Bellator tem tática questionável para alavancar sua audiência

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

O Bellator vem fazendo uma série de movimentos para ganhar espaço entre os fãs de MMA. Graças ao aporte financeiro que vem recebendo de seus donos, e ao novo dirigente, Scott Coker, que já contava com a experiência de comandar o Strikeforce, o Bellator vem subindo a passos curtos, mas subindo...

Mantendo nomes fortes revelados por lá como Patricio Pitbull, Michael Chander, Will Brooks e Joe Warren, além de investir em lutadores populares que fizeram fama no UFC como Tito Ortiz, Phil Davis, Rampage Jackson e Ben Henderson, o Bellator consegue fazer um mix que gera cada vez mais atenção.

Algumas coisas mudaram desde a chegada de Coker.

O tradicional torneio para definir desafiantes aos campeões acabou, o que diminuiu a renovação de talentos, mas acelerou o andamento das categorias.

As novas contratações também foram obras do dirigente.

Mas uma de suas táticas é um pouco mais arriscada, e já foi testada por outros eventos, sendo que nem todas as vezes foi um sucesso: convocar veteranos ou lutadores sem expressão dentro do cage para estrelar seus cards.

Falo exatamente do evento desta sexta-feira e de suas duas principais lutas:

Royce Gracie vs Ken Shamrock
Kimbo Slice vs Dada 5000

Getty
Royce Gracie, com 48 anos, vai voltar a lutar no Bellator
Royce Gracie, com 49 anos, vai voltar a lutar no Bellator

Tenho a maior admiração do mundo por Royce. Foi graças a ele que comecei a acompanhar o então vale tudo nos anos 1990. É um ídolo meu e de milhares de pessoas em todo o mundo, inclusive dos próprios lutadores. Quem, naquela época, não se impressionou com suas atuações espetaculares nos primórdios do UFC?

Mas, confesso, não gostaria de vê-lo novamente em ação, agora aos 49 anos. Royce não precisa de grana e é consagrado como um dos maiores lutadores da história, e foi seduzido para lutar porque é o que mais gosta de fazer, mas não era a hora. Nada vai apagar seu legado, porém assisti-lo em ação após oito anos parado não deve ser uma boa experiência. O Gracie já não tem o mesmo vigor de seus bons tempos, mas a valentia, pelo visto, permanece a mesma daquele jovem de 27 anos que derrotou vários gigantes, inclusive Ken Shamrock, seu adversário desta sexta.

Shamrock está com 52 anos. Nos últimos seis, fez quatro lutas e perdeu três, sendo a última delas uma bizarra atuação contra Kimbo Slice no Bellator. Apesar de extremamente forte, ainda mais pra sua idade, o americano tem um gás pífio e se cansa rapidamente.

Sinceramente, temo pela luta que vamos assistir. Não é uma disputa que deveria encabeçar um evento em ascensão como o Bellator.

Certamente, terá uma grande audiência, inclusive a minha, tamanha a fama e a história dos dois, principalmente do brasileiro, mas o bom senso não me permite ter boa expectativa sobre isso. Torço muito para estar errado, que os dois façam uma luta bacana, e que demonstrem a vitalidade que eu não vi em suas últimas lutas.

Por favor, me surpreendam, Royce Gracie e Ken Shamrock!

Getty
Ken Shamrock e Kimbo Slice se enfrentarão no Bellator
Kimbo Slice derrotou Ken Shamrock em sua última luta no Bellator

A outra luta que citei, entre Kimbo Slice e Dada 5000, não preciso me alongar. São dois lutadores que ficaram famosos por brigarem nas ruas e colocarem os vídeos no youtube. Kimbo ganhou fama mundial por isso, lutando até no TUF e no UFC, e Dada 5000 veio no seu embalo, apesar de não ter tido o mesmo "sucesso".

O próprio UFC já teve esta atitude no passado quando resgatou ídolos das antigas como Kimo Leopoldo, Tank Abbot e o próprio Ken Shamrock (bem mais novo na época), mas logo percebeu que esta ideia não era das melhores e não foi adiante com isso.

Torço muito para que o Bellator tenha sucesso e ganhe seu espaço, mesmo que usando esta tática pra lá de contestável, mas que isso acabe assim que perceber que pode ir em frente sem descambar para esse rumo.

Não estou fazendo campanha contra os veteranos, até porque está no sangue desses caras. Quando converso com Marco Ruas, um monstro com mais de 50 anos, vejo como seus olhos brilham quando brincamos sobre a criação de uma categoria master. Esses caras querem continuar saindo na mão.

Mas que façam sob regras diferentes, em eventos especiais. Shows como o Bellator e o UFC não podem se apoiar nestes caras para crescer.

Cada um no seu quadrado.

 

Comentários

Bellator tem tática questionável para alavancar sua audiência

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A montanha russa de Wilson Reis e a falta de adversários para o mais dominante campeão do UFC

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Os últimos meses de Wilson Reis tem sido pra lá de curiosos, pra não dizer intrigante ou algo do tipo.

Primeiro, ganhou um inesperado title-shot contra Demetrious Johnson no UFC 201, que acontece esta noite em Atlanta. O brasileiro seria um tremendo azarão frente ao campeão mais dominante da atualidade.

Acontece que o "Mighty Mouse" se machucou, e os organizadores foram em busca de um novo oponente para Reis.

E é aí que entra o detalhe mais curioso: o UFC colocou o estreante Hector Sandoval para enfrentá-lo e o "rebaixou" de uma luta co-principal pelo título para o card preliminar! Isso mesmo! O brasileiro estará em uma das preliminares da noite, sequer no card principal.

Getty
Wilson Reis tenta a finalização sobre Joby Sanchez no UFC em Oklahoma
Wilson Reis tenta a finalização sobre Joby Sanchez no UFC em Oklahoma

Dá pra entender os critérios dos organizadores?

