<
>

Libertadores: Jornal lista sete pedidos de técnicos para a Conmebol

play
Fábio Luciano tenta ver jogo do Flamengo no Maracanã na arquibancada e é cercado por multidão de torcedores (1:59)

Ex-capitão do Fla foi ao estádio durante vitória por 3 a 1 sobre a LDU na Libertadores (1:59)

"Que nos deixem trabalhar" Gustavo Alfaro, do Boca Juniors

O primeiro passo foi dado. Com o objetivo de "melhorar e transformar" o futebol sul-americano, a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) convocou os técnicos das equipes que estão disputando a Copa Libertadores de 2019 para um seminário nesta terça-feira, em Luque, no Paraguai.

Entre os brasileiros, houve pouca presença de nomes de peso, com apenas Mano Menezes (Cruzeiro) e Tiago Nunes (Athletico Paranaense) comparecendo.

Os convidados se sentaram a uma mesa em forma de "u" e, após escutarem os palestrantes, tomaram a palavra e fizeram pedidos. O Diário Olé, da Argentina, cobriu o evento e listou sete exigências dos comandantes.

1) "Que nos deixem trabalhar. Eu faria o mesmo que Marcelo Gallardo no ano passado, porque a suspensão que foi dada a ele (o argentino entrou no vestiário no intervalo do jogo entre Grêmio e River Plate) conspira contra o trabalho dos treinadores", falou Gustavo Alfaro, do Boca Juniors. "Que pelo menos se possa dirigir do vestiário", acrescentou. A ideia é que, se houver penalização, que seja razoável e não impeça o comando da equipe.

2) Que as multas de um jogador parem de valer após um determinado tempo. "Quando o atleta vai para a Europa e depois volta, ele nem se lembra que estava suspenso. Você não vai querer por o jogador em campo e depois ter erros", explicou Alfaro. Se pede clareza nas suspensões a jogadores, para evitar problemas como na Libertadores passada.

3) Jorge Almirón, do San Lorenzo, foi direto ao ponto, cobrando que os campos estejam sempre bem cuidados: "Que sejam regados, em boas condições, e bem cortados". O treinador ainda levantou de sua carreira e declarou: "Deixar a grama alta é audácia? Às vezes não há intenção? Acredito que, mesmo que seja uma equipe de nível inferior, competir em melhores condições é melhor. E, hoje, a regra não é cumprida". Sobre a exigência, o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, respondeu já tem a sugestão em conta e que a Conmebol está trabalhando nisso.

4) Alfaro também pediu que seja mudada a regra de que um jogador que representou uma equipe depois não possa jogar por outra na mesma competição. "Nas primeiras fases, cinco mudanças são permitidas, mas devemos levar em conta que, por exemplo, as equipes argentinas vendem muito no recesso (meio do ano)", argumentou.

5) Daniel Garnero, treinador do Olimpia, também falou sobre o excessiva quantidade de partidas realizadas no semestre, levando em consideração o torneio nacional, e que deveria haver mais comunicação com a confederação de cada país para melhor organização das partidas. Domínguez explicou que é muito difícil se meter no futebol de cada país e que o pior é que tenha torneios com muitas equipes, como é na Argentina.

6) Miguel Ángel Portugal, do Jorge Wilstermann, cobrou multas duras aos clubes em caso de discriminação a jogadores por parte de "torcedores".

7) Miguel Russo, do Alianza Lima, pediu que seja revista a logística das equipes em partidas como visitante, assim será possível cumprir com os prazos da Conmebol. "Eu em meu campo sei que caminho devo tomar e que horas vou chegar; fora de casa, não tenho ideia, não me falam nem qual é o melhor caminho. Depois, acabamos chegando tarde, nos multam e nos atrasamos para tudo".

O debate entre os treinadores foi mediado por três lendas: os ex-goleiros Faryd Mondragón e Nery Pumpido e o ex-técnico Francisco Maturana, dono de títulos importantes por Atlético Nacional e seleção da Colômbia.

Veja a lista de participantes:

Marcelo Gallardo (River Plate)
Maurício Dulac (Internacional)
Miguel Ángel Russo (Alianza Lima)
Mano Menezes (Cruzeiro)
Mariano Soso (Emelec)
Antonio Mohamed (Huracán)
Leonardo González (Deportivo Lara)
Daniel Garnero (Olimpia)
Claudio Vivas (Sporting Cristal)
Lucas Bernardi (Godoy Cruz)
Francisco Bozan (Universidad de Concepción)
Pablo Repeto (LDU)
Fernando Jubero (Cerro Porteño)
Jorge Almirón (San Lorenzo)
Jorge Pautasso (Melgar)
Gustavo Alfaro (Boca Juniors)
Tiago Nunes (Athletico Paranaense)
Alexandre Mendes (Grêmio)
José Chamot (Libertad)
Luis Diego López (Peñarol)
Alberto Gamero (Deportes Tolima)
William Ramallo Fernández (San José)
Miguel Ángel Portugal (Jorge Wilstermann)