<
>

Morte de Tupac e polêmicas: entenda como Suge Knight foi de jogador dos Rams para um dos nomes mais temidos do rap

No aniversário de 22 anos da morte de Tupac, contamos a história de Suge Knight, fundador da Death Row Records e jogador do Los Angeles Rams. Getty/Reprodução

Entre diversas acusações de homicídio, anos na prisão e declaração de falência, o que ninguém imaginava é que o nome mais temido do hip-hop norte-americano já tivesse sido destaque no futebol americano universitário, jogado na NFL e ainda fosse apelidado de ‘docinho’ pelos jogadores.

“Como saberíamos quem ele realmente era? Para mim, ele era o garoto que os jogadores do Los Angeles Rams caçoavam e jogavam coisas”, relembrou Chris Dufresne, repórter do Los Angeles Times, ao portal The Undefeated, parceiro da ESPN.

Nascido como Marion Hugh Knight Jr., ‘Suge Knight’ foi o imperador do rap nos anos 90. Ao lado do lendário Dr. Dre, ele fundou uma das mais importantes gravadoras do cenário, e estava presente em um dos momentos mais marcantes da cultura pop norte-americana: o assassinato de Tupac Shakur.

"BOM GAROTO"

Mas antes disso, ele era apenas um garoto nascido em Compton, o maior gueto da Califórnia, buscando uma bolsa de estudos na faculdade.

Durante seus anos na Lynwood High School, uma escola pública localizada na periferia de Los Angeles, Knight praticava atletismo, era a estrela do time de futebol americano local e estava no caminho certo para um futuro brilhante.

“Ele sempre foi muito dedicado, era aquele tipo de garoto que respondia ‘sim senhor, não senhor’ para tudo, e que todas as faculdades amariam ter como atleta”, revelou Harvey Hyde, seu ex-técnico.

Após uma carreira de destaque no High School, Knight foi aprovado na Universidade de Nevada e passou a jogar pelo Las Vegas Rebels, enquanto fazia bicos de segurança em clubes noturnos da cidade.

Por lá, conheceu Harvey Hyde, com quem trabalhou durante suas primeiras temporadas na universidade. No entanto, após diversas polêmicas relacionadas a jogadores presos por violência doméstica, assédio sexual, entre outros, acabou deixando seu posto.

“Mesmo com tudo o que aconteceu naquele ano relacionado aos atletas, Knight nunca esteve no meu radar”, contou. “Ele nunca, nunca mesmo, me deu qualquer tipo de problema”, completou o comandante.

O bom comportamento se transformou em performance e fez duas campanhas de destaque entre 1985 e 1986, sendo nomeado um dos melhores jogadores da faculdade e recebendo até cartas de recomendação. Mas, no ano seguinte, tudo estava prestes a mudar.

Se antes morava no campus e era o garoto mais popular de lá, Knight se mudou para um apartamento próprio, passou a receber visitas de membros de gangues, dirigir os carros mais modernos com um dinheiro que ninguém sabia de onde vinha, e seu status de bom garoto foi desaparecendo.

“Apesar disso, ele não dava qualquer problema” disse Wayne Nunnely, que havia assumido a vaga de treinador da universidade. “Você realmente não via aquela maldade das ruas nele”, completou.

Em 87, largou a faculdade um pouco antes de sua formatura e voltou para Los Angeles, mais especificamente Compton. Nessa época, começou o seu relacionamento com os integrantes do grupo de rap N.W.A, que naquela época lançava o sucesso mundial ‘Boyz-n-da-Hood’, de Eazy-E.

CARREIRA NA NFL

Mesmo tendo jogado quase toda a sua carreira de atleta fora, Knight ainda tinha um destino: a NFL. E ele se concretizou.

Ainda em 87, um dos anos mais polêmicos da Liga, o garoto foi chamado para atuar pelos Los Angeles Rams, mesmo sem ter sido draftado. Isso porque os atletas titulares e veteranos estavam em uma greve salarial que chegou a durar 24 dias, e as franquias precisaram optar por substitutos, que eram motivo de chacota.

Aproveitando a oportunidade, Knight chegou a entrar por dois jogos inteiros, contra o Atlanta Falcons e o Pittsburgh Steelers, mesmo sendo pouco lembrado pelos outros jogadores. Sua carreira no futebol americano não decolou, e ele acabou optando por outra direção.

DEATH ROW RECORDS

Em 1991, após a separação da N.W.A, Knight se juntou a Dr. Dre, um de seus principais membros, e formou a Death Row Records, gravadora responsável pelo lançamento dos ícones Tupac Shakur e Snoop Dogg no mercado.

Álbuns que revolucionariam o cenário musical da época, como Chronic (Dr. Dre), Doggystyle (Snoop Dogg) e All Eyez On Me (2pac), foram produzidos na Death Row, que chegou a faturar 100 milhões de dólares (R$ 413 mi) por ano, um valor que à época era inimaginável.

Mas com a morte de Tupac, a saída de Dogg e as diversas polêmicas envolvendo seu sócio majoritário, Suge Knight, a empresa começou a enfrentar problemas financeiros e, em 2006, declarou falência. Antes disso, Dr. Dre já havia os deixados e fundado a sua própria gravadora, chamada Aftermath, que viria a fechar com nomes como Eminem, 50 Cent e, mais recente, Kendrick Lamar.

MORTES DE TUPAC SHAKUR E NOTORIOUS B.I.G

O crescimento do rap na Califórnia graças à Death Row fez com que as rixas entre a Costa Leste e a Costa Oeste aumentassem, com Nova York lançando artistas como Jay-Z e Notorious B.I.G – esse último, formando com Pac, a maior rivalidade da história do rap até os dias de hoje.

Em 7 de setembro de 1996, após assistirem a uma luta entre Mike Tyson e Bruce Seldon em Las Vegas, Tupac e Knight dirigiam em uma das rodovias principais da cidade em direção a um clube noturno local. Neste momento, um Cadillac branco parou ao lado deles, abaixou e vidro e disparou doze ou treze tiros contra o carro, dos quais quatro acertaram o rapper - dois no pulmão, um no braço e outro na coxa.

Encaminhado diretamente ao hospital mais próximo, Tupac acabou morrendo por insuficiência respiratória no dia 13 do mesmo mês, com 25 anos de idade. Até hoje, não se sabe quem disparou o gatilho, mas diversas teorias envolvem ‘Biggie’, seu rival, na história.

Apenas seis meses após o ocorrido, o mesmo acabou sendo assassinado de uma forma parecida - um carro parou e disparou contra ele. Nenhum dos casos foram solucionados, mas diversas acusações apontam para uma vingança de Suge Knight, porém, sem provas.

POLÊMICAS E PRISÃO

Hoje com 53 anos, Suge Knight se encontra na prisão há mais de três, esperando pela sua audiência sobre um caso de homicídio que aconteceu perto do set de gravação do filme ‘Straight Outta Compton’, que foi lançado em 2015 e conta a história da N.W.A, o crescimento do rap na Califórnia e o envolvimento do empresário com a Death Row Records.

De acordo com fontes, ele não gostou da maneira como foi retratado no longa produzido por Dr. Dre e Ice Cube, ex-membros do grupo, e decidiu tirar satisfação com seus diretores, mas a discussão não saiu bem, deixando uma morte para trás - Terry Carter, de 55 anos. Sua audiência está marcada para o dia 22 deste mês.

Além disso, o empresário já se envolveu com a justiça em diversas outras ocasiões relacionadas a homicídios, assédio sexual, violência doméstica, entre outros. Enquanto alguns lembram da marca que deixou na história, outros o acusam de ser a pior coisa que já aconteceu para o rap.