<
>

UFC: TJ Dillashaw, ex-campeão peso-galo, é pego no doping e servirá suspensão de dois anos

play
EXCLUSIVO: Aldo revela vontade de lutar boxe após deixar UFC e não quer mordomias: 'Começar por baixo' (2:08)

Lutador tem mais duas lutas no contrato - uma delas no dia 11 de maio contra Volkanovski - e depois quer lutar boxe (2:08)

A Agência Antidoping dos EUA (Usada) suspendeu o ex-campeão peso-galo do UFC, TJ Dillashaw (16-4), por dois anos. A substância encontrada no corpo de Dillashaw antes da luta contra Henry Cejudo, pelo título peso-mosca, foi Eritropoietina Humana Recombinante (EPO). Dillashaw foi nocauteado em 19 segundos naquela noite de 19 de janeiro em Nova York.

Os agentes da USADA anunciaram a suspensão, que não foi contestada por Dillashaw, nesta terça-feira. A notícia sai um mês depois de Dillashaw abrir mão do seu cinturão peso-galo sem que o UFC ordenasse. Claro que, após a notícia sair, a entidade tomaria essa atitude. Dillashaw apenas acelerou o processo.

“Nós todos sabemos que a pressão para ser bem sucedido em todas as áreas do esporte é real e intensa”, disse o CEO da Usada, Travis Tygart, em um pronunciamento oficial. “É exatamente por isso que esforços antidoping fortes são necessários, para proteger direitos, saúde e segurança do atleta limpo, e para garantir que aqueles que sucumbem às pressões, e decidem quebrar as regras, sejam punidos de maneira severa, como neste caso.”

A suspensão de dois anos é a máxima por uma substância não especificada no programa de antidoping do UFC. A ‘EPO’ é um hormônio que estimula a produção de glóbulos vermelhos. Geralmente, é aplicada via injeção intravenosa.

Dillashaw é o segundo lutador do UFC a testar positivo para EPO desde que o UFC e a USADA se juntaram, em 2015. O brasileiro Gleison Tibau, peso-leve, também foi suspenso por dois anos.

“Eu estou familiarizado com EPO desde os meus dias investigando ciclismo profissional”, disse Jeff Novitzky, vice-presidente de saúde e performance de atletas do UFC. “É uma substância que tem um grande efeito. Você não encontra EPO em suplementos contaminados; é apenas injetável. Você tem que saber o que está acontecendo quando entra no seu sistema.”

“Na escala do mais leve para o mais grave no mundo do doping, isso está perto do topo.”

Em pensar que a noite da luta poderia ter sido histórica para Dillashaw. Ele estava lutando no peso de baixo, tentando se tornar campeão de duas categorias ao mesmo tempo, coisa que apenas Conor McGregor e Daniel Cormier fizeram na história.

O time de Dillashaw não respondeu os pedidos de comentário por parte da reportagem.

A Comissão Atlética do Estado de Nova York também suspendeu Dillashaw por um ano, e o ex-campeão cumprirá as duas suspensões simultaneamente, o que significa que ele estará elegível para fazer seu retorno ao octógono em janeiro de 2021.

Em 2017, Cody Garbrandt, um dos ex-parceiros de treino de Dillashaw em Sacramento, acusou Dillashaw de usar substâncias para melhorar o desempenho na preparação para uma luta valendo o cinturão peso-galo em Nova York. Dillashaw negou as acusações de Garbrandt e o derrotou duas vezes: em novembro de 2017 e em agosto de 2018.