A impressão é que Dana White e cia escolheram Wilson Reis para enfrentar o campeão pela total ausência de desafiantes. DJ simplesmente varreu a categoria e não possuía adversário qualificado para enfrentá-lo na divisão de moscas.

A lesão de Johnson dá tempo para que futuros oponentes se qualifiquem de fato para um title-shot. O ideal, ainda, seria que Demetrious buscasse algumas super lutas em outros pesos enquanto sua categoria gira. Caso contrário, a já pouco badalada divisão de moscas se tornará cada vez mais monótona.

Por mais que Reis tenha a simpatia dos fãs brasileiros e tenha seu valor dentro do octógono, está longe de merecer uma luta pelo título, mas quem sabe na ausência do campeão ele não se qualifique realmente para isso.

Mas, hoje, precisa passar por Sandoval.

Até a próxima!

 

Comentários

A montanha russa de Wilson Reis e a falta de adversários para o mais dominante campeão do UFC

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Disputa pelo título dos meio-médios é candidata a luta do ano

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Vou me decepcionar muito se a luta de Robbie Lawler contra Tyron Woodley não for uma daquelas candidatas ao combate do ano no final da temporada.

A disputa será válida pelo cinturão dos meio-médios do UFC, que acontece neste sábado em Atlanta.

O duelo reúne bons ingredientes, e essa mistura deve sim proporcionar um daqueles combates eletrizantes.

Getty
Tyron Woodley vai desafiar Robbie Lawler em 30 de julho
Tyron Woodley vai desafiar Robbie Lawler neste sábado

Nocauteadores, Lawler e Woodley ainda lutam sob a mesma bandeira, a da American Top Team, uma equipe americana, mas recheada de treinadores e lutadores brasileiros.

Lawler impressiona. Estreou no UFC quando era bem novo, mas saiu para eventos menores, onde manteve-se bem irregular. Entrou nos trilhos em seu retorno para o show e quando decidiu juntar-se à ATT. De lá pra cá, protagonizou ótimos combates, inclusive um antológico contra Rory McDonald no ano passado.

Woodley, por sua vez, veio comendo pelas beiradas. Embora tenha algumas derrotas na maior organização de MMA do mundo, vem de quatro vitórias em suas últimas cinco lutas, sendo três delas por nocaute sobre adversários de respeito como Carlos Condit e Kelvin Gastelum.

O UFC 201 não tem um daqueles cards atraentes, onde contamos os dias pra chegar, mas Lawler vs Woodley promete!

Vai ser uma boa briga!

Até a próxima.

 

Comentários

Disputa pelo título dos meio-médios é candidata a luta do ano

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

MMA Live Brasil: Dudu Dantas fala da recuperação do cinturão e diz: 'Qualquer atleta do Bellator bate de frente com os do UFC'

Gleidson Venga
ESPN.com.br

No MMA Live Brasil desta semana, Gleidson Venga falou com Dudu Dantas, campeão peso-galo do Bellator, e comentou como foi a reconquista do cinturão. Dudu Dantas ainda falou sobre a relação entre Bellator e o UFC, e também sobre a academia Nova União.

MMA Live Brasil: Dudu Dantas fala da recuperação do cinturão e diz: 'Qualquer atleta do Bellator bate de frente com os do UFC'
Comentários

MMA Live Brasil: Dudu Dantas fala da recuperação do cinturão e diz: 'Qualquer atleta do Bellator bate de frente com os do UFC'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O incansável Belfort

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Vitor Belfort estreou no MMA em outubro de 1996, e fez sua primeira luta no UFC em 1997 (a segunda de sua carreira), e não é que, 20 anos depois, ele continua atuando em alta performance?

Sua carreira foi recheada de altos e baixos, além de polêmicas.

Getty
Vitor Belfort se ofereceu para intermediar a venda do UFC
Vitor Belfort estreou no UFC aos 19 anos

Foi campeão do torneio peso-pesado do UFC 12 aos 19 anos, sofreu sua primeira derrota por se descuidar dos treinos, aplicou um nocaute relâmpago em Wanderlei Silva na primeira passagem do UFC por aqui, lutou em algumas edições do Pride sem se destacar tanto, participou de um reality show, conquistou o cinturão do UFC enquanto lidava com o desaparecimento de sua irmã, foi campeão no Cage Rage, teve problemas com doping, voltou ao UFC e fez uma das lutas mais importantes para o Brasil contra Anderson Silva, encabeçou vários cards da organização no país... Ufa!

Este pequeno resumo de sua carreira mostra como alternou bons e maus momentos. Foram 25 vitórias e 12 derrotas.

E, aos 39 anos, vindo de uma contundente derrota diante de Ronaldo Jacaré, Belfort vai ter outra pedreira pela frente.

Em Manchester, no dia 08 de outubro, vai encarar Gegard Mousasi, holandês que vem de quatro vitórias em suas últimas cinco lutas.

É difícil imaginar o "Fenômeno" disputando um cinturão a curto prazo, e fica a dúvida no ar sobre seu futuro no esporte. Há quem especule sua aposentadoria por conta da idade e da proibição do uso do TRT, o tratamento de reposição hormonal.

Mas é sempre intrigante o quão longa é sua carreira e o alto nível em que se manteve desde seu início.

Seu apelido não é por acaso.

Até a próxima!

 

Comentários

O incansável Belfort

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Hora de voltar aos trilhos para Holly Holm

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Em novembro do ano passado, Holly Holm teve sua grande oportunidade no MMA ao encarar Ronda Rousey. Embora com muitos títulos na luta em pé, a americana não estava tão credenciada para desafiar a campeã, pois não havia derrotado nomes fortes da categoria como Miesha Tate, Cat Zingano, Amanda Nunes ou a campeã do TUF Juliana Peña. A furada de fila aconteceu porque Ronda tratorizou todo mundo que havia enfrentando até então.

