como o futebol lidará com isso? E você?

Comentários

E se Tifanny, a trans do vôlei, jogasse futebol?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Guerrero não vai à Copa no país do doping

Mauricio Barros
Maurício Barros

Foram 72 nanogramas por mililitro encontradas na urina de Guerrero. A benzoilecgonina é uma substância que compõe a cocaína. Ela apareceu em seu xixi porque o atacante peruano, segundo o próprio, teria tomado chá de anis e chá de coca como tratamento de uma gripe, quando servia à sua seleção nas Eliminatórias. Deslize coletivo: dele, de médicos e de nutricionistas peruanos. Defesa feita, a Fifa entendeu que o atacante não quis mesmo se dopar e aliviou a pena. Passou de dois para um ano de gancho. A tolerância aos testes positivos é baixa, mesmo quando a tese de contaminação, ou seja, sem intenção de obter vantagem esportiva, é aceita. 

O astro peruano viu desmoronar o sonho de todo garoto que joga futebol: disputar uma Copa do Mundo. O Flamengo ficou sem seu centroavante titular quando mais precisava. Os advogados ainda vão recorrer, mas uma mudança na condenação é improvável.

Corta para a sala da minha casa. Acabo de assistir, sob ordens do meu chefe, o jornalista e músico Eduardo Tironi, ao espetacular documentário “Icaro”. A Netflix comprou seus direitos após vê-lo premiado no último “Sundance”, um dos mais importantes festivais de cinema (de verdade) do mundo, criado por Robert Redford.

A história começa de um jeito e termina de outro absolutamente imprevisível. Em 2014, o americano Bryan Fogel, um documentarista e ciclista amador da pesada, em nível quase profissional, decide ser cobaia e filmar a experiência de se dopar. Ele queria tentar vencer uma prova mítica entre os amadores, também na França, a Haute Route, sete dias pedalando nos alpes, onde seu melhor resultado fora um 14º lugar. Fogel sentia que faltava um degrau para se igualar àqueles 13 caras que chegaram à sua frente, coisa que só mais treinamento duro, ele acreditava, não seria capaz de oferecer.

E Fogel não queria uma injeçãozinha qualquer. Seu projeto foi replicar e documentar o caminho de Lance Armstrong, sete vezes campeão da Volta da França, mito do esporte que superou um câncer. Um sujeito que, em 2012, teve sua história desmascarada: Lance construíra sua vitoriosa carreira à base de estimulantes proibidos, programando meticulosamente os dribles para testar negativo nos exames. Virou sinônimo de trapaça.

Fogel reforçava sua convicção de que o sistema de detecção antidoping era falho, pois Lance havia testado negativo em cerca de 500 exames, e só foi descoberto porque seus colegas de equipe o deduraram em uma investigação federal. Fogel desejava provar sua tese. Decidiu então que também queria um “protocolo” de uso de doping que tornasse impossível aos exames apontar um resultado positivo.

Procurou Don Catlin, chefe do Laboratório Olímpico da UCLA, que havia avaliado 50 vezes a urina de Lance Armstrong, todas elas com resultado negativo. “A verdade é que é muito fácil burlar os exames”, declarou Catlin, visivelmente desapontado por não ter detectado tamanha fraude. O cientista se interessou pelo projeto de Fogel e prometeu ajuda-lo pessoalmente, mas declinou. Não sem antes apresentar Fogel a um velho conhecido: Grigory Rodchenkov, químico-chefe do Laboratório de Antidopagem da Rússia. Poucos contatos via Skype e Fogel e Grigory, um ex-atleta fanfarrão de corridas de fundo, simpatizaram um com o outro. Ficaram amigos e confidentes. Grigory orientou todos os passos do americano, emulando o protocolo de Lance.

A história dá uma guinada quando a rede de TV alemã ARD, no final de 2014, leva ao ar um documentário (The Doping Secret: How Russia Makes its Winners, dirigido por Hajo Seppelt) denunciando o esquema de doping de atletas russos patrocinado pelo governo de Vladimir Putin. Um dos personagens centrais é o próprio Grigory Rodchenkov, que se vê acuado e pede ajuda a Fogel. O russo passa a colaborar com a justiça dos EUA e abre para o New York Times, com detalhes, como montou um esquema de trapaça para manipular as amostras dos atletas russos e livrá-los de serem pegos no sistema antidoping, que ele próprio chefiava, durante os Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, na Rússia. O escândalo levou o COI a proibir a participação de vários atletas russos na Olimpíada do Rio de Janeiro. O governo Putin nega até hoje que patrocinasse o esquema.

Para encurtar a história, Rodchenkov deixou a família na Rússia e hoje vive nos Estados Unidos, em local sigiloso, sob o Programa de Proteção a Testemunhas. Teme ser morto. Um dos principais acusados de comandar o esquema é Vitaly Mutko, então ministro dos Esportes da Rússia. Homem de confiança de Putin, ele hoje é, simplesmente, presidente da Federação Russa de Futebol e vice-primeiro ministro do país. Mutko acaba de ser banido pelo COI do Movimento Olímpico, e a Rússia proibida de participar dos próximos Jogos Olímpicos de Inverno, em PyeongChang, na Coreia do Sul. 

Ah, e Mutko é também o presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2018. Essa mesma que Paolo Guerrero não vai poder jogar por conta dos chás que andou tomando para tapear a gripe. Tem coisa pra gente pensar aí ou não?

Comentários

Guerrero não vai à Copa no país do doping

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A Independente planta a semente

Mauricio Barros
Maurício Barros

Torcida Organizada nasceu como Torcida Uniformizada e com um objetivo nobre: tornar mais bonita a festa em um estádio de futebol. Um grupo de amigos que compartilha a paixão pelo clube indo torcer nas arquibancadas com camisas, bandeiras, batuque. Lindo.

Mas a gente sabe que a coisa desvirtuou. Questões sociais, regionais, econômicas, políticas – humanas, enfim – tornaram esses grupos entes complexos, com alas violentas vivendo sob a lógica das  facções, empreendendo brigas e até crimes. Uma imagem negativa que levará tempo para ser mudada, se é que há interesse de seus líderes em muda-la.

Como muitos de nós, jornalistas, estamos sempre atentos e criticamos duramente o lado perverso desses grupos quando ele vem à tona, é justo que reconheçamos quando há coisas boas. E uma organizada que foi notícia muito mais pelas coisas positivas que pelas ruins este ano foi a Independente, maior torcida do São Paulo.

Em que pesem todas as decisões equivocadas de uma direção que claramente não é do ramo, a torcida entendeu que precisava ajudar o clube a evitar o rebaixamento. Sacou que o São Paulo é maior que as pessoas que por ele passam. Usou seu poder de influenciar os demais torcedores para criar no Morumbi e no Pacaembu uma atmosfera de apoio, mesmo quando o time viveu seus piores momentos, na segunda metade do primeiro turno, ficando 13 rodadas seguidas na zona de rebaixamento. Os jogadores corresponderam primeiro com vontade, depois com um futebol melhor. E o time se livrou matematicamente da queda com três rodadas ainda por jogar. Não houve sufoco.

Olhando de fora, a impressão é que se criou algo novo na relação da torcida com o clube. Vale sempre pensar nos momentos de crise, porque na bonança é tudo muito fácil. Pichações, invasões de treino, lançamento de pipoca, perseguição a atletas na noite e vandalismo sempre são o modus operandi preferido das organizadas em épocas de draga.

A Independente apoiou incondicionalmente. Os torcedores “comuns” endossaram a postura. O Tricolor bateu recorde atrás de recorde de público no Brasileiro. Quanto mais sofria em campo, mais os são-paulinos enchiam o estádio. “Não vamos deixar o time cair”. Deu resultado.

Passado o sufoco, a organizada pediu uma reunião com a diretoria e soltou uma nota bastante razoável. Acontece nesta quarta-feira, dia 29/11, com o presidente Leco e o diretor Pinotti, os responsáveis pelo futebol. Tem reivindicações a fazer, quer ser ouvida. Mas não sozinha. Chamou também representantes de outras organizadas do São Paulo e abriu uma seleção via redes sociais para outros torcedores comuns também estarem presentes.

Existe uma pauta definida: a manutenção dos melhores jogadores e o estímulo aos garotos da base; a transparência financeira; o combate ao nepotismo e ao compadrio nos cargos diretivos do clube; um plano de sócio-torcedor mais eficiente; ingressos a preços acessíveis para a temporada 2018.

