<
>

Seleção brasileira: Edu Gaspar elogia comportamento de Neymar e detona Liga das Nações: 'É uma trava para amistosos'

play
Seleção brasileira: antes de enfrentar Uruguai, Canarinho Pistola vira Canarinho Maroto com pagode no vestiário (0:38)

Canarinho Pistola aqueceu o ambiente ao som de Ainda Gosto de Você, do Sorriso Maroto (0:38)

Coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar revelou que o Brasil tem apresentado muitas dificuldades para conseguir bons adversários na Europa neste ano para os amistosos. Para ele, a principal culpada disso é a Uefa Nations League, competição europeia que começou logo depois da Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Os dois últimos testes antes da convocação final para a disputa da Copa América, que será disputada no Brasil, irão acontecer em março do ano que vem.

"É uma trava porque nos dificulta absurdamente. Poucos de vocês sabem, mas existe um regulamento que impede várias situações. Das 55 seleções que disputam a competição, apenas cinco ficam livres por jogo. Ou seja, temos 12 para escolhermos no período só. Só que se pegar essas 12 que vagam você vai ver a dificuldade que eu vou ter. Nem sempre as que sobram são as melhores. Temos que trabalhar em cima para fazer o que é melhor para a seleção", disse, ao ESPN.com.br.

A Liga das Nações teve sua primeira edição em 2018 e terá a sua decisão em junho, com Portugal, Inglaterra, Holanda e Suíça nas semifinais. Por ter grupos de três times em cada uma das suas três divisões (a quarta divisão tem grupos com quatro equipes), sempre uma equipe folga na rodada. No total, 12 ficam disponíveis nas Datas FIFA para jogos. No entanto, de alto nível, somente quatro ficam à disposição. Por isso, a dificuldade para marcar amistosos.

Criticada por ter feito seus últimos amistosos fora do país, a seleção deverá fazer mais jogos em casa no ano que vem.

"A gente está sempre tentando e brigando pra ter a possibilidade de jogar no Brasil, mas temos travas de regulamento dos campeonatos, de equipes que não querem vir para o Brasil, mas nosso tá sendo constante pra cada vez mais próximo do país. A gente quer estar no Brasil cada vez mais. O Maracanã é a casa do Brasil, continuamos com a ideia de trazer o máximo o Brasil pra cá", garantiu.

Para a convocação nos amistosos em março, Tite deverá priorizar quem estiver bem fisicamente. "Os jogadores que fizeram um grande campeonato, se eles não estiverem bem em março, as chances deles diminuem. Felipe Anderson é um dos nomes, a gente continua acompanhando".

Depois da seleção brasileira fracassar na última competição disputada em casa, a Copa do Mundo de 2014, Edu Gaspar acredita que atuar diante dos torcedores na Copa América de 2019 não será um fardo para os atletas.

"A expectativa é sempre positiva. É o que eu venho sempre falando. Só tem coisas boas, vestir a camisa da seleção, jogar no Brasil, perto do povo brasileiro. Temos que pegar toda essa carga positiva e levar para dentro do campo, na encarar como uma pressão jogar no Brasil. Ao contrário. Vamos colocar isso dentro de campo, desfrutar e deixar uma imagem bacana. Temos que fazer uma conexão entre atletas, comissão técnica e o povo brasileiro para que possamos nos unir e com essa energia fazer uma grande competição".

O coordenador também negou que a pressão por resultados na seleção brasileira seja exagerada.

"É justa [cobrança], o cargo que gente ocupa é isso mesmo. Estar à frente da seleção brasileira requer bons resultados e bom desempenho. É normal esse tipo de pressão porque entendemos bem isso. Trabalhamos em clubes e estivemos dentro de campo. Trabalha na seleção tem que ser encarado com naturalidade e responsabilidade".

Edu garante que Neymar está satisfeito na seleção, apesar das críticas que sofreu no Mundial de 2018.

"A gente está tentando cada vez mais que ele se sinta da forma que está conosco. O Neymar assumiu a capitania e que continue desfrutando e feliz dentro da seleção do jeito que ele está", finalizou.