Mas Holm deu de ombros à essa questão e aplicou um nocaute espetacular em Rousey, que vai ficar marcado por muito tempo entre os fãs de MMA.

Getty
Holly Holm, campeã no UFC e no boxe
Holly Holm precisa vencer para retomar sua corrida pelo cinturão

Ao bater a número 1 da categoria, Holm tomou seu posto, tornando-se a nova dona do cinturão, mas aquele teste contra outras tops ainda deveria ser feito. E nesse caso, bateu na trave, sendo derrotada por Miesha Tate, perdendo seu cinturão em março.

Holly Holm é uma das tops da categoria, quanto a isso não restam dúvidas, mas para sabermos sua real capacidade dentro do esporte é preciso mais. E o início deste teste é esta noite contra Valentina Shevchenko.

É o momento da ex-campeã mostrar se tem garrafas pra vender e até onde vai sua força dentro da categoria. Em caso de vitória, terá a chance de um title-shot, ou ficará bem perto disso. Se perder, não é o fim do mundo, mas vai precisar mostrar muito serviço em suas próximas lutas.

Vitoriosa, ela é. Talentosa, disciplinada e com estrela, ninguém duvida.

Mas Holm precisa provar se a furada de fila contra Rousey não foi por acaso e se aquela não foi apenas uma noite ruim da "Rowdy".

É a hora do recomeço.

 

Comentários

Hora de voltar aos trilhos para Holly Holm

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Uma grande chance para Edson Barboza

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Desde que estreou no UFC, em 2010, Edson Barboza sempre foi considerado uma aposta brasileira para a divisão de leves. Isso porque seu nível altíssimo no Muay Thai o credenciava para voos altos no maior evento do mundo. Bastava, apenas, evoluir no Wrestling e no chão para alcançar o topo.

E, de fato, ele melhorou bastante.

Mas, ao menos até agora, não chegou onde se esperava.

Edson não conseguiu emendar uma sequência convincente no evento. Sempre que esteve quase lá foi derrotado. Isso acabou deixando-o um pouco para trás na corrida pelo título.

Reprodução/Twitter
Barboza e Melendez se enfrentarão dia 23 de julho em Chicago
Barboza e Melendez se enfrentarão neste sábado em Chicago

Neste sábado, Barboza tem uma boa chance de avançar alguns degraus. O duelo contra o excelente Gilbert Melendez é sua grande oportunidade. O brasileiro vem de vitória sobre o ex-campeão Anthony Pettis, e caso vença Melendez ficará bem perto de um title-shot.

Mas a tarefa não será nada fácil.

Melendez é versátil, experiente e quer acabar com sua sequência de duas derrotas. Vitorioso em todas as organizações que passou, quer retomar o caminho das vitórias e ter uma nova chance pelo cinturão.

O combate entre Barboza e Melendez deve roubar a cena e ser o melhor do UFC Chicago. Basta que ambos coloquem em jogo todo seu potencial.

E, para Edson Barboza, vale a oportunidade de nocautear as desconfianças e provar, de uma vez por todas, como estão suas condições de brigar pelo cinturão, aquele que vem sendo desejado desde 2010, mas que parece se distanciar a cada revés.

Talento não falta.

Estrela, talvez.

Hora de virar o jogo? Com certeza.

Até a próxima!

 

Comentários

Uma grande chance para Edson Barboza

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

MMA Live Brasil: Promessa do RFA, Raoni Barcellos revela indicações de Glover e espera chance no UFC

Gleidson Venga
ESPN.com.br

No 'MMA Live Brasil' desta semana, Gleidson Venga conversa com Raoni Barcellos, campeão peso-pena do RFA. Aluno de Pedro Rizzo e parceiro de treino de José Aldo, Raoni se destaca em sua categoria, e já espera sua chance no UFC.

MMA Live Brasil: Promessa do RFA, Raoni Barcellos revela indicações de Glover e espera chance no UFC
Comentários

MMA Live Brasil: Promessa do RFA, Raoni Barcellos revela indicações de Glover e espera chance no UFC

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Inglês sensação do Bellator é habilidoso, mas precisa ser testado de verdade

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Michael Page é uma das grandes apostas do Bellator em sua divisão de meio-médios, e uma promessa de bons números para o evento.

No último sábado, impressionou o mundo com o belíssimo nocaute que aplicou no brasileiro Evangelista "Cyborg", e mais ainda pelo dano que causou no lutador com o golpe acertado.

Reprodução/Twitter
Michael Page entrou na onda do Pokémon
Michael Page entrou na onda do Pokémon

Page chegou a 11 lutas em sua carreira e está invicto. Ele chama atenção pela habilidade que demonstra na luta em pé junto com uma irreverência/displicência que desconcentra seus adversários. Por conta desses quesitos, vem sendo chamado de "clone de Anderson Silva".

Um apelido pra lá de exagerado, é claro.

É inegável que suas atuações impressionam e que sua habilidade em pé é muito boa, mas Page precisa ser testado de verdade.

Em suas 10 primeiras lutas, pegou adversários com currículos bem questionáveis, sequer chegando a medianos. Seu 11º combate, o deste sábado, foi contra um lutador que está longe do melhor de sua carreira. Mesmo em seu auge, Cyborg não era considerado um top de sua categoria, mas era respeitado pelo seu jogo em pé e pelo enorme coração que apresentava em suas lutas. Mas está longe daqueles tempos.

Reprodução Instagram
Cyborg sofreu um afundamento no crânio
Cyborg sofreu um afundamento no crânio

Com 11 combates no currículo, Michael Page precisa ter um desafio mais difícil. Assim, irá derrubar qualquer desconfiança sobre seu nível de verdade e até onde pode chegar. E mesmo que perca terá a chance de evoluir com os erros e se tornar um lutador melhor.