Todas as empresas e instituições modernas buscam abrir canais de diálogo com seus clientes e a sociedade em geral. Torcedores são parte fundamental do futebol, a razão de ser de um clube. É natural e desejável que exista um diálogo entre o clube e grupos de destaque desses torcedores. Mas a face sinistra que as organizadas assumiram ao longo do tempo tornou inviável essa relação. Quem descumpre as regras e tem a violência como ferramenta não deve nem merece ter direito a voz.

Mas quando uma torcida usa a razão, a coisa muda. Depois de tudo o que fez, é impossível para os dirigentes negarem aos torcedores um pedido de reunião. A torcida legitimou seu direito a voz.

Pode estar nascendo no São Paulo um perfil mais civilizado de torcida organizada, com uma relação mais madura com o clube e os demais torcedores. Mesmo não tendo direito a eleger conselheiros ou presidente, é inegável que essa legitimidade traz a essa organizada uma força política dentro do clube. Para tanto, é fundamental que seus líderes fiquem atentos e controlem seus integrantes, reprimindo a violência, colaborando com as autoridades, detectando as “laranjas podres” e expulsando-as, deixando de lado a lógica de facção e resgatando um pouco da razão de ser de uma torcida organizada. A ver.

Comentários

A Independente planta a semente

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Renato está certo

Mauricio Barros
Maurício Barros, blogueiro do ESPN.com.br
Veja a resposta de Renato Gaúcho sobre o uso de drone espião: 'O mundo é dos espertos'

Esperto foi Nilton Santos, que, na Copa de 1962, no Chile, derrubou o espanhol Enrique Collar e, malandramente, deu dois passos para fora da área, induzindo o árbitro Sergio Bustamante a marcar falta, e não pênalti, quando a Espanha já vencia por 1 x 0. O Brasil viraria o jogo, avançaria às quartas e terminaria bicampeão do mundo. O truque virou símbolo da genialidade da Enciclopédia.

Esperto também foi Rivaldo, na Copa de 2002, que levou uma bolada na coxa do turco Unsal e desmoronou simulando dores no rosto. O juiz coreano, que já havia dado para o Brasil um pênalti mandrake sobre Luizão (foi falta fora da área), embarcou no teatro e expulsou o turco. Ficou mais fácil para os futuros pentacampeões segurar aquele 2 x 1 da estreia.

Esperto foi Maradona, que fez um gol com a mão nas quartas de final da Copa de 1986, contra a Inglaterra, partida que acabaria em 2 x 1 para os hermanos. Esperto foi seu compatriota Miguel Di Lorenzo, massagista da Argentina na Copa de 1990, que, como Diego confessaria anos depois, deu água com sonífero para o lateral Branco, da Seleção Brasileira, que passaria mal em campo na sequência. O Brasil perdeu de 1 x 0, gol de Caniggia, e foi eliminado nas oitavas-de-final. Esperto também foi Thierry Henry, que ajeitou com a mão e cruzou para Gallas fazer o gol de empate contra a Irlanda que classificou a França para a Copa de 2010.

Espião contratado pelo Grêmio para levantar informações sigilosas de adversários é um produto argentino

Esperto foi Luis Suárez, que defendeu, também com a mão, um gol certo de Gana, trocando sua expulsão por um pênalti que Gyan acabaria perdendo. A partida foi para a decisão nos penais e o Uruguai avançou à semifinal.

Há muita gente esperta, e não só no futebol. Lance Armstrong construiu uma carreira vitoriosa no ciclismo à base de estimulantes. Dirigentes, atletas e treinadores russos também montaram há poucos anos um sofisticado esquema de doping para colecionar vitórias no atletismo.

Esperta foi a nadadora francesa Aurelie Muller, que, na Olimpíada do Rio, chegou cabeça-a-cabeça no final da Maratona Aquática e, para ganhar a prata, segurou a italiana Rachele Bruni antes da batida final de mão. Nesses últimos três casos, veja você, acabou dando ruim para Lance, os russos e a francesa. Coisa rara...

Drone espião: compare as respostas do diretor jurídico do Grêmio com as de Renato Gaúcho

Esperto é Ricardo Teixeira, que curte uma aposentadoria nababesca apesar de tanto escândalo de corrupção, exatamente como fez seu ex-sogro João Havelange. Esperto é José Maria Marin, que cumpre sentença em um apartamento de luxo em Nova York. Esperto é Carlos Arthur Nuzman, que está soltinho, aproveitando sua mansão no Rio, apesar de tantas suspeitas de enriquecimento ilícito.

Esperto é o Viana, que vendeu seu apartamento e acertou com o Palhares, o comprador, que fariam constar na escritura um valor menor que o real. Esperto é o Dirceu, que topou sediar formalmente sua empresa em um banheiro no interior, onde o contador tem um esquema bacana. Esperto é o doutor Maluf, que sonegou só na última declaração de IR uns 2 milhõezinhos, dinheiro de pinga. Esperta é a Lúcia, que pagou 3 mil reais ao Renê, o despachante, para sumirem umas multas no Detran que lhe renderiam a cassação da carteira.

“O mundo é dos espertos". Como discordar do Renatão? Aliás, te pergunto: e os otários, quem são?

Comentários

Renato está certo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Que venha o Grupo da Morte!

Mauricio Barros
Maurício Barros

O Peru venceu a Nova Zelândia com bela atuação de Cueva e Farfán, e os queridos vizinhos fizeram uma festa linda em Lima para celebrar o retorno de sua seleção à Copa do Mundo, coisa que não acontecia desde 1982. Assim, temos as 32 nações participantes definidas para o Mundial da Rússia no ano que vem. As atenções se voltam agora para o dia 1º de dezembro, uma sexta-feira. Em Moscou, acontecerá o sorteio dos grupos da Copa. Vai estar frio, avisa de lá o Cacique Cobra Coral.

A história começa a ser definida nesse bingo de bolinhas e papeletas. Torço para que a coisa fique russa para nós. Invoco a mão do Coiso tirando as bolinhas. Quero sangue. Quero o Brasil no Grupo da Morte.

Copa do Mundo é uma das grandes invenções humanas, e nós, brasileiros, somos privilegiados em acompanhar esse evento sempre como protagonistas, com chances de vencer. Apesar de vir do maior vexame da história em 2014, a Seleção Brasileira chega ao Mundial novamente na lista de favoritas, graças à troca de Dunga por Tite e o bom futebol que Casemiro, Neymar, Marcelo, Gabriel Jesus e companhia passaram a jogar. O time se recolocou no topo do continente, mostrando sua diferença em relação aos vizinhos. Mesmo longe de ser perfeito e com várias coisas a aprimorar.

Há uma boa dose de organização, talento e vontade. Isso fez com que o time conquistasse algo que é muito mais importante que qualquer taça: a conexão com os torcedores. Haverá, creio, mais simpatia e envolvimento dos brasileiros nesta Copa do que em Mundiais anteriores. Espero que isso se reflita em ruas pintadas, bandeirinhas estendidas, fitas nas antenas dos carros. Um pouco da cor do futebol nesse país acinzentado pela política, por favor (mas sem esquecer das mazelas – do futebol e da política!)...

Particularmente, não me interessa que o Brasil vença por vencer. Dane-se. Quero ver boas partidas, o máximo de competitividade nos possíveis sete jogos a fazer. Como amante e observador do futebol, não me incomodará a derrota brasileira. Chorei em 1982, fiquei triste até mesmo em 1990, quando a péssima seleção de Lazaroni perdeu para a Argentina de Diego no único jogo bom que fez naquela Copa. Mas eu era um torcedor. O tempo passou, o exercício da profissão e os fios grisalhos me fazem, já há um bom tempo, querer uma seleção defendendo sua identidade histórica, buscando a vitória com um jogo bonito, encantador na entrega, na tática e na técnica. Há talentos para isso, e há um técnico que compreende essa vocação.

Quero então o Brasil no grupo com Espanha, Islândia e Nigéria. Pronto, falei. Quero  Neymar encarando as bandeiras da Espanha e da Catalunha juntas, Gabriel Jesus tendo que furar a defesa de Fullannosson e Cicranosson. E quero Casemiro anulando todas as encarnações do perigoso Kanu. Nada de grupo molezinha, adversários opacos que gerem uma ilusão de potência. Nada de Suíça, Tunísia, Panamá. Que venha a Copa pra valer, desde o primeiro jogo. Mais valem três, quatro, cinco jogos excelentes do que quatro partidas meia-boca, uma mais ou menos, uma quase boa e uma final truncada. Mesmo que vitoriosa. 

Comentários

Que venha o Grupo da Morte!

