<
>

E se a Copa do Mundo de 2022 fosse hoje: analisando as principais seleções

play
Por que Copa do Mundo do Catar em 2022 é a mais polêmica da história? Kfouri explica (3:24)

'Obra prima do modo Fifa de fazer as coisas', analisou o comentarista durante o Futebol no Mundo (3:24)

A próxima Copa do Mundo só acontece daqui a quatro anos, mas, se ela começasse hoje, qual seria a escalação das principais seleções? Além disso, o que elas precisariam alcançar de hoje até o pontapé inicial em 21 de novembro de 2022? Pedimos para os nossos redatores darem uma olhada no futuro.

ALEMANHA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Manuel Neuer; Thilo Kehrer, Mats Hummels, Niklas Süle, Antonio Rüdiger; Joshua Kimmich, Toni Kroos, Leon Goretzka; Timo Werner, Serge Gnabry, Leroy Sané

Sané esteve fora da Copa na Rússia, mas foi convocado novamente desde então, e Gnabry também conseguiu espaço. Com isso, a Alemanha busca esquecer um 2018 assombroso.

Próxima geração

Kai Havertz, de 19 anos, deve ser a estrela do time para a Copa no Catar. O meio-campista alto e habilidoso combina a técnica com uma ótima visão para o último passe, consegue jogar em qualquer lugar no meio de campo e é especialista em achar espaços entre as linhas de adversários com uma defesa reforçada. Até 2022, ele já vai ter saído do Bayer Leverkusen para algum time da elite europeia, o que irá contribuir muito para que se desenvolva.

No ataque, Johannes Eggestein, de 20 anos, pode ser a resposta para o problema da Alemanha com centroavantes, sendo Cedric Teuchert outra opção para ficar de olho.

Expectativas

Dependendo do desempenho da Alemanha na Euro de 2020, as expectativas podem ser astronômicas, caso em que não se aceita nada além da vitória, ou apenas uma busca por um lugar na semifinal. Não se espera nada menos que isso, apesar do mau desempenho demonstrado na Rússia em 2018.

Também há uma grande chance de que Joachim Low dispute sua quarta Copa do Mundo ainda no comando da seleção, embora devam aparecer pelo menos algumas alternativas disponíveis até 2022 para deixá-lo sob pressão.

E os problemas?

Os problemas da Alemanha se concentram na defesa e no ataque. Espera-se que Eggesten e (ou) Teuchert se tornem grandes estrelas internacionais, mas outra opção pode surgir se Werner, Sané ou Serge Gnabry conseguirem adaptar seu estilo de jogo para se tornarem goleadores pelo meio de campo.

É possível que Low -- ou seu sucessor -- tenha que continuar dependendo da força de um ataque coletivo em vez de concentrar o ataque em um jogador. Em relação à defesa, um bom aproveitamento dos meio-campistas, como aconteceu com Kimmich, é o caminho mais promissor para lidar com uma falta de defensores que parece ter solução. -- Raf Honigstein

ARGENTINA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Sergio Romero; Renzo Saravia, Juan Foyth, Nicolás Otamendi, Nicolás Tagliafico; Giovani Lo Celso, Leandro Paredes, Exequiel Palacios; Lionel Messi, Paulo Dybala, Mauro Icardi

A eliminação precoce na Rússia fez com que a Argentina finalmente começasse a renovação do time. O futuro de Messi na seleção ainda é uma incógnita; além dele, poucos veteranos têm chance real de chegar à Copa de 2022.

Próxima geração

Os torcedores ainda não entendem por que Giovani Lo Celso, de 22 anos, não jogou sequer um minuto na Rússia, já que o meio-campista do Paris Saint-Germain tem feito um bom trabalho em seu empréstimo ao Real Betis.

Juan Foyth é uma promessa para a zaga, setor em que a Argentina precisa de renovação. O zagueiro de 20 anos e 1,90m tem um bom chute e começou sua carreira como meio-campista no Estudiantes de La Plata. Sob o comando de Maurício Pochettino no Tottenham, o jogador certamente evoluirá.

Expectativas

A menos que um milagre aconteça, o talento individual não é suficiente. A Argentina continua a revelar ótimos jogadores, mas precisa de tempo para desenvolver uma identidade e fortalecer o espírito de equipe. Alcançar uma situação melhor que a eliminação nas oitavas de final da Rússia é um objetivo certo para o Catar.