Por enquanto, é apenas um lutador que vem sendo tratado com muito carinho por sua organização, mas que nunca será levado a sério como o grande lutador que pode ser caso não tenha um desafio realmente duro.

Vai ser uma boa atração, mas sempre sob a desconfiança do que pode fazer de verdade.

Até a próxima!

 

Comentários

Inglês sensação do Bellator é habilidoso, mas precisa ser testado de verdade

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Divisão de leves do UFC segue embolada, e com mais um campeão incontestável

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Rafael dos Anjos foi destronado na semana passada por Eddie Alvarez de uma forma que chocou o mundo. O combate foi espetacular e uma série de acontecimentos o tornou ainda mais marcante.

O primeiro deles foi a própria queda do brasileiro. Rafael se apresentou na mesma ótima forma de sempre, lutando concentrado e tentando tomar as ações da disputa. O golpe que o atingiu foi fruto de uma mão precisa do americano, que sempre foi um tremendo nocauteador. O então campeão ainda mostrou o tamanho do seu coração ao resistir de todas as formas, mesmo semi-nocauteado em pé, mas acabou mesmo sendo vítima de Alvarez.

Reprodução
Eddie Alvarez em coletiva após vencer Rafael Dos Anjos
Eddie Alvarez em coletiva após vencer Rafael Dos Anjos

A sequencia de golpes foi tão impressionante, que foi reprisada várias vezes e se tornou um dos grandes momentos da Fight Week do UFC. Com certeza, este duelo se tornará um clássico e será repetido pela organização no futuro.

Tudo isso valorizou ainda mais a atuação de Eddie Alvarez. O americano é uma encrenca, e desde que entrou no UFC muita gente sabia que dele poderia se esperar algo grande. Demorou. Suas primeiras atuações foram bem abaixo da média, e justamente em sua luta mais importante acabou tendo uma atuação de gala. Alvarez é uma pedreira, fez ótimos combates no Japão e no Bellator, e é um campeão daqueles que se tornam temidos pelos adversários. Não caiu de paraquedas nesta disputa.

E a divisão de leves segue como sempre: embolada, totalmente imprevisível. Com um novo reinado se iniciando, a corrida pelo cinturão continua emocionante. Tony Ferguson, Khabib Nurmagomedov, Rafael dos Anjos, Donald Cerrone, Edson Barboza e Gilbert Melendez estão no páreo. Até mesmo Conor McGregor pode pintar por aí, mas não acredito que o irlandês se crie em meio a tantas feras.

Pensando em toda sua história, a divisão de leves teve poucos campeões absolutos. Jens Pulver foi o primeiro deles, no início da década passada, mas saiu do evento, e quando voltou já estava em fim de carreira. BJ Penn foi o outro acima da média. Durante seu reinado, parecia que não havia adversários para ele, tamanho o domínio do lutador havaiano. Foi com sua primeira derrota para Frankie Edgar, no entanto, que BJ caiu de produção e nunca mais foi o mesmo, sendo aí que começou este tão imprevisível rodízio de títulos.

Edgar, Ben Henderson, Anthony Pettis, Dos Anjos e agora Alvarez. Todos eles com conquistas incontestáveis, mas que não tiveram vida fácil nesta categoria e que precisaram comer um dobrado para se manterem no posto de número 1. Alvarez já está incluído nesta lista porque chegou ao topo com merecimento, mas terá as mesmas dificuldades que seus antecessores.

É só olhar no retrovisor - ou no ranking da categoria - e ver as pedreiras que terá pela frente.

Promessas de bons duelos não faltam.

Até a próxima!

 

Comentários

Divisão de leves do UFC segue embolada, e com mais um campeão incontestável

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

MMA Live Brasil: Agora no Hall da Fama, Minotauro escolhe melhores lutas da carreira e faz 'balanço' do UFC 200

Gleidson Venga

No 'MMA Live Brasil' desta semana, Gleidson Venga conversou com Rodrigo Minotauro, que recebeu o prêmio de Hall da Fama do UFC e fez um panorama sobre o esporte no Brasil nos últimos anos e também comentou sobre o que espera do futuro. Além disso Minotauro lembrou de lutar que fizeram a diferença na carreira do lutador, além de fazer um balanço sobre os resultados do UFC 200.

MMA Live Brasil: Agora no Hall da Fama, Minotauro escolhe melhores lutas e faz 'balanço' do UFC 200
Comentários

MMA Live Brasil: Agora no Hall da Fama, Minotauro escolhe melhores lutas da carreira e faz 'balanço' do UFC 200

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Vítor Belfort na mira do UFC em Brasília

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Vitor Belfort está com grandes chances de encabeçar a edição do UFC em Brasília, que acontecerá no dia 24 de setembro. Se não estiver na luta principal, estará em uma delas.

O "Fenômeno" é sempre uma aposta da organização nos eventos por aqui, já que possui grande popularidade entre o público em geral, além de contar com uma legião de fãs.

Getty
Vitor Belfort se ofereceu para intermediar a venda do UFC
Vitor Belfort 

A derrota para Ronaldo Jacaré no UFC 198 fez com que Belfort não caísse muitas posições no ranking, mas na corrida pelo cinturão está bem longe.

Falando em ranking, quem o leva a sério, já que o próprio Jacaré deve ser preterido pelo 13º Dan Henderson para lutar pelo título contra Michael Bisping.

Voltando a Belfort, desafios contra Rockhold, Weidman, Romero, Uriah Hall e Robert Witthaker devem ser descartados, já que eles devem lutar entre si de olho no title-shot. Gegard Mousasi supostamente também, mas o próprio lutador foi até suas redes sociais nesta quarta-feira para desafiar o brasileiro. Segundo Mousasi, Belfort estaria correndo dele desde os tempos do Affliction, no final da década passada, e agora seria uma boa hora.

Se Vítor topar, talvez o combate aconteça.

Segundo apurações deste blogueiro, Tim Kennedy seria a bola da vez para lutar contra Belfort. Mas não posso afirmar como anda esta negociação.

Anderson Silva, que seria um prato cheio para lotar um ginásio no Brasil num duelo contra seu antigo parceiro/rival, é carta fora do baralho depois do combate no último sábado contra Daniel Cormier. O próprio "Spider" pediu férias.

Além de Mousasi e Kennedy, o UFC poderia ousar um pouco e colocar Lyoto Machida num duelo verde-amarelo, mas o carateca está lidando com problemas do seu doping e ainda não tem data para voltar.

Vitor Belfort é mesmo um fenômeno. Em 2017, fará 20 anos desde sua primeira passagem pelo evento. Tanto tempo depois, ainda é um dos trunfos da organização para atrair o público por aqui. Embora uma nova disputa de título a esta altura da carreira seja bem difícil, é inegável que empatia e talento não faltam ao faixa-preta.

Olho nele em Brasília.

Até a próxima!

 

Comentários

Vítor Belfort na mira do UFC em Brasília

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Anderson rouba a cena em noite de grandes atuações de Aldo e Amanda

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br
Veja omentos da vitória de Daniel Cormier sobre Anderson Silva

O UFC 200 cumpriu suas expectativas.

Algumas vezes, eventos com boa programação de lutas podem decepcionar, mas desta vez não. Foram ótimos combates, até mesmo o de Sage Northcutt, que teve um nível abaixo, mas foi bem divertido.

Josh Hedges/Zuffa LLC
José Aldo comemora vitória sobre Frank Edgar
José Aldo comemora vitória sobre Frank Edgar

E se a noite de sábado começou com o Brasil sem campeões na organização, José Aldo e Amanda Nunes lavaram a alma do país.

Aldo mostrou sua velha forma ao dominar Frankie Edgar, que não se encontrou na luta e foi superado pelo brasileiro. Era um resultado esperado, é verdade, mas o suspense sobre como Aldo se apresentaria pela primeira vez após a derrota para McGregor levantava algumas dúvidas. O ex-campeão provou que continua no jogo.

Já Amanda Nunes era a zebra contra Miesha Tate, mas ela deu de ombros para isso e atropelou a americana. Foi preciso apenas um round para Amanda encaixar seu jogo em pé, deixar Miesha grogue e encaixar um mata-leão para selar com chave de ouro a conquista inédita para o Brasil.

Getty
Amanda Nunes massacrou e finalizou Miesha Tate para ser a primeira brasileira campeã no UFC
Amanda Nunes massacrou e finalizou Miesha Tate para ser a primeira brasileira campeã no UFC

Amanda se tornou a primeira brasileira campeã do evento.

E Anderson Silva, mais uma vez, roubou a cena.

A previsão de seu combate contra Daniel Cormier era pra lá de tenebroso. Totalmente destreinado, o brasileiro teve pela frente o campeão dos meio-pesados, cujas atuações só melhoram a cada luta.

Sem compromisso, o "Spider" fez o que era possível. Disparou alguns golpes em pé, foi derrubado, soube se defender no chão com tranquilidade, e levou até o fim, perdendo na decisão dos jurados.

Anderson mostrou coração, e deixar bem claro ao público o tamanho dele era um de seus objetivos.

Getty
Daniel Cormier venceu Anderson Silva na decisão unânime dos jurados
Daniel Cormier venceu Anderson Silva na decisão unânime dos jurados

Embora DC pareça ter lutado com o freio de mão puxado, pois não aumentou seu ritmo em nenhum momento, resistir três rounds contra o americano não é tarefa fácil pra ninguém.

Mais do que uma vitória ou derrota em seu cartel, ou alguns milhões em sua conta bancária, Anderson Silva recuperou o que andou perdendo nos últimos anos: o respeito dos fãs.

Doping, brincadeiras exageradas e atuações abaixo da média quase colocaram todo seu legado por água abaixo, mas sua estrela brilhou neste sábado e ele provou o quão grande é como lutador.

Spider se diz feliz e explica o motivo de ter aceitado lutar com Cormier

Anderson foi a carta na manga para salvar o UFC de um fiasco sem Jon Jones, mas capitalizou da melhor forma possível sua oportunidade e se tornou o grande vencedor da noite, mesmo sem vencer sua luta.

Que noite!

 

Comentários

Anderson rouba a cena em noite de grandes atuações de Aldo e Amanda

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A maior loucura de um gênio

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Se todo gênio tem seu lado louco, Anderson Silva colocou esta sua parte de vez para todos verem. Afinal, por que o maior lutador da história do UFC, que vive uma fase terrível, aceitaria um combate contra o campeão de uma categoria acima, estando ainda mais leve e destreinado?

Bom, o lado financeiro deve contar bastante. Anderson deve ter recebido uma proposta daquelas irrecusáveis, nada menor que sete dígitos. Isso já é um tremendo incentivo, não é mesmo?

Mas vamos falar das condições dos dois atletas no momento.

Reprodução
Cormier e Anderson se respeitaram bastante em encarada
Cormier e Anderson se respeitaram bastante em encarada

Daniel Cormier é o melhor meio-pesado da atualidade. Jon Jones não conta, já que vem lidando com uma série de problemas e parece que ficará fora do circuito por pelo menos dois anos com sua mais nova punição por doping. DC estava treinando duro para o UFC 200, pois enfrentaria Jones e sabia que vencer seu rival era o passo definitivo para sua consagração no esporte. O americano é um wrestler de nível olímpico, um atleta daqueles que se apresentam sempre em boa forma e que não para de evoluir. É, como já citado, o melhor da categoria.

Anderson dispensa apresentações, mas o momento atual dele é pra lá de delicado - e preocupante desde que topou a luta.

O "Spider" foi operado na semana do UFC 198 (14/05). Ele teve sua vesícula retirada e precisou de repouso. Acompanhei de perto alguns momentos desde então e posso garantir que ele não estava treinando. Anderson até tentou voltar cerca de um mês depois, mas sentiu alguns problemas (velhas contusões, nada a ver com a cirurgia) e sua equipe aconselhou que ele esperasse um pouco para voltar aos treinos. Não se engane com alguns posts do ex-campeão dos médios em suas redes sociais onde ele aparece treinando, pois são vídeos antigos que o brasileiro publica para enviar mensagens aos fãs. Na verdade, ele mesmo confessou que não vinha treinando.

Diante de tudo isso, por que diabos Anderson Silva totalmente destreinado aceitaria enfrentar DC? Chego a arriscar que, fisicamente, deve estar na pior fase de sua carreira.

É difícil até para os mais otimistas apontarem uma vitória sua neste sábado. Cormier não costuma dar espaço aos adversários e leva suas lutas muito a sério. Vai lutar contra Anderson da mesma forma que enfrentaria Jon Jones, Gustafsson ou Glover Teixeira. E isso é uma grande roubada para o "Spider".

Suas chances são mínimas: um golpe bem encaixado no início da luta é a única maneira que enxergo uma hipotética vitória. DC sabe lidar com adversários de maior envergadura, tem um Jiu-Jitsu suficiente para não ser finalizado, além de ter uma boa trocação e um jogo de quedas acima da média no evento. Gás ele tem de sobra.

Lembra do que ele fez com Dan Henderson?

Anderson foi valente. Como ele mesmo disse, estará em um desafio que jamais teve parecido na carreira. De certa maneira, limpa um pouco sua barra pelos episódios onde saiu como vilão, como na primeira derrota para Weidman ou no antidoping que testou positivo no ano passado.

Valentia, por sinal, é algo que nunca faltou ao ex-campeão. E aceitar esse desafio, apesar de ser até meio inusitado, não chega a ser uma surpresa pra quem conhece suas origens no mundo das lutas.

Achei um golaço do UFC ter seu maior lutador neste card histórico, embora ele esteja bem aquém de sua velha forma.

A verdade é que o lado genial de Anderson Silva deverá aparecer mais do que nunca esta noite para justificar tamanha loucura.

Vai que ele consegue...

Até a próxima!

 

Comentários

A maior loucura de um gênio

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O último cinturão se foi, mas pode voltar com título inédito esta noite

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

A derrota de Rafael dos Anjos na noite desta quinta-feira teve uma simbologia ainda maior do que apenas um cinturão perdido. O revés diante de Eddie Alvarez fez com que o Brasil ficasse sem ao menos um título do UFC, fato que não acontecia há 10 anos, quando Anderson Silva passou por Rich Franklin e passou a reinar entre os pesos-médios.

De lá pra cá, foram várias conquistas, e em um momento eram quatro cinturões morando aqui em nossa terra.

Getty
Alvarez venceu o brasileiro Rafael Dos Anjos
Alvarez venceu o brasileiro Rafael Dos Anjos

Eddie Alvarez sempre foi uma encrenca. Lutou muito bem no Japão e nos EUA antes de chegar ao UFC. Alguns anos atrás, ele e Gilbert Melendez (então no Strikeforce) poderiam facilmente estar numa lista dos três ou cinco melhores do mundo mesmo sem lutar no Ultimate.

Até ontem, porém, Alvarez ainda não havia conseguido uma atuação semelhante àquelas que apresentara antes. Pelo contrário, estreou com derrota e depois emendou duas vitórias em decisões divididas. Qualquer outro lutador não conseguiria chegar a um title-shot com esse recorde, mas o UFC sabia em quem estava apostando.

E quis o destino que sua grande atuação fosse justamente na luta mais importante da sua vida.

O americano não se intimidou com o campeão, aceitou a troca franca de golpes, e encaixou um soco certeiro que acabou com Rafael. A partir de então, Alvarez disparou uma saraivada de golpes e o nocaute era questão de tempo.

Excelente trabalho do agora novo campeão.

Quanto a Rafael, não duvido nada que voltará tão focado quanto antes e um novo title-shot irá aparecer logo.

E, apesar do último título que restava ao Brasil ter escapado, esta noite pode voltar de forma inédita. Isso porque Claudinha Gadelha desafiará a campeã Joanna Jedrzejczyk pelo cinturão peso-palha feminino.

Getty Images
Joanna e Gadelha se enfrentaram em dezembro de 2014
Joanna e Gadelha se enfrentaram em dezembro de 2014

As duas não se bicam e isso não tem nada de marketing para promover a luta. É rixa pessoal mesmo.

Joanna já derrotou a brasileira em uma polêmica decisão dos jurados, e muita coisa se passou desde então. A polonesa é uma lutadora muito melhor e trará muito mais problemas do que na outra ocasião.

A grande questão é se o clima ruim poderá afetá-las e quem irá se prejudicar com isso. Claudinha é mais completa, mas a campeã está em ótima fase e não será batida com facilidade.

Caso Gadelha vença, será um baita alívio para o MMA brasileiro. Assim, poderemos dizer que ainda "estamos no jogo".

José Aldo e Amanda Nunes, no sábado, podem completar a festa ou aumentar a agonia.

Eu não contava com o cinturão de Rafael sendo tomado, mas aposto que outros dois virão destas três disputas que ainda restam.

Veremos.

 

Comentários

O último cinturão se foi, mas pode voltar com título inédito esta noite

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

MMA Live Brasil: Jacaré palpita sobre UFC 200, vê 'palhaçada' em luta de Aldo e se diz pronto para lutar: 'Estou perfeito'

Gleidson Venga
ESPN.com.br

No 'MMA Live Brasil' desta semana, Gleidson Venga entrevistou Ronaldo 'Jacaré' Souza, que falou sobre sua condição física, e garantiu estar 'perfeito' para disputar a próxima luta. Jacaré também deu seus palpites para o UFC 200, com lutas de Aldo contra Frankie Edgar, Daniel Cormier contra Jon Jones e também a volta de Brock Lesnar. 