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Enquanto o filho treina com Tite, George Weah fareja golpe na Libéria

Mauricio Barros
Maurício Barros
George Weah vota na eleição presidencial da Libéria
George Weah vota na eleição presidencial da Libéria Getty

No primeiro treino da Seleção Brasileira na França visando os dois amistosos contra Japão e Inglaterra, cinco jogadores da base do Paris Saint-Germain ajudaram a inteirar o quórum capenga. Entre eles, estava o lateral-esquerdo Timothy, de 17 anos, nascido nos Estados Unidos mas de sangue liberiano, como seu pai George Weah, ex-craque de PSG e Milan e eleito, em 1995, Melhor do Mundo da Fifa e Bola de Ouro da France Football.

Pense na ebulição na cabeça do moleque. Bater bola ao lado de craques como Neymar, Willian, Paulinho, Daniel Alves, fardado com a roupa de treino do Brasil, é honraria para poucos. Imagine então fazer isso enquanto, a milhares de quilômetros dali, seu pai vive a expectativa de, enfim, ser eleito presidente da Libéria, depois de mais de uma década tentando!

No último dia 16 de outubro, Weah (CDC, Congress for Democratic Change) foi anunciado vencedor do primeiro turno da eleição presidencial, obtendo 38,4% dos votos, dez pontos percentuais acima do segundo colocado, o vice-presidente Joseph Boakai (UP, Unity Party). Ambos conquistaram o direito de ir ao segundo turno, que estava marcado para esta terça-feira, dia 7 de Novembro, com Rei George, de 51 anos, como favorito. Seria o primeiro ex-jogador de futebol a virar presidente de um país! Só que entrou areia...

A NEC, Comissão para Eleições Nacionais, suspendeu o pleito, obedecendo ordem da Corte Suprema da Libéria, que acatou um pedido do LP, o Liberty Party, que alegou fraudes no primeiro turno. Charles Brumskine, o candidato do LP, havia ficado em terceiro no primeiro turno, com 9,6% dos votos. A suspensão é por tempo indeterminado, até que a NEC apresente o resultado de suas investigações sobre as denúncias de fraude. Mas se o LP não ficar satisfeito, pode recorrer novamente à Corte, que poderá ela mesma investigar. Ou seja, muita coisa ainda vai acontecer até que seja definido quem será o presidente da Libéria. Enquanto isso, as campanhas de Weah e Boakai estão suspensas. Vale lembrar que observadores internacionais, entre eles o Centro Carter, criado pelo ex-presidente dos EUA Jimmy Carter, declararam não terem visto problemas relevantes que justificassem a suspensão do pleito.

O vencedor irá substituir Ellen Johnson Sirleaf, primeira mulher eleita chefe de Estado no continente africano, no que seria uma inédita sucessão pacífica de um presidente eleito por outro, também eleito, em 70 anos. O espírito da Guerra Civil ainda paira sobre o miserável país do noroeste da África, e os riscos para a frágil democracia liberiana seguem enormes. Há um cheiro estranho no ar, porque o UP, que vai ao segundo turno em uma condição aparentemente desfavorável, apoiou a contestação feita pelo LP.

George Weah, que é senador, está tiririca. Acusa que há uma conspiração contra ele, e disse, em sua conta no Twitter, que “nenhuma tática do medo irá interromper o desejo de mudança expresso pelo povo da Libéria”. O clima é tenso em Monrovia. Uma democracia frágil, a gente sabe bem disso, é o parque de diversões dos golpistas.    

Comentários

Enquanto o filho treina com Tite, George Weah fareja golpe na Libéria

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Carille, Valentim e Elano: o Brasileirão caiu nas mãos dos novatos

Mauricio Barros
Maurício Barros

Não foi nada planejado, mas chegamos à reta final do Campeonato Brasileiro com os três primeiros colocados e postulantes ao título sendo comandados por treinadores novatos. Fábio Carille no líder Corinthians, Alberto Valentim no Palmeiras e Elano no Santos. Este, último, aliás, deve em breve passar a ser chamado também pelo sobrenome, Blumer, porque no futebol o sujeito, quando vira técnico, sei lá por que raios tem que ter dois nomes, como Muricy Ramalho, Dorival Junior, Roger Machado. Será que é pra ficar mais importante, fazer jus à função de “professor”? Ainda bem que não fizemos isso com Adenor Tite nem Alexi Cuca...

 Carille entrou no Corinthians porque o clube fracassou em tentar Dorival e Roger. Valentim assumiu “até o fim do ano” porque Cuca foi um fiasco em seu retorno ao atual campeão brasileiro. E Elano virou interino até que o Santos defina um nome para 2018. Ok, mesmo que atabalhoadas, sem muito planejamento, o que importa é que as chances apareçam. Torço pelos três.

Por outro lado, vemos alguns treinadores medalhões perdendo relevância. Vanderlei Luxemburgo foi demitido do Sport, em mais um trabalho com resultados ruins. Idem para Levir Culpi, embora sua passagem pelo Peixe tenha sido um pouco melhor que a de Luxa no Leão. Oswaldo de Oliveira treina o Galo, mas quase ninguém aposta que seguirá para a temporada 2018. Soa mais como um tampão até o final do Brasileiro. Muricy Ramalho está aposentado por problemas de saúde. Marcelo Oliveira “caiu de produção” nos últimos anos. Felipão já não desperta o mesmo interesse de antes, e tenho dúvidas se um time de ponta do Brasil o acolheria se quisesse voltar da China. Celso Roth, Joel Santana, Leão e Nelsinho Baptista são outros nomes de quem nem se fala. Dos veteraníssimos, resistem sob holofotes Abel Braga e Paulo César Carpegiani.

Alguns caras um pouco mais novos, como Ney Franco, Péricles Chamusca, Andrade, Cristóvão Borges e Ricardo Gomes, perderam mercado. Mas seguem com prestígio Dorival Júnior, Cuca, Renato Gaúcho e Mano Menezes. Vágner Mancini, Eduardo Baptista e Fabiano Soares continuam em busca de maior relevância.

As trocas de gerações não acontecem com data marcada, mas ao longo de alguns anos. A mudança vem pelo desgaste das ideias dos antigos e a necessidade do futebol de buscar sempre algo novo. E isso não tem necessariamente a ver com a idade do treinador, mas com seu desejo de evoluir. Maurizio Sarri, por exemplo, está com 58 anos e montou um Napoli repleto de frescor. O futebol é orgânico, não estanque. Quem é responsável pela estratégia deve estar sempre pensando, refletindo, arriscando. Prender-se a um modelo que foi vencedor no passado é o primeiro passo para desbotar o futuro.

A reta final do Brasileirão, portanto, será instigante também nesse sentido: que soluções apresentarão Carille, Valentim e Elano para seus desafios? E Zé Ricardo e Jair Ventura, como encerrarão a temporada? Pensando no ano que vem, Rogério Ceni voltará a se arriscar? Fernando Diniz vai ter sua chance em um time grande? E Roger Machado, vai subir de patamar? Mais que caras novas, o futebol brasileiro precisa de novas ideias.           

Comentários

Carille, Valentim e Elano: o Brasileirão caiu nas mãos dos novatos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Pois Neymar segue com a minha simpatia

Mauricio Barros
Maurício Barros
Existe uma antipatia em relação a Neymar? Bertozzi compara trajetória com a de CR7 e vê diferenças

Me conta a ESPN em seu site que o jornal Le Parisien publicou nesta quarta-feira um texto onde aponta os vários privilégios de Neymar no PSG. De poder usar mala de viagem do patrocinador pessoal a ter dois fisioterapeutas brasileiros exclusivamente para cuidar de seus músculos. E recomendações para ninguém chegar junto e pegar pesado com ele nos treinos.

Também leio que, um dia antes, o volante Anguissa, do Olympique de Marselha, admitiu que o técnico Rudi García orientou seus jogadores a provocar Neymar no clássico de domingo, que terminou com o placar de 2 x 2 e o brasileiro expulso. Num arroubo de sinceridade, Anguissa declarou ao L’Equipe: "Minha função era ficar 'cutucando' Neymar. O treinador me alertou que ele é um talento enorme, mas pode ficar louco. Essas foram as instruções e nós, definitivamente, pegamos mais pesado com ele do que com o resto dos jogadores.”

Antes de tomar o segundo cartão amarelo e, consequentemente, o vermelho, Neymar havia sido cutucado também pela selvagem torcida do Marselha, que ficou por alguns minutos atirando coisas sobre ele, impedindo-o de cobrar um escanteio. Menos mal que fossem copos de plástico e bolinhas de papel e ele não seja tão sensível como aquele patético candidato careca a presidente de miolo mole... Mas a violência do ato de ser alvejado persiste, independentemente de serem objetos de papel ou de chumbo. Como nos aeroportos brasileiros, há também torcedores selvagens nos estádios franceses, sabia?

