<
>

Poliana Okimoto se despede das competições no Rio de Janeiro

Eleita a melhor nadadora do mundo pela Fina em 2013, Poliana Okimoto disputará sua última competição profissional da carreira. Com diversas conquistas, entre elas a medalha de bronze nos 10Km da maratona aquática nos jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a atleta brasileira fará sua despedida das águas no Desafio Rei e Rainha do Mar, que acontece no dia 10 de dezembro, nas águas abertas da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Na competição, Poliana representará a equipe amarela (Brasil) ao lado de Allan do Carmo, Ana Marcela Cunha e Fernando Ponte. Eles enfrentarão as equipes continentais da África, América e Europa, além de um 2º time brasileiro. A participação dos atletas considerados de elite acontecerá no segunda dia de competições, mesma data das provas de Stand Up Paddle. Motivada pela última prova da carreira, Poliana falou sobre a decisão de se aposentar e sobre a despedida na maior competição internacional de águas abertas do Brasil.

“O Rei e Rainha do Mar é um evento que eu tenho um carinho enorme, que adoro o formato. É uma prova que ajuda muito o crescimento da modalidade. Fui nomeada a primeira Rainha do Mar, bem no início do projeto. Ainda tem o fato de ser em Copacabana, local onde iniciei na maratona aquática e conquistei a medalha olímpica”, celebra Poliana.

Poliana Okimoto foi uma das brasileiras pioneiras na disputa de competições em águas abertas. Fez sua estreia na Travessia dos Fortes, em Copacabana, no ano de 2005. Em 2006, conquistou a prata (5km e 10km) no Mundial disputado em Napoli, Itália, a primeira de uma brasileira na competição. Nos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro, mais uma vez na praia de Copacabana, levou novamente a prata, sendo o primeiro pódio do país na história da competição. Em 2013, no Mundial de Barcelona, foi campeã dos 10km.

Em 2016, Poliana conquistou sua medalha olímpica de bronze também nas águas de Copacabana. No mesmo ano, ela foi indicada a um lugar no Hall da Fama do esporte, em cerimônia que será realizada no ano que vem. “Eu pesei na balança o lado profissional e pessoal. No lado profissional, eu conquistei tudo o que queria. Fui campeã mundial, medalhista olímpica, campeã da Copa do Mundo, fui pioneira na modalidade, na natação feminina. No lado pessoal, tem tanta coisa que ainda quero, quero ser mãe. O atleta abdica de muita coisa. Eu comecei a nadar aos 2 anos. Estou com 34 anos. São 32 anos dedicados ao esporte”, explica Poliana.