Deixe o esporte te ensinar a arte da superação

Arquivo pessoal
[]

Depois de amanhã será fevereiro, e fica cada vez evidente que 2018 realmente chegou. Começo de ano é sempre assim, eu demoro um tempinho para me adaptar e entender quais são as vontades do novo ano para mim. 

Sou uma pessoa intuitiva e gosto de seguir pelo caminho que, de alguma forma, me chama mais atenção. E se tem uma coisa que anda aparecendo de maneira intensa por aqui, é a tal da superação. Sabe aquela coisa de arriscar mais sem deixar o medo dominar? É isso. 

O esporte tem dessas coisas, não é o desafio de ir, é o superar. E a superação vem daqueles limites que a gente, inconscientemente, impõe. Será mesmo que eu vou conseguir? Se você não se comprometer em arriscar, sinto muito em te dizer, você não vai conseguir. 

Somos tão comprometidos com a nossa agenda diária que quase não sobra tempo de pensarmos qual vai ser a próxima superação. E para mim, faz sentido pensar que o novo ano vem trazendo o sabor de superação, com notas de riscos. Assumir riscos, responsabilidades e vontades. 

Está com vontade? Vai e faz. 

Calculamos tantas rotas e erros que nos esquecemos de simplesmente curtir nossas escolhas. Eu nunca consegui praticar o surfe porque me frustrava demais com as vacas na cabeça. Mas peraí... as vacas não fazem parte do aprendizado? Então, porque ao invés de se frustrar tanto, não focar em superar? Pode parecer um exemplo bobo e até óbvio, mas quantas coisas você deixou para lá por simplesmente cansar? 

O primeiro mês do ano me deu essa certeza: pegar todas aquelas vontades que empurrei para de baixo do tapete e encará-las de frente, seja no surfe ou nos esportes que mais me aproximam do meu maior medo, a altura. 

Acho que quanto mais o tempo passa, mais a gente entende que é melhor experimentar todas as possibilidades do que deixá-las de baixo do tapete. 

Já ouviu falar no Gyrotonic? Método une movimento e empoderamento

Arquivo pessoal
[]

Conheci a Tati Malhado através de amigos em comum e não foi difícil me aproximar dela; temos muito em comum. Tati também é ex-bailarina e decidiu fazer do movimento do corpo um negócio. O Respirartes é seu estúdio bacanérrimo que fica na Vila Mariana, em São Paulo. Entre as tantas metodologias que usa por lá - já que além de ex-bailarina, tem formação no pilates -, Tati implementou o Gyrotonic®, método criado por Juliu Horvath, que une diversos movimentos que trabalham a energia corporal unida à expansão! 

O método é muito conhecido na dança, já que faz parte da grade curricular das principais escolas de dança do mundo. A expansão corporal potencializa a dança como um todo, já que dançar vai além da técnica, é a mais pura entrega. Quanto mais o bailarino está entregue, melhor é a sua performance. 

Juliu, criador do método, tem uma carreira meteórica. Tornou-se o principal bailarino do Romanian National Ballet Company e quando pediu asilo politico nos EUA, acabou trabalhando com várias companhias de dança americanas. No Houston Ballet, acabou sofrendo uma lesão no tendão de Aquiles, que definitivamente suspendeu sua carreira. O processo de cura (interna) e recuperação veio através de estudos e práticas da Yoga e meditação. O método nasceu junto com a sua reabilitação e, hoje, ajuda milhares de pessoas em condicionamento, preparação física e reabilitação do movimento. 

Arquivo pessoal
[]

Quando a Tati decidiu trabalhar o método no Brasil, acabou encontrando maior interesse no pessoal da arte, dançarinos, atores, atrizes e até mesmo coreógrafos, que decidiram aplicar a proposta do Gyrotonic® em preparação e apresentação de espetáculos.

O interesse pelo Gyrotonic® começou a dar sinais no Brasil e, para nossa sorte, vai além da área dos artistas. Com um trabalho consistente e muito particular, Tati é brilhante em suas aulas! Além de trabalhar a expansão do corpo, trabalha o empoderamento através do movimento. 