E vamos ao lance da expulsão. Neymar havia tomado um amarelo por ter feito uma falta por trás. Não houve violência, mas o cartão pode ser considerado adequado. No segundo amarelo, finalzinho do jogo, ele avança com a bola, entre dois adversários, toma um rapa, levanta-se para continuar o lance e, quando o juiz soa o apito, negando-lhe a vantagem, vem Ocampos e lhe dá um covarde pontapé por trás. Neymar se levanta revoltado, dá uma peitada requenguela no argentino, que despenca teatralmente no chão. Junta o bolinho ao redor dos dois, que logo se acertam, cumprimentando-se. O árbitro chega, dá amarelo para Ocampos e Neymar, mostrando o vermelho ao brasileiro na sequência. Não precisava. O brasileiro dá um sorrisinho, umas três palminhas curtas e sai de campo tranquilamente.

Casão disse que Neymar está conquistando a antipatia mundo afora. E muito se discutiu que essa rejeição seria um pacote de coisas, que inclui as saídas nada pacíficas de Santos e Barcelona, o posto de jogador mais caro da história, os dribles às vezes desnecessários, o status de “dono” do PSG, a treta com Cavani pela função de batedor de pênaltis, a superexposição midiática, o desejo de ser o melhor do mundo, etc.

Essa rejeição é real, e basta você correr nos comentários aqui embaixo para sentir. Toda vez que escrevo sobre Neymar, sinto isso na tela. Muitos brasileiros torcem o nariz para o maior craque nacional. Pois essa antipatia, creio, é mais problema de quem tem, não de quem é alvo.

Neymar não pediu para ser o jogador mais caro da história. O PSG pagou porque quer, com o dinheiro do nada democrático Qatar, comprar o status de clube grande europeu que até hoje não conquistou. Perto de United, Milan, Liverpool, Bayern, Inter, Juventus, Real e Barcelona, o PSG é um nanico. Mas agora montou uma constelação e tem grandes chances de conquistar a Champions League, fincando pela primeira vez sua bandeira no Everest do futebol. E o brasileiro é o principal trunfo para isso. Quem confere status ao PSG é Neymar, não o contrário.

Idem para o Campeonato Francês. Você tem ideia do quanto aquele torneio mediano se valorizou aos olhos do mundo com a chegada de Neymar? Muito, horrores! Uma atratividade que Beckham, Ibrahimovic, Di Maria, Cavani, Pastore e tantos outros jamais conseguiriam juntos. Pois uma liga inteira ganhou corpo após o sim do brasileiro – despertando centenas de negócios mundo afora, de salto no valor dos direitos de TV a venda de camisas, patrocínios, o diabo!

Você se incomoda por Neymar ser um bilionário, andar de jatinho e iate, namorar modeletes, desfilar cabelos e tatuagens, usar roupas da moda, se achar dono do mundo? Ele está no topo do business, é protagonista de um mundo rico em coisas e pobre em essência, qual a novidade nisso? Ou você antipatiza porque ele dribla além da conta, é fominha, não produz nada em campo, atrapalha o time? Qual a sua crítica, pessoal ou profissional? Ou as duas?

Neymar não tem vocação para ser um exemplo de posicionamento político, erudição cultural, elegância nas atitudes, consistência nas declarações, sofisticação dos meios onde circula. Não há sequer uma preocupação de seu staff em construir uma reputação. É um direito dele e deles, embora eu desejasse que fosse diferente. Mas nem todo mundo é Zico ou Raí, paciência. Neymar é um jogador de futebol brilhante, genial, único herdeiro em ação da nobre linhagem de craques brasileiros, de Garrincha, Pelé, Zico, Ronaldo, Ronaldinho, Rivaldo. É um moleque que sorri fácil e que adora jogar futebol, corre do primeiro ao último minuto, no clube e na seleção.

Quer dizer que porque ele é tratado de maneira especial no clube, paparicado aos montes e acende churrasqueira com nota de euro, vou sair aplaudindo carniceiros que lhe descem a botina, treinador que manda bater e selvagens que jogam coisas nele no gramado? Prefiro apreciar sua arte e criticá-lo por coisas pertinentes, seja nos clubes onde jogar, seja na seleção brasileira, que, aliás, não irá a nenhum lugar se ele não estiver feliz e a fim de jogo.

Comentários

Pois Neymar segue com a minha simpatia

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Islândia: o segredo do Bando de Loiros

Mauricio Barros
Maurício Barros

Domingo passado foi Dia do Professor, e eu lembrei de um punhado de mestres que tive nessa vida afora. Dos tranqueiras (houve vários), tratei de esquecer. Ficaram os bons (e poucos) na memória. Entre uma azeitona e outra, comentei com um parça que um aluno pode ter acesso aos laboratórios mais modernos, às tecnologias mais avançadas de aprendizagem, mas se cair nas mãos de um professor ruim, lascou-se. Nada substitui um bom professor – alguém com formação sólida que passe o conhecimento com brilho nos olhos e paixão no coração. Só um bom professor é capaz de mostrar que o saber é uma aventura, não um enfado. Não consigo pensar em profissão com mais responsabilidade – com menos, é fácil: blogueiro de futebol.

A reflexão me levou a uma reportagem que havia lido na ótima revista espanhola Panenka. Durante a Eurocopa de 2016, a publicação mandou um repórter à Islândia para entender as razões do sucesso em terras francesas daquele bando de loiros com nomes impronunciáveis – chegou às quartas-de-final, eliminando a Inglaterra nas oitavas. Um ano depois, os islandeses avançariam ainda mais, conquistando a vaga direta para a Copa da Rússia, ficando em primeiro em um grupo das Eliminatórias que contou com Croácia, Turquia e Ucrânia, países de muito mais tradição no futebol. E a principal razão apontada pela Panenka era, veja você, bons treinadores. Ou seja, professores de futebol.

A revolução no futebol da ilha de 335.000 habitantes (pouco mais que o Jardim Ângela, bairro da zona sul de São Paulo) começou em 2002, com a chegada ao comando das categorias de base da Federação Islandesa de Futebol do ex-jogador Siggi Eyjólfsson. Além da construção pelo governo de diversos campos de futebol cobertos país adentro, permitindo jogos e treinos o ano inteiro mesmo com 40 graus negativos e tudo branco lá fora, houve um estímulo para que os candidatos a treinador se formassem adequadamente, tirando as licenças da UEFA. “A principal mudança é que, hoje, cada criança e adolescente na Islândia que joga futebol tem um treinador bem preparado à disposição, não um pai ou um voluntário. E não importa se é menino ou menina, se joga melhor ou pior. Todos recebem a mesma atenção. Todos podem jogar futebol na Islândia”, disse à Panenka Arnar Bill Gunnarsson, que hoje substitui Eyjólfsson na Federação Islandesa.

A Federação conseguiu junto à UEFA permissão para importar cursos de licenças A e B, facilitando aos locais que conciliassem os estudos às suas atividades normais. Eyjólfsson diz que quantidade de treinadores também era importante, pois o objetivo era ter bons professores de futebol também para crianças entre 6 e 12 anos, idades, segundo ele, “cruciais para a aprendizagem”. Hoje, dizia a reportagem, a Islândia promove cursos nível A da UEFA na mesma quantidade que a Noruega, país de 5,3 milhões de habitantes.

Quanto à licença de treinador no nível mais alto, o Pro, a Islândia organiza cursos em parceria com a Federação Inglesa. Aliás, em que pese a diferença de tamanho e população dos países, surpreende a constatação de que, na Islândia, um em cada 500 habitantes possui formação de treinador homologada pela UEFA. Na Inglaterra, que inventou o futebol, essa proporção é um em cada 10.000 habitantes. “Fiquei surpreso quando visitei o Manchester United. Havia treinadores na base que sequer tinham a licença nível B”, disse Eyjólfsson à Panenka. E aí eu penso no Brasil, onde basta ter sido jogador (há exceções, claro) para, chuteiras penduradas, arrumar uma boquinha de auxiliar-técnico na base do clube onde se jogou porque, afinal, "se aprende na prática"...

Sigurdsson, Halldorsson, Skulasson, Gunnarsson, Gudmundsson… Hoje herois nacionais, os jogadores que classificaram a Islândia para sua primeira Copa do Mundo são fruto dessa revolução que privilegiou, em essência, a educação e sua peça-chave: o professor. Isso é o beabá não só do futebol, mas da sociedade, do país, do planeta. Precisa desenhar?

Comentários

Islândia: o segredo do Bando de Loiros

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

E você, voltou a gostar de Seleção Brasileira?