MMA Live Brasil: Jacaré palpita sobre UFC 200, vê 'palhaçada' em luta de Aldo e se diz pronto para lutar
Comentários

MMA Live Brasil: Jacaré palpita sobre UFC 200, vê 'palhaçada' em luta de Aldo e se diz pronto para lutar: 'Estou perfeito'

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O trio de "R" que deu certo no MMA e levou o Brasil ao topo do mundo

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Quando Rafael dos Anjos estreou no MMA, em 2004, Rafael Cordeiro era um dos treinadores da lendária equipe Chute Boxe, que vivia seu auge com Wanderlei Silva reinando absoluto nos ringues japoneses, principal palco do esporte naquela época.

Getty
Dos Anjos deixa McGregor de lado e enfrenta Eddie Alvarez nesta quinta
Dos Anjos enfrenta Eddie Alvarez nesta quinta

Dos Anjos estreou no pequeno evento Juiz de Fora Fight, no interior de Minas Gerais. Organizado pelo meu amigo, o ex-lutador Ebenezer Braga, eu estava lá naquela noite, que acabou amarga para Rafael, derrotado na decisão dos jurados. (Não. Não vou aqui dar uma de grande olheiro e dizer que já apostava nele como um futuro campeão, é apenas uma curiosidade).

Cordeiro estaria a frente da Chute Boxe por mais alguns anos, até decidir sair e montar sua própria equipe nos EUA, a Kings MMA, no final da década passada.

Nessa ocasião, Rafael dos Anjos já era lutador do UFC, sempre sob a batuta de seu mestre, Roberto Gordo Correa, um dos maiores nomes do Jiu-Jitsu de todos os tempos. Por conta disso, Dos Anjos já demonstrava uma evolução em seu jogo e um chão temido pelos adversários.

Mas, para alcançar os melhores, precisava de algo a mais: melhorar sua trocação.

Reprodução
Rafael Cordeiro
Rafael Cordeiro

Arrumou suas malas e também se mudou para os EUA, se juntando ao seu xará, iniciando assim uma parceria que, anos depois, rendeu muitos frutos.

O estilo agressivo da escola onde Rafael Cordeiro se formou parecia incompatível com a tranquilidade de Roberto Gordo. Seriam eles capazes de se unirem para ajudar um atleta a chegar ao topo do esporte? A resposta está mais do que clara, não é mesmo?

Rafael Cordeiro, Roberto Gordo e Rafael dos Anjos formaram um trinca vencedora. Obviamente, há outras pessoas envolvidas e que foram importantes para esta ascensão. Mas, em um esporte onde problemas com egos e vaidades são tão comuns, juntar personalidades diferentes e elas se completarem é um enorme feito.

PVT
Roberto Gordo Correa
Roberto Gordo Correa

Não é a toa que Rafael dos Anjos chegou ao topo passando por cima de todo mundo e é um dos lutadores mais temidos entre todos os pesos. Sua ótima trocação, sua disciplina em traçar e executar uma estratégia, um forte jogo mental... Tudo isso foi adicionado ao melhor lutador brasileiro da atualidade.

O trio de "R" coloca seu reinado em jogo nesta quinta contra Eddie Alvarez, e esta bela história parece estar bem longe de um final.

Um trabalho duro que deu certo.

Até a próxima!

 

Comentários

O trio de "R" que deu certo no MMA e levou o Brasil ao topo do mundo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Brasil não terá vida fácil em busca por cinturões

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br
Getty Images / Zuffa LLC
Cinturão UFC Getty Cortada

O Brasil terá quatro disputas de cinturões na próxima semana no UFC, mas não terá vida fácil para melhorar seu atual momento no maior evento de MMA do mundo.

Rafael dos Anjos será o primeiro em ação. Ele colocará seu título dos leves em jogo contra Eddie Alvarez na quinta-feira. Apesar de Alvarez ser uma dureza, considero este combate com maiores chances de vitória para o Brasil. Algo entre 75%-25% a favor do atual campeão. Rafael vem mostrando muita consistência em seu jogo, e as estratégias armadas com sua equipe estão bem eficientes.

No dia seguinte, o caldo engrossa bastante. Isso porque Claudinha Gadelha desafiará Joanna Jedrzejczyk pelo cinturão peso-palha. O primeiro duelo entre elas foi uma encrenca, e acredito que a revanche será da mesma forma. E toda a rivalidade entre elas desde então apimenta ainda mais o duelo. Na opinião deste blogueiro, é o duelo mais equilibrado de todos, com 50% pra cada. Não consigo apontar um favoritismo para esse combate.

No sábado, Amanda Nunes terá a difícil missão de desbancar Miesha Tate. Embora a brasileira venha evoluindo bastante, ela deve ter dificuldades com a campeã. Miesha tem um jogo muito consistente, sem ser acima da média em nada, mas muito boa em tudo. Seu ótimo condicionamento também está a seu favor. Amanda, por sua vez, não possui nenhuma grande arma em seu arsenal para surpreender a campeã. Terá que pressionar e encurralar Tate. Para conseguir essa cinta, precisa ter armado alguma surpresa em seus treinos na American Top Team. Favoritismo de 70%-30% para Miesha Tate neste duelo.

E, também no sábado, José Aldo e Frankie Edgar se enfrentam pelo título interino dos penas. Vejo este duelo como um replay do primeiro, onde Aldo foi dominante e venceu na decisão. Dois fatores novos e importantes podem equilibrar desta vez: Edgar já está mais adaptado à divisão de penas (quando se enfrentaram, o americano lutava neste peso pela primeira vez), e a incógnita de como Aldo se comportará vindo de uma derrota pela primeira vez em 10 anos. Aponto o brasileiro como favorito, não tanto quanto da primeira vez, mas com 60%-40%.