“Ir além, Ju”, essa provavelmente foi a frase que a Tati mais repetiu nas minhas aulas! Apesar de estar acostumada com o movimento circular da Yoga, o Gyrotonic® ativa outros pontos do corpo. Enquanto na Yoga a concentração e respiração ditam o ritmo, no Gyrotonic, o movimento é feito em repetições e máquinas que possibilitam colocar peso, trabalhando de maneira singular o fortalecimento da musculatura. 

Arquivo pessoal
[]

É natural que nos treinos diários o movimento que fazemos repetidas vezes seja linear, e isso faz com que o nosso alongamento e flexibilidade sejam comprometidos. O Gyrotonic® é uma atividade complementar, que ativa o nosso corpo para espiralar, expandir, alongar e, com a Tati, empoderar. Esse trabalho de crescimento pessoal foi incorporado por ela ao método, já que como ex-bailarina, a entrega ao movimento sempre fez com que se sentisse muito conectada e poderosa em relação ao corpo e a ela mesma. 

Para quem está buscando alternativas para complementar o treino diário e ajudar na performance, recomendo uma olhada mais cautelosa para o Gyrotonic®. Os resultados são surpreendentes, para atletas de alta performance ou pessoas comuns. 

Quer saber mais? Procure a Tati no instagram: @respirartes 

Que tal participar de um treino gratuito de vôlei de praia ao lado de atletas campeões olímpicos?

Getty
Alisson e Bruno Schmidt conquistaram ouro nos Jogos do Rio-2016
Alisson e Bruno Schmidt conquistaram ouro nos Jogos do Rio-2016

Sexta-feira, dia oficial dos planos para o final de semana! 

Se você ainda está indeciso sobre o que fazer, eu tenho uma baita proposta para você. Amanhã, sábado, 13 de janeiro, a Oakley levará a segunda edição do Oakley Basecamp para Camburi, praia de São Sebastião, litoral norte de São Paulo. 

Além de fomentar esportes como stand up paddle, vôlei de praia, tênis de praia, slackline e canoa havaiana, o evento contará com uma pop up store da marca com toda a linha de óculos desenvolvidos especialmente para a prática de esportes. 

Sem contar a presença de atletas da marca, que participarão dos treinos com dicas e apoio moral para quem estiver por lá. Estarão lá ninguém menos que Alisson e Bruno Schmidt, campeões olímpicos no vôlei de praia nos Jogos do Rio de Janeiro-2016, e Ítalo Ferreira e Adriano de Souza (Mineirinho), do surfe.

Divulgação
[]

Essa é a segunda edição do Oakley Basecamp. A primeira foi realizada em São Paulo, no Parque Villa Lobos, em outubro do ano passado, e promoveu treinos em quatro modalidades: SUP skate, slackline, funcional e corrida. 

Os treinos de todas as modalidades são abertos ao público, que pode fazer a inscrição no local e viver a experiência Oakley. 

O evento começa às 10h e vai até as 18h na praia de Camburi. É só chegar! 

 Bora lá?!

Basecamp Oakley – Praia de Camburi

Local: Praia de Camburi – São Sebastião – SP 
Data: 13 de janeiro
Horário: 10h às 18h
Estacionamento no local (Milkinho)
Entrada: Livre (inscrições gratuitas, mediante lotação das aulas)

Qual é o desgaste do seu corpo quando você corre?

Arquivo Pessoal
[]

Se você é um corredor, deve sentir a cada término de treino o prazer da endorfina no seu corpo. Já deve ter sentido, também, as dores do desgaste. A corrida, como qualquer outro esporte, também desgasta nossa "máquina". O desafio é sempre cuidar do corpo e da mente para ajustar a performance. O que precisamos fazer para diminuir ainda mais nosso tempo e atingir o ápice do prazer de concluir uma prova com um resultado melhor do que o da anterior? 