Mauricio Barros
Maurício Barros
Criança durante o jogo entre Brasil e Chile
Criança durante o jogo entre Brasil e Chile Getty

Foi um ótimo teste o jogo contra o Chile no Allianz Parque. E a Seleção Brasileira passou com sobras. Era a última oportunidade antes da Copa da Rússia para fazer uma partida à vera, mesmo com o país já classificado. Porque os chilenos jogavam a vida e têm um bom time, embora sem a mesma pegada dos tempos de Jorge Sampaoli, quando ganharam duas vezes a Copa América. Ataque rápido, defesa muitas vezes ríspida, jogadores manhosos, experientes e provocadores. Pena não estar em campo Arturo Vidal, que daria a pegada que faltou ao meio chileno.

Mas o Brasil jogou de forma segura e tranquila. Mesmo o risco-cartão foi controlado. Neymar e Coutinho levaram o amarelo, mas seguraram os nervos e se garantiram para a estreia. Foi uma vitória categórica por 3 x 0, fechando o torneio qualificatório de maneira exemplar, histórica.

Há basicamente dois desafios para a Seleção Brasileira nesses nove meses que restam até a estreia no Mundial da Rússia. Um deles é técnico e envolve os amistosos. A diferença na tabela de classificação das Eliminatórias mostra que o Brasil restabeleceu seu lugar de hegemonia entre os vizinhos sul-americanos. E isso em uma época em que os vizinhos não são mais pangarés. É hora então de medir forças com as potências europeias.

Tite agradece torcida do Palmeiras no Allianz: 'Passaram um carinho muito grande para nós'

Espanha, Inglaterra e Alemanha estão no radar. Será importante, mas sempre é preciso considerar que, em amistosos, o nível competitivo não é pleno, o risco de contusão pesa para aliviar divididas. Faz parte também da questão técnica não só treinar alternativas ao time titular como definir o restante do grupo de convocados. Duvido que Tite tenha 50 nomes de onde escolher, como se comentou. Esse número é menor. E as dúvidas são poucas. Uma vaga no gol, outra na lateral, uma na zaga, uma ou duas no meio, uma ou duas no ataque. De resto, salvo contusão, a turma está definida.

O outro desafio é manter o bom clima dentro e fora do vestiário. Fazia tempo que uma seleção não conquistava a simpatia do torcedor brasileiro nem tinha boa relação com a imprensa. Isso por conta de uma soma de anos que, em essência, subtraiu: os escândalos envolvendo cartolas (isso continua uma lama), o futebol pobre e figuras antipáticas em campo e no banco (e aí falo desde Parreira, Ronaldo, Ronaldinho e Roberto Carlos em 2006 até Dunga, Felipe Melo, Felipão 7 a 1 e Dunga de novo...).

Daniel Alves vê 'lição para vida' nas eliminatórias e desabafa após momento ruim: 'Não gostamos de passar vergonha'

Tite desperta admiração de norte a sul. E o grupo de jogadores demonstra saber que estar na seleção é um privilégio para pouquíssimos. Mesmo nos mais consagrados, como Daniel Alves e Marcelo, é impossível avistar uma nesga do desdém visto, por exemplo, na turma de 2006. E até Neymar, o mais badalado jogador brasileiro desde Pelé, midiático a ponto de gerar antipatia em muita gente, é um sujeito que quer estar em campo sempre e corre até o último minuto. Não consigo imaginar, ainda mais sob o comando de Tite, esses caras botando o pé no freio por soberba.

A menos de um ano da Copa, a Seleção Brasileira se recoloca como candidata a ir longe não apenas pela “força da camisa” – essa é a Argentina, essa é a Itália. Há futebol consistente. Está em condições de competir por uma final. Mas não é melhor que França, Alemanha e tampouco Espanha. E não será surpresa se, porventura, vier a ser derrotada por Bélgica e Portugal, por exemplo. Talvez o principal legado do 7 x 1 tenha sido acabar de vez com essa história de que somos melhores que todos por natureza e só perderemos para nós mesmos. O salto alto está enterrado sete palmos abaixo do gramado do Mineirão e lá deveria ficar para sempre.

Já a principal contribuição do trabalho de Tite talvez seja dar ao Brasil uma seleção por quem valha a pena torcer, pintar a cara, botar fitinha na antena do carro e colorir de novo as ruas. Ou seja, curtir a Copa do Mundo. Ganhar é outra história. 

Comentários

E você, voltou a gostar de Seleção Brasileira?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Brasileirão tá ruim mas tá bão!

Mauricio Barros
Maurício Barros

“Pobre de um campeonato cuja principal atração é a luta contra o rebaixamento”. Muita gente está dizendo isso. Colegas queridos da TV, amigos da pelada, companheiros e companheiras de boteco que sabem muito mais que eu sobre os mistérios da bola e da vida. Mas não acho que isso seja necessariamente uma desgraça futebolística.


Em primeiro lugar, é preciso considerar o balanço entre o prêmio no topo e o castigo na rabeira. Vamos à parte de cima. O título é para um só, apenas um clube é campeão. E se vice no Brasil nunca foi grande coisa, com o aumento do número de vagas na Libertadores o direito a disputar o principal torneio continental, segundo prêmio mais cobiçado, perdeu em desafio. O faisão virou carne de vaca. As vagas podem beneficiar até o 9º colocado do torneio ­– hoje seria o Galo, que está quatro pontos acima da zona do rebaixamento. Ir direto ou não para a fase de grupos ainda não é picanha nobre. Já o castigo fuzila quatro clubes. Não faz diferença ter sido 17º ou último. Todos levam a mesma condenação. Não é de se estranhar, portanto, que a esta altura haja mais times brigando intensamente para não cair do que para ser campeão.

Golaços de Reinaldo e Walter, milagres de goleiros e mais; veja o Top10 da rodada

Sim, a luta pelo título este ano está insossa pela sobrenatural campanha do Corinthians no primeiro turno. Não fosse o Timão, no mínimo Santos, Grêmio, Palmeiras e Cruzeiro estariam com fé na disputa pelo caneco. Acontece em todos os campeonatos por pontos corridos. Há anos de disputa maior, outros de barbadas.


“Não é só a falta de disputa pelo título. É o nível técnico que está baixo”. Muita verdade. Não há um time cujo futebol encha os olhos. O Corinthians do primeiro turno foi de uma eficiência enorme, mas segue sendo um time com limites técnicos claros, embora Carille tenha conseguido elevar o desempenho a uma altura improvável nas análises de início de temporada. A aposta da vez é o Cruzeiro, que tem elenco forte e vai jogar o resto da temporada solto, com a tranquilidade de quem já ganhou o ano com a Copa do Brasil.

Pixotada de Martín Silva, queda de Neílton, gol perdido e mais; veja as bizarrices da rodada

O barato de um campeonato por pontos corridos é o caminho. A emoção é diluída entre as 38 rodadas. A emoção do Brasileiro já está acontecendo. Sim, do Atlético-PR pra baixo, todo mundo nesta pausa de Data Fifa está mais preocupado em não cair. Treze clubes. E a luta por migalhas tem lá sim sua graça. Muita.

É claro que a qualidade anda rasteira em nossos campos. Seria diferente se o Fluminense pudesse segurar Richarlison, o São Paulo Luiz Araújo, o Palmeiras Gabriel Jesus, o Vasco Douglas, o Santos Thiago Maia, o Grêmio Pedro Rocha, blá blá blá. Mas aí é outra questão. A realidade que temos é outra. Estou me contentando com pouco? Sei lá, talvez seja porque goste muito desse troço...

Comentários

Brasileirão tá ruim mas tá bão!

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

As mudanças recentes na maneira de jogar dos cinco principais campeonatos da Europa

Mauricio Barros
Maurício Barros, blogueiro do ESPN.com.br
[]

A manipulação e análise dos dados do futebol na Europa vem levantando algumas questões no grupo que compõe o FutLAB (Maurício Barros, blogueiro e comentarista dos canais ESPN, e os economistas Celso Toledo, Fábio Moraes e Marco Laes, especialistas em estatísticas). Uma delas é detectar as principais mudanças no jeito de se jogar futebol no Velho Continente ao longo dos últimos anos.

Para aqueles que acompanham a história do nosso esporte favorito, a evolução não é nenhuma novidade: avanços no preparo físico e em esquemas táticos fazem com que, ao compararmos um jogo da década de 1970 com uma partida da atualidade, tenhamos a sensação de estar assistindo hoje quase que a um outro esporte, muito mais veloz, talvez menos “artístico”, certamente com maior ênfase na defesa.