E os problemas?

Quem irá substituir Jorge Sampaoli? Ainda não sabemos. Seu ex-auxiliar Lionel Scaloni é o substituto interino e deve continuar no comando até a próxima Copa América. Quem quer que assuma a seleção definitivamente terá que trabalhar na implantação de um estilo de jogo e na oportunidade para jogadores adquirirem experiência, além de fortalecer a defesa e o meio de campo. -- Nicolas Baier

BÉLGICA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Thibaut Courtois; Toby Alderweireld, Vincent Kompany, Jan Vertonghen; Thomas Meunier, Axel Witsel, Youri Tielemans, Yannick Carrasco; Kevin De Bruyne, Romelu Lukaku, Eden Hazard

Próxima geração

A Bélgica deposita muita esperança no jovem Tielemans, de 21 anos, que pode se tornar um grande jogador no meio de campo. Timothy Castagne, o jogador de 22 anos do Atalanta, também já demonstra habilidade para disputar a lateral-direita com Meunier. Zinho Vanheusden, da Internazionale (em empréstimo ao Standard Liege), de 19 anos, ainda é muito novo para tomar o lugar de algum zagueiro veterano, mas é uma promessa que certamente terá o seu momento.

Expectativas

A seleção buscará repetir a façanha de ficar entre os quatro finalistas, mas a "geração de ouro" está envelhecendo e precisará de ajuda para chegar forte em 2022. Novos talentos chegarão, mas ficar entre os oito primeiros talvez seja o melhor que essa seleção possa esperar.

E os problemas?

A zaga definitivamente precisa de novos jogadores, e Dedryck Boyata (27) e Jason Denayer (23) estão um pouco atrás dos titulares. Caso a Bélgica escolha apostar no jogo pelos lados, então precisa encontrar um equilíbrio, e talvez Jordan Lukaku seja uma alternativa mais segura que Carrasco na esquerda.

Romelu Lukaku certamente precisa de um reforço no ataque, já que Michy Batshuayi ainda é uma dúvida para a atuação de longo prazo nessa posição. No momento, não há nenhuma promessa clara para essa posição. -- Nick Ames

BRASIL

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Alisson; Fabinho, Marquinhos, Jemerson, Alex Sandro; Casemiro, Arthur, Philippe Coutinho; Vinícius Júnior, Roberto Firmino, Neymar

A idade dos titulares da Copa do Mundo de 2018 indica uma mudança expressiva para os próximos quatro anos da seleção brasileira, especialmente na defesa, já que a caminhada de Dani Alves, Thiago Silva e Marcelo está chegando ao fim. No meio de campo, Arthur tem futebol suficiente para aparecer como titular; no ataque, apenas Neymar tem posição garantida.

Próxima geração

Neymar estará com 30 anos na Copa do Catar e, embora seja imprescindível para a seleção, ele pode perder o posto de jogador mais talentoso, pois Vinícius Júnior tem demonstrado um potencial gigantesco. O atacante já mostrou muita habilidade em pouco tempo de carreira, tendo estrelado pelo Flamengo. Isso aumenta a ansiedade dos torcedores brasileiros para vê-lo em ação no Catar.

Expectativas

Conquistar o título de campeões mundiais. O técnico Tite conseguirá completar um ciclo completo de Copa do Mundo e poderá traçar um esquema de jogo para todas as partidas. Além disso, a próxima geração de jogadores do Brasil é muito promissora, já que cada atleta dentre os possíveis titulares vem jogando em alto nível no futebol europeu.

E os problemas?

A grande dúvida recai sobre a zaga e as mudanças que ela pode sofrer com tantos jogadores experientes saindo. Marcelo é um dos melhores laterais-esquerdos da história, o que dificulta a busca por um substituto à altura, especialmente devido à sua força no ataque. Fabinho, que joga no meio de campo de seu time, aparece como uma opção para a lateral-direita. -- André Donke

ESPANHA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

David De Gea; Dani Carvajal, Sergio Ramos, Iñigo Martínez, Jordi Alba; Thiago Alcântara, Sergio Busquets, Saúl Ñíguez; Isco, Iago Aspas, Marco Asensio

Saúl não jogou nem um minuto na Rússia, mas vem tendo mais chances sob o comando de Luis Enrique. Rodri vai incomodar Busquets por uma vaga no time titular em um futuro próximo.