Nos minutos ou milésimos por trás do prazer de completar uma prova, existem sacrifícios. Não sou mais a corredora que já fui por conta de desgaste e lesões no joelho esquerdo e tornozelo, mas sei dos desafios que tive que enfrentar no meu auge. É dolorido demais a cabeça querer ir, mas o corpo ter o ritmo dele para querer ir também. É necessário um bocado de paciência e determinação, e outro tanto de equilíbrio.  

A Mizuno me convidou para acompanhar o ultramaratonista Carlos Dias no desafio de uma corrida com duração de 24 horas. A intenção desse desafio era, além de fomentar a corrida como um esporte crescente, mostrar os desgastes sofridos pelo corpo e como um bom tênis pode fazer toda a diferença - em todos os tipos de prova ou treinos.

Carlos Dias é pura inspiração! 44 anos e mais de 120 mil quilômetros percorridos, concluiu 106 maratonas oficiais e 40 ultramaratonas. Com essa quilometragem toda, dava para dar três voltas na Terra. Não à toa, ganhou o título de "Super-Humano" da The History Channel! 

Foram 24 horas de corrida na pista de atletismo do Centro Olímpico, em São Paulo (SP). Carlos Dias usou o Mizuno Wave Creation 19, que também foi testado durante as 24 horas, tudo monitorado por pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e da Universidade Cruzeiro do Sul. A cada três horas, as avaliações médicas eram realizadas sob o comando da Dra. Ana Paula Rennó Sierra. 

Os resultados você pode assistir aqui neste vídeo: 

Entre os trabalhos de pesquisas, foi aplicado o teste com a placa de salto para avaliar o tênis. O resultado foi 0% de desgaste do amortecimento do Mizuno Wave Creation 19, considerando a primeira e a última horas de corrida. 

Amortecimento para quem pratica corrida é fundamental. Durante o evento, tive a oportunidade não só de experimentar o Wave Creation 19 como de correr com o Carlos. Não preciso nem dizer que foi fácil virar fã dos dois!

Que tal usar o esporte para aprender a viver um dia de cada vez em 2018?

Arquivo pessoal
[]

Iniciar 2018 sem dar uma olhadinha para trás me parece boçal. Me despedi de 2017 com o coração dolorido, foi um bom ano. De longe não foi o mais fácil, mas foi, com toda certeza, o mais desafiador e talvez por isso tenha sido tão bom. 

Para quem gosta de desafios como eu, o mar estava com boas ondas. E dá um prazer danado olhar para todos os desafios e ter certeza de que apesar dos machucados e cicatrizes, os obstáculos foram superados com maestria. 

Se 2017 foi um ano de busca, que 2018 seja de encontros. Um ponto de partida é tão ou mais importante do que o destino final. Ligar os pontos é também se libertar e entregar. Nem tudo sairá como você planejou e tudo bem ser assim. Você nunca vai ter controle sobre as reais felicidades e dificuldades no decorrer do caminho.

Planejar é importante, mas viver um dia por vez é ainda melhor. Contemplar o caminho com total presença e consciência é uma viagem e tanto. Atualmente, vivemos o "mood" daquela viagem de infância: 'pai, tá chegando?' E nos esquecemos de simplesmente relaxar. 

O esporte é um grande aliado para mudarmos hábitos que estão enraizados na nossa rotina. Nos proporciona viver pequenas superações cotidianas. O esporte empodera, palavra tão em alta. O esporte te motiva a viver um dia por vez. Afinal, as evoluções acontecem todo santo dia. E mais do que tudo isso, o esporte é também um continuo trabalho de paciência e dedicação. 

Um dia por vez e veja só, evoluímos. 

Que estejamos presentes em todos os nossos dias e, principalmente, nas práticas esportivas. Seja nos treinos diários, nas competições em que nos inscrevermos ou nas pausas que fizermos. A presença em cada ação cotidiana nos ensina muito sobre respeitar e ultrapassar nossos próprios limites. 

Vamos?

Um ano ano chegou e está louco para sair por aí de mãos dadas. 

mais postsLoading