<
>

Torcida da casa faz a diferença em torneios de habilidade e 3 pontos, e enterrada 'brutal' elege bicampeão

A noite de basquete em Franca foi encerrada com magnitude.

Os torneios individuais: habilidades, três pontos e enterradas levaram a torcida à loucura, criando uma atmosfera única no Pedrocão. Única e fundamental para os vencedores (e perdedores).

Lucas Dias, de Franca, venceu o desafio de habilidades. O torneio de três pontos foi para Felipe Vezaro, de Joinville. Já o último troféu da noite ficou com Mogi, do Botafogo, após lindas enterradas.

E assim a noite que antecipa o Jogo das Estrelas do NBB terminou. Veja abaixo como foi cada competição.

Habilidades

O desafio de habilidades abriu as competições individuais da noite - e para a felicidade dos presentes, logo um craque de Franca foi o vencedor.

Lucas Dias foi praticamente perfeito durante todo o torneio. Na primeira rodada, enfrentou Pilar, do Vasco. Na semifinal, superou Wesley, do Minas Tênis Clube. E na final...

Se já não fosse incentivo suficiente para toda a torcida presente ter um representante de Franca na decisão, o adversário foi Yago, armador do Paulistano, algoz francano e ex-companheiro de Lucas.

A ginásio pegou no pé do garoto durante toda sua caminhada até a final, o que só aumentou o volume do Pedrocão quando Lucas Dias saiu vencedor da competição após completar o circuito em menos tempo.

Três Pontos

No campeonato de arremessos de três pontos, a torcida novamente fez a diferença.

David Jackson, representante francano na competição, foi eliminado na primeira fase, assim como Betinho (Pinheiros), Cobb (Basquete Cearense) e Zach Graham (Uberlândia).

Para a final, foram Felipe Vezaro, de Joinville, e Jefferson, de Bauru - e aí que a torcida se transferiu, de a favor a contra.

Jefferson foi jogador de Franca em 2017, mas retornou a Bauru, grande rival da cidade que recebe as festividades. Assim, a torcida abraçou Vezaro.

E, com Vezaro como novo protegido, a torcida comemorou mais uma vez. O jogador de Joinville fez 22 pontos para ser campeão, apenas um a menos do que o recorde do torneio, de Marcelinho Machado.

Quando Jefferson, campeão em 2017, foi para seus arremessos finais - após a exibição de gala de Vezaro - precisava quase de uma volta perfeita. Com a torcida comemorando a cada erro dele, só restou ir ao delírio com o vencedor, que foi às lagrimas no centro da quadra e dedicou o troféu a seu irmão.

Enterradas

O torneio de enterradas deu o que prometeu: um espetáculo.

Nas quartas de final, passaram Mogi (Botafogo), Max (Basquete Cearense), Georginho (Paulistano) e Gui Bento (Corinthians). Destaque para o duelo de altíssimo nível entre corintianos, com o campeão do torneio de 2018 superando Douglas Santos ao passar a bola entre as pernas no ar antes de enterrar.

As semifinais tiveram potencial altíssimo, mas um semifinalista de cada lado não conseguiu completar a enterrada.

Max não teve sucesso, tentando bater a bola em seu tênis antes de finalizar, e Gui Bento fez apenas uma cesta, com a bola escapando de sua mão após receber passe de Fuller, que jogou a bola na parte traseira da tabela.

A final, entre Mogi, que havia passado por cima de Cipolini, de 2,06, na semifinal, e Georginho, que se classificou com um “cata-vento” após a bola quicar, foi do maior nível possível.

Mogi deu um 360, subindo a bola, descendo e subindo de novo antes de enterrar - incrível. Georginho só complicou a decisão dos jurados. Cipolini, seu ajudante na final, fez uma bandeja, e ele pegou a bola no ar saindo da cesta e enterrou de costas.

Por 3 votos a 2, Mogi, representando o Botafogo, voltou a ser campeão do torneio de enterradas, como já havia sido em 2016.


Neste domingo, às 14h, AO VIVO na ESPN e no WatchESPN, temos o encerramento do final de semana, com o prato principal: NBB Brasil x NBB Mundo. Não perca.