Infelizmente, a coleta sistemática de estatísticas é um fenômeno recente, e não conseguimos retroagir para décadas anteriores. A nossa ideia foi, então, analisar numericamente a evolução ocorrida entre 2010 e os dias atuais. Felizmente, porém, no período em que temos os bancos de dados completos, observamos o auge de uma das maiores revoluções táticas do futebol, que vamos chamar aqui de o “estilo Barcelona” de se jogar – ou, alternativamente, “futebol total”.

Obviamente, o conceito do “futebol total” não é novo: ao longo da história teve aparições, porém quase sempre efêmeras, como na Hungria de 1954, e no Ajax e na Seleção Holandesa do início da década de 1970. No Barcelona, este conceito surgiu na década de 1990, com a chegada de Cruyff (trazendo, obviamente, suas experiências como jogador do Ajax e da Holanda), espalhou-se pela sua academia, La Masia, e alcançou seu auge com o assombroso sucesso no período em que Pep Guardiola assumiu a posição de treinador.

Será que o sucesso do Barcelona imprimiu uma marca no futebol, e espalhou seus conceitos de posse de bola, passes curtos, e paciência ao manter a bola circulando até surgir a opção de passe vertical, para o resto do continente europeu? Bem, como sempre acontece nas análises da FutLAB, vamos aos números. A análise é dividida em dois pontos básicos: a evolução dos passes, e das finalizações, analisando as cinco grandes ligas da Europa: Itália, Espanha, Alemanha, Inglaterra e França. Os dados são da Opta, parceira da ESPN.

  • Passes

Quando se trata de posse de bola, (de uma maneira bastante simplificada) podemos observar nos técnicos duas visões antagônicas: aqueles que acreditam num futebol proativo, baseado na posse de bola (pensem em Guardiola), e aqueles que acreditam que o jogo é vencido por quem comete menos erros, e que a melhor maneira de atacar é se aproveitar de um erro do adversário e sair no contra-ataque (pensem em José Mourinho). Será que o sucesso do Barcelona inspirou os demais times da Europa a dar maior importância à posse de bola? Será que os ex-jogadores do Barcelona que se tornaram técnicos de grandes clubes, como Guardiola, Lopetegui, Blanc e Luis Enrique, exportaram a filosofia azul-grená?

Primeiramente, vamos olhar a evolução do número de passes por jogos nas cinco grandes ligas, ao longo das últimas sete temporadas:

[]

Estes números, por si só, são notáveis. Enquanto, na média dos cinco campeonatos, eram dados na temporada 2010/11 917 passes por jogo, este valor subiu para 979 passes por jogo em 2016/17, um aumento de 6,8% em apenas 7 anos, uma importante transformação no jeito de jogar em um período tão curto. As maiores mudanças foram observadas nos campeonatos Alemão e Francês, com um aumento de quase 10% no número de passes por jogo (e, curiosamente, a menor mudança ocorreu na Espanha, berço da “revolução”).

Como os times conseguiram aumentar tanto a quantidade de passes dados por jogo? Basicamente, os passes se tornaram mais curtos:

[]

E passes mais curtos geram uma maior precisão:

[]

Estes passes não são apenas mais curtos: hoje são dados mais passes para trás (uma das marcas registradas do Barcelona), e são feitos menos cruzamentos, em especial cruzamentos longos (definidos por nós como aqueles em que a bola viaja mais de 35 metros no ar – o chuveirinho clássico).

[]
[]

Em resumo, os times passaram a valorizar muito mais a posse da bola, procurando reduzir o número de erros ao reduzir a distância dos passes, não ter vergonha ao passar para trás, e chuveirar cada vez menos (não reportamos aqui, mas o número de lançamentos também vem caindo ano a ano). A escola do Barcelona parece, assim, ter se espalhado pela Europa: todos querem ter a bola no pé cada vez mais, e vêm adaptando o estilo de jogo para tanto.

  • Finalizações

Esta mudança na maneira de ter a posse de bola, e avançar no campo, obviamente gerou mudanças na maneira de se finalizar. Um número interessante, que não esperávamos, é que o número de finalizações por jogo vem diminuindo – ou seja, os times chutam cada vez menos:

[]

Os times estão chutando menos, porém de uma maneira cada vez mais certeira; abaixo, temos que em todas as ligas os chutes estão acertando cada vez mais o gol:

[]

Como os times vêm ganhando eficiência em suas finalizações? Ao se aproximar cada vez mais do gol: enquanto a distância média das finalizações na temporada 2010/11 era de 20,4 metros, na última temporada este valor caiu em quase 8%, para 18,8 metros.

[]

Os times estão, desta maneira, finalizando menos, porém de muito mais perto, levando a um aumento na precisão. E como nascem estas finalizações? Este aumento no número de passes levou a um maior número de finalizações geradas por uma assistência de um companheiro, diminuindo, assim, o número de finalizações fruto de jogadas individuais:

[]

Com exceção da Espanha (que já contava com um alto número de finalizações assistidas), todos os demais campeonatos viram um aumento no número de finalizações criadas de uma maneira mais coletiva. Com exceção da Alemanha, estas finalizações são cada vez mais fruto de jogadas trabalhadas, e menos de contra-ataques:

[]

Esta mudança (radical para um período tão curto) em como os times finalizam mudou a quantidade de gols marcados? Em média sim, e para cima:

[]

Podemos observar que Alemanha e Inglaterra, que já apresentavam um elevado número de gols por jogo, mantiveram-se razoavelmente constantes ao longo do tempo (até com uma leve queda na Alemanha). Já os outros três campeonatos apresentaram uma explosão na quantidade de gols marcados, e no continente como um todo o valor passou de 2,66 gols por jogo para 2,83.

  • A última revolução tática?

Ao observarmos os números, é inegável que o futebol europeu vem passando por uma profunda transformação em sua maneira de jogar ao longo da última década, e há a marca do Barcelona nesta mudança: os times cada vez mais estão valorizando a eficiência, procurando aumentar a posse de bola com passes curtos, muitas vezes para trás, a fim de manter consigo a bola, e finalizando menos porém melhor, com finalizações cada vez mais perto do gol, fruto cada vez mais de jogadas trabalhadas. O novo lema do futebol parece ser “vamos manter a bola conosco, envolvendo cada vez mais o time todo, finalizando menos porém melhor”.

Seria este, então, o futebol total, o estilo Barcelona de jogar, o último estágio das táticas do futebol? Não. Seja na natureza, seja nas relações humanas, a evolução é inexorável, e existe sempre a pressão constante para superar o que é considerado melhor em um determinado momento. O futebol já viu diversos esquemas táticos serem tidos como ideais – a “pirâmide” 2-3-5, o W-M, o 4-2-4, o 4-3-3, o 4-4-2, o 3-5-2, e agora o futebol total, “sem-posição”, está em voga. Um novo esquema surge para derrotar uma tática já estabelecida, e apostamos com vocês que, daqui a alguns anos, surgirá uma resposta ao estilo Barcelona de jogar. Se é que já não surgiu, não é, Real Madrid de Zidane?

Comentários

As mudanças recentes na maneira de jogar dos cinco principais campeonatos da Europa

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Qual o melhor campeonato nacional do mundo? Vejamos o que dizem os números

Mauricio Barros
Maurício Barros, blogueiro do ESPN.com.br
Os números respondem: qual é o melhor campeonato nacional do mundo?
Os números respondem: qual é o melhor campeonato nacional do mundo? ESPN.com

O FutLAB, grupo formado pelo jornalista Maurício Barros, blogueiro e comentarista dos canais ESPN, e os economistas Celso Toledo, Fábio Moraes e Marco Laes, especialistas em Estatísticas, retorna à ativa para abordar uma questão importante nos bares da vida: qual é hoje a melhor liga nacional de futebol do planeta? Definir o que é o melhor campeonato não é uma tarefa fácil: alguém pode dizer que é aquele em que se faz mais gols, ou aquele mais equilibrado e com mais times com chances de título, ou o que possui um maior número de estrelas. O que faremos aqui é tentar cobrir um grande número de quesitos, colocando ao final nossa opinião. Cabe a você, caro leitor, concordar (ou não!) se os números traduzem o que você assiste.

Utilizamos para esta matéria os dados da Opta/ESPN para os campeonatos da primeira divisão da Alemanha, França, Espanha, Inglaterra e Itália. Vamos lá!

 

  • 1º critério: campeonato mais estrelado

Um critério (bastante) justo é dizer que o melhor campeonato é aquele em que estão os melhores jogadores. Precisamos, então, definir um critério para o que são “os melhores jogadores”.