Portanto, as chances do Brasil são boas, mas será difícil imaginar uma semana com 100% de aproveitamento em lutas por títulos. Seria um sonho, é verdade, mas é um tanto improvável.

A questão é que, em meio a tão questionada crise do MMA nacional, quatro disputas por cinturões em uma semana é um número pra lá de importante. E um bom argumento para os adeptos da teoria do "copo cheio".

Se os quatro títulos vierem, aí o copo transborda...

Até a próxima!

 

Comentários

Brasil não terá vida fácil em busca por cinturões

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Caça ao Bisping! Será que é tão fácil como pensam?

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

Está aberta a temporada de caça a Michael Bisping!

Ao menos é o que parece já que tem tanta gente querendo desafiar o campeão dos médios do UFC.

Josh Hedges/Zuffa LLC UFC
Michael Bisping é o novo campeão dos médios do UFC
Michael Bisping é o novo campeão dos médios do UFC

Além de Ronaldo Jacaré, que deveria de fato receber o direito ao title-shot, já se manifestaram com esse desejo Luke Rockhold, Chris Weidman, Dan Henderson, Anderson Silva e até Georges St Pierre e Nick Diaz, atletas fora do cenário recente e que fariam ainda menos sentido em uma luta contra o inglês.

E por que todo mundo quer lutar com ele? Além da óbvia oportunidade pelo cinturão, estariam também acreditando em uma luta fácil? Pergunto isso porque não me lembro de tanta gente indo atrás de Rockhold quando ele era o campeão.

Confesso que, apesar de considerá-lo um lutador regular, nunca o considerei um bicho papão, mas não é que o "The Count" vem melhorando?

Sua luta contra Thales Leites já mostrou isso. Vencer Anderson Silva na sequência em uma disputa de cinco rounds também merece respeito. E nocautear Rockhold daquela forma então...

Ainda que as duas últimas vitórias tenham algum tipo de peculiaridade (sem tirar seus méritos), além de uma clara evolução em seu jogo, Bisping tem mostrado muita estrela. E não é muito bom enfrentar um lutador nessa fase.

Se Dana White apostar no lado esportivo, dará a Jacaré o title-shot, mas caso opte pelo marketing de seu show tudo pode ser bem diferente.

E esta é a grande questão atualmente: o que se passa na cabeça de Dana e sua trupe?

Espero que pensem no lado esportivo.

E deem a César o que é de César!

Até a próxima!

 

Comentários

Caça ao Bisping! Será que é tão fácil como pensam?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Crise econômica atinge MMA nacional e dificulta renovação

Gleidson Venga
Gleidson Venga, blogueiro do ESPN.com.br

É bem óbvia essa conclusão, mas é fato que a crise econômica que atinge o país resulta também numa mudança de cenário do MMA.

Enquanto o país vivia um bom momento economicamente no início desta década, pipocavam eventos pelo Brasil, mesmo antes do esporte ganhar o empurrão por aqui com o UFC Rio e o fenômeno Anderson Silva.

Gazeta Press
Renan Barão, durante treino aberto ao público na última quinta-feira
Renan Barão fez dezenas de lutas no Brasil antes de ir para o exterior

Foi graças a eventos como Jungle Fight, Shooto, WOCS e Max Fight, só pra citar alguns exemplos, que atletas do calibre de Renan Barão, Patrício Pitbull, Dudu Dantas e José Aldo, ganharam experiência e chegaram "prontos" aos eventos internacionais.

E este período que passaram lutando por aqui foram essenciais para isso.

Ao mesmo passo em que ficavam mais experientes, tornaram-se lutadores mais completos, preenchendo as falhas que tinham em seus jogos.

Carlão Barreto, em entrevista recente ao PVT, apontou muito bem isso. Os atletas não estão atuando muito no Brasil e já querem uma vaga no UFC, Bellator ou algum outro show internacional. O resultado são derrotas e lutadores cada vez menos preparados.

Isso acontece, claro, pela oportunidade financeira que é oferecida lá fora, mesmo que seja uma tremenda roubada, como vem acontecendo principalmente nos eventos russos.

A crise econômica, como todos sabemos, não terá fim de uma hora pra outra, mas os lutadores e suas equipes precisam enxergar quando estão realmente prontos, caso contrário podem até chegar lá em um grande show, mas suas atuações serão fracas e acabarão perdendo a chance da vida por quererem acelerar o processo.

A questão financeira é o grande ponto, mas um bom planejamento de carreira pode muito bem fazer tudo acontecer na hora certa.

E, assim, veremos novos Aldos, Dos Anjos, etc, nos cages mundo afora.

Caso contrário, esta renovação se tornará bem mais difícil.

Até a próxima!

 

Comentários

Crise econômica atinge MMA nacional e dificulta renovação

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

MMA Live Brasil: Rogério Minotouro vê 'lição' em luta de Bisping e diz que quer lutar em 2016

Gleidson Venga
ESPN.com.br

No 'MMA Live Brasil' desta semana, Gleidson Venga entrevistou Rogério Minotouro, que falou sobre sua última luta no UFC Curitiba e também deu sua opinião sobre as boas lutas de Ronaldo Jacaré e a vitória de Michael Bisping sobre Luke Rockhold. Além disso, Minotouro também falou dos treinos de Anderson Silva e afirmou que deseja lutar ainda em 2016.

MMA Live Brasil: Rogério Minotouro vê 'lição' em luta de Bisping e diz que quer lutar em 2016
Comentários

MMA Live Brasil: Rogério Minotouro vê 'lição' em luta de Bisping e diz que quer lutar em 2016

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading