<
>

Renato 'Babalu' Sobral, ex-UFC, revela sequelas graves das lutas

Renato 'Babalu' antes de luta contra Gegard Mousasi, em 2009 Getty Images

Em entrevista ao canal de YouTube "Portal do Vale Tudo", o ex-lutador Renato Sobral, mais conhecido como "Babalu" contou o drama que vive atualmente, por conta das sequelas deixadas pelos 16 anos de carreira no mundo das artes marciais mistas.

O carioca, atualmente com 43 anos, teve como resultados mais expressivos as vitórias sobre Maurício "Shogun" Rua, em 2003, e Chael Sonnen, em 2005, pelo UFC 55 - ambas foram por finalização.

Ao todo, seu cartel teve 37 triunfos e 11 derrotas.

Hoje em dia, porém, Renato sofre até mesmo para andar em linha reta, como consequência dos muitos golpes que sofreu.

"Ser atleta profissional é uma coisa complicada. O que aconteceu comigo foi um acontecimento em doses homeopáticas. Hoje em dia, o lutador aprende a lutar, aprende a fazer dinheiro, mas não aprende a administrar a vida dele. Eu não aprendi a administrar a minha vida, errei muito em várias coisas em relação a dinheiro, em relação ao que eu poderia ter feito em relação à minha carreira. Eu paguei um preço por estar onde eu estou. Eu não consigo mais hoje em dia andar em linha reta, eu perdi minha vista esquerda, e isso é um grande preço. Eu não tenho mais equilíbrio, meu equilíbrio é quase zero. Quando eu estou lutando, quando eu estou em campeonato de jiu-jitsu, parece que o meu equilíbrio até fica normal. (Mas) Em dia normal é bem complicado. Mas a galera que está entrando na luta e está aprendendo tem que saber que a fatura vai chegar uma hora. Para todo mundo. Hoje em dia as pessoas só contam os louros: o que conseguiu, o que aconteceu... Mas e o que você perdeu? O que deixou de acontecer com você?", questionou, emocionado.

"Encefalopatia traumática eu já tenho. Quase ninguém fala sobre o assunto. Você pode fazer uma pesquisa: a gente (que luta profissionalmente) tem pico de depressão, a gente tem tontura, na hora de ouvir já não ouve tão bem... Na hora de falar, eu não tenho esse problema porque minha fala ainda não tá tão ruim... Mas eu perdi a vista esquerda, tenho artrose no mundo inteiro... Meu joelho, eu tenho... Eu tenho 13 cirurgias no meu corpo inteiro. Tem um preço. Não é de graça estar ali. E eu nem acho que é glória. Porque é muito pouco tempo", acrescentou.

"Babalu", que atualmente reside nos Estados Unidos e tem uma academia, também disse que não gostaria que seus filhos entrassem para o mundo das lutas.

De maneira dramática, revelou até mesmo que teme não estar vivo para conhecer seus netos, tamanhos os danos causados pelo MMA à sua saúde.

"Se me perguntassem se eu ia deixar meu filho fazer vale-tudo, eu ia falar que não. Não ia deixar fazer vale-tudo. Minha filha? não. Ia torcer para ela não fazer. Prefiro que ela estude. Minha filha é time A do polo aquático do high school, ela compete... Mas ser atleta profissional? Você exige muito do seu corpo em qualquer esporte, e futuramente você vai pagar o preço", afirmou.

"Se você é tenista, você vê o Guga [Gustavo Kuerten]: no limite, que você começa a depender daquele dinheiro, é patrocinador, é isso, é aquilo, é conta, é família, você começa a ter que fazer algumas coisas que você não está preparado para fazer. Mas você tem que ir. Tem que lutar com dor, lutar machucado. Você toma um nocaute na academia em uma semana, se na semana que vem tem luta, você vai ter que lutar, você não vai poder falar 'Não vou lutar'. É uma pancada em cima da pancada. E hoje eu estou colhendo os frutos, né? E eu não sei se vou chegar a conseguir ver meus netos, conseguir curtir meus netos de um modo normal. Porque eu estou começando a sentir os efeitos pouco a pouco", finalizou.

Vale lembrar que, recentemente, o também brasileiro Wanderlei Silva, uma das maiores lendas da história do MMA, revelou que vem sofrendo com a chamada "demência pugilística".