<
>

Animado, campeão vira intérprete de compatriotas na São Silvestre

Já habituado a correr nas ruas de São Paulo, Dawitt Admasu era um dos mais animados participantes da 93ª edição da Corrida Internacional da São Silvestre antes mesmo da largada deste último dia do ano. Ao cruzar a linha de chegada na primeira colocação pela segunda vez na carreira (já havia sido campeão em 2014), o etíope que compete pelo Bahrein passou a sorrir ainda mais. Serviu até de intérprete para duas compatriotas.

Falando inglês fluentemente, Dawitt se prontificou a participar da entrevista coletiva feminina da São Silvestre para auxiliar a comunicação das também etíopes Sintayehu Hailemichael, segunda colocada atrás da queniana Flomena Daniel, e Birhane Adugna, terceira.

Mesmo ao lado do empolgado Dawitt, as duas etíopes demonstraram bastante timidez. “Quero primeiro agradecer aos organizadores. Foi uma boa competição. Estou feliz”, limitou-se a dizer Sintayehu, enquanto a sua companheira lamentou o clima chuvoso em São Paulo. “As condições do tempo prejudicaram um pouco, mas agradeço a Deus pela corrida”, comentou Birhane.

Dawitt sofreu menos com o clima, já que a chuva havia praticamente cessado no decorrer da prova masculina. “Foi uma competição muito boa. É sempre bom voltar a São Paulo. Agradeço ao povo nas ruas”, sorriu mais uma vez o bicampeão da São Silvestre, que havia sido vice em 2016.

Ao se despedir de Sintayehu e Birhane, Dawitt ainda fez questão de se dirigir diretamente às câmeras de televisão e endereçar uma mensagem a quem o assistia. “Feliz Ano Novo a todos!”, bradou o atleta, deixando cair alguns dos seus prêmios enquanto saída do prédio da Fundação Cásper Líbero.