Próxima geração

A dupla Rodrigo e Saúl, do Atlético de Madrid, parece estar pronta para liderar a próxima geração. Além deles, espera-se que Asensio assuma a responsabilidade, apesar de sua ascensão estar demorando mais do que o esperado. Ninguém questiona seu talento, mas seu temperamento está começando a levantar dúvidas. Provavelmente é muito cedo para exigir um impacto expressivo de qualquer dos jogadores sub-21 que estão surgindo, principalmente pelo fato de o time veterano ser relativamente jovem.

Expectativas

Essa não é uma geração de ouro, e certamente levanta algumas dúvidas (a escalação para um amistoso recente contra a Bósnia-Herzegovina rendeu abaixo do esperado), mas Luis Enrique tem muito talento à disposição. Portanto, se a Espanha conseguir consertar as falhas e não sofrer com lesões, não há motivos para retirá-los da lista de possíveis campeões. Às vezes a nostalgia não permite que as pessoas vejam o potencial do time atual.

E os problemas?

A aposentadoria de Gerard Piqué expôs a falta de opções para a zaga, e a discussão sobre a posição de goleiro - apesar de extremamente exagerada - existe. Na frente, a Espanha tem boas opções para criação, mas a seleção parece ter dificuldade em encontrar um atacante que se encaixe no esquema tático. Esse problema se tornou mais grave com a aparente perda de forma e confiança de Álvaro Morata. Pela primeira vez, há uma discussão séria sobre estilo e identidade; isso cria uma atmosfera de incerteza que não ajuda em nada. -- Sid Lowe

EUA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Brad Guzan; DeAndre Yedlin, Geoff Cameron, John Brooks, Jorge Villafana; Weston McKennie, Tyler Adams, Fabian Johnson; Christian Pulisic; Jozy Altidore, Bobby Wood

As palavras-chave aqui são, "se a Copa do Mundo começasse hoje", o que explica por que alguns veteranos ficaram e alguns jovens não foram incluídos. Cameron seria a melhor aposta para o presente, embora sua carreira internacional pareça ter acabado; no meio de campo, as coisas não vão muito bem, e o ataque dispõe de poucas opções.

Próxima geração

Apesar de já ter se estabelecido como um jogador indispensável, Pulisic ainda é o mais talentoso. Além dele, há McKennie, que já mostrou ter qualidades "box-to-box", e Adams, cujo ponto forte está no setor defensivo. Tim Weah mostrou potencial no ataque, mas talvez tenha que sair do Paris Saint-Germain para ganhar tempo de jogo.

O atacante Josh Sargent mostrou uma evolução promissora no Werder Bremen. Na defesa, Miazga e Cameron Carter-Vickers representam a próxima geração de zagueiros, seguidos por Aaron Long e Tim Parker. Nas laterais, Robinson e Shaq Moore são jogadores para ficar de olho.

Expectativas

Primeiro, os americanos precisam se classificar; pelo que aconteceu no último ciclo, nada está garantido. Caso eles consigam se classificar, o foco será, assim como já foi no passado, passar da fase de grupos e esperar pela felicidade de um empate que possa permitir uma caminhada mais longa.

Os EUA alcançaram as eliminatórias em três das últimas quatro vezes que se classificaram, então é possível sonhar um pouco mais alto. Mas o projeto para a seleção não está bem estruturado, então, por essa razão, sair da fase de grupos ainda pode ser um desejo ambicioso.

E os problemas?

Até que um técnico permanente seja contratado (Gregg Berhalter está sendo cogitado para o cargo), o projeto para a seleção permanece abandonado. No campo, o único e maior problema é a falta de criatividade além de Pulisic. Sebastian Lletget mostrou que pode ser um jogador habilidoso, mas uma lesão atrasou sua evolução internacional. Kenny Saief também tem muito talento, mas apresenta falhas na parte defensiva.

Weah, Jonathan Amon, Emmanuel Sabbi e Romain Gall têm potencial para evoluírem e se tornarem ótimos no ataque, especialmente pela habilidade contra defensores. Mas os três ainda estão no início de suas carreiras e têm muito a apresentar antes de a seleção poder contar com eles. Se o futebol de McKennie e Adams evoluíssem ao ponto de conseguirem contribuir para a seleção, seriam de grande ajuda. -- Jeff Carlisle

FRANÇA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Alphonse Areola; Benjamin Pavard, Raphael Varane, Samuel Umtiti, Benjamin Mendy; Ousmane Dembélé, N'Golo Kanté, Paul Pogba, Anthony Martial; Antoine Griezmann, Kylian Mbappé

Dez dos jogadores dessa escalação fizeram parte do time que conquistou o título na Copa do Mundo de 2018 da Rússia, e muitos estarão em sua melhor forma -- Griezmann será o mais velho, com 31 anos, enquanto Mbappé estará com apenas 23 anos -- e terão jogado juntos por muitos anos.

Próxima geração

A França tem jogadores jovens incrivelmente talentosos. Além de jogadores como Houssem Aouar, Tanguy Ndombele, Abdou Diallo, Sofiane Diop, Mickael Cuisance e Claudio Gomes, dois jovens têm sido observados de perto.

As últimas duas temporadas de Matteo Guendouzi, o meio-campista do Arsenal, foram excelentes, e Theo Zidane, do Real Madrid, sonha em seguir os passos de seu pai na busca pela conquista da Copa do Mundo.

Expectativas

O último país que conseguiu segurar o título foi o Brasil, em 1962, então a França tem muito trabalho pela frente. Apesar disso, eles estão entre os favoritos e todos que os acompanham, inclusive os torcedores, esperam que os Bleus consigam repetir a trajetória.

E os problemas?

Esse é um time que tem tudo: juventude, experiência, maturidade, talento, resistência, intensidade, inteligência, espírito de equipe e o conhecimento necessário para se vencer uma Copa do Mundo. A maior ameaça, então, é o comodismo; a França precisa evitar a arrogância e o sentimento de que já está tudo garantido. -- Julien Laurens

INGLATERRA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Jordan Pickford; Trent Alexander-Arnold, John Stones, Joe Gomez, Ben Chilwell; Jordan Henderson, Harry Winks; Raheem Sterling, Dele Alli, Marcus Rashford; Harry Kane

Muitas mudanças ocorreram no time titular que conseguiu ficar entre os quatro finalistas da Copa do Mundo, especialmente na defesa, setor em que apenas John Stones tem vaga garantida.

Próxima geração

Jadon Sancho e Phil Foden estarão com 22 anos na próxima Copa do Mundo e deverão disputar uma vaga no time titular. Sancho, que saiu do Manchester City para o Borussia Dortmund em 2017, está ganhando experiência tanto no clube quanto na seleção, e isso o tornará apto a disputar a vaga com Raheem Sterling e Marcus Rashford.

Mas será que Foden conseguirá tempo de jogo suficiente no City nos próximos meses e anos para garantir que essa promessa consiga se desenvolver e despontar? Eleito o melhor jogador na Copa do Mundo sub-17 em 2017, ele será um jogador importantíssimo para Gareth Southgate se tiver uma chance no time em que atua.

Expectativas

Greg Dyke, ex-presidente da Associação de Futebol da Inglaterra, traçou como objetivo levar o título na Copa do Mundo de 2022; entretanto, mesmo que a chegada da Inglaterra à semifinal na Copa da Rússia tenha aumentado as expectativas e a confiança, esse ainda é um objetivo muito ambicioso.

A Inglaterra está evoluindo e muitos talentos têm surgido, mas será que eles vão conseguir superar a campeã mundial França em apenas quatro anos? Isso é algo difícil de visualizar. Repetir o ato heroico que conseguiram na última Copa e ficar entre os quatro finalistas é um objetivo mais realista.

E os problemas?

A Inglaterra ainda demonstra dificuldade em manter a posse de bola contra as seleções tradicionais mais fortes; a Espanha e a Croácia revelaram essa deficiência nos últimos meses. Entretanto, se Foden, Winks e outros jogadores conseguirem alcançar o progresso necessário, eles podem tornar a seleção da Inglaterra mais competitiva.

Por outro lado, o time depende muito de Harry Kane para marcar gols. Nos próximos quatro anos, Rashford, Sterling, Alli e Sancho têm que trabalhar para dividir esse peso. -- Mark Ogden

ITÁLIA

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Gianluigi Donnarumma; Lorenzo Pellegrini, Alessio Romagnoli, Mattia Caldara, Andrea Conti; Marco Verratti, Jorginho, Nicolo Barella; Lorenzo Insigne, Pietro Pellegri, Federico Chiesa

Sob o comando de Roberto Mancini, a Itália joga em um esquema 4-3-3 que oferece ótimas opções pelas pontas e reflete uma mudança no 3-5-2 que Antonio Conte usou na Euro 2016. A seleção já começou a fazer uma renovação de gerações com foco no Catar, e já é possível esperar maior estabilidade em todos os setores, exceto na zaga.

Próxima geração

O lateral-esquerdo Luca Pellegrini deve alcançar o auge em 2022, e as promessas para o meio de campo também trazem esperança. Mancini chamou Barella de "fenomenal para a idade que tem"; além dele, tem o garoto Sandro Tonali, que se parece muito com Andrea Pirlo, o gigante Nicolo Zaniolo e o jovem de 17 anos Nicolo Fagioli, que foi muito elogiado por Massimiliano Allegri, técnico da Juventus.

O talento precoce dos jovens Pellegri e Moise Kean é um bom sinal para a posição de centroavante, embora, incrivelmente, ainda seja muito cedo para eles disputarem a copa do Catar em 2022.

Expectativas

Apesar do abatimento por não conseguirem se classificar para a Rússia, não se deve esperar pouco de uma seleção que já venceu quatro Copas como a da Itália. Mancini falou em uma entrevista à GQ: "Neste momento, estou focado na classificação para a Eurocopa e em fazer um bom campeonato, mas devo admitir que a ideia da Copa do Mundo já está passeando pela minha mente."

E os problemas?

Marcar gols: os Azzurri balançaram as redes nove vezes em 11 jogos em 2018, e os atacantes atuais não estão aproveitando as chances que são criadas. Resumidamente, a Itália precisa de outro Gigi Riva, do ressurgimento de um Christian Vieri, da segunda vinda de Paolo Rossi, de um Luca nos moldes de Toni ou Vialli ou de um novo Pippo Inzaghi. -- James Horncastle

MÉXICO

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Guillermo Ochoa; Carlos Salcedo, Edson Álvarez, Néstor Araujo, Jesús Angulo; Héctor Herrera, Érick Gutiérrez, Victor Guzmán; Diego Laínez, Hirving Lozano, Raúl Jímenez

A principal questão se resume a quais jogadores que estiveram em boa forma na Copa da Rússia 2018 ainda têm condições de disputar outro Mundial. Nomes como Javier Hernández, Hector Moreno, Andrés Guardado, Carlos Vela e Miguel Layún têm tido bons desempenhos nos últimos anos e trazem uma experiência fundamental, mas é necessário renovar no caminho até o Catar.

Próxima geração

Lozano deve estar em um dos grandes clubes da Europa até 2022; sua velocidade, objetividade e capacidade de fazer gols mostram que ele divide com Herrera o título de jogador mais importante do México. A grande esperança é o jovem Laínez, de 18 anos, um talento especial que precisará de bastante estímulo. Outro nome para ficar de olho é o do atacante do Cruz Azul, Roberto Alvarado, que tomará o lugar de Laínez caso este não corresponda às expectativas.

Expectativas

O mesmo de toda Copa do Mundo: considerando um campeonato de 32 equipes, o México irá novamente buscar aquele "quinto jogo." O Brasil é a única outra equipe conseguiu passar de todas as fases de grupos desde a Copa de 94, mas diferentemente do Brasil, a La Tri não foi capaz de vencer sequer um jogo das eliminatórias. Entretanto, embora 2022 claramente seja importante, o México será co-anfitrião quatro anos depois; a federação está apostando em um projeto de oito anos para alcançar o sucesso.

E os problemas?

Tudo dependerá do desempenho dos jogadores em seus clubes. Muitos jovens talentos ficaram estagnados na Liga MX; nomes como Guzmán, Álvarez, Angulo e Laínez precisam competir em ligas mais fortes, enquanto aqueles que já estão na Europa devem lutar para alcançar o melhor nível possível.

A geração da Rússia 2018, liderada por Javier Hernández, Héctor Moreno e Andrés Guardado, tem sido criticada pela mídia desde a copa, mas foi uma geração histórica em relação àqueles que jogam fora do México. Os astros do futuro ainda têm muito caminho pela frente. -- Tom Marshall

PORTUGAL

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Rui Patrício; João Cancelo, Pepe, Rúben Dias, Raphael Guerreiro; Rúben Neves, William Carvalho, João Mario; Bernardo Silva, Cristiano Ronaldo, André Silva

Ronaldo terá 37 anos em novembro de 2022, mas não demonstra nenhum sinal de que vai se afastar do cenário internacional. O conjunto Patrício-Cancelo-Bernardo-Ronaldo será essencial para manter a esperança dos portugueses.

Próxima geração

Bernardo Silva há muito tem sido considerado o maior talento revelado por Portugal desde Cristiano Ronaldo. Ele tem correspondido a essas expectativas com um desempenho maravilhoso no Manchester City, e está começando a brilhar na seleção, embora ainda precise ser mais consistente.

Rúben Neves, outro jogador da Premier League, facilmente conquistou a vaga no time titular da seleção desde o último verão. Características como calma inabalável, posicionamento perfeito e passes milimétricos são suficientes para mantê-lo com vaga garantida pela próxima década.

Expectativas

Com uma pitada de talentos a nível mundial em suas respectivas posições e em todo o time, além de um ótimo elenco na reserva, igualar ou alcançar uma marca maior que a conquista do terceiro lugar na Copa do Mundo de 1966 é uma possibilidade real. Dentre os 12 times dos grupos de elite da Liga A que participam da Liga das Nações da Uefa, Portugal foi o único que permaneceu invicto, mostrando que está em boa fase.

E os problemas?

A defesa ainda depende muito de Pepe e há poucas alternativas para substituir o ex-jogador do Real Madrid, que fará 36 anos em breve. Embora Bernardo Silva esteja realizando partidas brilhantes na Liga das Nações, ele jogou abaixo do esperado fora de casa contra a Itália; será que Fernando Santos conseguirá aproveitar ao máximo o novo garoto de ouro de Portugal? -- Tom Kundert

URUGUAI

Time titular caso a Copa do Mundo começasse hoje

Martín Campaña; Mathías Suárez, Bruno Méndez, Jose María Giménez, Diego Laxalt; Lucas Torreira, Matías Vecino, Federico Valverde, Rodrigo Bentancur; Edinson Cavani, Luis Suárez

Oscar Tabárez renovou o seu contrato mais uma vez e vai comandar a Celeste na Copa de 2022. Assim, completará 16 anos à frente da seleção uruguaia, um verdadeiro recorde no futebol atual. O treinador demonstra capacidade para gerir o grupo e também de fazer mudanças quando necessário. Nos próximos anos, novos talentos devem ser incorporados à equipe por Tabárez.

Próxima geração

Não há dúvida de que Federico Valverde é a grande esperança do futebol uruguaio. É o típico meio-campista moderno que brilha na Europa. Tem a inteligência tática para jogar na meia e também mais na parte interior do campo. Usa força e versatilidade para pisar na área de defesa e na de ataque.

Depois de jogar apenas 12 partidas no Peñarol, foi contratado pelo Real Madrid, que o emprestou para o Deportivo. No La Coruña, mostrou que pode brilhar em LaLiga. Hoje, faz parte do elenco de Santiago Solari e tem tudo para ser protagonista nos próximos anos. Com 20 anos, quase foi à Copa da Rússia, mas foi preterido por Tabárez.

Expectativas

Como sempre desde a chegada de Tabárez, as expectativas são muito altas. Dessa vez, muito mais graças ao grande trabalho realizado nas categorias de base, o que pode dar mais variantes ao treinador para armar uma seleção ainda mais competitiva. É certo que os resultados após o Mundial não foram bons (quatro derrotas consecutivas), mas a equipe conseguiu competir de igual para igual com Brasil e França e perdeu ambas pelo placar mínimo.

E os problemas?

A campanha na Rússia foi boa, mas deixou a sensação de que poderia ter sido melhor. Talvez o sangue novo traga o salto de qualidade necessário. O objetivo para os próximos anos é reforçar a renovação, algo que custa muito na Celeste, e chegar com uma equipe bem rodada ao Catar. -- Damián Didonato