<
>

Rafaela Silva é eliminada e Brasil passa em branco no terceiro dia do Mundial

Rafaela Silva durante os Jogos Olímpicos 2016 Getty Images

A campeã olímpica Rafaela Silva (57kg) foi a única representante do Brasil neste sábado, terceiro dia de disputas do Campeonato Mundial de Baku, no Azerbaijão. Na tentativa de buscar seu segundo título mundial, Rafaela enfrentou a número 10 do ranking mundial, Jessica Klimkait, do Canadá, na primeira luta, e foi superada pela adversária, despedindo-se, assim, de seu 8º Mundial adulto. Ela retornará ao tatame da National Gymnastics Arena na próxima quinta-feira, 27, para o Mundial por Equipes Mistas.

No início do combate, Rafaela foi mais agressiva e forçou uma punição à Klimkait. Em seguida, foi a vez da brasileira levar duas punições em sequência e ficar em desvantagem. Mas, Rafaela reagiu e, com ataques, fez a adversária ser punida pela segunda vez, empatando tudo nas punições.

A luta seguiria para o golden score, mas, há poucos segundos do fim, Rafaela defendeu uma entrada de Klimkait e, ao tentar fazer a transição para pegar uma chave de braço, acabou sendo projetada por waza-ari.

Técnico da seleção feminina, Mario Tsutsui explicou o que aconteceu no combate e confia numa participação melhor da campeã olímpica na disputa por equipes mistas. “Ela foi para a chave de braço rolando junto e, com isso, a arbitragem achou que foi ponto para a canadense. Está parecendo o caminho que ela trilhou em 2016. Ela antes (no Mundial de 2015), na primeira luta, foi eliminada por uma canadense, saiu chorando, e a gente conversou explicando que a caminhada era longa e que em 2016 era o ano da Olimpíada. Agora está acontecendo a mesma coisa: uma canadense na frente”, lembrou Tsutsui. “Então, vamos pensar lá para frente. 2020 está aí e vamos buscar o bi olímpico e trabalhar. Ela saiu muito chateada, mas acho que agora está mais calma, mais consciente da luta. Rafaela é uma atleta muito competitiva. Normalmente, ela luta bem na equipe e a gente espera que ela possa ajudar bastante ainda a equipe nesse torneio misto.”

O Mundial de Baku foi a quarta competição de Rafaela no ano. Em janeiro, ela passou por cirurgia no cotovelo esquerdo e só retornou ao Circuito Mundial em maio, no Grand Prix de Hohhot. Lutou, em seguida, o Grand Prix de Zagreb, onde ficou em quinto. Sua última competição antes do Mundial foi o Grand Prix de Budapeste, onde foi campeã.

As disputas do Mundial continuam neste domingo e o Brasil terá outros três judocas no tatame. Ketleyn Quadros (63kg) tentará conquistar sua primeira medalha em mundiais, enquanto Eduardo Yudy Santos (81kg) e Victor Penalber (81kg) buscarão um pódio para a equipe masculina.

Até o momento, o Brasil tem uma medalha de bronze conquistada por Érika Miranda (52kg), dois quintos lugares de Jéssica Pereira (52kg) e Daniel Cargnin (66kg), além de um sétimo lugar de Eric Takabatake (60kg).

As preliminares começarão às 3h e o bloco final com repescagens, semifinais e finais será a partir das 9h.