A solução que adotamos aqui é olhar o número de jogadores de um campeonato que participaram da última Copa do Mundo. Entendemos que, com isso, claro, podemos deixar de fora grandes jogadores que não foram para a última Copa por conta de sua seleção não ter se classificado, ou por estarem machucados, ou por não terem sido convocados por serem muito jovens à época, por exemplo. Mas entendemos que esta pode ser uma boa maneira de se medir a quantidade de estrelas de uma liga. Vamos aos números para a temporada 2016/17:

Temos aqui, claramente, que a Premier League é a liga dominante. Surpreendentemente, o Campeonato Espanhol conta com apenas 56 jogadores que atuaram na Copa de 2014, atrás de Itália e Alemanha, e à frente apenas da França, a Liga menos “estrelada” das cinco (pelo menos até a chegada de Neymar...).

 

  • 2º critério: times mais equilibrados

Muitos consideram Real Madrid e Barcelona como os dois melhores times do mundo – mas ter dois times muito fortes, cercado de times pequenos, faz disso um bom campeonato? Em nossa opinião, não; queremos ver não apenas bons jogadores, mas também jogos equilibrados entre bons times.

Para avaliar isso utilizamos uma medida de concentração: temos, na tabela abaixo, a porcentagem de jogadores que disputaram a última Copa e que estão no time mais “estrelado” de uma liga, e a porcentagem daqueles que estão nos três times mais “estrelados”. Com isso, podemos medir se estes craques estão em apenas um, ou em poucos times, ou se espalham por diversos times.

Temos aqui que o Campeonato Francês é aquele que concentra mais craques em um único time (no caso, o PSG, que contou com 10 dos 36 jogadores do Francês que jogaram a Copa de 2014), enquanto o Campeonato Espanhol é aquele que mais concentra estrelas em poucos times (no caso, Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madrid tinham em seus elencos 33 dos 56 jogadores da última Liga e que atuaram na Copa de 2014).

Podemos ver que o Campeonato Inglês, além de contar com mais estrelas, é aquele em que elas melhor se dividem entre os times. Sob este critério, que tem a ver com equilíbrio, mais um ponto para a Premier League.

 

  • 3º critério: futebol é bola na rede!

Podemos pensar também que o melhor campeonato seja aquele em que se faz mais gols. Dado que esse é o objetivo máximo do futebol, nada mais justo! Na tabela abaixo temos a média de gols por jogo para as cinco ligas, ao longo dos três últimos campeonatos:

Sob este critério, temos que na Alemanha o maior momento do futebol acontece mais frequentemente, enquanto na França os gols são mais minguados. Ponto aqui para a Bundesliga (curiosamente, o número de finalizações no Campeonato Italiano é o maior, mas aparentemente os italianos não estão com o pé tão calibrado quanto os alemães).

 

  • 4º critério: o jogo jogado

Para muitos (e, particularmente, também, para a equipe do FutLAB), o melhor futebol é aquele solto, com poucas faltas, muitos passes, e poucos chuveirinhos (cruzamentos da intermediária). Abaixo, temos a quantidade de passes por jogo (os dados são sempre a média dos três últimos campeonatos):

Temos mais passes por jogo no Campeonato Italiano, seguido de perto por Alemanha e Inglaterra. Surpreendentemente, o Campeonato Espanhol é aquele em que se toca menos a bola (aparentemente, o tiki-taka do Barcelona não fez escola entre seus pares).

Entendemos que um ponto que não gerará discórdia é que ninguém gosta de ver faltas (quer dizer, alguns técnicos, cujos nomes não serão aqui mencionados, talvez gostem sim de faltas...). Abaixo temos a quantidade de faltas por jogo para as cinco ligas:

Aqui, a Premier League é disparada a liga com menos faltas. O maior número de faltas ocorre no Campeonato Italiano.

Por fim, o famigerado chuveirinho. Jogar a bola dentro da grande área pode ser uma maneira efetiva de se atacar (não é, mas este será o tópico de uma futura análise nossa – aguardem!), mas é muito feio para os olhos dos telespectadores. Abaixo temos a quantidade de cruzamentos longos por jogo (definimos aqui um cruzamento longo como aquele em que a bola viaja mais que 30 metros):

Temos aqui que, na Alemanha, o cruzamento saiu de moda (os cruzamentos longos caíram pela metade entre as temporadas 2010/11 e 2016/17), sendo os valores razoavelmente parecidos nos demais campeonatos.

Apesar de não termos um vencedor claro pelos três critérios aqui utilizados, há uma sugestão nos números de que na Alemanha o jogo, em geral, seja mais “bonito” (mais toques, menos faltas, menos chuveirinhos), seguido de perto por Inglaterra, e um pouco mais atrás por Itália, França e Espanha.

 

  • 5º critério: mano a mano

Uma maneira direta de responder qual o melhor campeonato é analisar os confrontos entre os times de cada país. Para tanto, olhamos os embates diretos ocorridos na Liga dos Campeões desde 2010 (ano que em os dados começaram a ser compilados); temos cinco tabelas, cada uma mostrando a quantidade de jogos do time daquele país contra os demais, e o número de vitórias, empates e derrotas:

Os resultados aqui são... um pouco confusos. Os times alemães e espanhóis têm um pequeno saldo positivo (mais vitórias que derrotas) nos confrontos diretos com times das outras ligas analisadas, os times ingleses e italianos têm exatamente o mesmo número de vitórias e derrotas, e os times da França apresentam mais derrotas.

Olhando o confronto direto entre times alemães e espanhóis, os primeiros levam vantagens, então podemos dizer que, sob este critério, os times da Alemanha são os melhores. Vale notar que aqui examinamos apenas os times de ponta (que vão para a Liga dos Campeões).

 

  • Então, qual o melhor campeonato do mundo?

Bem, apresentamos aqui alguns critérios numéricos para nos ajudar a definir qual a melhor liga do mundo. Em matéria de bons jogadores e paridade entre clubes, a Premier League é imbatível. Em relação ao estilo de jogo, a Bundesliga e a Premier League são aqueles que mais (nos) agradam. Por fim, no mano a mano, os times da Alemanha têm uma pequena vantagem. A análise sugere, pois, que essas sejam as duas melhores ligas do mundo. Mas, dada a diferença no número de craques, a vitoriosa em nosso comparativo é a Premier League. Mas por uma diferença menor do que poderíamos imaginar. E você, o que acha?

Comentários

Qual o melhor campeonato nacional do mundo? Vejamos o que dizem os números

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Ao reter Coutinho, o Liverpool deu uma bela lição

Mauricio Barros
Maurício Barros
Philippe Coutinho em ação pelo Liverpool
Philippe Coutinho em ação pelo Liverpool Boris Streubel/Getty Images

Phillippe Coutinho ficou no Liverpool, apesar da proposta monstruosa do Barcelona para contratá-lo. Na Inglaterra, não há multa rescisória. Para interromper um contrato, as partes devem negociar e se entender. A propósito, se fosse assim na Espanha, o Barcelona não teria vendido Neymar nem se o PSG oferecesse a Torre Eiffel e todas as vinícolas de Bordeaux como pagamento. Mas como havia uma multa rescisória, 222 milhões de euros, os franceses depositaram a grana e levaram para Paris o craque brasileiro. Um valor que parece absurdo para o futebol, mas é dinheiro de pinga na lógica geopolítica em que o PSG está inserido depois que foi comprado pelos donos do Qatar.

Louco para jogar no Barça, Coutinho fez um pedido formal para a diretoria do clube negociá-lo. Mas o Liverpool não quis vender. Simplesmente porque é um clube de futebol, quer voltar a conquistar títulos (já são 27 anos sem vencer o Inglês e doze desde a última Liga dos Campeões) e não está precisando dessa grana no momento. O clube e seu treinador Jürgen Klopp acreditam que, se perdessem seu principal jogador, seria mais difícil atingir seus objetivos. Competir para vencer, e não fazer bons negócios, é a razão de ser do clube. Por isso, recusou 90 milhões de libras por quem pagou apenas 8,5 milhões quatro anos atrás. Seria um lucro extraordinário. Mas isso é um clube de futebol, não um banco! Básico ou precisa desenhar?

O futebol é paternalista e olha sempre com mais ternura o jogador do que o clube. “Coutinho quer ser feliz”. Ok, nós e toda a torcida do Liverpool também queremos. Frente ao silêncio do amigo, foi Neymar quem externou como andaria seu estado emocional. “Ao invés de ser um momento de felicidade para ele e para a família, está sendo um momento de angústia, decepção e tristeza”. Pobres Coutinhos... Sentimentos, aliás, que irradiaram para uma dor nas costas.

Phillippe tem contrato e recebe absurdamente bem por isso. Está em um clube enorme da Europa, que não deve nada em história e tradição ao Barcelona e a nenhum outro do planeta. Claro que é absolutamente legítimo querer mudar de ares e solicitar que isso aconteça. Mas é legítimo também da outra parte exigir o cumprimento do contrato.

Nas últimas semanas, Coutinho chamuscou sua relação com o Liverpool e seus  torcedores. Nada que gols e boas atuações não recuperem rapidamente. Honrando o clube como tem honrado, quem sabe seu sonho não possa se realizar para a próxima temporada.

Vamos então dar mais uns dias para essa mescla de angústia, decepção e tristeza passar. Porque já tem clássico contra o Manchester City no próximo sábado, quando o time precisará dele com foco, talento e profissionalismo. E sem corpo mole.

Comentários

Ao reter Coutinho, o Liverpool deu uma bela lição

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O que você busca em um estádio de futebol?

Mauricio Barros
Maurício Barros

O Sporting Kansas City, que joga na MLS, a Major League Soccer, principal liga de futebol dos Estados Unidos, tem um estádio, o Sporting Park, inaugurado em 2011, que está entre as melhores arenas de entretenimento do mundo. La atrás, uma das primeiras medidas dos executivos do clube foi fechar parceria com a Cisco, empresa de tecnologia, para oferecer um serviço de Wi-Fi gratuito e ultraveloz. Porque um torcedor que não vá ao estádio com smartphone em punho, para o clube, interessa menos. Em todo canto, há uma estação de tomadas para recarregar as baterias.

Aliás, o conceito de torcedor lá é outro. Eles dizem abertamente que “o fã do Sporting KC se recusa a ser um mero espectador”. O clube faz de tudo para estimular o torcedor a acionar o aplicativo assim que entrar no estádio, tendo acesso não apenas às informações sobre o jogo e o campeonato, mas abrindo o leque de interações via smartphone: de ver replays de lances importantes em câmeras exclusivas a tirar fotos com fundos alusivos ao confronto do dia; de fazer o pedido na lanchonete a disparar posts para serem vistos no telão; de concorrer a upgrades de assentos a buscar uma vaga entre as crianças que entram em campo de mãos dadas com os jogadores.

Do lado de fora, há campos de futebol infláveis para distrair a molecada, bem como estandes que desafiam a habilidade com a bola nos pés. Dentro do estádio, existem telões em todo canto, até no banheiro, para não se perder nada. Via app, o sujeito se habilita a participar de gincanas como uma corrida de 50 metros até a bola para chutá-la dentro do gol, mas tudo com um hot dog na boca.

Há muito mais por vir. Quem sabe a possibilidade de apostar no placar, no autor do primeiro gol, no número de escanteios do jogo, no que mais aparecer. Comprar um assento no ônibus que leva o time do hotel para o estádio no próximo jogo. Participar da reza no vestiário. Ajudar o craque do time a calçar as chuteiras. Sei lá...

Oferecer entretenimento ao torcedor está ligado à busca por maior “engajamento”. Permitir que ele se relacione com o clube de diversas formas visa,  obviamente, fazê-lo também gastar mais em sua “jornada esportiva”. Não há, em princípio, problema nenhum nisso, e os americanos são mestres em criar necessidades.

Conversando dia desses com João Paulo Albuquerque, executivo da Cisco, ele me dizia que o Allianz Parque, do Palmeiras, dá seus primeiros passos nessa direção, com uma oferta de Wi-Fi gratuito. Por enquanto, há possibilidade de você emplacar uma foto no telão, mas não mais que isso.

Os clubes precisam buscar novas receitas. E oferecer ao torcedor maneiras criativas e inovadoras de alimentar essa enorme paixão da humanidade é, certamente, um caminho necessário. O problema é que tudo (ou quase tudo) envolve grana, cada vez mais. E nós, brasileiros, vivemos em um país extremamente desigual. Quantos de nós, pais ou mães, podem gastar 250 reais para levar o filho a um estádio? O preço dos ingressos já realiza um filtro socioeconômico enorme nos estádios, alijando do espetáculo os mais pobres, o que não parece nem justo nem positivo para o futebol, que só é o que é porque se popularizou como nenhum outro no planeta. A elitização já é real, mas não deve ser total. Vale lembrar que os clubes gozam de incentivos fiscais porque têm, no seu nascedouro, uma finalidade educativa através do esporte.

É obrigatório, portanto, que se reserve um número significativo de cadeiras a preços populares. Que se ofereça pacotes facilitando o acesso do torcedor que tem menos recursos. Que se pense em novas formas de engajamento que não arranquem necessariamente mais dinheiro do pobre bolso do torcedor. Há partidas que são claramente menos atrativas, por que não baratear os ingressos pontualmente? É sempre devastador para um clube de futebol (e seus cofres) ter arquibancadas vazias. Pior ainda é ver uma parcela significativa de seus torcedores concluir que aquela paixão não é mais para ela.  

Comentários

O que você busca em um estádio de futebol?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Palmeiras: não é hora de mudar nada

Mauricio Barros
Maurício Barros, blogueiro do ESPN.com.br

É nas crises que a gente conhece os bons dirigentes esportivos. Há poucos. No topo, tudo é lindo e fácil. Mas superar perrengues, mantendo-se fiel a princípios, é para os fortes. Escolher soluções populistas, navegando ao sabor da grita, algo típico dos fracos. Os caminhos que o Palmeiras tomará nos próximos dias mostrarão de que lado da força estão seus comandantes – o presidente Maurício Galiotte, o diretor Alexandre Mattos e a principal “acionista” dessa gestão, a conselheira e patrocinadora Leila Pereira.

Há uma grande decepção nos resultados do time em 2017. Estamos em agosto e o ano acabou para conquistas. Depois do título brasileiro do ano passado, o clube multiplicou os investimentos para ganhar a Libertadores. O Palmeiras virou a equipe em alta. E sucumbiu ao primeiro mata-mata, nos pênaltis. Com a eliminação também precoce da Copa do Brasil e a distância para o líder Corinthians no Brasileirão, resta agora tocar o barco dignamente pensando no ano que vem. E por digno, entenda-se terminar o Nacional exatamente onde está, entre os quatro primeiros. 


Quando não se alcança um objetivo, as críticas, pertinentes ou não, são coisa natural, bem como a sanha por culpados. Quem está com a caneta não pode cair nessa. O Palmeiras acertou bem mais do que errou no planejamento. Trouxe destaques do Brasileiro como Keno, Raphael Veiga e Luan. Contratou estrelas da América como Guerra e Borja. Quando Cuca, após o título do ano passado, decidiu estranhamente não ficar, o clube procurou nomes promissores no mercado de treinadores, com perfil mais técnico e menos personalista. Roger já havia fechado com o Galo, optou-se então por Eduardo Baptista, que vinha de um ótimo trabalho na Ponte Preta.

Ok, pode-se discutir a contratação de Felipe Melo. Muito bom jogador, mas de trato difícil. O trio de gestores (sim, Leila é quem abre o caixa, tem influência óbvia) deu claramente um sinal de que, para conquistas maiores, acreditava ser importante temperar com pimenta as lideranças suaves de tipos como Prass, Zé Roberto, Dracena e Moisés. Foi uma aposta que se provou equivocada. Melo trouxe mais problemas que soluções. Deu errado, acontece.

Outra decisão questionável foi a troca de Baptista por Cuca, cuja volta ao mercado foi tão estranha quanto a saída. Ele pode ter se reaproximado da família, mas a história do tempo para “aprimorar conhecimentos” foi pura falácia. Por que diabos Cuca quis sair? Para voltar quatro meses depois? Particularmente, achei precipitada a demissão de Eduardo e disse isso à época. Mas muitos colegas acharam correta, Eduardo não fazia um grande trabalho, o time não rendia o que prometia. Com Cuca no mercado e disposto a voltar, a diretoria foi pelo mais fácil: trazê-lo de volta. E ele chegou com auras de salvador. Não me lembro de um palmeirense que não tenha aplaudido o retorno da calça vinho. Compreensível.

Mas agora, a principal torcida pede a saída de Cuca, alguns covardes ameaçam Mattos de morte (ele não pode deixar isso barato, tem que ir à polícia!), detonam o presidente por ser “omisso”. Como se, de fato, o time estivesse em um buraco. Não está.

É hora de ser forte. De Cuca ficar, de Mattos ficar. De Galiotte garantir ambos publicamente. Leila já se pronunciou dando apoio. O presidente tem demonstrado o mesmo. Repito: o Palmeiras mais acertou que errou. Que use o restante do ano para corrigir os equívocos e preparar-se para conquistar em 2018 o que 2017 não trouxe.

Comentários

Palmeiras: não é hora de mudar nada

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading